Fóruns Gráficos
3
Créditos
» Skin obtida de The Captain Knows Best criado por Neeve, códigos acrescentados por Weird e baseado no tema The Walking Dead Theme criado por Hardrock. Graças aos suportes e tutoriais de Hardrock, Glintz e Asistencia Foractivo.
» Versão Elysium adaptada por Hurricane, Rossin e Persephone.
Narradores
6
Personagens Ativos
40 Personagens Ativos
Últimos assuntos
» Capítulo 8
Ontem à(s) 11:17 pm por Kim Sun-Hee

» Episódio 1
Ontem à(s) 9:17 pm por Kasumi Sanada

» Sons of Neptune
Ontem à(s) 8:05 pm por Starry Night

» [DADOS] Onde estrelas nascem ou morrem
Ontem à(s) 6:12 pm por Starry Night

» Golden Boys
Ontem à(s) 1:47 pm por Starry Night

» @ohmygyuri
Ontem à(s) 10:54 am por Nam Gyuri

» @ommagyuri
Ontem à(s) 10:42 am por Nam Gyuri

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:52 am por Moon Jae-Eun

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:42 am por Moon Jae-Eun


Capitulo 7

Página 5 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Yeun Misoo em Dom Set 02, 2018 12:16 am



Misoo saiu da mesa animada com o papo. Ficou de contar para Mia o que tinha acontecido, mas não na frente das outras meninas. De fofocas já bastava toda aquela confusão.

- Eu acho que não tem problema se a unnie for ciumenta. É o papel dos irmãos - deu uma piscadinha.

Gyu era um exemplo de irmão ciumento e Bomi não era diferente. Ao ver Kang passando, ficou preocupada com aquela expressão. Era muito diferente do que estava acostumada. Deixou o papo com Mia sobre amores para mais tarde, queria muito saber sobre aquele tal de capitão e dar força para ela, alem de contar sobre Jung Mi, mas outra vez.

Chegou perto do menino, dando uma corridinha,

- Distraído é? - Fez um “hunf” desconfiado, mas logo fez um carãp de surpresa - O quê???? Sério????

Achava que a amiga ia entregar convites, por isso a deixou sozinha, mas e agora? Levou a mão a boca, pensando nas possibilidades, mas ele cortou o que ela estava traçando, vindo com aquele tom mais sério e preocupado, o que a fez prestar atenção.

Deu um sorriso comprensívo, fazendo um mea culpa porque ja tinha completamente passado por aquela fase de babá e sabia exatamente como ele se sentia.

- Ani!!! - foi bastante enfática. Ouviu sobre Jaeki e até acabou parando com ele no corredor.

- De jeito nenhum, Woo Jin-ssi!!! Sabe, mesmo sendo nossos amigos, não podemos correr atrás
deles o tempo todo. Olha só o que eu fiz,falei um monte para o Jaeki, mas não só eles continuam juntos como a Bibi também não ficou feliz. Mais cedo eu também tomei partido da Bomi, mas nem ouviu o Won… Eu podia ter causado um problema ainda maior. Aigo… Às vezes tentando ajudar a gente pode fazer uma lambança, veja só o que eu fiz com essa história de namoro!
- levou as mãos à cabeça, tão naturalmente falando do assunto como se ele fosse um amigo íntimo que soubesse a respeito que fez uma cara surpresa ao olhar no rosto dele.

- Aigo…. Ommo… Vou resumir e vai parecer ridiculo. Mas só quero te falar isso pra você ver que não devemos ir tão longe pelos outros. Bem, você sabe. A escola sabe. Eu “namorei” o Jung Mi. Mas, bem, essa história foi… Ahn. Teve uma confusão no meio do refeitório, você deve lembrar, estava lá no meio quando a Bibi arrancou a peruca daYewon, né? Bem… O Park apareceu do nada e falou pra todo mundo que era meu namorado. Nossa,só de lembrar me da raiva!!! Todo mundo ficou bravo comigo, ninguém quis acreditar em mim, então, na hora do desespero eu… Falei que era mesmo. Ou melhor… Eu inventei essa história de namoro porque ele disse que gostava de mim e eu não queria magoar ninguém, nem a Bomi que ficou brava, então…. combinei de fingir isso pra não machucar a reputação de ninguém e… Uau. Foi horrivel. Todo mundo estava nervoso comigo. A Bomi, o Gyu… Foi muito muito chato… Ai pera - Respirou fundo

- Tá dando pra entender? Er, enfim. A moral da história: eu tentei agradar todo mundo e, no fim, só resolvi quando segui o que eu queria. E… Eu fiz isso porque alguém me disse que eu tinha que pensar nas coisas que eu gostava… Alguém que passava por isso também. Sabe quem é, é?
- sorriu pra ele.

- Mas é por isso que digo que não deve ficar triste por isso! Eles são grandinhos. Nossas crianças também precisam crescer. E no caso dos relacionamentos deles… Só dá pra eles se entenderem entre eles. Por mais que a gente tente, é o sentimento deles que move tudo… Então eu aprendi que não tem muito o que a gente pode fazer. Dá pra abraçar quando eles choram e falar que vai dar na cara de quem faz mal pra eles, mas só isso. No fim, eles são mais tristes separados que juntos, aí acho que isso significa que você seguiu o instinto e fez certo. Não é?


~~

— Ross

avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Data de nascimento :
21/12/2002

Mensagens :
132

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Won-Bin em Dom Set 02, 2018 1:06 am



Naquele abraço Won sentia que as feridas no coração não tinham só se fechado como também o sentimento entre os dois era mais forte agora: testado pelo fogo, era como se fosse reforjado.

Queria ficar no abraço pra sempre, mas tinha de trabalhar para que tivessem oportunidades de mais abraços.
Ela não respondeu de pronto que confiava nele mas o sorriso dela pareceu responder o suficiente.

Era como ver o sol depois de uma tempestade muito longa.

Bomi escreveu:- Temos um novo painel mental para montar?

"Ah, ela entendeu!" como estava feliz com isso! Sentia o coração explodir em empolgação, medo e ansiedade. Mas parecia que era a primeira vez que batia em dias, então ainda eram sensações incríveis.

-Detetive Hwang? - seu pai era chamado assim. Por algum motivo parecia soar muito bem pra ele.
-Hmmm, gostei Detetive Yoon

Parceiros. Queria que fossem parceiros em tudo mesmo.

O painel mental daquela investigação se abria em sua mente enquanto ela guardava o presente. Até tinha um caderninho para anotar! Parecia até que esperava esse momento.
As engrenagens na cabeça começavam a trabalhar em toda velocidade.

-Ok, vamos lá. Acho que o primeiro passo é entender o que aconteceu entre os nossos pais, a história completa. A verdade - disse já sendo direto, era ali a raiz de toda a rusga entre as famílias. Tinha uma expressão de compreensão que não carregava julgamento.
-Você disse que não tinha tanta certeza sobre as coisas que seu pai diz e eu...bem, recentemente eu venho percebendo que meu pai não me conta muitas coisas

Se recordou da visão de ontem no café onde seu pai parecia estar, fora de onde trabalhava e não comentou nada a respeito a noite.
O Senhor Hwang definitivamente não contava tudo ao filho.

-Então nós temos pedaços da história do caso da sua família que meu pai esteve envolvido. Eu investiguei sobre mas na internet só tem as notícias da época. No passado quando eu perguntei sobre o caso meu pai foi extremamente evasivo

Disse se recordando do dia que tomou um tapa dele. Parecia ainda sentir o impacto.

-Tenho duas opções de investigar isso mais a fundo e descobrir porque ele fica tão irritado quando eu falo desse caso e da sua família. Eu posso falar com o parceiro dele, é tipo um tio pra mim, ver o ponto de vista dele. A outra opção eu não gosto muito... - tinha sido uma sugestão dos amigos - ...eu posso acessar o computador dele em casa e buscar arquivos dessa época. Não gosto de invadir a privacidade dele mas...bem, talvez eu precise só dessa vez

Não parecia muito feliz em fazer isso mas era um sacrifício que estava disposto.

-Enquanto isso você pode juntar mais informações do seu pai, do caso do ponto de vista dele - não sabia exatamente como ela faria isso mas imaginava que ela daria um jeito - Então a gente vai juntar essas duas versões, cheias de detalhes, e como numa investigação juntar e conectar os fatos. Assim a gente vai chegar na história completa

Esse era o primeiro passo do plano. O próximo dependia de entender todo o cenário.

-Com isso a gente pode encontrar a origem do problema entre os dois. E conhecer o problema é metade da batalha...o que acha? Viajei muito?

Olhava ansioso para ela.

Wangjo and Order

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Dong Hee Kyung em Dom Set 02, 2018 5:08 am



Hee Kyung ainda estava interessado na historia de Ui-Jin que sempre era cortada por alguma razão do além. A senhorita Sona se deu por satisfeita, e por essa mesma razão Dong não fez uma questão para ela. - Ele foi mal?

Disse surpreso quando ouviu o relato sobre o irmão de Kang. - Achei que o computador fosse ajudar um pouco mais, espero que consiga se recuperar, coitado ficou de castigo... - Coçou o rosto vendo Kang partir depois de se despedir deles. - Escute da próxima vez quero que sente com a gente para trocarmos umas ideias, e eu não quero ouvir desculpas do senhor! Trate de arrumar um horário.

Fez o convite enquanto o rapaz se retirava daquele jeito meio contido.

Enquanto HaN ainda tentava algo com a séria cosplayer, Hee Kyung se levanta devagar e faz uma menção pedindo licença.
Ele andou de maneira rasteira quase como uma sombra, dando passos lentos, puxou uma cadeira ao lado de Stella, que parecia no mundo da lua. A canceriana então voltava para sua inspiração astrologica pelo que parece. - Alou, algum problema Stella-ssi? Estava te olhando meio pensativa, perdida na vida. O que foi?

Falou lentamente, enquanto puxava uma cadeira numa posição boa para ficar proximo a ela e ouvir sua resposta, antes do intervalo acabar. Aproveitou para fuçar com o olhar no lanche de casa que a menina trouxe, mas não pediu, porém olhou com curiosidade afim de saber que iguarias caseiras levava em sua posse.



11 DE JUNHO. REFEITORIO. 10:05 A.M

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
112

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Seo Hyemin em Dom Set 02, 2018 8:24 am



- Não muito… - comentou sobre o namorado dela. - Ele era gentil, popular e um verdadeiro príncipe, queria meeesmo parecer adulto. Era impressionante. Mas tinha um jeito de quem apronta no fundão, sabe? Ele mudou bastante depois… das coisas que aconteceram. Ahn, enfim!!

As duas começaram o papo sobre beijos e Hyemin esqueceu totalmente que deveria encontrá-la em segredo. Estava mais era fofocando com a mais velha. Continuou sorrindo para ela, toda com vergonha inocente e ansiosa para mais detalhes, concordando com a cabeça.

- Será?? - tocou as bochechas. - Pra mim também? Uwaaa… Eu sonho tanto com isso, mas sempre me preocupo com o que eu deveria fazer na hora. Talvez você tenha um talento natural, unnie! - analisou, mas prestou atenção no que ela dizia.

A “fada” dizia que ela seria feliz e muito amada. Era o que queria mesmo. Precisava acreditar nisso. Às vezes se deixava levar por pequenas decepções, mas o conselho que ela lhe dava era para que acreditasse mais. Olhou de canto a menina arrumando seu cabelo e riu quando ela usou o apelido.

- Eu acredito, fada! Será que você é minha fada madrinha? Hahaha. Se eu acabar como a Cinderella, saiba que eu vou procurar você para me ajudar a encontrar o meu príncipe! - brincou. - Bem, muito obrigada novamente. Vamos voltar para o refeitório?


Wangjo |{LOOK: Laço no cabelo | Bolsa | Capinha | Pulseira da amizade }

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por The Crown RPG em Dom Set 02, 2018 2:56 pm

11 DE JUNHO. SALA DE AULA. 10:15 A.M.


Bomi deu um sorriso discreto quando foi chamada de Detetive Yoon. Queria ser jornalista, mas não exatamente do ramo investigativo. Mesmo assim, ela parecia ter mesmo veia para a coisa e não se importava de brincar de faz-de-conta com Won Bin quanto a isso. Na verdade, era bastante divertido.

Começou a escrever em seu caderno para elencar os tópicos que deveriam se focar. Voltou o olhar para ele, um pouco apreensiva com o modo que ele falaria de seu pai. Estava dando esse voto de confiança e esperava que ele não o julgasse logo de cara. Ficou satisfeita em ouvir que não era a única a desconfiar. Isso queria dizer que o pai de Won também não era de todo transparente.

- Ung… - Concordou ainda com reservas.

Sobre o caso, ela parecia não saber de nada, tanto que comentou.

- Meu pai não foi muito específico sobre esse caso. Eu não faço ideia do que aconteceu e nem por onde começar a procurar. Talvez você que precise me dar um caminho para começar. Meu pai já resolveu muitos casos ao longo da carreira, seria como procurar agulha no palheiro.

Ouviu as opções dele, batendo com a lapiseira de leve no canto de seu rosto.

- Hm...Mexer no computador dele pode ser arriscado. Você acha mesmo que ele ainda tem esses arquivos por lá? A briga não parece tão recente assim...E considerando que não existiam arquivos em nuvens…- Mordeu o lábio inferior. - Você não acha que possa ter algum pendrive ou coisa assim onde ele tenha guardado essas coisas? De todo modo, eu falaria com o seu “tio” primeiro. Ainda me parece muito vago...Precisamos refinar a pesquisa.

Anotou mais coisas em seu caderno.

Meneava positivamente, mas não parava de escrever. Não respondeu o que ela faria porque já tinha dito antes que precisava de um norte melhor. Mas talvez conseguisse arrancar algumas coisas aqui e ali, por outros meios, não falando diretamente do assunto. Ela sempre agiu assim: pelas beiradas, nunca batendo de frente. Tinha dito isso antes para Jaeki que era a forma dela sobreviver em Wangjo, com informação e contatos além das amigas fieis. Talvez precisasse manter o estilo.

- Viajou bastante. - Disse meio séria, mas logo sorriu para ele, abaixando o caderno. - Estou me sentindo num dorama policial. - Abriu mais o sorriso. - Faz sentido sim, mas eu preciso que você comece. Não quer dizer que ficarei parada, mas acho que você está mais próximo de achar algo sólido do que eu. Eu darei um jeito.

Abraçou o caderno dela, mexendo na ponta da lapiseira.

- E como devemos agir durante esse tempo? Acho que seria difícil explicar para o meu irmão… - Abaixou um pouco o olhar.- Eu nunca minto para ele, mas acho que dessa vez, será necessário. - Mas queria ouvir primeiro de Won como ele esperava que agissem de agora em diante.
(C) Ross


REFEITÓRIO. 11 DE JUNHO. 10: 14 A.M.

Dong e Misoo


- Ne...Ele ficou mais tempo jogando do que estudando. Sabe como é, toda aquela empolgação por ter um computador, finalmente. Eu não o culpo, mas realmente o castigo foi merecido. - Kang não iria contra a disciplina que sua mãe tentava impor com os irmãos mais novos. - Mas não se preocupe, Hee Kyung-ssi! Não foi sua culpa também, viu? Nós somos muito gratos pelo que você fez e um dia irei devolver o favor.

Juntou as mãos como se fosse uma promessa real que faria isso. Ouviu o convite vindo de Hee Kyung dessa vez e o sorriso foi ainda mais sincero.

- Komawo! Pode deixar, eu venho sim! Mas agora, vou pegar algo para comer e dar uma volta. Komawo… - Agradeceu mais uma vez e reverenciou a mesa seguidas vezes, agradecendo uma terceira vez apenas Sona por conta das anotações.

Depois que Woo Jin partiu, Ha Neul voltou a implorar as anotações para Sona que parecia bastante firme em sua postura. Stella estava bastante quieta naquele dia assim como Hyewon e Lee Hi. Hyewon estava trocando algumas mensagens pelo celular enquanto Lee Hi colocou um fone num dos ouvidos e aproveitava aqueles instantes de paz para deitar a cabeça na mesa. Andava muito cansada.

Já a mestiça, estava com o olhar um pouco perdido, como se estivesse perdida ou mesmo tirando um cochilo de olhos abertos. Levou um susto contido quando viu Dong sentado ao seu lado - ela nem tinha escutado o arrastar da cadeira. Deu um pulinho e se ajeitou de novo.

- Ah...Ah...Eu só estou bastante cansada. - Coçou os olhos, enfatizando o esgotamento. - Essa aula não ajudou muito porque eu não estou conseguindo pensar direito. E também teve o sumiço do Kim, a Sunny indo falar com o Tae… - Bateu na própria boca.- Ela foi falar com uma pessoa sozinha e também me preocupa. E também estive pensando no baile…


Suspirou, deixando os ombros caírem.

- Talvez eu não possa ir… - Fez um beicinho triste e o encarou.- Ontem à noite, tivemos uma alarme falso com o Benjamin. Te disse que ele nasce nesse mês, no máximo primeira semana de Julho, né? Então, apesar da cesariana ter data, ele pode vir antes. E aí...Como vou fazer?


Abaixou um pouco a cabeça.

- Eu realmente queria vir, mas talvez minha família precise de mim. - Olhou para o sanduiche natural dentro do potinho que trouxe de casa. - Mas aí ontem, minha mãe voltou de madrugada com o meu pai e foi só um alarme falso.

Além do sanduiche, também tinha uma barrinha feita de mix de nozes e o chá gelado que ela gostava de tomar.

- Quer um pedaço? - Ofereceu um pedaço do sanduiche. - Tem salmão e uma pasta inventada pela cozinheira lá de casa...É gostoso. - Só não estava comendo tudo porque não estava com muita fome mesmo.

Deu uma espiada no rosto dele também, olhando mais de perto. Lembrou-se da desculpa que ele tinha dado para faltar a aula de informática. Ou melhor, a ausência tinha sido permitida, segundo ele. Mas...Achou estranho, mesmo assim. Parecia que faltava alguma informação.




Misoo deixava Woo Jin mais distraído do que o normal. Eles estavam quase saindo pela porta lateral, mas simplesmente viraram um dos cantos do refeitório, voltando para a porta principal. O garoto tinha deixado os ombros caírem um pouco quando começou a se culpar por ter deixado Won sozinho lá em cima, mas logo se assustou quando ela disse um não com tanta ênfase.

- Aigoo… - Levou a mão ocupada até o próprio peito e a encarou. Os dois pararam perto da porta, quase saindo do refeitório.

Após se recuperar do pequeno susto, ele começou a ponderar sobre as situações que ela citava. Meneou positivamente, concordando, ainda que indiretamente, que ela agia por impulso e muitas vezes isso deixava o pescoço dela em risco e não da pessoa que defendia. Será que ela nunca se chateava com as amigas por isso? Quer dizer, não achava que eram amigas ruins, mas era sempre Misoo quem dava a cara à tapa e acabava mal enquanto os outros se resolviam.

Fez um pequeno beicinho, mas ficou mais interessado em ouvir sobre o tal namoro dela. Os dois acabaram se encarando meio surpresos, mas Kang cortou o silêncio constrangedor ao dizer.

- Parece que foi bem complicado para você…

Mesmo assim, ela ficou sem jeito e gaguejou antes de resumir a história. Os dois voltaram a caminhar sem perceber e Kang olhava mais para Misoo do que para o caminho ou a própria comida. Coçou um pouco a cabeça porque estava ligeiramente bugado com toda aquela história.  Ela namorou para salvar a reputação de Jung Mi, mas ele precisava ser salvo? Todos ficaram bravos e tristes ao mesmo tempo enquanto ela se sentia sufocada aqueles meses todos.

Que coisa mais louca.

Meneou positivamente quando ela perguntou se dava para entender. Não dava, mas seu cérebro acabaria fritando se ficasse tentando entender de verdade o real sentido de todos aqueles gestos.

Parou quando ouviu o motivo dela ter dito a verdade. Porque alguém tinha inspirado a fazer isso. Kang arqueou um pouco as sobrancelhas e então começou a dar um sorriso meio bobo.

- Então...Você terminou com o todo poderoso por conta dessa pessoa? Quer dizer! Quer dizeerr! Porque essa pessoa te ajudou e tal...Não por enfim… Aigo…- Olhou para a frente porque começou a se enrolar com as palavras. - Que pessoa incrível que te deu esse conselho…

Segurou a risada, escondendo os lábios e, um pouco mais atento à frente, percebeu um brilho estranho no chão. Misoo, por outro lado, continuava falando sem olhar para onde estava indo. Foi um pouco em cima daquela poça que Kang entendeu o que era e segurou Misoo pelo pulso para que ela não continuasse andando. Como ela estava com o pé quase em cima, ele precisou puxá-la. As duas últimas frases dela acabaram saindo num tom diferente quando virou-se para ele. Woo Jin estava mais alerta, mas logo olhou para o rosto dela.


- Eu...acho que sim… - Murmurou sem se lembrar direito o que ela tinha perguntado, focando mais no “fez certo, não é?”. - Você...ia…

- Yesol-ah…- Três meninas do 1º ano saíam do refeitório também, sendo Yesol a que estava na frente.

Kang foi colocando Misoo direito no chão, sem conseguir falar que tinha evitado que ela escorregasse na poça de suco ou sabe-se lá o que era aquilo. Soltou a mão do pulso dela, para não constrangê-la por ter mais gente no corredor, mas ouviu o comentário de uma menina que falava extremamente baixo.

- Isso está cheio de gás...Não abre aqui…

Mas era um pouco tarde, principalmente porque Yesol passava ao lado deles, bem em cima da poça e escorregava no instante em que a tampinha fez o “tchim” antes de começar a espirrar coca cola cheia de gás pelo ar. A menina escorregou - não era das mais delicadas e os sapatos eram bem aderentes, escorregando fácil. As duas amigas dela- Sejeong e Nayeon - deram um grito assustado sem saber se a protegiam ou se evitavam a coca cola.

Woo Jin e Misoo já estavam vendo as coisas um pouco mais lentas por conta do toque de segundos atrás. Contudo, ele foi incrivelmente rápido quando reagiu ao escorregou que aconteceu em câmera lenta ao seu lado. Voltou a segurar Misoo, mas dessa vez, deixou sua latinha e o pacote meio vazio caírem no chão. Porque não simplesmente a segurou, mas a puxou para perto, protegendo o rosto e o corpo dela enquanto se virava de costas para os jatos de coca que começaram a vazar e sujar tudo.

As costas de seu blazer ficariam molhadas e as outras meninas acabariam saindo mais ilesas porque evitaram os espirros. Yesol certamente era a mais prejudicada de todos, mas Kang preferiu impedia que Misoo também acabasse se sujando por conta da distração dos outros.

(C) Ross


TERRAÇO. 11 DE JUNHO. 10:20 A.M.


Kai apenas moveu de leve a sobrancelha. Não achava que Hyun Hee fazia o tipo ingênuo, mas diante do comentário sobre confiar no garoto, parceria...bom, já começava a achar que ele era bastante tolo. Para ele, a primeira regra de uma regra dessas era burlá-la. Nunca se sabe quando vai precisar de algo assim.

Não comentou nada e já estava mesmo pensando o que poderia fazer. Ele geralmente tinha muita preguiça de lidar com essa gente, preferia que achassem que ele só sabia brigar, mesmo que fosse um bolsista que passou em 6º lugar. Às vezes as pessoas esqueciam que ele tinha um cérebro pensante, mas era melhor assim. Quanto mais o subestimassem, maior seria a surpresa quando caíssem.

Também não comentou mais nada porque queria ver se Hyun Hee era um bom pagador e cumpridor de promessas. Ainda não gostava dele, mas gostava do que ele poderia oferecer. E só faria algo para eliminar provas, se realmente passasse a ir com a cara dele.

Quanto aos termos práticos, ponderou um pouco.

- Hm. Vou pensar em algum lugar. Por enquanto, o terraço parece um bom lugar, mas esse colégio é tão grande que tenho certeza de que acharei um bom ponto de encontro. Só preciso pensar um pouco. Eu te digo quando encontrar um interessante. - Também riu quando foi chamado de malandro. - Pode-se dizer que sim.

Não era mentira mesmo.

- Oh… - Ficou um pouco surpreso com a história do restaurante. - Então vamos almoçar juntos? Assim, vou parecer “o outro”... o seu outro. Comida sempre é bom também.

Bateu na própria barriga.

- Eu sei que informação pode ser muito mais precioso do que dinheiro, mas no momento, eu quero 1,5 milhões de wons.

Um número bem específico, mas ele ainda tinha que pagar pelo uniforme que estava usando. Dois meses tinham se passado e o cartão ainda estava parcelando, o dinheiro de sua mãe. Os os outros 500 mil, ficariam com ele, comprar um cigarro aqui e ali, umas tintas, um soco inglês, talvez…Ou quem sabe um presente para a mãe, para justificar os dias que ficaria ausente devido a cara amassada da última briga.

- Eu já pensei. Eu quero isso. Sei que poderia dar muito mais, se eu pedisse, mas sejamos justos. Esse valor paga o trabalho que não é dos mais difíceis. Da próxima vez, eu penso o que vou querer. Até amanhã, então. Pode ir na frente, se quiser.

Caso Hyun Hee saísse mesmo, Kai ficaria acompanhando com o olhar sem dizer nada. O celular dele começou a tocar e ele não podia demorar muito a atender.

- Yeoboseyo? Aish...Para que gritar tanto? - Afastou o aparelho e a voz feminina era estridente do outro lado. Voltou a colocar celular perto e iniciou a conversa. - Eoh...Está tudo bem. Ainda está roxo, mas dá para disfarçar. Ne…

Se Hyun continuasse por ali, Kai olharia para trás, fazendo uma cara meio rosnada e começaria a andar pelo terraço para falar com mais privacidade. Quando chegasse ao primeiro andar, ele encontraria um pequeno caos envolvendo suco, coca cola e a moça vindo limpar toda aquele horror. Também teria a impressão que viu a menina de tipoia entrando no refeitório antes que ele terminasse de descer as escadas.
(C) Ross


ÁREA EXTERNA - 10 DE JUNHO. 10:20 A.M.


Hyemin


Conforme Hyemin tecia elogios para o antigo Hyun Hee, ela poderia perceber como Chaeyoung se mostrava confusa ou pensativa quanto a isso. Não era uma novidade que ele sabia se comportar como um verdadeiro príncipe, mas alguma coisa no modo como ela o descreveu, pareceu mexer com o imaginário da unnie diante dela. Ficava na dúvida qual dos dois era o verdadeiro ou se, no fim, ele era uma mistura daquele menino gentil com a revolta que carregava hoje dia.

Será que ainda estavam para descobrir?

Deixou as reflexões para si e logo contou o que Hyemin gostava de saber - sempre dosando bem as palavras. Após dar sua opinião sobre o futuro da menina, observou o rostinho dela com o típico sorriso gentil.

- Uhum, pra você também! - Suspirou. - Acho que talvez o segredo seja não se preocupar muito e deixar que os sentimentos falem por si só. Mas não tenha pressa, hm? - Tocou na ponta do nariz dele - Vai acontecer na hora certa.

Cada palavra, foi um toquinho no nariz arrebitado dela, como se fosse o conselho mais sábio que poderia dar.

- Você acha que eu tenho, é? Um dia vou descobrir. - Ajeitou o cabelo dela e sorriu. - Sim! Mas você não precisa ser a Cinderella porque já é uma princesa e não uma Gata Borralheira. Que tal, hm...A Aurora só dorme. - Fez uma careta e continuou se esforçando. - Bah, não precisa ser uma clássica, será Princesa Hyemin, a primeira e única de seu nome. Eu te ajudo sim! Pode deixar - Fez um fighting com o braço bom. - Eu que agradeço e nossa...já temos que voltar, né?

Outra suave careta.

- Estou com um pouquinho de fome mesmo. - Levantou-se e ofereceu a mão para ela também, andando de braços dados por boa parte do caminho até a entrada principal.- Obrigada por ter passado mais da metade do intervalo comigo. Foi muito divertido. Assim que eu tiver uma resposta, eu mando uma mensagem, tá bem?

Começou a subir as escadas com ela.

- E qualquer coisa, você me chama também, viu? Não fique com vergonha.

Piscou para ela. Quando entraram pelo portão principal, viram uma grande poça de bebida no chão com manchas de coca cola pela parede e chão também, além  de uma funcionária da limpeza vindo meio aborrecida para arrumar tudo aquilo.

- Nossa, alguém derramou o suco todo. Coitado...  

Dentro do refeitório, elas acabariam se separando porque seguiriam cada uma para seu grupo. No caso, Chaeyoung foi direto até as máquinas porque precisava muito de um choco pie.

O grupo de Hyemin estava reunido na mesa de sempre, mas pareciam ter uma conversa animada. Provavelmente falavam sobre sábado e quais roupas acabariam usando para a ocasião.

(C) Ross
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Jae-ki em Dom Set 02, 2018 4:32 pm


Jae-ki suspirava chateado com a reação de Eun-bi, ela era muito cara de pau de falar isso para ele. Cadê os direitos iguais? Era praticamente um absurdo.

- Aigoo, Eun-bi! - Reclamou.

Ele viu a reação birrenta de Eun-bi e franziu as sobrancelhas quando ela bateu as pernas. Ele já estava ficando bastante irritado, se ele fizesse metade do que ela fez, como estariam então? A mente de Jae-ki tinha vontade de se vingar e reagir como ela fez com ele, chamando-o de chato e o trocando pelo Taemin. Poderia pagar na mesma moeda fazendo trabalho com Sunny.

Porém ela começou a falar sobre o professor Kim querer ter ele como genro. Jae-ki quis rir, isso tudo era um absurdo, até porque que pai o ia querer como genro? Nem achava Sunny atraente para ela ter tanto ciúmes, Jae-ki sabia que amava demais Eun-bi, só ela mesma poderia o fazer se afastar e mais ninguém. Mas como fazer ela ver isso? Era bom até que ela sentisse ciúmes, porém se fosse reagir assim tão injusta, como fariam? Ele queria voltar a deitar no colo dela, mas ela tava de birra.

Eun-bi se levantou e ficou apoiada na árvore enquanto se lamentava de não ser a mais bonita, o que Jae-ki achava muito absurdo. Problema é que ela não acreditava no que ele falava. Jae-ki respirou fundo buscando a paciência no fundo da alma, não acreditava que ela estava sendo tão mimada, se levantou também aproximando dela:

- Eun-bi, isso é um absurdo, já se ouviu falando? - Disse, em seguida disse sério - Ninguém, Eun-bi, NINGUÉM, pode me fazer deixar de gostar de você. Nem o senhor Kim, a polícia ou o presidente. Ninguém!

Eun-bi estava fora de si, Jae-ki não entendia porque ela fazia tanto alarde para pouca coisa assim.  

- Só uma pessoa pode me fazer desistir da gente, e é você - Falou sincero - Eu não te forçaria nada.

Tentou se aproximar mais um pouco, ela estava muito fofa e linda apesar de estar fazendo manha:

-Bibi... Para de bobeira, eu não acho a Sun-Hee fofinha e nem nada disso. Você é sim a mais bonita da escola. Tem que acreditar em mim e não nos outros. Falando assim tá até me chamando de mentiroso.. E mesmo se você ficasse feia, o que não é, é só você que me deixa louco Bibi.  Quando você chora fica SIM bonita e muito aegyo, sua boca mais vermelha... Seu nariz que me dá vontade de morder...

Jae-ki suspiraria, sempre falava isso, mas não adiantava falar, então ele decidiu fazer algo menos racional para ver se tirava Bibi de trás da árvore:

-  Mas quer saber, não adianta eu falar, você não acredita, então eu... vou... vou... Cantar!

Jae-ki se ajoelhou no chão começando a cantar uma música romântica que conhecia, só ele que cantava muito mal, desafinando o tempo todo e ainda cantava com a voz alta. "HENRY – It’s You"


- Iuu re thê raight timeeeee... ateee thiii right moment... You areeer the sunlight...

Fora que seu inglês era péssimo, sabia que era ruim, mas também queria fazer ela parar de bobeira. Ele era um adolescente e não tinha senso de vergonha. Queria que ela visse que ele era louco por ela, até para cantar sabendo que era ruim. Jae-ki até tentava interpretar o rosto do cantor enquanto cantava tão mal. Apesar de estarem em um lugar isolado, se continuasse cantado por mais tempo, sua voz terrível chamaria atenção de outros alunos.

- Iuuuuu... Itis iuuuu... uou uou...


Referência:

Wangjo

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Yeun Misoo em Dom Set 02, 2018 5:48 pm

 

Misoo falava toneladas quando precisava se explicar por causa de alguma coisa. No caso, era aquela confusão toda que no futuro não saberia dizer por que fez para mais ninguém. Seria o tipo de loucura de adolescente que ela daria bastante risada de ter achado que era uma boa ideia, mas Kang não parecia julgá-la tanto conforme contava, mas suas poucas palavras sobre isso a deixaram um pouco sem graça do textão verbal que falou. Será que ele tinha ficado confuso? Será que estava pensando algo sobre isso e que não queria dizer?

Sua ansiedade a fazia falar mais e mais, complicando a história resumida, mas ela o olhava confusa, querendo que ele desse algum sinal de que estava tudo bem também. Ficou com medo que ele a julgasse por um namoro falso. Era bem esquisito afinal. Droga, será que ele também não acreditava? Por que foi abrir a boca?

Porém, começou a dar risada quando ele reconheceu de forma um pouco tímida que era ele quem tinha aberto sua cabeça e a confusão que ele acabava criando sem querer com o “por causa dele” e como ficava atrapalhado com isso, sendo que obviamente ela tinha entendido o que ele queria dizer. Era tão engraçado quanto colocá-lo no trem fantasma.

- Foi, foi!! Hahahuaheuwa. Sim sim. Eu entendi. Tudo bem. Éééé. Muito convencida também!!! - cobriu a boca.   - O que você falou ficou muito na minha cabeça. Eu fiquei com vontade de mudar tudo. Foi o empurrão que eu precisava. Só tenho a agradecer.  É por isso que eu digo que...

Continuou falando sobre como ele deveria se sentir com aquilo, quando muito de repente sentiu um tranco no pulso e virou o rosto, um pouco assustada, dando de cara com o menino, meio de lado. No susto, seu coração acelerou um pouco e ela não entendeu por que de repente ele a puxou daquele jeito e se virou paralisada observando-o de perto, mas sem ação. Assim que colocou os olhos nos dele, arregalou os dela e os desviou com cautela, sem saber se era isso que podia fazer naquela situação, tentando entender o que tinha acontecido e esquecendo totalmente o que tinha falado.


- Eh?? A-ah… É...E-eu ia dizendo que… - olhou para o chão sujo, entendendo com muita lentidão, finalmente, que ele a salvou da sujeira no chão.

Ah, é, o chão. Foi isso, né? Pisou com a pontinha do pé no solo de novo, sentindo um pequeno alívio, como quando o carrinho da montanha russa terminou de cair e fica alguns segundos a mais em uma trajetória plana. Ela viu YeSol chegando e começou a ajeitar seu uniforme e cabelo. Para evitar falatório de corredor, mas não deu nem tempo para se arrumar, porque de repente estava na hora do carrinho subir de novo.

Misoo viu só um flash daquele desastre em forma de garrafa abrindo e encolheu-se, soltando um grito, mas sentiu o rosto encostar em seu peito, enquanto o barulhinho de refrigerante espirrando ficava ao fundo. Demorou para abrir os olhos, naquela sensação de medo ao andar no brinquedo, mas quando o grito das meninas passou, como o barulhinho do refrigerante, ela o observou de baixo. Estava impressionantemente seca.

Foi aí que percebeu tudo que tinha acontecido. Não sem antes ter uma boa chance de olhá-lo de perto, de novo, a ponto de conseguir reparar no formato de seu maxilar.  A realidade bateu, e ela percebeu a coisa toda.

- AH!!! OMMO! Olha só você!!! - ela o mediu, ficando boquiaberta por tê-la salvado e agora estar todo molhado.


- A… Aigo!!! Ommo!! - sentiu o rosto arder e abriu o bocão surpreso, olhando em volta. - Nossa!! - ela recuou o passo, sem saber o que fazer, e o puxou com as duas mãos pela manga do blazer, para fora da sujeira.


- Woo Jin-ssi!!! - botou as mãos nas bochechas. -  Olha a sua roupa..  Er… - espiou a menina espatifada no chão. -  Yesol-ssi. Você está bem? Machucou? Ahn… - fez menção de ir ate lá, mas esperava que as amigas dela a ajudassem, antes. Mas, se não fossem, ela daria a mão para a menina, depois teria uma ideia brilhante, virando o rosto para ele.

- Ah. Já sei!!! Olha. Eu tenho uma toalha. É dia de Tênis! Você quer?? Vai no banheiro lavar.  Aaaaa Meudeussss..    - Começou a rir muito de nervoso. - Por que você fez isso, ommo!!! Isso foi tão engraçado… Olha só você agora…. Aigoo…..  


Ficou rindo meio vermelha, coçando a cabeça. Estava mesmo era muito grata. Quando parou com a risada, ela deu uma tossida, naquele momento que a graça tinha passado e já tinha começado a ficar esquisito. Então o observou um pouco.

A sensação não tinha passado?

~~

— Ross


Última edição por MiSoo em Dom Set 02, 2018 5:52 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Data de nascimento :
21/12/2002

Mensagens :
132

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Kim Sun-Hee em Dom Set 02, 2018 5:51 pm



Música:


Tratava a mochila como se ela fosse seu travesseiro e o banco a sua cama. Encolhida ali, Sunny descarregava a frustração, a raiva e a tristeza por meio das lágrimas – e estas ganhavam mais presença, sem que pudesse deter o fluxo. Ao menos, ela tentava não ser escandalosa, embora um soluço ou outro escapasse quando a angústia no peito era muito forte para prender. De repente, aquele lago perdeu toda a beleza e conforto... Duvidava que fosse voltar a se aproximar daquela área ou da faixa de contenção. Não tinha necessariamente medo de lagos, piscinas e praias... Nunca aconteceu nenhum acidente envolvendo ambos – nada pesado ou marcante o suficiente para se tornar um trauma -, porém, nas vezes que perdia o controle da mente e entrava numa espécie de pesadelo...

A sensação que Sun-Hee tinha era exatamente a de se afogar nos próprios demônios... Nas malditas experiências que a transformaram nessa criatura quebrada e sem reparos. Era horrível viver assim. E pior ainda, enganar as pessoas dizendo que “não, eu estou ótima”... Estava cansada disso.

O que na cabecinha dela durou uma existência inteira, mal chegou na marca de um minuto. Sunny escutou passos e, por um instante tão estúpido quanto o pensamento involuntário, acreditou que fosse Taemin. Mas, de imediato, o cheiro não deixou dúvidas de que não era ele. Constrangida com a cena que criou, ela começou a se ajeitar, passando os punhos pelos olhos turvos, porém o choro não respeitava suas vontades e não parava de entregá-la diante de...

A pergunta a paralisou.

Quer dizer...

Mais especificamente, a voz.

Aquela voz...

Sunny sequer entendeu o que o menino falou.

Tudo aconteceu depressa e lentamente. O coração explodiu dentro do peito e a pele empalidecia enquanto a bolsista erguia o queixo, encarando...

Encarando...

Não... Não podia ser verdade...

Porém, ela queria que fosse.

Precisava que fosse...

E discutindo com o "possível", Sunny chamou por aquilo que não tinha como ser real. Chamou por ele.

- Joon-Gi...

Há quanto tempo não pronunciava esse nome?


Agarrou-se naquela fantasia.

A esperança foi tão intensa que a impulsionou para frente, levantando do lugar ao mesmo tempo em que ele questionava sobre o seu estado. Sunny arregalou os olhos, ignorando o mundo, concentrando-se nele. Ao invés da dor diária, a maldição crônica... sua penitência... algo no íntimo da bolsista encontrou... encaixe. Um bálsamo sem o auxílio da música ou das medicações. Porque, na verdade, era a cura definitiva. Simplesmente avançou até que as mãos trêmulas seguraram os braços do garoto, enterrando os dedos no tecido mais encorpado do blazer, temendo que ele desaparecesse... Partisse... De novo... –  Joon-Gi! – o timbre saiu estridente, numa mescla entre desespero e pura euforia. O rosto de Sunny estaria completamente exposto e na carinha bonita e meiga, Minhyun enxergaria a transição de uma avalanche de sentimentos.


No entanto, aos poucos, as lágrimas – traiçoeiras... – diminuíam...

E limpavam a visão dela.

O choque a fez rapidamente soltar o oppa e recuar um passo. Mas antes da bolsista cobrir os lábios e fitar a plaquinha no uniforme, o mais velho ainda teria o vislumbre de uma profunda... decepção dominar a feição magoada.

-  Miane... Miane, oppa... Miane... – falava com a voz meio abafada pela pressão intensa das palmas contra a boca que era castigada por dentes ansiosos.


Han Minhyun.

Han.

Era um sobrenome conhecido por Sunny e... querido.

Sun-Hee recuou até a parte de trás das pernas esbarrarem em algo sólido e, novamente, despencava sobre o banco, fraca e cansada. As lágrimas retornaram e ela odiava aquela situação que começava a virar uma rotina muito cruel. E enquanto parecia presa em duas dimensões contrárias, algumas gotinhas de suor brotavam, umedecendo as têmporas e a nuca, dando a impressão que a menina ardia em febre.

Não conseguia olhar para ele.

Abaixou a cabeça e as mãos caíram acima dos joelhos, arranhando a região, mas Sunny não percebia o movimento inconsciente.

-  E-Estou... envergonhada, oppa. Eu...

Ela tocou o espaço entre as sobrancelhas, massageando.

-  Eu já vou ficar bem. Só preciso... Só preciso... – repetiu, incerta do que dizer.

Pois, de fato, não sabia.

WangJo

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Seo Hyemin em Dom Set 02, 2018 6:09 pm


Hyemin parecia mais nova (ou talvez na idade certa) conforme Chaeyoung fazia gracinhas com ela. Dava um sorriso meigo a cada toque no nariz, feliz pelos mimos. Era confortável como conversar com seu pai. Era uma sensação boa, tratada com um carinho que praticamente só via em casa. Isso a relaxava muito. A presença da menina também tinha esse efeito na herdeira da HGT. Parecia verdade que encontraria alguém na hora certa e que agora não tinha problema nenhum com isso. Sim, só precisava ter serenidade e esperar. Tinha feito isso até hoje, por que agora parecia mais difícil?

Deu risada de sua análise sobre as princesas queridas. Ela tinha um pouco de razão sim.

- Mas a Aurora é tão liinda! Ela não faz nada, mas um dia o príncipe aparece lá para salvá-la. É tão romântico! O quê? Princesa Hyemin? Então você será minha fada madrinha! Eu quero ser a Princesa do Hibisco - fez uma pose princesinha.

- É melhor, não é?Não quero que a Rin fique chateada comigo. E eu pedi para me guardarem uma coisinha para comer! Foi muito bom falar com você unnie. Muito bom mesmo~

Sorriu conforme se levantavam e se encaminhavam para o refeitório. Apesar de não ter contado nada para ela, conseguiu ser acalmada pela simples aura de bondade da menina. Era mágica assim sua fada do cupcake.

- Tá bem…. - falou um pouco mais tímida. - Sim, por favor! É um pouco emocional, então talvez ela se sinta meio estranha, mas eu tenho certeza que no fim vai ser legal para todo mundo.

Qualquer coisa poderia chamá-la, será? Teria essa coragem? De alguma forma sentiu que podia mesmo, que ela estava sendo sincera. Não que desprezasse as outras amigas, mas com Chaeyoung não sentia que era um peso falar de suas bobagens, enquanto uma enfrentava sequelas de abuso, a outra estava chateada com castigos e problemas familiares, e a outra com problemas muito graves…. Sobrava Beom-Su, mas ele era um menino. Não conseguiria entendê-la, achava.

- Nossa, que nojo.. - torceu o nariz ao passar pelas melecas no corredor. Ainda bem que naquela escola não precisavam limpar nada! Já tivera a cota da vida de limpeza. - Bai bai, unnie! - acenou para ela, bem feliz e saiu.

- Oieeeee - acenou empolgada a seus amigos e assumiu um lugar, já pegando algo que (tinha certeza) que alguém tinha reservado para ela comer ou beber. - Como vão, como vão? - olhou para Nana e piscou. Missão completa. - Do que estão falando?

Wangjo |{LOOK: Laço no cabelo | Bolsa | Capinha | Pulseira da amizade }

— Ross

avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Park Hyun Hee em Dom Set 02, 2018 6:26 pm



- O quê? Já estamos nesse tipo de relacionamento?Uau, você é rápido… Mas tudo bem, nenhuma resiste quando chamo pra jantar - deu uma piscadinha. Sem querer, Kai virava seu novo Jong-In das brincadeiras? - Araso, como preferir. Se pensar em algum lugar melhor tudo bem também. - Deu de ombros.

Piscou bastante surpreso com aquela quantia pedida tão específica.

- É? - esperou sua explicação - Entendi… Uau, a Wangjo pode ser mesmo exploradora para uma escola que queria receber bem seus bolsistas… Inclusão onde? - balançou a cabeça negativamente. - Araso. Combinado.

Fez um gesto rápido e começou a sair, mas parou por curiosidade para ouvir as primeiras frases daquela conversa no telefone. Deu um pequeno sorriso. Mesmo alguém como Kai perdia a linha com alguém também. Sorriu e o deixou sozinho, voltando à expressão fechada assim que desceu.

Alguns detalhes teriam que ficar para o tal do almoço. Não sabia muito por que considerava o restaurante da namoradinha do secretário um lugar seguro, mas o fato é que o restaurante tinha virado um lugar confortável.

Franziu a testa quando viu aquela bagunça toda. Será que alguém tinha brigado de novo? Tinha cara de briga de mulher. Achou a possibilidade engraçada e travou quando olhou o refeitório. Não queria encarar seus amigos tão cedo… Chaeyoung estava por lá, mas o restante também devia estar.

Seria bom também que não ficassem notando sua ausência assim. E não era como se precisasse se esconder, certo? Ele então marchou para o fundo do refeitório, com o objetivo único de pegar um iogurte de máquina e se retiraria de lá.

Parecia um comportamento padrão: quando estava com sentimentos conflitantes, ele evitava todo mundo, até mesmo a joaninha -- a menos que ela estivesse sem suas amigas, mas deixaria que ela curtisse a companhia delas para variar. Ele fez isso apenas para mostrar seu rostinho no local, mas seu plano era pegar algo para comer e dar meia volta para o jardim, fazendo hora.

Humor: mania/estável/--+++

— Ross

avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Won-Bin em Dom Set 02, 2018 10:10 pm



Won começava a contar seu plano de investigação enquanto Bomi anotava em seu caderno. Aos poucos estavam entrando de cabeça naquilo.
Se sentia muito feliz, não pelo que tinham de fazer (afinal o desafio era gigantesco), mas pelo fato de que ela tinha decidido confiar nele e trabalharem juntos.

Iam lutar juntos pelo que sentiam.

Tentou não carregar nenhum julgamento quando falou do pai dela. Se ele realmente fosse alguém ruim como o pai dizia eles iriam descobrir e Bomi saberia em primeira mão. Havia no entanto um pouco de medo em descobrir que seu pai que seria a pessoa ruim da história.
Não fazia o menor sentido mas as ações dele também não estavam fazendo ultimamente.

Bomi escreveu:- Meu pai não foi muito específico sobre esse caso. Eu não faço ideia do que aconteceu e nem por onde começar a procurar. Talvez você que precise me dar um caminho para começar. Meu pai já resolveu muitos casos ao longo da carreira, seria como procurar agulha no palheiro.

-Hmmm, tem razão. A gente precisa afunilar a procura

Ela falava sobre um pendrive ou algo do tipo. Pra ser honesto Won nunca mexia nas coisas dele, nem sabia se existia um.

-Pode ter algo do tipo no quarto dele...ou na mesa dele na delegacia. Mas sim, vou falar com meu tio primeiro - concordou com ela.

Bomi também se mostrava ser uma boa estrategista e mente pensante, ela era alguém que não tinha se tornado popular por acaso.

Bomi escreveu:- Viajou bastante.

Arregalou os olhos por um instante e riu em seguida quando ela sorriu.

-Aish dorama policial. Desculpe, eu me empolguei um pouco - disse sorrindo meio sem graça.

O primeiro passo da investigação era dele. Assentiu com a cabeça: tinham um plano e as primeiras ações.

E então Bomi trazia outro ponto importante: o mundo fora daquela sala ainda existia e logo teriam de voltar pra ele.

Bomi escreveu:- E como devemos agir durante esse tempo? Acho que seria difícil explicar para o meu irmão… - Abaixou um pouco o olhar.- Eu nunca minto para ele, mas acho que dessa vez, será necessário.

-Eu acho que...você tem razão. Pelo menos por enquanto é melhor não contar a ele. Nem a ninguém da escola - disse estendendo a mão e colocando sobre a dela - Talvez pros nossos amigos mais próximos. Mas acho que a gente tem mais chances de descobrir as coisas se as pessoas não souberem de nós

Suspirou.

-Eu odeio isso. Queria contar pra todo mundo num megafone que eu gosto de você. Mas eu juro que vou tentar não ter muito ciúme dos seus colegas. Muito - disse desviando um pouco o olhar mas ainda sorrindo.

-Quero pedir desculpas ao Gyu Sik. Quando for o momento certo, claro. Mas eu agi errado com ele. Eu agi errado com várias coisas...

Olhou para aqueles profundos olhos.

-Mas juntos a gente encara o mundo e o que vier na frente - disse com a convicção renovada.

Wangjo and bugs

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Dong Hee Kyung em Ter Set 04, 2018 2:06 pm



- O unico favor que irão me devolver é com notas bem altas! - Sorriu em meio ao agradecimento que o rapaz tinha feito, mas compreendida que os pais deveriam manter a ordem e tomar conta dos filhos, e os filhos... deveriam zelar pelos pais.

Como iria descobrir agora a pouco...

Os olhos dele piscavam devagar olhando ela tomar aquele susto com a aproximação repentina, Stella até coça de leve o rosto enfatizando suas palavras. - - Falar com Tae é... Seguiu o movimento da mão dela com o olhar achando super hyper suspeito, ainda quando ela corrigiu depois dessa forma. Hee Kyung sorri de canto quando ela fala do baile, achando que seria alguma sugestão ou comentário bom a respeito... porém o sorrir do jovem se desfaz conforme escuta o que a canadense tem a dizer....

- Ahh mas por q... - Benjamin, fora um alarme falso, Dong não sabia como podia ser complicado ter uma gravida na casa, era necessário todo um cuidado uma atenção especial da família. As palavras dela iluminam a mente dele como num flash ou um farol, falando sobre a data que estimaram para nascer. -   Sua família é mais importante que um baile Stella-ssi, essa questão você sequer deveria estar fazendo pra mim.

Ele estendeu a mão devagar, pegando um pedacinho do pão, o bastante para dar entre os dedos indicador e polegar, depois levou a boca. -  Ehh... essa pasta é muito boa aposto que essa comida inventada é melhor do que qualquer coisa que fossemos comer no baile.

Estava muito saboroso, além de saudavel mas a garota quase não tocava na comida. Ela ficou mesmo abalada e preocupada com a situação da mãe, fazendo com que Hee Kyung começe a repenser nos seus objetivos futuros, se quisesse mesmo estar na presença da senhorita Jun.


-  Que carinha essa? Parece a mesma que a So Na fez agora a pouco só que menos brava e sem ameaças. - Olhou até de canto para a própria -  Vou te dizer um segredo: você fica com um pequeno bico quando quer saber de alguma coisa, mesmo que não pergunte nada.

A fala saiu meio baixinha como se estivesse sussurrando. -   Lembre-se que sou um aluno exemplar, se faltar em algo tem uma boa razão por trás. - Ninguém estava questionando isso mas era só o jeito dele de dizer para não se preocupar.



11 DE JUNHO. REFEITORIO. 10:14 A.M

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
112

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por The Crown RPG em Ter Set 04, 2018 9:38 pm

11 DE JUNHO. SALA DE AULA. 10:18 A.M.


Bomi deu um pequeno sorriso quando Won disse que ela tinha razão - era engraçado ouvir isso dele depois de tudo o que tinham passado. Disfarçou um pouco, voltando a atenção para o caderno e rabiscando mais alguma coisa.

- Imagino que você não tenha o costume de mexer nas coisas dele. Eu também não faço isso com meu appa.. - Escondeu os lábios. - Tente ser discreto, hm? Não podemos ser muito óbvios ou desesperados, apesar da situação.

Deixou os ombros caírem um pouco, mas a pergunta sobre a viagem permitiu uma pequena brincadeira. A reação dele deu um pouco de peninha e ela se aproximou meio passo, passando a mão pelo braço dele, como se o acalmasse.

- Eu estou brincando. - Disse gentilmente. - Você fica bonito quando se empolga assim. - Franziu um pouco o nariz e deitou a bochecha no ombro, numa pose aegyo antes de se afastar de novo.

Esperava que isso renovasse a vontade dele para manter as investigações, porque realmente não tinha falado por mal. O tom leve deu lugar a uma preocupação de ordem prática. Não sabia como deveriam agir de agora em diante. Seria muito estranho se voltasse a se falar ou sorrir um para o outro do nada, mas também seria difícil de agir com a mesma raiva de antes.

- Ung… - Murmurou e levou a mão direita até a esquerda dele, passando os dedos pelas cicatrizes que tinham ali. - Ontem prometi às minhas amigas que não mentiria nem omitiria mais as coisas delas, mas tenho medo de contar e elas não entenderem… - Franziu um pouco as sobrancelhas. - Ou pior, em algum momento de impulso maior, elas acabarem falando. Bibi e Sussu-yah não são as pessoas mais discretas que conhecemos. Nem o Jae Ki-ssi e muito menos o Kang-ssi.

A verdade precisava ser dita, mas ela não gostava menos dos amigos por isso. Só que no momento, achava que precisavam tomar cuidado. O problema era que voltariam a alimentar uma bola de neve porque era isso o que as mentiras faziam. Piscou um pouco com a reação de Won.

- Para que megafone quando podemos fazer uma live no instagram? Aí o mundo inteiro saberia. - Brincou e levou a caderno até a boca, escondendo a risada. - Vai tentar, né? Só um pouco de ciúmes. Araso…

Meneou positivamente.

- Provavelmente, eu também terei que pedir desculpas a ele, então...Faremos isso juntos também.

Focou os olhos no rosto dele e concordou de novo.

- Eu...ainda tenho medo do que vamos descobrir e de não existir uma solução sem que alguém saia machucado, mas...Ao mesmo tempo, do jeito que estava, nós é que estávamos sofrendo…- Engoliu em seco e abaixou os olhos. Puxou o ar e voltou a encará-lo. - Me desculpa pelas coisas que eu disse no sábado…

Franziu um pouco as sobrancelhas.

- Eu sei que doeu e que fui muito cruel com você. Eu não vou me justificar explicando que fiz isso porque estava confusa ou isso e aquilo. Eu fui cruel porque eu queria te machucar de verdade por conta da raiva e mágoa que sentia ali. Mas eu não deveria ter feito isso e me arrependo do tanto que te fiz sofrer nesses dias.

Escondeu os lábios de novo e ajeitou a postura,  sem deixar de encará-lo.

- Fui uma idiota, você não merecia aquilo…
(C) Ross



CORREDOR. 11 DE JUNHO. 10:18 A.M.


Os dragões estavam acostumados com aquele modo que Kang agia, de vez em quando, durante as conversas. Apesar de ser um garoto bem tagarela, às vezes ele optava pelo silêncio porque sentia que as pessoas queriam desabafar e não um conselho em si. Para Misoo, isso poderia ser um pouco estranho porque conhecia o lado que falava tanto quanto ela. Mas agora, ele estava apenas tentando prestar atenção naquela história toda, mas não a julgava.

Veja bem, tentando.

Porque havia algo mais que o distraía. O fato do namoro ser uma mentira fabricada para salvar a reputação de alguém -  que ele não achava que realmente precisava de qualquer resgate - fazia a voz de Won ficar mais alta em seu ouvido: ele era melhor que Park Jung Mi. Hahaha..Que brincadeira louca. Mas por que ele estava se importando com isso?

Mwo?! Misoo só tinha tomado aquelas atitudes porque ele tinha falado?? Dessa vez, ele não segurou a própria lingua e começou a brincar. Até que se enrolou e se arrependeu da maldita hora que abriu a boca. Aigo...Deu umas risadinhas sem graças e voltou a atenção para o caminho.

Como sempre, a garota voltou a se empolgar com o seu discurso e não ficou ciente do que estava ali diante deles. As opções se formavam na mente e elas eram bem simples: ele podia apenas ter dito “ya, para”, “ya, olha a poça”, “ ya ya ya”. Todos envolviam algum alerta e “ya”, mas ele optou por...tocá-la. Sua lingua realmente travou dessa vez e no puro impulso digno de uma cena daquelas, ele segurou o pulso dela com certa firmeza e a trouxe de volta.

Spoiler:

Ouça até os diálogos começarem ~

Quantas vezes ele ficaria revivendo o modo como o cabelo claro dela balançou no ar e ela o encarou meio assustada? Misoo era uma garota muito expressiva e fácil de ler. Pelo menos, ele achava, porque mesmo quando ela sorria, não era bem para a boca que ele olhava e sim para os olhos. Sempre fazia isso com as pessoas, os olhos nunca mentiam, mas sorrisos podiam ser falsos, afinal, ficavam na mesma região onde mentiras eram ditas.

Naquele instante, os olhos arregalados dela permitiriam que ele enxergasse um pouco melhor a coloração que ela tinha. Seus olhos eram muito escuros, mas um castanho muito bonito que duvidava que fosse encontrar numa paleta de cores. Se tivesse o dom artístico de JaeKi, teria começado naquele momento, a busca pelo tom perfeito porque, de certo modo, estava hipnotizado.

Kang precisava falar alguma coisa, apesar de não se lembrar mais sobre o que estavam falando antes. Optou pelo sim “eu...acho que sim..” e num ritmo deveras atrasado, apontou para o chão onde havia a poça. Não teve muito tempo para explicar porque passos se aproximavam e ele ainda segurava o pulso dela.

Soltou e chegou a recuar meio passo, até entender o que estava prestes a acontecer.

Mais uma vez, sua reação foi deveras exagerada. Parecia que estava protegendo Misoo de uma onda de água suja formada por carro quando passa numa poça ou quem sabe de uma onda em época de ressaca. Mas era apenas coca-cola espirrada por todo lugar. Nem ao menos se apiedou da menina que se estatelou no chão, seu único foco era no abraço protetor para impedir que Misoo fosse molhada e tivesse o uniforme prejudicado. Tinha fechado os olhos e feito cara de dor como se tivesse tomado o impacto de um hidrante que espirrou toda a água nele. Tudo não demorou nem dez segundos, mas pareceram horas de resgate.

Kang ouviu a voz de Misoo depois de perceber o quanto ela se mexia e massageou a têmpora, ainda de costas para as meninas.

- Ne...Não se preocupe, eu vou sobreviver. - Fez certa graça. - Você está bem? - A olhou um pouco mais rápido porque tinha medo do que veria nos olhos dela.

- Sol-Ah!! - Sejeong acelerou os passos até a garota.

Nayeon estava toda encolhida no canto enquanto Yesol não sabia onde enfiar a cara. Queria que um buraco se abrisse no chão para que ela fosse engolida pela terra. Kang virou-se para as meninas e Misoo veria o estado das costas dele. Tinha sido só o blazer - e parte da calça - mas nada irreversível.

- Miane! Mianee… - A menina morria de vergonha enquanto Sejeong se aproximava.

- Ya! Chega, foi um acidente. - Kang estendeu a mão para ela. - Vamos, eu te ajudo a levantar.

Yesol começou a grunhir alguma coisa que não dava para entender, mas estava chorando por conta da cena.

- Ya… - Kang ficou meio preocupado.

- Tudo bem, eu cuido dela.- Sejeong se aproximou com um bico e se abaixou. - Vamos para o banheiro trocar de roupa, hm? Nayeon, chama a moça da limpeza, por favor!

- N..ne! - Nayeon deu meia volta e foi atrás da mulher.

- Miane… - Sejeong pediu para os dois em nome da amiga e começou a tirá-la dali.

Kang passou a mão na cara, respirando fundo.

- Aish…Minhas costas estão grudando. - Virou-se para Misoo. - Ani, está tudo bem. Eu vou ficar sem o blazer e tentar limpar no banheiro.

Arqueou uma das sobrancelhas e foi fazendo uma careta conforme ela caía na risada. Suas bochechas também ficaram vermelhas e a reação óbvia foi “empurrar de levinho a testa dela”, como se estivesse dando um soquinho. Claro que não agrediu.

- É assim que você me agradece?! Aigoo, que menina sem coração! - Tentou parecer bravo, mas a risada dela o fez esconder os lábios. De repente, os ombros dele também estavam tremendo. - Ainda bem que eu não vi a menina caindo...Eu ia acabar rindo. Que cena..

Logo estavam os dois rindo de nervoso e euforia pelo que tinha acontecido.

- Se você continuar rindo de mim, eu vou pegar uma garrafa e te molhar também!- Parou de rir só para dizer isso, mas logo estava rindo de novo. - Eu vou ao banheiro...Aigoo, por que eu faço essas coisas? Kang Woo Jin, seu retardado…Ya, não fique parada ai! Cade a toalha que ia me emprestar?!
(C) Ross



REFEITÓRIO. 11 DE JUNHO.


DONG. 10:17 A.M.


Stella deu um sorriso meio constrangido com o comentário que fez. Encolheu-se um pouco numa expressão culpada e completou porque não gostava de histórias cortadas assim.

- Ne...Ela foi conversar com…- Aproximou-se um pouco dele e sussurrou o nome em seu ouvido. - Do Taemin. Eu prefiro não ficar falando isso alto porque, bom, não quero criar falatório em cima disso…

Quando Stella fez esse gesto na direção de Dong para contar na orelha dele escondendo os lábios com a mão, Ha Neul deu vários tapinhas na frente de Ui Jin e Min Ho. Não foi dos mais discretos, mas a menina estava distraída em seu esforço para manter a conversa apenas entre os dois. O hyeong sorriu de modo cúmplice para os amigos, orgulhoso de seu amigo enquanto Ui Jin apenas sorriu de volta e Min Ho ajeitou os óculos, indiferente.

A garota retornou para sua postura anterior e explicou o porquê de todo o cansaço. Não teve a melhor das noites, preocupada com notícias de sua mãe e irmãozinho. Chegaram de madrugada e se ela dormiu duas horas, foi muito. Somando todas as preocupações alheias e três tempos de matemática, ela só podia estar esgotada mesmo.

E um pouco triste porque queria ir ao baile, ainda mais agora que tinha recebido o convite indireto/direto de Hee Kyung. Sentia como se fosse perder uma experiência importante em sua vida se não fosse.

Contudo, a resposta de Dong colocou os pés no chão. Ela o encarou cheia de admiração e meneou positivamente.

- Eu sei...Foi egoísta e imaturo de minha parte...Miane… - Abaixou o olhar, voltando para o sanduíche que mal foi tocado.

Queria muito ir.

Corrigiu sua postura e ofereceu seu lanche para que ele experimentasse já que estava olhando com certo interesse. Acompanhou o modo como ele provava a pasta e sorriu com as bochechas coradas.

- Fica bom com café, eu acho. Amanhã eu trago um só para você, peço para fazerem fresco hoje.

Pegou seu chá gelado, dando um pequeno gole. Os movimentos dela estavam um pouco mais lentos do que o normal, mas o bico sempre seria rápido quando ficava desconfiada de alguma coisa. Acabou que ela o encarou por mais tempo do que deveria e logo recebeu aquela pergunta.

- Ommo? - Arregalou os olhos - Eu… - Ficou sem palavras com a constatação dele e logo cobriu os lábios com a mão direita. - Jinja? Você reparou nisso? Aigo… - Coçou a cabeça meio envergonhada. - Eu só...Estava um pouco preocupada...Você não é de faltar, como falamos mais cedo.

E mesmo que fosse num “efeito atrasado”, ela estava preocupada com ele.

Os olhos claros cravaram no rosto dele e ela escondeu os lábios, ponderando sobre a verdade naquelas palavras.

- Ne...Eu não vou incomodá-lo perguntando o que foi, apesar de estar curiosa…. - Bateu de leve no ombro dele. - Foi por um bom motivo.

Recuou a mão e dividiu certinho o sanduiche para que ele comesse um pouco mais. Ficou com a outra metade e comeu um pedacinho, mostrando que estava bem.

- E quando vamos jogar juntos, hm? Vocês só me enrolam… - Brincou, começando a puxar um assunto mais familiar para eles.

Quando começavam a falar de jogo, o tempo realmente parecia voar e eles conseguiam se divertir bem mais assim. Alguns minutos depois, Hee Kyung veria que Ui Jin se levantaria para ir até uma pessoa bem peculiar. Estava na hora de entregar seu bolinho, mas também um recado para Seo Hyemin.

HYEMIN. 10:22 A.M.


- É linda, mas não faz nada! - Chaeyoung disse com certo humor. - Qual é a graça de se viver assim, deitada numa cama? - Mordeu o lábios de levinho, como se a pergunta fosse muito mais profunda do que queria parecer. - Prefiro Princesa Hyemin. Isso! Do Hibisco. Combina com você

Não sabia da história do hibisco, mas estavam cercadas por ele e a beleza delicada e fofinha realmente combinava com Hyemin.

- Sim, eu também disse que não demoraria e podem ficar preocupados. As pessoas estão achando que eu sou de vidro. - Riu. - Também estou com um pouquinho de fome, então...Vamos!

Deu o braço bom para ela e andariam assim, sem receios até chegarem na entrada do prédio principal. Disse mais uma vez que teria cuidado com o bilhete e o entregaria do jeitinho que Hyemin pediu. Além disso, deixou Hyemin ciente de que poderia procurá-la sempre que quisesse. Tão logo estivesse livre, iria até ela, se fosse o caso.

Passaram pelo corredor melecado fazendo um pouco de careta e se separaram para entrar no refeitório.

Hyemin seguiu rapidamente até sua mesa onde os amigos falavam de modo leve. Eles a cumprimentaram com um aceno animado e expressões suaves.

- Olá! - Beom Su começou.

- Estamos falando sobre sábado. - Hayoung comentou. - Já estávamos conferindo a previsão do tempo e pensando nos modelos de biquini.

- Hoje está quase o dia de moda. - Beom Su emendou. - Primeiro baile e agora essa festa. Adoro quando temos muitos eventos.

Nana tinha entendido a piscadinha da amiga e estava francamente aliviada por ver que tinha saído tudo bem. No lugar onde Hyemin costumava sentar, havia um suco de morango e pepero, mas antes que ela tomasse o seu lugar, Ui Jin chegaria até ela. Os amigos da mesa até pararam de falar e olharam para o menino.

- ...S...Seo...Seo Hyemin-ssi… - Falou baixinho e a reverenciou algumas vezes, mas nunca olhando para o rosto dela por conta da vergonha.- Aqui…

Entregou o famoso bolinho para ela, mas não parecia terminar por aí.

- Ahm...Recebi uma mensagem de Kim Joo Hyuk-ssi… - Continuou falando naquele tom que ninguém além da pessoa que ele falava diretamente conseguia ouvir.  - Parece que ele foi para o hospital ontem, mas disse que podemos manter o trabalho amanhã…

Olhou rapidinho para ela, com certa ansiedade. Podia ter mandado mensagem, mas sua imagem no kakao não era das melhores, então, ele tomou coragem para falar pessoalmente.

- Então...amanhã nos vemos lá...né?
(C) Ross


ÁREA EXTERNA - 10 DE JUNHO. 10:22 A.M.


JaeKi, Sunny e Hyun


Eun Bi não achava nenhum absurdo em sua fala. Sabia que Sun Hee era sim bonita e depois das coisas que ouviu, sentia-se ameaçada porque sua segurança quase não existia mais. Ficou de costas para ele, meio encostada na árvore e de braços cruzados depois de fazer todas aquelas birras.

Jae Ki tentava se explicar, mas não parecia adiantar. Ela tinha uma cabeça muito dura mesmo e um gênio que beirava o impossível.

Encolheu-se um pouco quando ele foi enfático no “ninguém” o faria deixar de gostar dela. O bico aumentou de tamanho e ela o olhou por cima do ombro, para ter certeza do que ele falava. Estava falando sério mesmo? Abaixou o olhar quando ele disse quem o faria deixar de gostar dele. Voltou a olhar para a frente e suspirou enquanto o ouvia se aproximando mais dela.

Não se movia mais, porque nunca quis sair de perto dele. Tudo aquilo fazia parte da manha por conta do chilique que tinha dado.

Virou-se de frente quando ele deu a entender que ela o chamava de mentiroso.

- Não começa! Eu não disse isso! - Respondeu na mesma hora. - Se for assim, você que está me chamando de mentirosa! Você está me chamando de mentirosa de novo, Jae Ki? - Franziu as sobrancelhas.

Corou com a declaração dele sobre como ela o deixava louco, bem como seus lábios vermelhos. Ao ouvir sobre o nariz, ela escondeu e fez outra voz de criança.

- Não venha morder meu nariz! - Foi bonitinho mesmo.

Fechou os olhos, imaginando que tipo de coisa ele poderia fazer para convencê-la, mas logo percebeu que não seria a visão ou o tato que sofreria represália. Jae Ki estava disposto a estourar seus tímpanos.

- Mwo?!?! - Arregalou os olhos na mesma hora e começou a menear negativamente. - Ani, ani...Aiiishh

Tapou os ouvidos na mesma hora, mas não podia negar que era fofinho. Fofo, constrangedor e ensurdecedor. Fechou os olhos, tapando os ouvidos e dando um gritinho porque não estava aguentando aquela voz desafinada. Começou a se aproximar e tirou uma mão, para cobrir a boca do garoto.

- Shhh shhh shh...Que lindo, mas shhhh - Tentou tapar com as duas mãos e começou a rir, mais relaxada e divertida com aquilo.

Como Jae Ki estava de joelhos, ela não precisou ficar na ponta do pé, nem nada disso. Só teria que lutar contra os braços dele, caso ele a impedisse de calá-lo. As bochechas estavam vermelhas por conta da vergonha e ela se esforçava ao máximo para que ele ficasse quieto.

- Você está estragando a musica!! Hajimaaa!! - Implorou para que parasse. - Eu acredito em você, eu acredito!!!




- Mwo? Jong In? - Minhyun parecia quase ofendido com o modo que foi chamado.

O amigo dele que o havia acompanhado - Cha Sih Jeong, capitão do clube de artes - parecia francamente chocado com aquela comparação. Nenhum dos dois carregava uma aura suspeita ou que estava disposto a causar mal a ela. Na verdade, tinham saído um pouco da confusão do refeitório para dar uma volta e viram quando a menina despencou no banco. Minhyun achou que ela tivesse desmaiado ou coisa assim e tomou a iniciativa.

Ficou preocupado quando viu a lágrima, mas agora que ouviu o nome de Jong In, começava a tirar conclusões erradas.

- Você está….Ya!

Minhyun deu meio passo para trás, mas Sun Hee foi mais rápida ao agarrá-lo pelo blazer daquele modo e chamar com vai vontade ainda pelo nome. Sih Jeong tombou um pouco a cabeça, achando a pronúncia diferente.

- Acho que ela quis dizer Joon Gi, não Jong In… - Murmurou para o amigo.

De todo modo, ele não era nenhum dos dois! Minhyun tocou nos cotovelos dela de modo delicado e tentou devolver a realidade a ela. Não sabia que o impacto seria doloroso, mas não podia permitir que ela continuasse delirando desse modo. Precisava voltar a si.

- Ya, desculpe-me, mas eu não sou essa pessoa…

Mas a voz era tão igual!! E a postura gentil e preocupada, também. Claro que de aparência, não tinham nada em comum. Sun Hee parecia voltar a si e o garoto realmente viu quando a decepção tomou conta de suas feições. Estava desapontada por ele não ser aquele tal de Joon Gi ou o isekya do Jong In.

Tão logo ela voltou a si, tentou engolir o choro e começou a pedir por uma série de desculpas por conta da confusão. Minhyun umedeceu os lábios e meneou negativamente.

- Ani, está tudo bem...Sente-se, hm? Jeong-ah, me dá sua água… - Estendeu a mão e abriu a garrafa, entregando para ela. - Beba um pouco, está quente hoje, o calor pode te fazer mal..

Esticou o braço para que ela não se machucasse ao bater no banco, nem nada disso. Sentou a garota e deu a água do amigo para ela.

- Pensei que você tivesse desmaiado, por isso vim ver se estava tudo bem. Não é muito bom ficar sozinha por aqui. O colégio é muito grande. E se acontecesse algo ruim, quem te ajudaria? Tsc… - Começou a procurar por algo para limpar o rosto dela, mas não carregava lenços consigo.

Ouviu o desabafo dela e trocou um breve olhar com o amigo.

- Está tudo bem. Beba a água para se refrescar…Você...Quer que a gente chame alguém para te ajudar? Quer ir para a enfermaria?

- Talvez seja melhor...Sua pele não parece normal. - o amigo falou. - Não precisa ter medo, não somos o Jong In…

- Eoh...Aliás, você não estava falando dele, né? Do Min Jong In.




- Foi você quem me convidou para almoçar. Eu só não sou difícil. - Disse de modo descarado e quase riu da possível piada, mas apenas quase. - Ani, eu quero almoçar. Melhor que seja fora do colégio mesmo.

Depois que acertaram os últimos detalhes, eles pareciam iniciar uma relação harmônica de mutualismo ali. No dia seguinte, poderiam discutir melhor, fora dali. Só precisava saber o endereço do lugar e se ele entregaria mesmo um celular para ele. Enquanto isso, o próprio celular de Kai tocou com o número de May.

O garoto tentou falar baixo, mas a voz feminina que retornava parecia muito aborrecida para ele. Fazia parecer que era um relacionamento amoroso graças ao jeito mandão e talvez isso deixasse Hyun mais tranquilo. Não tinha como imaginar mesmo que era a noona de Kai. De todo modo, não pôde ouvir tudo porque o garoto o expulsou com uma expressão fechada, quase rosnando.

Quando desceu para o primeiro andar, veria a moça da limpeza arrumando uma bagunça peculiar por ali. Não tinha nenhuma notificação de briga, nem nada do tipo, então estava mais para acidente mesmo. Alguém bem desastrado.

Já no refeitório, os grupinhos estavam separados, mas nada parecia fora do padrão. A joaninha também estava na altura das máquinas, escolhendo entre chocopie e algum outro doce que ela gostasse muito, bem típico dela. Os amigos antigos dele mexiam de modo desanimado no celular, mas a mesa estava diferente. Agora as meninas também se sentavam ali e, para a surpresa de Hyun, Jimin estava ao lado de Eun Joo. As duas pareciam conversar como sempre, mas pareciam ocupadas em seus próprios mundinhos virtuais.

Era óbvio que eles tinham reparado na chegada dele, mas ninguém parecia se importar. Eles estavam agindo de modo estranho e sua paranoia gritava.

Depois de escolher dois chocopie, Chaeyoung o viu pegar um iogurte na maquina proxima a dela. Contudo, ao invés de se falarem, ele se retirava dali sem nem olhar direito ao redor. A joaninha estava curiosa para saber o que tinha acontecido lá no terraço, mas não o seguiu imediatamente. Apenas observou sair.

Hyun Hee teria boa parte do jardim para si, mas havia movimento no lago que ele também gostava de ficar. Depois que saísse do prédio, ele veria Kim Sun Hee - dava para reconhecer de costas, porque era assim que ele vivia vendo a menina por sentar no fundo. Além de ser uma das mais baixinhas do colégio - segurando em Han Minhyun e meio que gritando com ele.

A novidade era ver Han Minhyun metido em algo assim. Sih Jeong também estava por perto, mas parecia tão confuso quanto o amigo. Minhyun a ajudou a voltar para o banco e ofereceu água antes de se sentar ao lado dela.

Quem diria que eles se conheciam?

Logo ele perceberia outra presença atrás dele, mas essa era bem mais familiar. Não tinha prestado muita atenção nela no refeitório, mas depois que viu Kai chegando, ela se sentiu tranquila em ir atrás dele.

- Com licença, oppa, mas você pode abrir pra mim? - Balançou o saquinho de chocopie. - Jebal… - Pediu por favorzinho, mas seu interesse maior era saber se estava tudo bem.
(C) Ross
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Won-Bin em Ter Set 04, 2018 10:32 pm



Aos poucos retornavam a sintonia que encontraram dias atrás quando ficava cada vez mais claro o que sentiam.
Sabia que ela adorava quando admitia que tinha razão, confirmou pelo sorriso.

Bomi escreveu:- Imagino que você não tenha o costume de mexer nas coisas dele. Eu também não faço isso com meu appa.. - Escondeu os lábios. - Tente ser discreto, hm? Não podemos ser muito óbvios ou desesperados, apesar da situação.

Assentiu com a cabeça. Tinha muitos momentos sozinho em casa pra tentar vasculhar, bastava ser cuidadoso pra deixar tudo do mesmo jeito que estava antes. Confiava que ela faria o mesmo.
Meio fácil falar pra não serem desesperados, mas tinha fé de conseguiriam disfarçar bem.

Tinha ficado meio sem graça com a empolgação imaginativa de ser um investigador mas Bomi logo gentilmente corrigia.
O comentário de que ficava bonito ao se empolgar o deixou vermelho feito um pimentão. Apenas tossiu e riu um pouco, nervoso mas com um sorriso enorme no rosto.

Acabou ficando mais empolgado ainda com a investigação, sendo mais prático e dando detalhes do que e como fariam.

Bomi escreveu:- Ung… - Murmurou e levou a mão direita até a esquerda dele, passando os dedos pelas cicatrizes que tinham ali.

Deixou que ela passasse os dedos nas cicatrizes. Não doíam mais, entretanto eram uma lembrança constante de que Won precisava pensar antes de agir e que todas suas ações tinham consequências por mais certas que estiverem.
Aquele carinho seria guardado como uma lembrança de que ele teria de lutar com a cabeça por aquele relacionamento. Sorriu para ela, apreciando aquele gesto

Bomi escreveu:Ontem prometi às minhas amigas que não mentiria nem omitiria mais as coisas delas, mas tenho medo de contar e elas não entenderem… - Franziu um pouco as sobrancelhas. - Ou pior, em algum momento de impulso maior, elas acabarem falando. Bibi e Sussu-yah não são as pessoas mais discretas que conhecemos. Nem o Jae Ki-ssi e muito menos o Kang-ssi.

Kang tinha melhorado muito nesse sentido, mas realmente segurar o segredo com quatro amigos sabendo seria impossível.
Odiava ter de mentir, ou melhor, ocultar dos amigos. Mas parecia ser necessário.

-Eu concordo. Prometi aos Dragões que a gente não ia esconder as coisas um dos outros também, mas acho que é a melhor maneira não dizer nada. Pelo menos por enquanto

Nada garantia também que os dois mesmo não acabassem contando a um deles sem querer qualquer hora.

Não era algo legal mas não ia deixar esse fato os entristecer, sorriu para reafirmar que estava tudo bem.

Bomi escreveu:- Para que megafone quando podemos fazer uma live no instagram? Aí o mundo inteiro saberia.

Gostou da ideia mas ia deixar pra um momento mais oportuno. Quando finalmente pudessem admitir se amarem para todos.

Bomi escreveu:- Vai tentar, né? Só um pouco de ciúmes. Araso…

-Oh, que promessa difícil! - disse meio brincando, meio sério. Teria de invocar todos os poderes dos artistas marciais do cinema para ter forças pra resistir empurrar algum engraçadinho na piscina por exemplo.

Bomi escreveu:- Provavelmente, eu também terei que pedir desculpas a ele, então...Faremos isso juntos também.

-Sim, juntos - falar daquela maneira era tão...boa. Juntos.

Sentia que ela começava a falar um pouco mais sério.

Bomi escreveu:- Eu...ainda tenho medo do que vamos descobrir e de não existir uma solução sem que alguém saia machucado, mas...Ao mesmo tempo, do jeito que estava, nós é que estávamos sofrendo…

Concordava com aquele medo. Won não saberia reagir se descobrisse que seu pai não era uma boa pessoa, ou que poderia ser alguém corrupto.

E então ela começou a falar do sábado. O sábado que sentiu o coração arrancado do peito.

Bomi escreveu:- Eu sei que doeu e que fui muito cruel com você. Eu não vou me justificar explicando que fiz isso porque estava confusa ou isso e aquilo. Eu fui cruel porque eu queria te machucar de verdade por conta da raiva e mágoa que sentia ali. Mas eu não deveria ter feito isso e me arrependo do tanto que te fiz sofrer nesses dias.

Ela falava verdades. Aquelas palavras machucaram Won num nível que ele nunca sentira antes, nem quando o pai o bateu ou quando se decepcionou outras vezes com garotas no passado.
Tinha sido tão doloroso que Won questionou por dias quem ele era, e quem ele queria ser.

Won também carregava mágoa e parte de si queria despejar aquele veneno como tinha feito antes da aula na hora do convite. Tinha sido um pouco duro no sábado também, gritando para que ela desse meia volta e fosse embora se realmente não sentia mais nada.

Bomi escreveu:- Fui uma idiota, você não merecia aquilo…

Won ergueu o indicador direito e colocou sobre a boca de Bomi.

-Bomi...a gente cometeu vários erros. Eu também disse coisas que te machucaram. Você não precisa pedir desculpas, mas... - tirou o dedo e ajeitou seu cabelo mais uma vez. Colocou a mão em seu rosto.
-Obrigado por me ouvir de novo - sorriu de forma doce - A gente pode descobrir coisas que não queriamos descobrir sobre nossas famílias. A gente pode dar de cara com pessoas que não querem a gente juntos. Não importa. Se eu estiver com você, tudo isso vai ser superado

Aproximou o rosto ao dela.

-Isso não é um desejo Bomi. Eu tenho certeza absoluta - disse e se aproximou para dar um beijo nela, como se selasse aquela afirmação. Um selinho rapido

Ela ainda tinha o cheiro e o gosto de morango.

Wangjolove is in the air

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Yeun Misoo em Qua Set 05, 2018 8:33 am



Misoo olhou apreensiva para YeSol, com bastante pena porque a menina chorava, mas a amiga dela deu um jeito de socorrê-la, o que a deixou mais calma - e livre para dar risada quando elas se afastassem.

- Aigo... - ainda resmungava baixo, com um sorriso largo, tendo dificuldades em segurar a risada quando olhava aquela mancha grudenta de coca e as reações do menino que também era muito engraçadas.

Sentiu o toque na testa e escondeu os lábios, como se dissesse “OK, vou parar de rir”, mas as bochechas inflaram, mostrando que obviamente ainda estava rindo muito por dentro. Os dois tinham uma reação parecida.

- Você não é nem louco!! - fingiu estar brava, mas como rosto dizendo o contrário. Ela também imaginou a cena e achou que seria engraçado fazer uma guerrinha de refrigerante. Era criançona a esse ponto.

Mas ele a “salvou”. Ela dizia isso com os olhos brilhando um pouco mais cada vez que olhava para ele e a prova do ato em sua mão. TInha sido algo completamente desproporcional para o ocorrido, mas e daí? Aquilo foi tão louco, imenso e sincero, no impulso, que ela sentiu um tranco na hora e a sensação não tinha passado. Foi engraçado, exagerado, estranho, mas foi verdadeiro. Foi salva de uma garrafa de Coca-Cola. Mas foi tão espontâneo e intenso que tinha atingido em cheio o coração dela.

Ela recebia gentilezas antes de Jung Mi e Gyu Sik. O primeiro fazia coisas bem calculadas, mostrando para os outros o quanto ele era educado e uma boa pessoa. Estava tentando, sendo um bom moço. Já o segundo era mais tímido, mais sincero, porém contido, com medo de ultrapassar a linha deles, e por isso era tão puro. Já Kang tinha acabado de fazer algo completamente novo. Algo completamente… Ela.

Algo exagerado e bem repentino, impulsivo e louco. Algo que veio lá de dentro, sem nenhuma explicação racional. Algo que era diferente da brisa e tranquilidade que as atitudes de Gyu Sik traziam, deixando-a por vezes desconfortável porque, lá no fundo, suspeitava que ali havia algo mais e tinha medo de não corresponder e perdê-lo. Aquilo tinha sido… Provocante e positivo. Não estava constrangida, continuava rindo. Estava estranha sim, mas não era um embaraço vergonhoso, era um nervosismo, uma incapacidade de saber como deveria reagir agora, mas não porque estava travada, mas porque… Parecia importante saber como agir, mas ainda assim, seguia com um sorriso e parecia tudo bem assim, parecia que se agisse natural desse jeito, ela se sentiria mais e mais daquela forma. Não era ruim.

- Araso, araso. Vem comigo, eu pego no armário. Gaja, gaja. - riu de levinho e fez um gesto para que ele a seguisse.

Diante do armário, ela titubeou no código e esqueceu por um segundo qual era a senha e mexeu o cadeado com nervosismo.

- Ahhh, que droga isso aqui - falou nervosa e balançou o objeto. Notou que tinha trocado um número. Nossa, por que fez isso? Riu sozinha e abriu. - Ah, claro, lembrei.

O armário de Misoo era bem agradável, com fotinho das amigas decorando a porta, além de uma foto de sua halmoni, um mini pôster da tenista Serena Williams e uma flor já seca de livro pendurada nos horários. Ela o espiou, de repente sentindo a necessidade de ver sua reação ao seu armário. Piscou uma vez. Por que estava olhando pra ele mesmo? Não fazia nenhum sentido.

Virou para o armário e tirou de lá a mochila de Tênis, de onde retirou a toalha dela de treino.

- Olha, pode ficar. Depois do treino eu vou pra casa. - ofereceu. - Vai lá, vai lá. - continuava sorrindo, satisfeita com o que tinha acontecido.


- E obrigada!! - gritou para as costas dele.

Deu um leve suspiro, e sorriu para a porta do armário, fechando-a em seguida. Que coisa mais louca tinha acontecido. Nem era grande coisa assim, era? Mas Misoo sentia um ânimo reconfortante. Sorriu sozinha e caminhou pelo corredor distraída, relembrando a cena.

~~

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Data de nascimento :
21/12/2002

Mensagens :
132

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Seo Hyemin em Qua Set 05, 2018 12:13 pm



- Ohhh, esse assunto eu gosto. Que tal se a gente for combinando? - abriu a bolsa e tirou de lá o celular, para começar a mostrar sugestões de biquíni, semelhantes aos que já tinha. - Olha esse hots pants inspirado na Pequena Sereia. A gente podia combinarum estilo. Tipo… Princesas. Aí cada uma vai de uma cor. Ou a gente escolhe uma escala de cores, tipo vários tons de uma cor específica. Tenho uns rosinhas tããão lindos. O que estão pensando? Alguma ideia de maquiagem incrível à prova d’água, Bombom?

Estava falante, o que significava que realmente tudo tinha dado certo no papo com Chaeyoung. Só parou para poder beber o suquinho de morango, quando Ui Jin apareceu, deixando-a surpresa, mas já imaginava o que era, por causa do bolinho.

- Oie! Ah, você me trouxe dessa vez? Obrigada~~ - sorriu e fez uma reverência breve, aceitando o bolinho.

Esperou que ele fosse embora, mas ele continuava ali, falando baixinho e titubeando, o que a fez esticar um pouco o pescoço para frente para poder ouvir. Quando ele mencionou aquele nome, ela piscou de forma desconfortável, olhando em volta. Sentiu uma onda de ansiedade passar brevemente. O que será que ele diria para estragar seu dia agora? Ele tinha a audácia de começar a provocá-la através de mensageiros, agora? Não podia deixar de ficar ansiosa com a mensagem. Além do mais, queria saber o que tinha acontecido com ele. Só não esperava que ele teria ido ao hospital.


- Ahn? Como assim hospital? - a expressão murchou, ficando visivelmente sem graça. Perdeu um pouco da cor do rosto, olhando para algum lugar abaixo de Uijin.

Piscou várias vezes. Hospital? Por quê? Ele estava doente? Foi ela? Por que hospital? Hospital… A menina entrou um loop de pensamentos, mas não conseguiu fingir que não estava preocupada. Será que tinha sido culpada? Pelo quê? Como uma conversa daquelas poderia tê-lo levado ao hospital? Ele parecia péssimo mesmo… Mas hospital? Sim, ele tinha acabado de dizer que tinha ido para o hospital, com todas as letras. Poxa, por que precisou falar aquilo? Não, claro que não foi culpa sua. Mas podia não ter falado nada. E se alguma coisa acontecesse? Droga, por que se importar afinal? Ele só estava querendo provocar sua culpa e fazê-la sentir-se mal, com certeza. Mas ele tinha mesmo ido para o hospital, e daí se ele estivesse fazendo isso para que ela ficasse daquele jeito?


Nem percebeu que já estava se debruçando no suco, pensando em tudo aquilo, até que quase se desequilibrou e acabou piscando e voltando a olhar o menino que parecia esperar uma confirmação para ir embora.

- Ahn? Ah tá. Ok. Até amanhã, Uijin - falou sem honorífico sem querer, e sem realmente olhá-lo, pois voltou a olhar a mesa e para seu loop mental.

Será que ele estava mal de verdade? Mas tinha acabado de falar que teriam trabalho amanhã. É, ele só estava fazendo drama. Estava? Ele parecia profundamente triste naquele dia. Será que tinha sido capaz de fazer um mal naquele nível? Mensagem. Será que mandava mensagem? Agora ele ia achar que ela mandou só porque Uijin falou. Mas ela ia mandar antes, não é? Não ia. Era por causa de Uijin mesmo. Joo Hyuk a odiava, pra que mandar mensagem? Mas como ia saber se ele estava bem? Uijin podia falar. Mas não queria ouvir isso de ninguém que não fosse o próprio. Mas ele disse que não queria nunca mais falar com ela… E ela concordou. Nem podia mandar mensagem. Que direito tinha de fazer isso?

O fato é que Hyemin não estava mais ouvindo as pessoas da mesa, completamente distraída com esse problema. Era impossível para ela parar de pensar nisso.

Wangjo |{LOOK: Laço no cabelo | Bolsa | Capinha | Pulseira da amizade }

— Ross

avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Jae-ki em Qua Set 05, 2018 1:01 pm


Jae-ki fez um olhar cansado quando ela teimou dizendo que ele o estava chamando de mentirosa. Eun-bi era uma garota difícil de convencer, e por mais que elogiasse, não parecia dar certo. Era chato falar e ver ela não acreditar. Garotas eram mesmo difíceis, e as de Wangjo pareciam muito menos maduras que sua irmãzinha. Era revoltante ver ela sendo tão injusta com ele.

Ele ainda tentou mostrar que estava certo, na sua visão Eun-bi realmente era a mais linda de todas, tão linda que o deixava realmente louco. Não só linda, mas sexy, a garota mais diferente que tinha conhecido, a mais impossível de alcançar, mas que estava ali com ele.

Deveria ser um crime desejar tanto uma garota. E quando ela chorava ficava com o rosto vermelho, para Jae-ki era muito atraente a coloração dos lábios dela. Ficou com mais vontade de morder Eun-bi quando ela falou daquele jeito escondendo o nariz.

- Se continuar vermelho vou querer morder...

Porém estava cansado de não ser ouvido e por isso começou a cantar. Não tinha a menor vergonha. Ficou satisfeito por ver que funcionou ao menos para tirar ela de trás da árvore.

Tentou desviar dos braços de Eun-bi e cantou mais alto. Mas não insistiu muito porque acabou rindo também. Parou deixando ela cobrir sua boca quando a ouviu dizer que estava estragando a música e que acreditava nele. Retirou com a própria mão a dela de sua boca e a segurava quando implicou:

- Parar? Mas nem terminei a música... Se quiser eu canto pra você no refeitório ou na sala!- Provocou embora falasse a verdade.

Jae-ki não estava só brincando, faria mesmo isso, mas já tinha entendido que ela não gostou. Esperou ela responder com uma reclamação ou batendo nele. Porém ainda sentia falta de estar perto dela, do toque dela, mesmo não fazendo nem minutos que estavam afastados. Jaeki que segurava a mão dela, continuou a segurando e a trouxe para o seu próprio rosto, próximo a sua orelha, deitou a bochecha na mão dela querendo sentir o toque da pele dela no seu rosto. Fez um olhar preguiçoso, gostava das mãos dela.

- Já que você acha que tô estragando a música... A gente pode tentar ir nesse baile aí que tão falando, tem música...

Se colocou de pé, de frente pra ela, bem próximo e ficou ainda segurando a mão dela enquanto falava:

- Se der pra mim, vamos juntos no baile? Ouvir música e dançar juntos. - Perguntava para ela como que para confirmar, eram namorados, então o esperado era que fossem juntos, achava ao menos.

Jae-ki era meio afoito, nem tinha conseguido pesquisar se havia uma taxa ou algo assim, mas queria que Eun-bi soubesse que ele queria ir, antes dela fazer outros planos. Daria seu jeito se tivesse uma taxa ou algo assim, podia falar com a Senhorita Yang. Ele também sentia seu estômago pedindo comida, mas tinha feito sua decisão, agora só na hora do almoço.






Wangjo

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Park Hyun Hee em Qua Set 05, 2018 5:19 pm

 

Hyun Hee achou que estava dando espaço para a namorada falar com as amigas e criando ali um certo respiro de confusões para os dois,e e não esperava que ela fosse atrás dele.

Também não queria ficar naquele ambiente, ainda mais depois de ver Jimin e a amiga juntas. Será que ela tinha inventado uma desculpa imbecil qualquer de jogar a culpa nele e ela comprou?

Bem, não era mais problema dele se fosse isso, mas seu lado vingativo ficou decepcionado. Esperava uma guerra de puxar cabelos, mas não era nada parecido com isso que acontecia ali.

Se fosse Jongin e ele, sabia que também seria assim. Fingiriam que nada aconteceu e sairiam juntos de novo. Apesar da sugestão de Kai, não tinha mais estômago pra isso.

Agarrou seu iogurte e fugiu da cena para onde achava que estaria mais tranquilo, mas se deparou com uma colega de sala se descabelando com alguém que ele nem sabia que conversava com ela, mas que era alguém importante para se aliar depois. Decidiu ficar e logo nos primeiros instantes achou bem curioso e até engraçado.

Aquela menina era bastante desequilibrada na sua visão, porque todas as vezes que teve oportunidade de interagir com ela envolveu grito ou choro.

Na primeira ele quem estava descontrolado e ouviu gritos dela, quelhe pareceu muito corajosa de fazer isso, aliás. Depois foi a vez dela de ficar com vergonha por estar aos prantos nos braços daquele menino, de quem tinha um pouco de pena masculina. E agora ela estava ali bem fora da casinha. Gostava de gente desequilibrada, então só sorriu. Era melhor que aqueles que queriam se fazer de perfeitos, alinhados, puros e herdeiros o tempo todo, embora ela não mostrasse essa face com frequência. Seria mais interessante para alguém como ele se mostrasse.

Ficou ali uns segundinhos a mais para assistir a sua comédia sádica particular, mas era educado. Sairia de lá sem alarde nenhum, como da vez em que ela estava com o rosto inchado de choro, preocupada que alguém fosse fazer perguntas. Porém, dessa vez alguma coisa no jeito insano da garota o fazia sentir algo estranho. Seria um tipo de atração pela face comum, porém perfeita? Olhou um pouco mais, encucado.

Ela não fazia seu tipo, composto por meninas altas e de cabelão. Ah, sim, talvez fosse o cabelo longo e negro que chamou a atenção de JongIn aquele dia. Será que era isso? A menina parecia ter uma aura mágica em volta dela e que o fez ficar ali assistindo mais tempo do que gostaria.

Antes que concluisse o que o intrigava tanto na pequena e frágil menina, ouviu um barulho de saquinho atrás dele e virou-se para Chaeyoung. Não esperava que ela fosse parar ali.

- Cansou das suas amigas? - brincou, carinhoso e pegou o pacotinho dela, dando as costas para a cena - Claro que eu abro. Diga a verdade, você só ficou com saudade.   - tirou uma tortinha de lá e colocou na boca dela, mordendo a outra ponta, para fazer graça.

Terminou de mastigar e a observou com um sorriso no rosto.Já tinha esquecido Sunny. O que o tinha atraído ali não tinha nada de luxúria, mas era uma identificaçao com ela, no caso, deperder as estribeiras. Tudo isso porque o primo e fez ficar em alerta para alguém sofrendo, mas era profundo demais para ele notar isso e descobrir que a achava louca pq identificava coisas parecidas consigo.

-  Só fui me certificar com o seu amigo o que aconteceu. Estava cuidando da senhorita. Mas já que está aqui… Vamos passar o restinho do tempo juntos. O que fez no seu intervalo? E como foram as aulas? - quis saber e tentou sair andando com ela para escoltá-la de volta

Humor: mania/estável/--+++

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Kim Sun-Hee em Qua Set 05, 2018 7:04 pm



Naquele período de devaneio, não houve espaço para outros pensamentos que não fossem aquilo que... ela via. Aquele. Algo que apenas encontrava-se nos olhos de Sun-Hee. No caso... Esse “algo” era uma lembrança espelhada pela memória intacta. Porque ela até vinha sofrendo com bruscos lapsos na memória, mas existiam coisas que nem mesmo uma eternidade seria capaz de fazê-la esquecer. Então, por isso, não percebeu o choque dos rapazes, menos ainda o desconforto que os chamados provocaram neles. Ao contrário do anterior, o segundo chamado teve um peso maior devido ao desespero de, enfim, sentir-se despertar de um sonho.

Rapidamente soltou o oppa, envergonhada pela cena e completamente abalada por Minhyun... bem, não ser ele. A pessoa que esperava.  

Mas como era possível que...

Não percebeu o toque cuidadoso na altura dos cotovelos, pois a confirmação de que Minhyun não era mesmo Joon-Gi aconteceu tão breve quanto um movimento simples das pálpebras. Uma piscada. Engraçado, né? Parando para pensar... Como as coisas podiam ser facilmente destruídas em segundos estúpidos...? Num minuto, tudo está ótimo, e no outro... não mais.  

Sunny pressionou os lábios e os olhos transbordaram.  

Ele negava, mas a mente não absorvia isso.

Era... igual. Não só o timbre... A maneira de falar, os gestos...

Mais um pouco e a bolsista gritaria para que ele parasse de mentir. Que parasse de machucá-la. Porém, recobrou a “consciência" antes de causar mais problemas ou criar novos desentendimentos. Bastava o que passou ao lado de Taemin. Não tinha mais fôlego ou força. Entretanto, a postura do oppa era incrivelmente serena e agradável... Ele se esforçava para deixá-la confortável, embora sequer a conhecesse. E Sun-Hee carregava certos receios. Era uma tarefa complexa a de adivinhar quem eram as pessoas que realmente não ligavam para os bolsistas ou aquelas que se empenhavam em expulsá-los dali. De toda a forma, com a ajuda dele, seguiu ao banco, onde sentou-se de modo pesado, como se o corpo tivesse parado de obedecê-la, tomando vontade própria.  

Aceitou a água, murmurando um "komawo"... Mas bebeu apenas um gole, com medo de enjoar o estômago. A boca estava seca, porém lhe faltava sede. Na verdade, internamente, ela continuava a tremer tanto que parecia atravessar um inverno típico de países europeus.  

Manteve a garrafinha entre as mãos e a cabeça baixa, ombros arriados, mas que mexiam-se devido à respiração alterada.  

- Miane...

Ela pediu desculpas de novo, apesar das palavras de Minhyun não serem uma bronca. No entanto, preferiu dizer isso do que contar que não estava sozinha desde o começo...  

Bebeu mais um pouco da água e logo a estendeu na direção do herdeiro. Todavia, quase a derrubou diante da oferta. Depressa, começou a mexer a cabeça de um  lado para o outro com certo exagero, enfatizando que não era necessário.  

- Não, não, não... Jebal....! Está... Está tudo bem, oppa! Foi o calor! Eu só fiquei tonta, mas agora melhorei. Não preciso ir à enfermaria... - chegou a erguer as mãos, balançando-as e por pouco não derrubou a água no próprio uniforme – Eu... J-Juro... - Sunny deslizou a mão livre pelo rosto, secando os resquícios de choro e forçou um sorriso - É muito gentil da parte de vocês se preocuparem. Desculpa por atrapalhar o restante do intervalo... Acho que já vou. Estavam procurando um lugar, né? Podem ficar aqui - disse, inquieta, e aproveitou para devolver a garrafa enquanto se levantava cuidadosamente.

O comentário do outro oppa chamou sua atenção.

- Jong In?

Minhyun completava o raciocínio do amigo.

- Min Jong In.... Ahn... Eu não o conheço. Talvez de vista, mas não tenho certeza... Oh... Acho que entendi...

Jong In e Joon Gi possuíam uma sonoridade semelhante.

- Não, não é dele.

E foi a única explicação.

- Sinto muito pelo mal-entendido. Ele é amigo de vocês?

Queria mudar de assunto e tirar o foco de seu aparente estado.

Sunny recolheu o lixinho e ajeitou a mochila nas costas - e a mesma pesava mais do que o normal.

“Pesava.”

- Komawo.  

Se curvou diante dos dois, já pronta para sair. Tinha que passar no banheiro e ajeitar a aparência antes do fim do intervalo.

WangJo

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por The Crown RPG em Qui Set 06, 2018 12:56 am

11 DE JUNHO. SALA DE AULA.


Diante daquela pequena - imensa - reviravolta que eles sofreram durante o intervalo, Bomi sentiu a necessidade de admitir como tinha sido cruel no sábado. Lamentava pelo que tinha dito, mas não se colocaria na posição de vítima ou inocente, porque realmente quis feri-lo em sua cegueira de ódio. O sentimento de traição tinha sido tão grande que ela quis que ele pagasse na mesma moeda.

Não foi um ato bonito, tampouco justo. Apesar de não saber quem tinha razão, de uma coisa ela tinha certeza agora: Won Bin realmente a amava e tinha sido sincero em suas palavras. Logo, ela foi injusta em destilar seu veneno para cima dele.

Bomi podia ser uma pessoa muito dura em suas reações, mas também sabia reconhecer seus erros. Tinha sido assim com Misoo e agora com Won. Gostaria de chegar no dia que não precisasse pedir desculpas por esse tipo de coisa, porque não queria falhar de novo, nem magoar quem não merecia.

Estava prestes a falar mais quando sentiu o dedo indicador de Won em seus lábios. Os olhos castanhos avermelhados ficaram arregalados e as bochechas coraram com aquele toque tão próximo. Os lábios carnudos chegaram a ficar abertos por um segundo, mas logo tratou de fechar a boca e esperar pela resposta dele. Apertou a mão esquerda dele com mais força porque ficou tensa. Não parecia tão à vontade quanto na sexta-feira, mas era mais pelo ambiente e também porque perdia sua segurança quando estava perto dele.

O coração acelerou e pareceu bater na garganta quando Won admitiu os erros dele também e dizia que ela não precisava se desculpar mais. A garota esboçou um sorriso igualmente doce para ele, mas ficou um pouco triste com as hipóteses levantadas. Não queria que sua felicidades fosse motivo de ira para os outros, ainda mais quando esses outros eram pessoas que ela também amava. Soltou o ar pela boca por um instante, desviando o olhar, mas não por muito tempo. Won a puxava de volta de novo, como um ímã.

- Ne… - Concordou, mas ficou muda quando ele aproximou o rosto do dela de modo tão súbito.

Quando foi que ele ganhou tanta coragem para tomar iniciativas como essa? Queria sorrir, mas estava chocada demais e recebeu o selinho com os olhos bem abertos e arregalados. Estava ainda mais presente do que no sábado, ainda que tenha sido só um selinho.

Não demorou nada, mas foi o suficiente para ela ficar vermelha como um tomate e…

- Ommo.... - Bateu com o caderno no braço dele. - Ya! Você perdeu a noção do perigo?! A gente não combinou que seria segredo? Como você me…- Perdeu a voz e pigarreou, escondendo os lábios. - Como você me beija aqui assim?

Mas ela sorria. Estava com raiva ou feliz?

- Aigoo…- Escondeu o rosto atrás do caderno, mas logo colocou os olhinhos para fora, vendo a cara dele até soltá-lo para guardá-lo na mochila e esconder melhor o blu-ray.

Pegou uma necessaire para se maquiar no banheiro e ter um álibi até a hora de voltarem, mas ele ainda estaria ali. Aproximou-se, ainda com as bochechas coradas e ficou na ponta dos pés, dando um beijinho na bochecha dele.

- Eu gostei. - Admitiu baixinho, mas bateu o ombro no dele, acelerando um pouco os passos para ir ao banheiro e se preparar para o papel que interpretaria depois do intervalo.
(C) Ross


CORREDOR. 11 DE JUNHO.


- Pois não duvide! - Kang respondeu como se estivesse igualmente bravo, mas o bico de raiva logo virou uma risada que deixou seus olhos como dois riscos.

Mesmo que ela não tivesse dito nada, ele também imaginava uma guerra de refrigerante porque Misoo era esse tipo de pessoa. A risada foi diminuindo a ponto de ficar um pouco embaraçoso. Por que, afinal, estavam rindo tanto? Coçou a nuca, pigarreando enquanto olhava para baixo e logo falou da toalha para que ela pelo menos retribuisse de alguma forma.

- Gaja! - Concordou e deixou que ela fosse na frente.

Andou cerca de dois passos atrás dela enquanto ela se adiantava para abrir o armário com código. Aproveitou esse tempo para observá-la mais um pouco. Woo Jin realmente não entendia o que estava acontecendo ali, mas a imagem dela começou a passar numa espécie de filme.

Quando foi que aquela garota agressiva que arremessava mochilas e gritava com alguém como Jae Ki, virou alguém indefesa que necessitava de cuidados? E por que logo dele, um garoto alto e magrelo que não era nem de longe forte como Won ou ágil como Jaeki?

Olhou para o cabelo dela se movendo de novo enquanto parecia ansiosa para chegar até o armário e suspirou baixo, olhando para os próprios sapatos gastos. Podia ouvir a risada dela ainda e Misoo não tinha nenhum tipo de modo, sempre abrindo a maior gargalhada, mostrando todos os dentes e rindo mais ainda quando estava nervosa.

Estava tão distraído que quase passou direto, mas voltou porque ouviu a reclamação dela para abrir o armário.

- Você esqueceu a própria senha? - Implicou. - Que pessoa mais distraída...Calma, eu tô brincando, me empresta a toalha, jebal.

Apressou-se em dizer e lançou um olhar para o interior do armário. Tinha sido mais sem querer do que algo pensado. Não sabia o que esperava encontrar ali, mas viu um resumo de Misoo em imagens. Sempre cercada com as amigas, ao lado da senhora que deveria ser a avó que ela tanto citava, sua ídola do tênis e uma...flor seca. Franziu um pouco as sobrancelhas para aquela flor, não entendia porque ela guardava uma flor assim. Era alguma lembrança? Por que não colocava uma nova para trazer um pouco de vida?

Sua interpretação foi diferente do óbvio, achando que aquilo não combinava com ela. Mas talvez fosse a parte triste que descobriu ainda naquela sexta-feira.

Quando Misoo virasse para ele, Kang voltaria os olhos espertos para ela e daria um sorrisinho agradecido.

- Eoh, eu trago de volta amanhã para te devolver, então.. - Pegou a toalha dela. Era tão macia e cheirosa. Devia ser mais calça do que muita roupa de seu armário. - Komawo…

Reverenciou e recuou sem virar de costas até que girou nos calcanhares e seguiu até o banheiro do 1º andar. Olhou para ela mais uma vez e sorriu, acenando antes de se virar e entrar no banheiro masculino. Tão logo saiu da vista dela, também se apoiou na parede e segurou a toalha com mais cuidado.

Sentia o corpo meio febril e com uns sintomas que nunca tinha conhecido antes. Por que queria que ela estivesse ali? Que coisa mais melosa e grudenta...Já estava com saudades dela? Claro que não! Um espírito livre jamais se prenderia assim. Escondeu os lábios e pensou que nunca contaria isso para Won Bin porque não queria ver a cara de convencido dele. Não tinha nada demais ali!

Nada!!

Então, por que seu coração parecia querer sair do peito?

Balançou a cabeça e acelerou os passos porque se ficasse perdendo tempo ali, teria que assistir às próximas aulas ainda sujo e melecado de coca-cola. Por isso preferia sprite.
(C) Ross


REFEITÓRIO. 11 DE JUNHO.


- Combinando? - Beom Su também adorava esse assunto.

Yerin ficava mais passiva do que ativa nesses assuntos. Como todos já sabiam, ela não se interessava muito por moda. No máximo, por cores, porque adorava estudar cores - uma ironia de alguém que estava sempre de preto. Hayoung e Beom Su sempre ficavam mais falantes e Nana era o toque fashionista.

- Princesas? Mas isso não combina mais com o baile? - Beom Su perguntou.

- Podemos usar como um easter egg do baile. - Nana brincou. - Mas também gosto da paleta de cores...Ottoke? - Fez um beicinho.

- Se for paleta de cores, podemos usar do roxo ao lilás? - Yerin perguntou.

- E se usarmos as cores da irmã da Ariel? - Hayoung perguntou. - Cada uma tem uma cor e seria princesa com paletas de cores.


- Ooh, será que achamos a parte de baixo que nem da Ariel? Talvez dê para tingir… - Nana pensou. - Acho que consigo fazer isso para sábado, se combinarmos direitinho.

- E eu posso fazer uma maquiagem sereia em vocês também. Tons pastéis e brilho...Aaah, serão lindas sereias. Sim, eu já tenho ideias! - Disse todo empolgado.

Mas o assunto morreu um pouco quando Ui Jin se aproximou. Eles meio que já sabiam o que o menino queria porque ele sempre dava um bolinho para Hyemin, mas dessa vez, não se limitou a isso. Hayoung fez uma pequena careta e logo desviou o olhar. Os outros também deram um pouco de privacidade enquanto Beom Su mostrava as maquiagens no celular.

Nana estava incrédula. Não queria usar aquelas cores não, Yerin também estava dispensando. Era uma pessoa mais discreta. Beom Su não desistiria tão fácil e seus argumentos distraíam da conversa que ocorria logo ali.

Ui Jin não queria ser portador de péssimas notícias, mas achou por bem avisá-la. Além deles estarem no mesmo grupo, havia muitas teorias em sua mente. Tudo começando com aquele hibisco, passando pela conversa que ele viu no dia anterior e terminando com a história do hospital. Como tinha imaginado, ela não fazia ideia, mas de certo modo parecia se sentir culpada por isso. Joo Hyuk não a culpou por nada, nem citou seu nome, mas até aquele momento, eles nem sabiam que os dois se conheciam tão a fundo.

Quantas coisas mais omitiam?

- Eoh… - Falou baixinho. - Parece que ele passou mal ontem à noite e precisou ir ao hospital para tomar medicamentos na veia…

Explicou o que sabia, mas não soube dizer se ela ouvia ou não. Hyemin parecia perdida nos próprios pensamentos e até debruçava o queixo de modo fofo e infantil sobre a latinha. O repentino desequilíbrio fez Ui Jin ajeitar seus óculos, assim como atraiu a atenção de seus amigos.

- Até amanhã, Hyemin-ssi…

Reverenciou e não ficou ansioso pela ausencia de honorificos. Achava que Hyemin nem estava mais ali mesmo. Também reverenciou os outros e saiu de perto, voltando para a própria mesa. Antes, ele voltou e colocou o segundo bolinho para a própria Hyemin. A pessoa triste do dia parecia ser ela. Então podia ficar com o extra. Acenou mais uma vez e saiu definitivamente da mesa.

Yerin deu uma boa olhada em Hyemin, mas não a incomodou para não criar maiores constrangimentos. Continuou ouvindo sobre o tópico da festa de sábado, mas ela também não tinha mais tanto interesse e ficava observando Hyemin, preocupada com o que a amiga estava pensando naquele momento.

Que tipo de notícias ruins um menino gentil como Ui Jin podia trazer?
(C) Ross


ÁREA EXTERNA - 10 DE JUNHO..


Eun Bi se encolheu um pouco mais quando foi ameaçada com mordidas, mas a solução de Jae Ki foi a mais inesperada, engraçada e desafinada que ela podia esperar. Foi muito fácil tirar a namorada de perto da árvore quando abriu aquela voz de rouxinol gripado.

A garota estava morrendo de vergonha alheia, mas também estava se divertindo muito e achando fofo, ao modo Jae Ki. Um fofo ogro. Aproximou-se dele, tentando tapar seus lábios. No inicio, ele conseguiu desviar, mas se continuasse revidando assim, acabaria perdendo o equilibrio e cairia. Ela finalmente conseguiu tapar a boca com as duas mãos e pediu para que ele parasse enquanto ria.

Jae Ki afastou a mão dela e completou que cantaria para ela em outros lugares mais movimentados.

- Ani!! - Apertou as bochechas dele. - Guarde sua preciosa voz para falar que me ama. - Respondeu convencida.

O garoto não teria problemas em recuperar o contato porque ela mesma havia apertado as bochechas dele. Deixou que ele segurasse seu pulso e guiasse a mão até a bochecha de novo, mas dessa vez para fazer um carinho. Fez uma expressão um pouco mais doce e sorriu de modo gracioso para ele. Antes que ele pedisse, ela levou a outra mão também e fez carinho nas bochechas dele com os dois polegares.

- Tentar, é? - Arqueou uma das sobrancelhas. - Nós vamos

Começou a se ajeitar, sem soltar o rosto dele enquanto o via se levantar. Esticou os braços e tombou um pouco a cabeça para continuar a encará-lo. Não havia mais resquício de choro ou da manha que havia feito antes por conta de Sun Hee. Ela voltou a sorrir e ainda mais por conta da ideia dele.

- Ung, eu quero muito ir com você. E dançar… - Deu um passo à frente, deslizando as mãos da bochecha para o pescoço até envolver a nuca dele, fazendo as mãos se encontrarem logo atrás. - Pelo menos uma música com você. Uma música lenta e romântica.

Fez gracinha com o nariz e deu um beijo na bochecha dele antes que ele pensasse em roubar qualquer coisa dela. Soltou e entrelaçou os dedos aos dele.

- Você quer pegar uma fruta antes de subirmos? Você não vai aguentar ficar tanto tempo sem comer… - Disse meio preocupada com ele e o convidado a voltar para o prédio deles antes que ficassem sem tempo para pegar nada no refeitório.




Hyun Hee estava distante o suficiente para que Sunny e os envolvidos não reparassem em sua presença. Na verdade, a situação foi tão esquisita que o trio estava mais focado em entender o que acontecia do que em quem poderia assistir ao redor. A cena seria bem interessante para Hyun apreciar.

Cada vez mais ficava comprovado que Wangjo era mais do que um colégio. Era um pequeno hospício. Se fosse analisar direitinho, não dava para salvar quase ninguém ali. Como é que o primo queria que ele descobrisse por si só quando todos eram loucos? Pelo menos ele era medicado.

O garoto conseguiu um pouco de paz, assistindo o suficiente para tirar conclusões sobre Sunny. Algumas que a maioria das pessoas discordariam porque, por ironia ou não, não era sempre que ela perdia a compostura. Hyun é que sempre estava por perto quando acontecia, por isso ele ficava com a impressão de que ela era assim. Os amigos ficariam chocados e aqueles que a observavam com mais afinco, não acreditariam. Ela era o tipo de menina perfeita que as outras garotas gostavam de rejeitar ou perseguir.

De todo modo, a análise chegou ao fim quando o saquinho de chocopie chamou sua atenção. Hyun virou-se de frente para Chae, tapando a cena e a namorada também estava mais interessada em saber de outras fofocas. Nem chegou a reconhecer Sunny porque ela já estava sentada e Minhyun que se mantinha de pé.

- Ani, eu nem… - Fiquei com elas hoje, mas mordeu a própria língua e mudou o assunto. - Se você não quiser abrir meu pacotinho, eu peço para alguém mais gentil. - Resmungou com uma cara aborrecida que se desfez em seus puros sorrisos quando ele aceitou. - Ani, não era saudade, era curiosid…

Não conseguiu completar porque ele colocou o bolinho em sua boca e mordeu a outra ponta. Arregalou os olhos, sentindo as bochechas arderem de tão coradas. Quando ele afastou, ela botou a mão embaixo para não deixar o bolinho cair, mastigando um generoso pedaço.

Tossiu um pouco e engoliu depois de mastigar um pouco. Mordeu o pedaço que ficou em sua mão e deu a outra metade para que ele comesse também.

- Talvez um pouquinho de saudade… - Respondeu enquanto mastigava e sorriu de modo cúmplice e girou para acompanhá-lo de volta para o prédio. - Hm...E a conversa foi boa?

Estava mesmo curiosa com o conteúdo da conversa, mas julgando o modo como os dois chegaram inteiros e bem no refeitório, parece que tinha corrido tudo como ele planejava.

- Eu...fui na secretaria… - Deu o outro pacote de chocopie para ele abrir e se ocupar enquanto ela pensava numa mentirinha. - Para me dispensar dos clubes sem contar como falta porque não posso usar meu braço. Mas aí eu não cheguei até lá… - Suspirou. - Tava muito cheio e estava cansada, aí só fui passear um pouco, ver os hibiscos… - Sorriu. - A aula foi cansativa, é dificil prestar atenção quando não pode anotar.

Fez um biquinho.

- Mas foi tudo bem. Pelo menos hoje tem clube de música e desse posso participar. - Fez um “v” com os dedos.- E seu dia? Foi bom?

Quis saber aproveitando os últimos minutos de intervalo ao lado dele.




Minhyun parou de falar para deixar que a menina voltasse a si. Não tinha ideia da profundidade que a confusão dela carregava, mas conseguia ler suas expressões o suficiente para perceber que ela não estava bem. Como não a conhecia, imaginou que fosse o calor ou algo do tipo, por isso insistiu na hidratação.

Quando perguntou se queria que chamasse algum conhecido, ficou surpreso com a reação excessiva dela.

- ...Araso, você não quer preocupá-los, não é? Mas se quiser que eu te acompanhe até a enfermaria, não tem problemas. Você está mesmo muito pálida.

O garoto tentou reforçar, mas não insistiria mais. Via o esforço que a garota fazia para parecer bem e não chegava a julgar suas negativas. Eles eram estranhos, apesar dele não querer o mal dela. Teria tido uma atitude semelhante com qualquer pessoa, não foi um privilégio de Sunny. Minhyun tinha um bom coração e não ignorava cenas como essa.

- Está tudo bem. - Tranquilizou. - Não vamos ficar aqui também, só viemos porque você não parecia bem. Mas já que melhorou…

Afastou-se dela, recuando alguns passos e olhando melhor o quadro. Parou apenas para perguntar sobre Jong In. A fama daquele garoto o precedia e não seria novidade ver alguém de coração partido por conta dele. Só queria confirmar se tinha entendido bem ou se estava fazendo alguma confusão.

Sunny tratava de desfazer o mal entendido e Minhyun respirou aliviado.

- Que bom...Ani, não somos amigos. - Foi bastante direto. - Só somos colegas de turma. Mas enfim, pode ficar com a água. - Estava devidamente lacrada quando a ofereceu para a garota e não tinha porque pegar de volta.

Os dois rapazes trocaram um olhar compreensivo para Sun Hee e não impediram sua partida. Ela só teria tempo de se arrumar no banheiro antes do sinal bater. Pelo menos, o celular trazia notícias de Kim Joo Hyuk.

Caso ela lesse, haveria a seguinte mensagem

JOO HYUK

JOO HYUK
Meu celular estava desligado porque o deixei carregando longe da cama. Eu estou vivo e bem.
JOO HYUK
Ontem à noite tive uma crise forte de dor de cabeça e no estômago e minha mãe me obrigou a ir para o hospital. Foi gastrite e enxaqueca, um belo combo do estresse. Consegui dispensa para dois dias, mas se eu estiver bem amanhã, irei para o colégio.
Anote tudo e não se meta em confusão. Consegue prometer isso para mim? Eu tô estressado, hein! Cuide de minha saúde T_T
Brincadeiras à parte, desculpe por preocupá-la. Pelo menos agora você sabe como me sinto quando você some =p a diferença é que eu VOU AO MEDICO e você só enrola. =)
(C) Ross



[Quem quiser responder aos turnos, pode responder, mas já retire o char de volta para a sala de aula. Quem quiser esperar mais conteúdo para já embarcar na parte da tarde, aguarde. Estou esperando o Dong postar, mas só espero até amanhã mesmo.]
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 7

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 5 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum