Fóruns Gráficos
3
Créditos
» Skin obtida de The Captain Knows Best criado por Neeve, códigos acrescentados por Weird e baseado no tema The Walking Dead Theme criado por Hardrock. Graças aos suportes e tutoriais de Hardrock, Glintz e Asistencia Foractivo.
» Versão Elysium adaptada por Hurricane, Rossin e Persephone.
Narradores
6
Personagens Ativos
40 Personagens Ativos
Últimos assuntos
» Capítulo 8
Ontem à(s) 11:17 pm por Kim Sun-Hee

» Episódio 1
Ontem à(s) 9:17 pm por Kasumi Sanada

» Sons of Neptune
Ontem à(s) 8:05 pm por Starry Night

» [DADOS] Onde estrelas nascem ou morrem
Ontem à(s) 6:12 pm por Starry Night

» Golden Boys
Ontem à(s) 1:47 pm por Starry Night

» @ohmygyuri
Ontem à(s) 10:54 am por Nam Gyuri

» @ommagyuri
Ontem à(s) 10:42 am por Nam Gyuri

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:52 am por Moon Jae-Eun

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:42 am por Moon Jae-Eun


Capítulo 3

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Qua Mar 21, 2018 11:05 pm

Jae-ki esperava pela resposta de Eun-bi, mas pra sua surpresa quem falou primeiro foi MiSoo. Ele não esperava que ela fosse lhe dirigir a palavra já que da outra vez tinha ido embora assim que o viu. Jae tinha os olhos um pouco arregalados enquanto a escutava. Era sério que ela queria que comessem juntos? E até estava se oferecendo para pagar. Ele lançou um olhar para Eun-bi e depois para MiSoo de novo. Podia confiar na bailarina, mas não na amiguinha dela. Se já tinha desconfiado dos amigos, pior ainda era de alguém que nem o cumprimentava até pouco tempo. Jae-ki achava que MiSoo só podia estar planejando alguma coisa. "Aishh... Até parece que sou otário, sou cachorro de rua garota, não caio nessa." Não era que nunca aceitava coisas, gostava de ganhar comida dos seus amigos, até da Eun-bi se fosse comida, aceitaria, pois poderia retribuir, não era algo impossível. Mas de alguém que o tinha ignorado, era difícil não desconfiar.

Na cabeça de Jae-ki ela devia tá dando uma de boazinha agora para depois quando fossem brigar jogar na cara dele que tinha sido caridosa, e que tinha ajudado a alimentar os pobres bolsistas. Ou será que faria como Hye-min? Inventaria que ele estava com elas para ganhar coisas? Tudo bem que ela também iria pagar para Eun-bi, mas era uma situação bem diferente pagar para ele. A voz da garota também parecia meio desanimada, devia ter terminado com o namorado. Será? Não importava, ele não cairia nessa, já tinha visto MiSoo jogar uma mochila nele. Então Jae-ki a respondeu de uma forma bem clara, porém sem gritar ou parecer zangado, embora estivesse meio arisco.


- Ani, eu não tomei conta da bolsa dela para ganhar alguma coisa, foi só porque eu quis... E olha, eu já tava por aqui mesmo, não foi nada demais.

Depois de falar isso, não queria tornar o clima ruim para Eun-bi, tinha prometido não falar com MiSoo, embora não tivesse planejado brigar. A bailarina tinha sido clara quando falou que a conhecia muito bem para saber que não era o dia certo para conversarem. Por isso não achava boa ideia terem a conversa que queria com ela nesse momento, porque tinha combinado outra coisa com Eun-bi antes, e Jae queria cumprir com o combinado. A bailarina tinha insistido tanto, não podia desfazer agora. Mas por outro lado se ela concordasse, não seria burro de dispensar a companhia de Eun-bi.

- Mas sério? Não se importa em comer perto de mim?  - Perguntou a MiSoo - Se querem sentar junto comigo, por mim tá de boa. Mas eu sei que foi um dia estranho pra vocês, então... - Olhou para Eun-bi - Vocês que sabem, não precisam ficar perto de mim só para agradecer, eu não tô sozinho, vim estudar. Então o que vocês decidirem tá bom para mim... O que acha, Unbi?

Jae-ki perguntou a Eun-bi porque foi ela que fez o combinado, então deixaria ela decidir. Gostava da companhia de Eun-bi, mas ficou olhando para ela esperando por uma resposta ou algum sinal.
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Won-Bin em Qui Mar 22, 2018 12:41 am


Won não entendeu quando viu a risadinha de Bo-Mi. Talvez fosse coisa de irmãos, uma piada interna. Sorriu em resposta.

Mas não teve jeito, quando falou da mãe o clima ficou mais pesado. E quem consegue falar da mãe falecida sem deixar tudo mais depre? Esse era o motivo pelo qual Won nunca falava dela...além de que ele também era um dos que ficava mais triste.

- Oh… - Abriu os lábios no formato de “oh” - Eu sinto muito. - Abaixou a cabeça, deixando jeotgarak de lado. O pedido dele só a fez ficar ainda mais sem graça e ela escondeu o rosto com as duas mãos. - Por isso mesmo não deveria ter perguntado. Desculpe-me, Won Bin-shi.

-Acho que...se eu quero aprender a me expor e sair do meu casulo eu preciso aprender a falar de mim melhor...desculpe Bo-Mi, não queria te deixar sem graça - comentou.

Apesar disso a conversa voltava ao seu ritmo normal.

- Vai dar tudo certo...Fighting! -

Repentinamente Won sentia que podia enfrentar o mundo, chutar um meteoro em direção a Terra e voltar a tempo pro jantar. Assentiu com a cabeça e com um grande sorriso.

- Ah, não está me atrasando, você que está atrasado. Tem clube de teatro agora, não é? Minha reunião com o Radio foi cancelada.

-Ah, é mesmo! - disse um pouco sem graça. Era pra ser educado com ela não ficar a apressando!

Suou frio quando Bo-Mi o encarou quando disse que queria pagar a conta. Mas sem protestos dela Won pagou a conta.

Won nem notaria que o brilho dela tinha se apagado um pouco ao lembrar das amigas, mas notou que seu sorriso já não tinha a mesma intensidade de antes.

"Aish, já deve estar imaginando voltar pra Wangjo. Foi uma boa distração mas a gente tem que voltar..."

Andando de volta não se sentia tão estranho perto dela. Na verdade tudo tinha saído muito melhor do que imaginava.
Quando falou sobre um novo almoço...

- Com uma condição. - Ergueu o dedo indicador. - Eu pago da próxima vez. Só porque também gostei muito de almoçar com você.

Se Won já estava feliz antes, agora tinha de se conter pra não explodir como os monstros de tokusatsu que assistia quando menor.

-Muito bem, já que insiste. Eu aceito sua condição, Repórter Bo-Mi - disse de forma bem-humorada.

-Até mais Bo-Mi. Te vejo amanhã - imaginava que não a veria no resto do dia - Ou mais tarde se passar no café - sorriu mostrando que nem se lembrava, ou pelo menos não se importava, com aquele problema do outro dia.

Acenou com a mão direita e andou em direção ao clube.

Assim que ela saísse do campo de visão ele ia começar a andar mais rápido, quase correr.

"Ahhhh eu vou me atrasar!!! Mas...mas valeu a pena"

De repente sua mente computava o que realmente tinha rolado.

"Meu Deus do céu Hwang Won-Bin. Você teve um encontro!?"

...

Meio esbaforido e com frio na barriga Won chegou na sala certa a tempo.

"Nossa...isso aqui é maior que o dojo" olhou para o ambiente o comparando com o velho dojo localizado num apartamento adaptado.



Mas aquele não era um lugar pra lutar. Won estava nervoso imaginando como as coisas no teatro funcionavam.

Só notou aquela voz conhecida depois que já tinha entrado.

- Aigo...Não bastava ficar preso na rede do circuito, parece que ficarei preso aqui também.

-Oh! Yo Kim Joo Hyuk - fez um breve aceno com a mão direita.

Mas além dele também haviam os outros da sala: pessoas que tinham poucas informações no painel mental mas que Won se recordava. Principalmente a garota que sempre o encarava...
Aliás ela olhava pra ele nesse instante.

E se aproximou, para surpresa de Won.

- Uau, nunca imaginaria que você estaria nesse clube. - Comentou enquanto se aproximava. - ahm, acho que ainda não me apresentei formalmente, não é? Uma semana e ainda não conheço todo mundo.

"Ufa, ela disse algo. Eu achei que ia ficar me encarando de novo..."

Assentiu com a cabeça, meio formal, meio sem-graça.

"Lim Ye-Ji"

-Muito prazer, eu sou Hwang Won Bin - se apresentou mas tinha ligeira impressão que ela já sabia seu nome.
-Ha, acho que até semana passada eu também não imaginaria, mas aqui estou eu

Ia evitar comentar seu verdadeiro motivo para entrar se possível. O nervosismo só crescia e a sala estava cheia de rostos desconhecidos também. A maioria de garotas.

"S.O.S Dragão, aish, espero que os dois estejam pirando menos do que eu"
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Dong Hee Kyung em Qui Mar 22, 2018 1:36 am

Após a conversa com sua prima, Dong tinha um pouco no que pensar. Eles discordavam em muitos tópicos mas a essencia de ambos ainda parecia a mesma, ainda parecia a que o jovem conhecia e admirava, dela. Ao mexer na tela do samsung, viu a mensagem de Ha-Neul, eles haviam ido até o clube mas resgataram a mochila de Dong no processo, o que resultou num emoticon de agradecimento via texto.

Apesar de estar mancando, não encontrou muitos problemas em chegar até seu destino, Dong chegaria até a entrada da sala e veria que não começou a aula; seu pé não se serviu de atraso graças a Deus. Seu rosto virou para as pessoas que já estavam lá dentro. - Annyeong-haseyooo.. - Fez um cumprimento ao passar na entrada, ma nada muito alarmante ou alto.

O formato das mesas agradaram os olhos dele, depois de dar aquele cumprimento em respeito aos hyungs, ele foi até onde Ha Neul estava, com aquele braço levantado não seria difícil achar o acento... ali pode ver a bela mochila com o logo Arcano do Persona em sua estampa. Dong passaria e se sentaria no meio, tomando o lugar do objeto. Hee Kyung de cara olhou para o menino, e foi se sentando, puxando a cadeira de leve.


- Olá, tudo bom? - Ele parecia bem... entretido com o que estava fazendo mas Dong tentou puxar um cumprimento, tentou bisbilhotar sutilmente o que o rapaz estava vendo no celular para analisar. Se recorda que... esse mesmo rapaz estava com aquele outro que sua prima estava com medo, praticamente, se escondendo atrás das costas dele.

- E ai como foi o almoço? - Dong falou baixo com HaN e os outros, na esperança de que não perguntassem como foi a situação com Hayoung. Pouco tempo depois a professora chegava e todos se levanta... Kyung teve que por suas duas mãos para ficar de pé mais rapidamente, do contrário não conseguiria. - Anyeong-haseo! - A beldade se anuncia com uma rápida e poderosa apresentação. O currículo dela era impressionante e a mulher passava uma impressão intelectual agradável, que não parecia ser intimidante.


- Sou Dong Hee-Kyung... amo tecnologia, gostaria de ajudar meus pais no trabalho deles com a experiencia que aprender aqui, é o que eu gosto de fazer e onde quero estar, não me imagino fazendo qualquer outra coisa no futuro que não seja relacionado a esse tema. - Colocou uma das mãos nos bolsos da frente - É a razão por que ingressei neste clube. Espero me dar bem com todos.

Curvou de leve o rosto olhando para eles de maneira respeitosa, esperando a professora libera-lo para se sentar e ficava ansioso para ouvir as razões de cada um dos que estavam naquela sala. Ele não pareceu estar muito nervoso por se apresentar na frente dos outros, mas, quem olhassem bem veria que o menino se mostrava... ligeiramente cansado.
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
112

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Kim Sun-Hee em Qui Mar 22, 2018 4:17 pm

Ouvia atentamente as palavras de Stella, sem desviar os olhos dela e até balançava a cabeça em gestos afirmativos - Ela parece ser do tipo influenciável, mas isso não justifica as ações maldosas. Sendo prima ou não do Dong, prefiro manter distância. E o Min-Ho... Não sei o que dizer exatamente... Ele também não vai muito com a minha cara e sempre parece aborrecido – balançou os ombros – Mas Stella, essa é a questão: por que você precisa ser aceita? Não, não, não... Não tem que se esforçar. Nós não agradamos o mundo inteiro e aqueles que não gostam da nossa presença, ao menos, precisam respeitá-la. Assim como ele, você também é amiga do Dong... Se ele não está feliz, ok... Paciência.

Fez um rápido carinho no braço da menina até que o assunto ganhou contextos canadenses. Sunny riu do trocadilho, achando graça na coincidência do nome – Nada, nadinha? Cadê? – quando Stella mostrou a foto, Sunny arqueou as sobrancelhas – Nooossa! Ele é bem bonito, hein? E verdade! Não tem nada de oriental nesse Homem Aranha – sorriu e aproveitou para perguntar mais coisas antes da conversa tomar outro rumo, além de não deixar de comentar a respeito do futuro irmãozinho – Eu adoro crianças e ter um bebê em casa deve ser tão... nhonhonnhon. É uma ótima época para o seu amigo vir visitá-la, que sorte! Lembro que você disse que ele ficará uns 15 dias, né? Pena que passa muito rápido.

Sobre as meninas...

Ela expôs a opinião e pela expressão de Stella, soube que a amiga concordava – não que tivesse qualquer dúvida. Encerraram aquele ponto difícil com sorrisos tristes, mas inteiros... Cheios de promessas. De suportar. Suportar juntas. Não estavam mais sozinhas.

Há poucos metros de distância da enfermaria, Sunny começou a receber as novas mensagens de Jae-Ki e as respondia conforme continuava falando com Eun – Sim, eu também acho, porém ele é teimoso. Sem contar que o Jae-Ki acredita que minha reputação será manchada se me verem ao lado dele – suspirou – Não ligo para o que pensam e é justamente o que quero... Ser amiga do Jae-Ki. Espero que o tempo derrube algumas barreiras que ele monta. Não pretendo forçá-lo, apenas mostrar que existe outra opção – Sunny piscou, determinada. Enfim, chegavam na enfermaria, mas não demoraram no local. Aguardou os procedimentos da amiga e checou a mensagem para Kim, porém ele nem visualizou ainda. E outra vez viu a de Jae-Ki, essa mais curta que as anteriores. Sun-Hee sorriu carinhosamente diante da frase direta e significativa, alimentando um instinto fraternal por aquele garoto. Afinal, fazia sentido já que o Sr. Kim o tratava como filho.

Estranhou que Kim ainda não tivesse visto.

Inevitavelmente ficou martelando nisso durante o caminho até o respectivo andar do clube, reunindo um monte de hipóteses... e nenhuma sequer estava perto da realidade do que aconteceu com o melhor amigo.

Stella acabava de avisar que Hye-Won colocou no grupo que guardara os lugares delas.

[...]

Sun-Hee ficou um pouquinho sem graça quando chegaram na sala de aula e viu todas as cadeiras do círculo lotadas de meninas. Reconheceu alguns rostos... inclusive o de Hayoung e os de mais duas meninas que participaram da “brincadeira”, como vítimas. Entretanto, apesar desse detalhe, sua primeira impressão foi bastante agradável e estava ansiosa para o início dos debates e atividades. De imediato, as únicas presenças que pesavam o ambiente eram da Srta. Dong e da Capitã, que tinha uma feição afetada meio insuportável. No momento que o olhar de Ji-Rin concentrou-se nelas, Sunny teve a sensação de ser analisada por um detector de metais. Mas, mesmo com o bico discreto que surgiu no canto dos lábios, ela pediu licença e se curvou.

Logo se juntaram à Hye-Won e Sunny correspondeu o sorriso. No entanto, a expressão se tornou curiosa com a resposta da filha do diretor – Sééério? Que tipo de coisa? - mas antes dela ter a chance de contar, a Capitã lançou um corte afiado, interrompendo a conversa do trio, além de falar de modo desnecessariamente rude. Sunny a encarou... e sorriu da maneira mais forçada que conseguiu, sem se preocupar em disfarçar.

- Miane, unnie.

Se aproximou da mesa e pegou três folhas, uma para cada, e fitou a Capitã de um jeito simpático...


Simpático.

- Obrigada.

Disse enquanto virava-se, voltando aos lugares escolhidos por Hye-Won. Lá, entregava as listas e aproveitava para checar os exemplares escolhidos, fingindo não reparar na antipatia de Ji-Rin.




Última edição por Kim Sun-Hee em Dom Mar 25, 2018 3:07 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Qui Mar 22, 2018 11:56 pm

[JAEKI E MISOO]

Refeitório 1:20 P.M.


- Ung. - EunBi respondeu à primeira pergunta de MiSoo enquanto abraçava o braço dele. Porém, para a segunda, ela meneou negativamente. - Anyeon. - Olhou a amiga por um instante. - Não disse o motivo, mas ele ficou preocupado porque eu disse que sairia a qualquer momento. Então deve ter imaginado que não era uma besteirinha. Mas eu não disse nada, eu juro, sei que você é reservada e, bom, eu também não tinha o que dizer. Não sabia como tinha sido a conversa…

Respondia aos cochichos, daquele modo cúmplice, enquanto caminhavam até o destino. Ao passar por JaeKi, não resistiu e deu um sorrisinho para ele. Também era uma forma de demonstrar que estava tudo bem e que ele não precisava ficar especulando mil coisas na cabeça.

O sorriso que ele retribuiu a fez corar um pouco e ela tentou disfarçar, sem muito sucesso - o máximo que conseguiu foi desviar o olhar e completar o seu caminho. Estava escolhendo o sabor de seu iogurte, bem como lendo a respeito dos sanduíches que tinham ali. Não prestou muita atenção no desconforto de MiSoo, mas quando JaeKi se aproximou, ela virou-se de costas paras máquinas.

Teve vontade de rir quando escutou que ele veio na paz. Mas escondeu os lábios e tentou manter uma expressão tranquila.

- Eu sei que não abriu, eu confio em você. - Declarou com naturalidade. - Obrigada por ter cuidado dela.

Começou a esticar a mão para pegar a mochila, mas parou no meio do caminho quando ouviu que ele poderia continuar de olho. Seria mais confortável e prático mesmo, mas ela não teve tempo de dar uma resposta. A voz de MiSoo chamou sua atenção antes disso - ainda que estivesse mais fraquinha.

O rosto de EunBi se iluminou com o que MiSoo estava fazendo. Mal conseguia conter o sorriso nos lábios ao ver a atitude da amiga. Encarou JaeKi cheia de expectativas e…Ele disse não.

EunBi franziu as sobrancelhas bem brava para ele e teria beliscado ou pisado no pé, se estivessem minimamente mais perto. Quanto mais ele falava, mais alimentava aquele bico dela. Olhou para o teto e meneou negativamente.

- Acho que você só deve sentar com a gente se for para comer. É falta de educação não acompanhar a refeição. - Disse aquela que ficou só tomando um suco de uva e saiu minutos depois de ter sentado. Esticou o braço e pegou a bolsa, puxando JaeKi um pouco para perto e resmungou. - Faça um esforço...aceite…

Disse entre os dentes e sorriu.

- Eu vou querer iogurte de banana e esse aqui, de pepino. - apontou. - Qual você vai querer, JaeKi?

Se ele ficasse pensando muito, ela mesma escolheria alguma coisa para ele. Dizia que era o mínimo que poderiam fazer, diante de uma gentileza daquelas. Ela só aceitaria ficar na mesma mesa que ele se ele aceitasse o gesto amistoso de MiSoo. A amiga estava tentando, então era justo que ele cedesse um pouco também.

Porém, aquilo não demoraria muito também. Com sorte, não daria tempo nem deles brigarem, porque as duas tinham muito trabalho a fazer. A responsável pela cozinha, inclusive, já estava de olho nelas, só esperando a hora pra dar o bote e arrastá-las para os deveres.

[HYE MIN E HYUN HEE]

1:25 P.M.

Yerin ainda não estava chorando - ou pelo menos ela dizia isso para si mesma, como se recusasse a permitir que as lágrimas rolassem. Os olhos dela só estavam muito marejados e o nariz, bem como os lábios pareciam mais avermelhados. Engoliu em seco várias vezes e olhou para cima, respirando fundo.

Voltou a colocar a cabeça no lugar ao sentir as mãos de Hyemin em seu rosto e piscou algumas vezes enquanto os polegares dela passavam por baixo de seus olhos. As pontas dos dedos dela foram umedecidas pelas lágrimas que rolaram diante do movimento involuntário dos olhos da amiga.

- Agradecida…? - Perguntou baixinho e só conseguiu menear negativamente. Como alguém poderia ficar agradecido quando não teve seu pedido atendido?

Hyemin era inocente demais para compreender a profundidade de certas coisas. Yerin até achava que a amiga não tinha entendido, completamente, o que tinha acontecido. Ao ouvir a menina falando do monstro horroroso, Yerin a encarou de novo. Talvez ela entendesse sim, mas do jeito dela. Ainda era um tanto quanto inocente.

Chegou a fazer um carinho em seu rosto, mas logo foi surpreendida com o abraço. Correspondeu ao abraço também, fechando os olhos e dando um longo suspiro. Durante o gesto, a amiga dava uma lista de soluções positivas para aquele problema. A cada nova ideia, um pequeno esboço de sorriso surgia em Yerin. É, talvez ajudasse bastante.

- Tá bom...Eu acredito em você. - Murmurou, por fim e suspirou, um pouco mais aliviada. Fez um carinho nas mãos dela.

A amiga sugeria de fazer a maquiagem e Yerin não criava obstáculos. Sentou-se onde ela indicou e aceitou os mimos. Também gostou da ideia da Tailândia, mas agora não estava pensando muito no que falar. Estava no momento de absorver…

[...]

Jong In encarou Hyun Hee mais uma vez e foi franzindo as sobrancelhas com aquele papo.

- Você está usando drogas, chingu? - Provavelmente a vontade de socá-lo ultrapassou todos os limites mentais de Hyun Hee, mas o amigo continuava fazendo aquela cara de quem não estava entendendo. - Eu não sei o que eu não fiz com você. E tenho plenas convicções de que estava com quem disse que estava.

Pegou o celular, mexendo no aplicativo e mostrou uma conversa que estava em inglês.

- Eu sei exatamente o que eu fiz e com quem eu fiz. Quer ligar pra ela pra confirmar? Seu inglês deve estar bom, né?

Mas mesmo depois de perguntar, ele guardou o celular no próprio blazer. Passou a mão pelo maxilar, sentindo dor na região. Aquela desgraçada tinha uma mão bem pesadinha mesmo. Maldita.

- Eu sei que poderia macular minha imagem, mas todos entenderiam que foi coisa de momento. Ela me agrediu primeiro. - Continuou a massagem. - Não se preocupe quanto a isso, ela já sabia das festas, mas é conveniente não contar pra ninguém.

Por que?

- Não teve nenhuma briga, até onde eu saiba, mas como te disse, fiquei ocupado. Eu não sou babá de marmanjo. Mas...Pensando bem… - Ponderou. - Aqueles moleques estavam estranhos mesmo. Será que sabem alguma coisa?

Cerrou os olhos, lembrando das feições de Da Won, Ro Young e Taehyung.

- Bom...Tem um jeito de tentar descobrir. - Declarou. - Posso tentar conseguir falar com o dono do lugar. Ele é amigo do meu irmão… - Como acha que ele tinha conseguido entrar? - Vou pedir para dar uma olhada nas imagens daquele dia, assim, como quem não quer nada ou na hora eu invento alguma coisa. Talvez eu encontre alguma coisa…

Uma faca de dois gumes: se Jong In encontrasse o que aconteceu com Eun Na, provavelmente também veria a briga de Hyun Hee com o cara aleatório e a chegada do Secretário Lee. Tinha sido uma confusão considerável e, bom, se o amigo não sabia o que tinha acontecido, certamente entenderia depois. Chegar ao hospital seria uma questão de tempo, assim como o prontuário.

- Farei isso. - Decidiu-se.

Ao ouvir a questão sobre Yerin, Jong In fez uma careta e cruzou os braços.

- Digamos que temos um acordo. Eu faço algumas coisas pra ela, ela poupa minha família. Eu até que gostava do acordo, sabe? O que ela me mandava fazer não era difícil, era divertido. - Deu um sorriso enigmático. - Mas eu relaxei e aquela vadia da Jimin me fez descumprir uma parte do acordo. Eu não devia envolver as amigas dela nas minhas festas.

Deu um longo suspiro, passando a mão pela nuca e bufando.

- Vou à enfermaria cuidar de meu lindo rosto. Tem certeza que quer ir também oppa? Que gentil, oppa…

[CULINÁRIA]

Cozinha WangJo 3:15 P.M.


Sala, Professor e Alunos:

Professor Responsável: Ryu Ji-Hyo



Representantes: Im Yu-Ha


Membros: Hyemin, Hyun-Hee, Hayoung, Ui-Jin, Chaeyoung, Eun-Joo, Ji Rin, e So-Hee



Apesar de terem um tempo inteiro livre, as horas passaram um pouco mais rápido do que o esperado. Hyemin ficou na companhia de Yerin e Hyun Hee ficou circulando com Jong In até o momento que preferiu ficar sozinho - o amigo tinha dado muito material para que ele pensasse.

Depois de saírem do banheiro, Yerin e Hyemin foram caminhar pelo colégio e pararam para assistir aos treinos de arco e flecha. Era um pouco divertido ver como a aula corria, mas a verdade era que Yerin só queria ficar sentada um tempo, tomando um fresco. Não estava muito interessada naquilo, apesar de olhar naquela direção.

As duas se despediram durante o intervalo e cada uma seguiu para seu respectivo clube. Para alívio da Rainha de gelo, ela teria um encontro com Neve e poderia praticar o hipismo que tanto gostava.

O clube de culinária tinha um dinâmica um pouco diferente. Ao invés de ficar no terceiro andar ou numa área externa, ele ficava no primeiro andar mesmo - uma espécie de anexo à cozinha do Edifício. Era a sala mais iluminada de todas - tanto pelas luzes quanto pelo brilho das bancadas e utensílios domésticos.

Outra peculiaridade era o limite de alunos: só eram aceitos nove. Nenhum outro clube tinha limite, mas o motivo era bastante simples. Havia espaço para dez fogões - o da professora e dos nove alunos. Mais do que isso, a aula não seria dinâmica ou confortável para todos. Isso sem contar os eventos que eles realizavam e juntava a turma do ensino fundamental e do especializado. Não havia condições de ter uma cozinha para tanta gente.

Por isso a turma era bem reduzida.

Quando Hyemin entrasse no lugar, podia se sentir um pouco em casa. Era bom finalmente retornar para um lugar ao qual ela estava habituada. Em cima das bancadas havia um avental e lenço para cada aluno, padronizado com as cores WangJo. Na extremidade, havia o paredão com cinco geladeiras, dois freezer - um normal e o ultra. Cada bancada tinha seu proprio kit com panelas, batedeira, liquidificador, panela de arroz e os utensílios básicos. Ao lado esquerdo havia janelas grandes que ajudavam a iluminar ainda mais o lugar e à direita ficavam os temperos e ervas da mini horta que havia no colégio.

Im Yu-Ha já estava presente, ajeitando tudo o que podia. Usava o avental e o cabelo preso numa trança de raiz, mas usava o lenço também. Tinha uma expressão tranquila e respondia às perguntas que, eventualmente, surgiam.

Hayoung já estava ali também e conversava com uma unnie do 3º ano, Sohee. As duas estavam na aula de literatura - mas Hyemin não fazia ideia disso - e agora debatiam sobre as primeiras impressões.

Outras presenças eram EunJoo e JiRin. Joonie estava bastante confortável, apesar de fazer um biquinho aqui e ali pelo dia horrível que tinha. Já Han Ji Rin estava com uma expressão meio aborrecida por conta de uma garota do clube de literatura. As duas estavam ocupando as bancadas da frente junto de Yu-Ha. Hayoung ocupava a bancada do meio com Sohee, mas fez sinal para Hyemin quando ela chegou.

Além delas, havia Ui-Jin na ponta mais distante e encolhido. O garoto não falava com ninguém e estava se perguntando onde diabos estava com a cabeça para aceitar aquele desafio. Não devia estar no juízo perfeito, apesar de ser bom na cozinha.

Restavam dois lugares e quando uma deles foi ocupado, houve silêncio.

Ji Rin estava no meio de seu discurso sobre uma garota insuportável do primeiro ano, quando a fala ficou travada e ela trocou um breve olhar com EunJoo. Quando a rainha do 2º ano olhou para trás - e só então viu Hyemin - ela ficou pálida com a presença daquela garota.

Chaeyoung chegou um pouco sem jeito na cozinha, mas sorriu quando reconheceu o menino gordinho que estava encolhido no canto. Ao invés de falar com as meninas, ela tomou o fogão do meio da bancada e acenou para ele. Ui-Jin ficou um pouco chocado com a noona que resolvia falar com ele e a reverenciou algumas vezes.

Sem imaginar quem era a última pessoa, Joonie viu ali uma oportunidade se impor. Talvez Hyemin entendesse agora quem era a menina da foto com seu velho amigo, só pela forma como a garota se aproximou.

- O que você está fazendo?

Chaeyoung estava botando o avental.

- Ahm…Oi, EunJoo. Você também faz Culinária, é?

- Não me dê “oi”, nem se faça de sonsa. O que diabos você está fazendo aqui?

- É um clube, tinha vagas, me inscrevi. Não posso?

- Não!!

Diferente dos outros, Im Yu-Ha sabia os nomes que estavam ali e agora só podia colocar a mão na cabeça.

- Joonie…- Tentou argumentar. - Pare com isso, por favor.
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Convidado em Sex Mar 23, 2018 12:03 pm

- Tudo bem, Ubiyah. Eu não ficaria brava se tivesse dito. Só fui pega de surpresa com isso. - tentou sorrir, meio sem jeito - Eu não fiz nada de errado… - meio que queria ter feito, assim pelo menos os acontecimentos teriam mais sentidos para ela e todos aqueles sentimentos negativos teriam melhor justificativa.

MiSoo não queria mais se sentir do jeito estranho e horrível em que se encontrava minutos atrás, por isso tentou afastar o sentimento irreconhecível o mais distante que conseguiu, pois aquilo nunca tinha lhe acontecido antes. Era algo inédito, sufocante. Não parecia ser apenas pela manhã que tivera, era mais como algo que se acumulara durante muito tempo, como uma montanha de entulhos que começava a se desinstabilizar-se para finalmente se desfazer. Aquilo não era ela… Mas o que era?

Não importava agora. O que quer que fosse queria bem longe de si, pois ainda era a MiSoo de sempre, não era?

Por isso tinha que recuperar, pelo menos, parte de si. Parte de sua alegria, ou senão de sua determinação. Com a aproximação de JaeKi junto à máquina de comida em que estavam e o desejo de MiSoo de fazer sua melhor amiga feliz, a determinação foi a primeira a conseguir recuperar aos poucos, pois era dela que precisava para tentar ser legal com o garoto que lhe dava um pouquinho de receio - de que fosse sair gritando com as pessoas à qualquer momento - e um pouquinho de incômodo por, de repente ter tornado-se uma pessoa tão importante para EunBi. E MiSoo nem o conhecia!!

Era isso mesmo! Tinha que descobrir se o garoto merecia sua amiga! Para isso tinha que conhecê-lo, já que ela insistia que JaeKi não era como a impressão que MiSoo tivera desde o começo.

MiSoo aproveitou que oferecer comida era uma das coisas que ela gostava de fazer - mais quando ela mesma tinha cozinhado, mas desse jeito também funcionava - e tentou fazer isso com JaeKi. Logo que dei a sugestão MiSoo viu o rosto de EunBi iluminar-se e não podia negar que um pouquinho daquele sentimento tinha lhe contagiado. Deu outro pequeno sorriso, desta vez finalmente mostrando os dentes. Começava a se sentir feliz por ver sua amiga a precisar a ideia e de animar com ela… Só que ele não aceitou!!

Começou a falar que não tinha cuidado da mochila de EunBi para ganhar recompensas! Não era isso que MiSoo queria insinuar e ela acabou fazendo um biquinho incomodado com isso.

- De. Eu até imagino. - mais uma vez estreitou os olhos na direção do garoto, cruzando os braços, imaginando que ele deveria mesmo querer conseguir toda a oportunidade de manter a EunBi por perto para ter ficado sozinho no refeitório - Não quero que veja como uma recompensa… Só estou tentando… - deu um suspiro cansado e coçou atrás da orelha, desviando o olhar em direção à amiga, sem muita certeza do que dizer - Aish, araso. - resmungou, um pouquinho decepcionada com a falha e segurando de leve a manga do casaco da amiga.

EunBi passava um pequenino sermão do menino de como ele deveria se juntar com elas apenas se aceitasse a comida e MiSoo concordava com a cabeça, mas apenas olhando na direção da bailarina, sem observar o delinquente. Até que ele demonstrou não acreditar muito que MiSoo queria que o garoto sentasse com ela e fez um comentário que deixou a jovem meio sem entender. Não tinha grande noção do que os bolsistas passavam por causa da diferença de dinheiro, muito menos entendia o orgulho que algumas dessas pessoas poderiam ter sobre ganhar comidas ou objetos. No mundo dela as coisas eram meio diferentes, sem falar que MiSoo adorava ganhar coisas, assim como dar presentes.

- Wae? Você tem alguma doença contagiosa que impede as pessoas de comerem perto de você? - ergueu uma das sobrancelhas, sem entender direito a pergunta dele - É… É porque joguei a mochila em você? - segurou o braço de EunBi, colocando-se meio que atrás dela para se proteger - Eu… Se você não começar a gritar, não jogarei nada… - resmungou, com um pouco de receio que esse fosse exatamente o meio de acordar a fera.

JaeKi falava sobre o dia estranho que tiveram. Estranho estava longe de identificar o dia, por isso MiSoo acabou fazendo um bico mal-humorado.

- Não foi estranho, foi péssimo! - respondeu por impulso, cobrindo a própria boca em seguida, envergonhada de ter dirigido a palavra ao colega sem pensar - Mian hamnida… - falou baixinha, soltando um pouco a amiga para curvar-se brevemente.

Decidiu se concentrar na escolha da comida como EunBi havia feito, enquanto ainda a segurava na bailarina de um modo um pouquiiiinho possessivo, mas mais para se proteger um pouco do garoto maluco atrás dela.

- Ahn.. Ahnnn… - olhava de modo extremamente concentrado para a comida, como se estivesse fazendo o maior esforço do mundo para tomar uma decisão, mas na verdade estava meio que disfarçando para não ter que encarar muito JaeKi - Cenoura. Frango com cenoura. - tocava com o indicador na bochecha, franzindo bastante o cenho, continuando sua escolha de EXTREMA IMPORTÂNCIA sobre a comida, chegando até a balbuciar algo sobre os sabores de iogurte que estavam disponíveis- E iogurte natural! - olhou o colega pelo canto dos olhos, esperando que EunBi houvesse lhe convencido de pegar algo.


MiSoo acreditava que ter imposto a condição de ele apenas sentar com as duas se comesse uma ótima ideia de EunBi. Com certeza, se o garoto gostasse tanto assim dela, não ia conseguir dizer não! Não era assim que pessoas apaixonadas funcionavam? Pelo menos era assim na ficção.
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Seo Hyemin em Sex Mar 23, 2018 5:04 pm

Hyemin tinha um jeito próprio de lidar com os problemas: não lidar com eles. Ela fazia isso com todas as coisas difíceis que já teve que enfrentar e aprendeu que um assunto quando ignorado muitas vezes é como se deixasse de existir. Pelo menos, era o que ela acreditava. Jamais poderia pensar que empurrar problemas para debaixo do tapete os transformaria em sintoma. Achava que era tristeza e frescura, nunca uma questão mais séria. Ainda eram chiliques de criança na sua cabeça. Por esse motivo,  ela tratava os problemas sérios das amigas da mesma forma: tentando criar para elas um universo lúdico e carinhoso em vez de encará-los com soluções. A menina achava que estava fazendo o melhor para suas amigas com isso e de fato estava fazendo o seu melhor.

As amigas terminaram de se arrumar no banheiro e saíram para assistir ao treino de Arco e Flecha. Era tão bonito, apesar de um pouco sonolento. Hyemin não sabia se teria capacidade de se concentrar tanto tempo em uma coisa, mas pensando bem, aquela sensação de estar completamente conectada a algo acontecia quando ela estava cozinhando. As horas passavam com facilidade quando ela mexia com pasta americana, recortava massa para biscoitos ou treinava trabalho de bico.

Deixou a amiga em silêncio o tempo que ela quisesse, mas fazia alguns comentários e até brincou um pouco com aplicativos de joguinhos bobos no celular, alternando com atualização de amigos nas redes sociais ou mesmo de suas marcas favoritas que pesquisava para reaver maquiagens.

No final, foram para suas respectivas aulas.

Hyemin sorriu ao chegar ao clube e acenou para todos ali dentro, inclusive o nerd dos bolinhos, assim ele podia pensar. Em geral, ela sempre foi simpática com o coletivo na sala de aula, mas era ainda mais nos clubes, por serem turminhas menores e mais controladas, especialmente naquele clube que no ano passado era líder.




- Annyeong! Annyeong! - acenou feliz e fez reverências especialmente às unnies presentes. -  Boa tarde, unnies... sunbae   -  curvou-se especialmente para as três das bancada da frente.

Ergueu-se para procurar uma bancada para si e sorriu para Hayoung, acenou animada em resposta ao sinal, saltitando até o fogão da ponta, ocupando seu lugar.
- Annyeong, Pikapi. Ah, unnie! an nyeong ha siut seum ni ka? (Como vai você - formal)  - Pegou logo o lenço e começou a ajeitar o cabelo.

Enquanto ajeitava o avental, olhou em volta, observando os grupinhos formados.  Pousou os olhos em Uijin e um sorriso de covinhas automaticamente se formou porque já estava imaginando que ele lhe daria os bolinhos remanescentes, biscoitinhos que não fossem apresentados e mimos na aula -- ele cozinhava maravilhosamente bem. Waaaa, ele tinha muito muito muito dom para comidinhas. Era por isso que no fundamental ela gostava de afanar seus bolinhos, porque ele era especialmente habilidoso. Pena que agora aquela pessoa babaca andava com eles, então era difícil de chegar perto, mas na aula de Culinária ele não escaparia dela.

Enquanto estava sonhando com bolinhos, notou o burburinho que começou por causa da chegada da menina e fez um bico apreensivo, sentindo o climão. Ficava com vergonha quando as pessoas tinham uma abordagem agressiva e direta daquelas.

- Unnie… - falou baixinho, pedindo um pouco de calma, mas não se impôs de forma nenhuma. Era uma garota mais velha, com uma hierarquia muito superior. Ela nunca poderia ir contra Eunjoo, que era rainha do segundo ano, nem se quisesse.

Abaixou o olhar, muito constrangida quando ela respondeu o “Não” daquela maneira.

Compreendia os sentimentos de sua unnie, porque Hyun Hee tinha sido muito cruel e deveria ser o maior culpado da situação, mas Chaeyoung não parecia arrogante como a senhorita perfeição dos passarinhos, já que falava com Eunjoo com leveza e certa alegria. Mesmo assim, era chato como a menina tinha ignorado todas as outras quando chegou, só não podia reclamar porque ela estava na posição de fazer isso: era mais velha e tão rica quanto! E as meninas do segundo ano, para ela, eram apenas suas "amigas".

avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Sex Mar 23, 2018 5:43 pm

Hyun Hee estava em uma situação arriscada. Seu “segredo” com as drogas poderia ser descoberto, mas ele ainda assim não acreditava que não tinha sido Jong-In quem o drogou. Era a festa dele! Ele tinha muito controle do que acontecia ali. Tinha que ter, para evitar problemas… Como aquele que estavam enfrentando agora, com Eun-Na, caso ele estivesse falando a verdade.

No entanto, não se acovardou diante da possibilidade de ser encontrado. Era até um pouco instigante. Ficou em um silêncio misterioso, confuso, com um nó na garganta que era até masoquista, fazendo o coração bater diferente. Se não corresse riscos, não poderia continuar naquela brincadeira e se tinha algo que ele sentia um certo prazer eram aquelas situações delicadas. Era como se a normalidade o cansasse e o deprimisse. Uma situação como essa, ainda que o fizesse suar frio caso a verdade viesse a tona, era tudo que ele buscava quando dirigia sua moto em locais perigosos, só que levado ao âmbito das relações.

- Quero ver. Me chame para assistir. Fiquei com uma garota que infelizmente não me deu o número. Quero ver quem foi. - sorriu debochado, mas era real sua intenção de ir com ele.

Ele ouviu tudo aquilo com um misto de interesse, medo e paixão pelo perigo no olhar.  Jong-In parecia convincente, mas sua paranoia não permitia que ele confiasse completamente no amigo - nem achava que podia considerar qualquer pessoa essa palavra, além do fato de terem a mesma idade.

- (Poupa sua família) do desgosto? - completou com um riso divertido.
- Ou ela os sequestrou e guardou no armário de casa? Oh, por favor, me diga se for algo assim, eu vou querer essa mulher - gargalhou. - É, parece que a Rainha do Gelo é bem protetora com suas súditas. Estou com ciúme. Por que você não é assim com a gente, oppa? - fez uma carinha de cachorro solitário e sorriu novamente.

- Eu posso fazer uma coisa ou outra por você. Lembre-se disso. Menos… Ir até a enfermaria. Hajima. Pare de me sufocar nesse relacionamento - brincou e acenou para ele, largando-o na metade do caminho. - Até depois.

Cansado daquele clima de pressão, Hyun optou por perambular sozinho por seu antigo reino. Não era do tipo que gostava de estar constantemente cercado por pessoas. Agora era o momento de recalibrar. Não sabia onde estava se metendo, mas sabia que queria muito descobrir o que tinha acontecido naquela noite. Sentia que precisava proteger-se contra Jong-In a todo custo. Porque ele não era confiável. Pior: ele realmente não parecia saber o que tinha acontecido e, se era isso mesmo, havia alguém muito pior agindo por debaixo dos panos. Qual deles? Não podia dar desconto em nenhum pelas aparências. Só era muito difícil lembrar exatamente o que tinha acontecido naquela. Quais deles estavam ali embaixo? Quem é que tinha dançado? O que era verdade? Mas realmente queria assistir às câmeras. Quem sabe pudesse defender sua honra de alguma forma ou pagar a pessoa certa para já eliminar aquela prova? Sua mente começou a trabalhar teorias e planos demais para seu gosto.

AISH, por que foi escolher um clube logo no segundo tempo? Sua próxima semana seria melhor planejada.  Foi para o seu segundo lugar favorito, o jardim perto do lago, querendo um pouquinho de paz, onde ouviria um pouco de musica e acabaria tirando um cochilo até o horário da aula.

Com alarme, Hyun Hee levantou-se e foi até a cozinha externa do primeiro andar, mas sem muita pressa. Na verdade, nenhuma. Uma música muito chiclete tinha começado a fazer parte de seu repertório de rock e ele não conseguia parar de ouvir aquele refrão na cabeça “Really, really, really…”

Caminhou com confiança e até um pouco de relaxo até a aula, quando ouviu algumas vozes femininas no que parecia ser um mimimi qualquer de patricinhas. Hyun Hee apareceu na porta completamente fora da discussão e sua presença poderia ter feito algumas pessoas engolirem suas palavras. Inicialmente ele só buscou uma bancada vazia, mas quando chegou ficou surpreso com o climão, capturando Eunjoo olhando na direção de Chaeyoung, bem como todos os outros olhares estavam mais ou menos por ali também.

Fechou a cara e lançou apenas um olhar na direção da ex namorada.


Hyun Hee caminhou como um assassino em série, com passos lentos até a bancada que sobrou, que por acaso era ao lado de Chaeyoung e na companhia de Uijin.  Ele bateu a mão ali fazendo um barulho de impacto, como se isso fosse necessário para pegar o avental, o que fez lentamente, olhando naquela direção, antes de virar com um sorriso carinhoso para Chaeyoung, como um perfeito Flower Boy.

- Seu avental está solto. Me deixe amarrá-lo.


avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Sex Mar 23, 2018 8:45 pm

Jae-ki era mesmo diferente dos alunos de Wangjo, ás vezes ele era mesmo um pouco difícil de lidar, principalmente pra quem não o conhecia. E quando alguém o tratava mal, não esquecia. Embora adorasse comer, rejeitou a proposta de MiSoo, não queria dar margem para ela poder acusá-lo no futuro ou algo do tipo. Sabia como as pessoas eram, ao menos achava que sim. Porém notou a expressão de Eun-bi mudar. MiSoo tentava explicar que não era uma recompensa e que estava tentando alguma coisa, mas Jae-ki não entendeu exatamente o que ela quis dizer. Talvez a bailarina tivesse falado algo para ela. Eun-bi então começou a falar sobre falta de educação e que não poderiam sentar juntos se ele não aceitasse a proposta de MiSoo. Jae franziu as sobrancelhas.


- Mwo?

Ele na verdade não se importava com regras sociais, assim como seus amigos da gangue. Mas quando a bailarina o puxou para perto e resmungou dizendo para que ele se esforçasse, Jae a encarou uns instantes. Ela parecia aborrecida por ele ter se recusado, mas ainda estava tão linda. Entendeu que Eun-bi queria que ele se esforçasse um pouco mais para se dar bem com a amiguinha dela, e se ela estava dizendo que não podiam sentar juntos sem aceitar alguma coisa, talvez Jae devesse mesmo aceitar, recusaria uma chance de ficar perto dela? Claro que não. Mas de qualquer forma ela merecia ser ouvida, era uma garota muito legal e especial para Jae-ki. Para ele cada minuto perto dela valia muito a pena, nunca tinha sentido isso por uma garota antes.

Jae-ki olhou para as máquinas um pouco a contra gosto, mas foi só ver as opções que começou a realmente querer escolher alguma coisa. Além disso, se MiSoo um dia jogasse isso na sua cara, era só juntar dinheiro e pagar, não era impossível. Antes que falasse algo, ouviu a resposta de MiSoo e arregalou os olhos irritado ao ouvir ela perguntar se ele tinha alguma doença. O que ela tava pensando ao dizer isso?! Por acaso ele tinha cara de doente? Mas antes que respondesse, a tenista fez outro questionamento, dessa vez sobre a mochila e se colocando atrás de Eun-bi. E depois dela falar que não ia jogar nada nele se não gritasse, Jae-ki suspirou. Sério que ela não tinha entendido ou se fazia de desentendida? "Aishh.. Vou ter mesmo que explicar o que eu disse?"

- Não tô doente! - Reclamou - Não é isso, só achei que você me odiasse, por isso eu estranhei -  Respondeu sem gritar, mas com o olhar desconfiado, em seguida lançou um olhar a Eun-bi, não queria mesmo descumprir o combinado por isso logo falou - Você que perguntou, eu só respondi... Mas é, deve ter sido mesmo um dia péssimo.

Ouviu Eun-bi perguntando o que ele iria querer, Jae-ki arregalou os olhos e respondeu:

- Eu?!

Eun-bi já estava considerando que ele tinha aceitado sem nem mesmo ele ter respondido nada. Jae-ki olhou surpreso para a bailarina e depois para máquina. Fez um bico invocado apesar de já ter se convencido há uns minutos atrás quando ela o pediu para se esforçar. Seus olhos logo pararam num tipo de doce feito de biscoito com recheio doce (Choco Heim), mas era um sabor diferente e novo, um lançamento limitado da temporada de primavera pelo que dizia nas letras grandes do pacote, isso chamou muito sua atenção, gostava de experimentar coisas novas, ficava curioso pra conhecer sabores diferentes e parecia bom. Não demorou nem um minuto para apontar na direção desse pacote, logo exclamou animado distraído pela comida:


- Esse!

Tinha decidido até bem rápido, o bico invocado tinha sumido só em pensar em comer, até que lembrou que não queria aceitar e disfarçou a cara animada um pouco. Também pensava que talvez Eun-bi estivesse certa e que isso poderia ajudar a melhorar as coisas entre ele e MiSoo, até porque elas se conheciam há muitos anos. E se MiSoo não o odiasse, quer dizer que poderia ficar mais tempo perto dela.  Além disso, comer de graça não era um sacrifício nada ruim. Depois que MiSoo pagou, Jae-ki as seguiu para sentarem juntos. Sabia que as garotas não tinham muito tempo, então deixou elas comerem tranquilas, apesar de querer falar muitas coisas para MiSoo. Abriu o pacote que tinham comprado para ele e lançou um olhar para Eun-bi, sorria tranquilo para ela, era bom estar perto dela.

- Unbi me disse que vocês são amigas há 13 anos - Comentou só para não ficar tão silencioso, era bom de bater papo, não gostava de ficar quieto, aproveitou que elas estavam mastigando para falar - Uwa, então se conheceram aos três anos. Meu amigo mais antigo é um hyung que eu conheço há uns três anos e pouco, eu achava muito até saber de vocês. Eu conheço o Won e o Kang há pouco tempo, mas parece que é muito tempo, eles estão nos clubes a essa hora.  

Depois começou a comer igual um coelho, segurando a ponta do biscoito com os lábios enquanto o mastigava para dentro da boca em vez de segurar com a mão, ficou encarando Eun-bi enquanto comia, pensava se deveria falar com MiSoo ou não. Será que ela tinha mudado de ideia? Queria perguntar sobre Jung-Mi também, ainda bem que o biscoito tava tapando sua boca. A curiosidade o estava incomodando bastante.


Gostou bastante desse choco Heim, era da marca Crown. Mas era difícil Jae não gostar de algo, bem difícil. Olhou para o pacote ficando vazio bem rápido, lembrou de Soo-ji, ela sempre dividia lanches com ele, podia guardar alguns para ela. Jae-ki parou de comer então por uns minutos, e antes delas terminarem e irem embora, ele disse:

- Unbi, vê se não sobrecarrega esse pé. Se precisarem, só gritar que eu to por aqui.

Depois que elas forem, Jae-ki vai guardar o que sobrou do biscoito dentro da mochila, era para sua irmãzinha. Seu estômago aguentaria comer tudo, mas Soo-ji merecia, ela era tão boa com ele. Pegou os cadernos e apostilas para estudar e os colocou no colo. Em seguida afastou um pouco a cadeira e apoiou os pés em cima da mesa. Usou a cadeira como um "balanço" enquanto fazia os deveres no colo mesmo. Vai continuar nessa posição a menos que alguém venha e o repreenda por isso. Se acontecer, vai voltar a sentar normal, não queria ir para diretoria.  De vez em quando, vai observar Eun-bi se tiver visão dela, para ver se estava tudo bem. Quando faltar só vinte minutos para o clube de dança, vai guardar o material e ir no banheiro. Como era rápido nisso, nos minutos de sobra ficará rabiscando alguma coisa.

avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Sab Mar 24, 2018 4:54 pm

[INFORMÁTICA]
1:30 3:00 P.M

O cumprimento de Dong foi respondido pelos outros presentes. Apesar de serem sérios e, a maioria, mais velho, todos eram muito educados. Contudo, eles não puxaram assunto, voltando a prestar atenção em seus próprios interesses - fosse falando com o amigo ao lado ou simplesmente mexendo no celular.

Ha Neul tinha colocado a mochila de Dong no centro da última fileira, ao lado de Ui Jin e do menino que Hee Kyung tinha visto algumas vezes, mas nunca falado mais à fundo. Kang estava trocando mensagens com a ommoni - quando Dong bisbilhotasse, veria que a palavra estava escrita em hangul. O garoto ergueu a cabeça quando ouviu o cumprimento e o encarou. Primeiro ficou um pouco surpreso por terem falado com ele, mas logo abriu um sorriso gentil.


- Olá! Tudo bem e com você?

Após ouvir a resposta, ele deixaria o celular de lado porque a conversa com a mãe já tinha chegado ao fim. Ha Neul virou-se um pouco para falar com Dong.


- Sem grandes novidades. Foi bem paradão. E a conversa com a prima? - Mexeu a sobrancelha de um jeito sacana. - Já disse antes, mas repito, mesmo que você seja mais novo, você é o meu herói. Está de parabens, Dong.


O que ele queria dizer com isso? Provavelmente algo que faria Dong revirar os olhos. Ha Neul gostava de implicar com os contatos femininos que o amigo tinha, sendo Stella e Hayoung os alvos favoritos. Recentemente, ele descobriu que tinha até um bolão de apostas dentro do grupo.

A conversa não durou muito tempo porque logo a professora chegou. A mulher era bastante séria e confiante. Dona da palavra e com gestos precisos, ela fez uma breve apresentação de seu currículo e explicou qual seria a motivação daquela primeira reunião. Uma vez que teve a lista dos alunos em mãos, ela chamou o nome de Dong, esperando pela apresentação dele.

Os alunos viraram um pouco para encará-lo e ela pareceu satisfeita tanto com a postura quanto com as palavras. O próximo nome chamado foi o de Min Ho. O garoto prontamente se levantou e ajeitou seus óculos. Min Ho era um garoto muito sério e, às vezes, quase sempre, parecia um robozinho. Seu humor era constantemente aborrecido e era muito raro vê-lo sorrindo - nem mesmo os amigos viam isso sempre.


- Eu sou Bing Min-Ho, o 6º colocado no ranking geral de 2018. Gosto de mexer com tecnologia desde sempre e gostaria de me aprofundar mais no tema, através do clube. - Reverenciou.

Hyo Shin veio em seguida.


- Jo Hyo-Shin, 8º no ranking geral de 2018. Tenho interesse em ingressar num curso voltado para programação e criar minha própria marca de jogos no futuro. Gostaria de me aprofundar no ramo desde cedo.

A professora meneou positivamente e chamou por Ui Jin. Nesse momento, houve uma aura de tensão no ar. O garoto levantou com as pernas tremendo e nem disfarçava o nervosismo. Os amigos saberiam porque: ele não imaginava que o professor do clube fosse, na verdade, uma mulher. Não esperava por isso e agora não sabia como lidar. A professora se ajeitou, meio recostada na mesa, esperando pela resposta que demorou um pouco mais do que o normal para vir.


(Socorro, Deus)

- M-m-meu no-nome é U...Le...Lee...LeeUiJin - Disse rápido e soltou o ar pela boca. Quando ele falava desse jeito, nem dava para perceber que a voz dele era bonita e envolvente. Saía esquisita, meio falha, uma verdadeira vergonha para ele. - So-so-sou o quiquiquinto colocado da turma. Gos..Gosto de informática.


E foi tudo o que conseguiu dizer. Os alunos não riram, nem nada disso, mas alguns pensavam que seria um problema ter um aluno gago ali. A professora continuou levando na tranquilidade e sorriu com a explicação simples dele.


- Parece que temos um gosto em comum, Ui-Jin. Eu também gosto de informática. - Sorriu. - Kang Woo Jin?

Kang olhava para Ui Jin sentindo um pouco de pena do menino. Devia ser muito difícil para ele. Porém, assim que seu nome foi chamado, ele olhou para a frente e se levantou. O astral dele era completamente diferente - não era nem um pouco tímido e começava pelo sorriso fácil e verdadeiro que trazia nos lábios.


- Sim, professora. Olá, eu sou o Kang Woo Jin, passei em 7º lugar para o programa de bolsas, sendo o 4º de minha turma. - Olhou brevemente. - Ah, eu gostaria que o curso me ajudasse a aumentar a renda ou simplesmente a montar o computador de meu irmão. Acho que será bom acrescentar essa habilidade ao meu currículo para trabalhos no futuro. Também espero poder me dar bem com todos.

Reverenciou e sentou-se. Diferente dos herdeiros, o bolsista queria usar o que aprendesse ali de modo prático para conseguir uma renda extra. A professora meneava positivamente, compreendendo a situação e chamou o último nome, um garoto novo do 2º ano. O menino também era bolsista.

- Meu nome é Nam Chan-Hee, passei em 3º lugar na classificação geral e o 1º do 2º ano. Pela influência de meu pai, sempre gostei de informática. Tenho o conhecimento básico e gostaria de aperfeiçoar minhas habilidades. Também espero que me dê bem com todos.


Os veteranos ouviam com bastante calma e paciência as apresentações e somente se ajeitaram quando a professora retomou a palavra.

- Bom, é um prazer conhecer cada um de você e acho interessante como temos tanto interesse e amor pela informática. Apesar do clube não ser uma matéria formal que vá alimentar a nota final de vocês, ele é importante para o currículo e melhorar o conceito que os professores têm de vocês através dos relatórios que enviamos. - Elencou a importância. - Nós temos 4 bimestres para dividir as atividades. No primeiro bimestre vamos aprender uma breve introdução à informática, aprofundando um pouco mais o que vocês já conhecem, bem como explicar os componente de um computador. Serão umas três reuniões teóricas, mas na quarta já começamos a montar o nosso quebra cabeças. No segundo bimestre, vamos estudar construção de web e aí teremos html, javascript, segurança de site e afins. No terceiro, falaremos de programação; e, finalmente, engenharia de software.

Fez uma pausa breve, observando as reações dele.

- Essa é a ementa, porém, o nosso clube também é responsável por algumas questões do colégio. O projeto para o primeiro semestre consiste na criação de algum mecanismo, aplicativo ou afins que seja funcional para a escola. No ano passado, nós ajudamos a Biblioteca desse bloco a criar uma database de seu acervo e também catalogamos alguns livros digitais que ficaram liberados no site do colégio.

Explicava para os novos integrantes do clubes.

- Essa foi a sugestão mais votada no ano passado e ela foi dada por Han Sona. É um exemplo de que ideias independem do ano que vocês estão, pois ano passado, Han Sona era uma caloura. Então sintam-se livres para pensarem num projeto e sugerirem dentro de 15 dias. Combinado?

[LITERATURA]
1:30 3:00 P.M

A conversa com Sunny tinha rendido boas reflexões para Stella. Elas não podiam ficar debatendo para sempre, pois estavam com o horário um pouco apertado. Por que ela precisava ser aceita? Essa era uma boa pergunta, mas ela não tinha exatamente uma resposta para isso. Quanto à foto de Peter, Stella fez uma cara engraçada, como se Sunny tivesse dito algo divertido.

Bonito? Mesmo?


Coçou a cabeça um pouco curiosa com aquela novidade. Tudo bem que ele não era feio, mas não imaginava que a amiga fosse achar isso de Peter. Era tão…fora do padrão deles. Achou fofa a reação sobre bebês e disse que a menina seria bem vinda à sua casa, para conhecer o pequeno Benjamin que ainda não tinha um nome coreano. E não sabia mais ao certo quanto tempo o amigo ficaria na Coreia. À principio, ele dissera quinze dias, mas podia conseguir um pouco mais, dependendo dos pais.

Quanto à JaeKi, dessa vez, Stella não aguentou a risada.

- Ele sabe qual é a nossa reputação?? - Perguntou dando uma risada ainda.


Coitado. Será que ele não sabia que elas eram vistas como marginais? - no sentido de à margem da “sociedade wangjoniana”. Não achava que o menino precisasse de um esforço desses. Se ficasse longe, só aumentaria a sensação de que elas - incluía a si mesma para conseguir completar o raciocínio - realmente não mereciam amizades próximas.

De todo modo, havia muito o que pensar. Mas primeiro, um pouco de descanso para a mente…

Um pouco de literatura.

[...]

Han Ji Rin não queria encarar Sun-Hee de novo, mas o tom usando pela menina a obrigou a encará-la. Como sempre fazia, Ji Rin a encarou com um semelhante bico nos lábios.

- Está perdoada. Agora tome seu lugar e faça menos barulho.


Jogou o cabelo para o lado. Stella só enfiou a cara na mesa e sua vontade era de bater a cabeça várias vezes, como se aquilo fosse despertá-la de um pesadelo. Como era possível que até no momento de maior tranquilidade delas, fossem ter que lidar com aquilo?!?! Não era possível!

“Maldito colégio e seus alunos amaldiçoa…”


(expressão interna)

Enquanto xingava mentalmente, o professor entrava na sala. De certo modo, a chamada de JiRin tinha sido positiva porque as meninas puderam contemplar a chegada de Lee Chang Wook. O professor usava roupas sociais - uma calça preta de corte reto e uma camisa branca, por dentro da calça, amarrada por um cinto. As mangas estavam um pouco dobradas, mas a gravata azul alinhada. O cabelo já tinha perdido um pouco o penteado, mas continuava para trás.


(com as alterações da descrição)

- Boa tarde… - Sua voz era um pouco grossa, mas ele era simpático na medida certa. Sem se fazer de professor-amigo, para que o respeito continuasse, mas também não se afastava dos alunos.

“Abençoado colégio e seus professores que nos inspiram a suportar mais um dia no purgatório”


(expressão interna)

Stella pensava enquanto não conseguia se mexer. Ela não era a única, era um pouco difícil não dar nem um sorrisinho ou uma leve coradinha. Ji Rin deu um suspiro e pigarreou, virando-se para ele. As meninas responderam ao boa tarde em conjunto.

- Nós já nos conhecemos das aulas de coreano e literatura, mas fico satisfeito em ver que o clube, apesar de ter um professor novo, continua tendo alunos interessados. No caso, alunas. - Sorriu.

- Sempre, professor. - Ji Rin respondeu.

- Bom, nossa proposta no clube é diferente do que acontece na sala de aula. Não precisam se preocupar porque sei separar as duas coisas, mas...vocês sabem que os clubes daqui são exigentes, certo? Então, peço que se esforcem e se dediquem porque precisamos de comprometimento.

Aparentemente, essa era a palavra que os professores achavam que estimulava, mas às vezes, só significava um peso nos ombros.

- Vejo que a Han Ji Rin já imprimiu e fez uma cópia dos livros que serão lidos. Obrigado por isso, capitã. - Agradeceu. - É uma lista extensa, seriam cem livros, mas coloquei setenta. Nós temos livros coreanos e estrangeiros e vocês não precisam se preocupar. A bibliotecária me garantiu que temos todos esses títulos em quantidade o suficiente. Porém, caso por algum azar do destino, o livro esteja alugado com algum aluno, agora o colégio tem a biblioteca virtual para facilitar nesses casos. Vocês só precisam usar a matrícula e pegar a senha na biblioteca para ter o acesso do pdf disponível por dez dias, se não me engano, e podem ler no kindle, tablet, celular, computador. Onde acharem mais confortável.

- Ou podemos comprar também. Não tem nada melhor do que preencher a estante com livros. - Ji Rin disse de modo afetado.

- Ou isso. Mas eu acho mais prático pegar emprestado na biblioteca. Tenho certeza de que nem todos os livros que estão nessa lista agradarão as senhoritas. E, bom, livros são para serem lidos, gastos, não apenas enfeitar a estante.

Hye Won abriu a boca e escondeu os dentes no mesmo instante. Stella já estava com os olhos brilhando pela lagriminha que queria escorrer.

- Mas como eu dizia, toda semana eu vou pedir para que leiam um ou dois livros. Porque alguns têm semelhança de tema. Na primeira aula da semana, nós debatemos, vocês trazem seus resumos e na aula seguinte, vocês apresentam uma releitura e vamos trabalhando os textos e aprimorando. Até aqui tudo bem? Alguma pergunta?

[TEATRO]
1:30 3:00 P.M

Quando Won chegasse no clube de Teatro, ele ainda teria vivo na memória o último sorriso que Bomi tinha dado a ele. Foi enigmático por conta do leve arquear de sobrancelhas que ela deu, como se estivesse ponderando sobre a ida no café. Apesar de ainda se sentir um pouco desconfortável pelo que tinha acontecido no domingo, a possibilidade dela ir era bem real.

A lembrança seria interrompida com a imagem da sala de aula. Won tinha a impressão que era maior do que o dojo - talvez até fosse, mas a parede de espelhos ajudava a aumentar consideravelmente o ambiente. Assim como ele, outros alunos novatos também pareciam surpresos.

Ou no caso de Kim, preocupados.

Não conseguiu evitar o resmungo ao ver aquele pano amarrado ao teto. Tinha certeza que se inscreveu em teatro, não numa atividade circense. Ainda fazia uma expressão infeliz, sem se dar conta de que sua cara já dizia muito. Ouviu o chamado de Won e o encarou.


- Yo! - Ergueu a mão. - Um rosto amigável, ainda bem! - Sorriu. - Como vai, Won Bin? Animado com nossa estreia?


Brincou, mas a conversa foi interrompida com a chegada de Ye Ji. Pela primeira vez, ela se aproximou e falou alguma coisa ao invés de simplesmente ficar encarando. Enquanto Kim fazia uma sutil - nem um pouco sutil - expressão de desconforto, a ponto de ter que virar a cabeça, como se ainda estivesse muito interessado na sala, Ye Ji tinha uma expressão suave.

Era quase como se seu rosto fosse iluminado - e, de fato estava, porque ela encontrou o melhor ponto de luz que entrava pela janela.


- Muitas coisas acontecem em uma semana, não é mesmo? - Foi meneando a cabeça, na pergunta retórica. - Você me deixou curiosa desde o primeiro dia quando ajudou a MiSoo. Foi tão seguro que não parecia um novato. São poucos que agem assim, por isso esses poucos se destacam.


Ponderou por um instante e suspirou.

- Quem me dera tivesse tido a mesma sorte de MiSoo naquele dia.

Kim engoliu em seco porque sabia do que ela estava falando. Virou a cabeça na direção dela e falou.

- Ya. Você estava naquele dia, não é? - Joo Hyuk voltou a fazer parte da conversa. - Wae? Por que você foi chamada, se não era uma bolsista também?

Ye Ji franziu um pouco as sobrancelhas, fazendo uma expressão mais infeliz e moveu os lábios uma vez antes de voltar a encará-los e dizer.

- Também queria saber.


Seria uma cara de partir o coração de qualquer um. Ye Ji parecia tão indefesa e sozinha ali que qualquer menino de boa índole teria vontade de ajudá-la. Contudo, Kim ainda se lembrava do que ela tinha dito para a outra menina, no intervalo. Ela parecia agradecida por outra pessoa substituí-la no bullying e a língua dela - o tom que ela usou, naquele momento - parecia afiado demais.


Não daria suas impressões, contudo, apenas fez uma cara um pouco chateada. A conversa não seria prolongada por muito tempo porque a professora logo cruzou a porta.

- Boa tarde, boa tarde! - Usava uma calça comprida preta e uma blusa mais larga. Carregava uma bolsa que pesava em seu ombro e tinha o cabelo amarrado por um lápis normal. - Peço desculpas pelo atraso de...dois minutos, o trânsito não estava bom.

Disse ao colocar a bolsa no canto e virou-se para a turma. Observou o grupo por um tempinho, medindo os presentes e esboçou sorriso.


- Bom, vejo que temos rostos novos aqui. Sejam bem-vindos, eu sou a professora Kim Tae-Hee e dou aula de teatro para o Bloco 1 e aqui. Sou atriz formada e dubladora, mas desde o início eu gostei mais de trabalhar e especializar os bastidores. Posso ser suspeita para falar, porque eu amo o que faço, mas eu acho o clube de teatro importante para que vocês conheçam o próprio corpo e saibam usá-lo a seu favor para se expressarem no cotidiano. Seja qual for a área que você vá escolher para sua vida, é importante estar preparado para receber toda sorte de notícias, críticas, surpresas...enfim… - Ela ia elencando e não ficava parada num lugar só. Ela andava pela sala e olhava para as pessoas de repente, mas atraía a atenção da plateia. - Quero ajudá-los a se soltarem, a lerem as expressões do outro.

Os alunos ficavam quietinhos, meneando a cabeça aqui e ali para o que ela dizia.

- O nosso curso tem três apresentações, ao todo. Duas acontecem durante a semana de artes do colégio. Uma delas é uma apresentação de curta duração e a outra, eu pretendo fazer uma intervenção artística.

Vários suspiros de susto foram dados e uma das meninas levou a mão até a boca.

- Que? Que? Por que esses sustos? Não é nenhum bicho de sete cabeças. Até lá, estarão preparados. E já disse, serão coisas pequenas porque o nosso real desafio acontece no fim do ano. Os clubes de teatro, música, dança, moda, artes e literatura se juntam para compor uma peça em formato de musical. Como muitos daqui já estão em música e/ou dança, as coisas ficam mais fáceis, então, relaxem, tá? Fiquem nervosos quando faltarem seis meses. Teremos muitos ensaios, muitas reuniões, intercâmbio de clube! E vocês vão se apresentar para uma plateia de 400 pessoas compostas de pais, professores e algumas celebridades. - Sorriu - Não tô brincando. Por isso eu quero comprometimento de vocês. Mas antes disso...vocês dois, calouros.

Apontou para Won e Kim.

- Nomes, turmas, o que querem fazer no futuro, tem alguma experiência com teatro? Enfim, falem um pouco sobre vocês.


Enquanto falava, ia até um canto buscar um banco e sentou-se. Fez sinal para que o resto da turma se sentasse e só os dois ficassem de pé. Kim olhou para Won, meio que perguntando “você começa ou eu?”.

[JAEKI E MISOO]
Refeitório 1:45 ~ 3:00 P.M

As caras de EunBi eram engraçadas para quem via de fora. A bailarina se sentia numa corda bamba ou, talvez, pisando num piso de ovos sem poder rachar nenhum. Quando JaeKi perguntou “o que?”, ela aumentou ainda mais a carinha brava - que ficava fofa, quase que uma chinchila mexendo o focinho.


Disfarçou bem mal, voltando a sorrir com a postura de MiSoo, mas arregalou os olhos quando ela perguntou se Jaeki estava doente.

ELES NÃO IAM PARAR NÃO?!


MiSoo sabia que tinha falado demais porque até se posicionou atrás de EunBi.

- Claro que você não é doente. - Respondeu, mas eles estavam se virando bem. - Claro que ele não vai gritar e você não vai jogar nada nele.

Sorria fechando os olhos, mas sua vontade era gritar com os dois. Em sua mente, obrigava os dois a usarem a camisa da amizade e os trancava num quarto. Ou simplesmente dizia que só voltaria a falar com eles quando fossem amigos. Mas aí ela logo pensou que eles ficariam muito colados e não gostou da imagem.

A cara dela até ficou um pouco fechada com o ciúme que sentiu da cena que ela mesma criou.

Bufou e bateu as mãos para que eles decidissem logo o que queriam. Porque ELA estava com FOME! Os dois parecem ter se entendido de modo razoável - MiSoo até escolheu o que comer! Eun Bi sabia ser convincente quando queria, quase sentia orgulho disso e sorria para si.

Convenceu Misoo a comer.

Convenceu Jaeki a aceitar presente.

Só faltava convencer Bomi a ficar com elas que tudo se encaminharia para o bem. Ou pelo menos assim achou.

Para ficar melhor ainda, ela podia não ter castigo nenhum. Sentou-se ao lado de MiSoo, ficando de frente para Jaeki. O garoto puxou assunto, falando o que ela tinha comentado sobre se conhecerem há 13 anos. EunBi sorriu para a amiga, deitando a cabeça no ombro dela e esperando que ela respondesse ou comentasse. Depois ela observou como ele comia e…


Que fofo.


Parecia um bebê coelho triturando uma cenoura. Como Jaeki a encarava, via que as bochechas dela foram corando porque imaginou um coelho mesmo e achou uma gracinha. Ela tossiu para baixo, pegando seu copinho de iogurte e dando um gole. Ainda recebeu um apoio, para que gritasse caso o pé dela estivesse doendo.

Infelizmente, o tempo livre delas acabou e as meninas foram chamadas para a cozinha. EunBi deixou a mochila dela e falou para MiSoo deixar ali também. Logo quando entrassem na cozinha, receberiam aventais, luvas e loucas. Yewon olhou de banda para elas.

- Vocês vão raspar os pratos. - Decretou.


- Por que? Suas mãos estão quebradas?


- Porque eu cheguei primeiro.


- Então ela vai lá fora limpar as mesas, Sra Ki. Não é justo!

- A Srta. Yang me alertou sobre as senhoritas. Escutem aqui, vocês não mandam na minha cozinha e nem vão decidir nada. Todas farão tudo ao longo da semana. Hoje MiSoo vai limpar lá fora. Quero que recolha as panelas, limpe as mesas e passe um pano no chão. EunBi vai lavar as panelas e recipientes. Yewon vai lavar a louça. É trabalho o suficiente para vocês.

- Aigoo… - EunBi ronronou em tristeza e bateu os pés no chão.

Cada uma recebeu sua missão e teve que lidar com isso.

Durante o tempo que ficasse do lado de fora, JaeKi não veria mais EunBi, apenas MiSoo. O refeitório estava consideravelmente vazio e ficaria assim até o intervalo entre clubes. Porém, no meio dos estudos, ele veria uma pessoa passando pela porta.

Bomi andava meio trôpega, como se estivesse confusa demais, no momento. Ela já era pálida, mas estava um pouco mais branca do que o normal. MiSoo também veria a “amiga” passando assim. A menina sacou o celular e continuou caminhando.

Além dela, outra pessoa que estava à toa e passou foi Kai. Esse, diferente de Bomi, entrou no refeitório. Como viu que uma menina estava limpando o lugar, ele tomou o cuidado de não atrapalhar e foi até as frutas, pegar alguma coisa antes de ir embora.

[CULINÁRIA]
3:30 ~ 5:00 P.M

A animação de Hyemin foi notada pelas unnies presentes, bem como os colegas de turma. Todos esboçaram sorrisos para ela - ainda que de maneiras diferentes. Yu Ha era uma menina muito doce e gentil. Mesmo com pouca idade, dava para imaginar o tipo de mãe e avó que seria, sempre mimando seus filhos e netos com maravilhosos quitutes. Não era à toa que ela carregava o direito de ser a capitã.

Mesmo depois do episódio envolvendo a tarântula, ela não mudou o modo dela de agir com Hyemin. Na verdade, elas eram parecidas nesse aspecto - não era ela quem fazia as maldades, apesar de estar no grupo das meninas. Ela não era a “cabeça” do grupo. Além disso, também era muito romântica e desde o ano passado, ela tinha oficializado o namoro com Kyung Soo, o garoto do 3º ano. Eles se gostavam antes mesmo de estudaram no WangJo.

EunJoo deu um sorriso um pouco mais contido. Não era como se não gostasse de Hyemin, ela simpatizava com a menina. O problema era o dia que estava horroroso! Queria muito ir embora, mas só tinha ficado porque havia uma fraca chama de esperança envolvendo o clube de culinária - gostava de cozinhar, embora não fosse nada formidável como outros nomes ali - como Hyemin, Yu Ha e o próprio Ui Jin.

Diferente de Yu Ha, Joonie não escondia seu lado birrento e mimizento. Se as coisas não fossem como ela queria, ela armava um escândalo ou ficava reclamando para sempre. Como era o caso depois que as fotos viralizaram pelo colégio. Só não estava falando disso no momento porque Ji Rin tinha a palavra da reclamação.

Ji Rin apenas fez uma expressão aceitável para Hyemin.

Apesar de ser prima de Sunyoung e Minhyun, ela não era simpática como os dois. Na verdade, ela sempre estava carregando aquele bico afetado e sua expressão que tinha tudo para ser doce graças ao belo traço que tinha, estava sempre carregada. Era uma pessoa aborrecida e não escondia isso. Um sorriso dela era difícil de tirar, mas não podia ser chamada de uma Rainha do Gelo como Yerin, porque ela demonstrava emoções. O apelido de Yerin era porque ela raramente demonstrava alguma coisa.

As unnies não demoraram muito em encará-la após o cumprimento, voltando ao assunto.

Já Hayoung fez uma festa. O sorriso dela veio fácil e ela deu pulinhos, fazendo com que Sohee olhasse para trás. Sohee era uma menina do 3º ano. Não fazia parte do restrito clube de Sunyoung, mas era gentil e educada com as pessoas.

- Minah! Como foi sua tarde? Nossa, eu já estou tão cansada… - Suspirou.

- Olá, Hyemin. Eu vou bem, mas...vamos combinar uma coisa? - Olhou um pouco mais séria.- Não vamos nos tratar com formalidades aqui. Na verdade, eu acho que você é minha sunbae.


Sorriu de modo gentil.

Como isso era possivel?


- Ung. Você cozinha há mais tempo do que eu. Quando você participou daquela edição do masterchef, eu nem sabia mexer no fogão direito. Só comecei ano passado, então, pode me chamar apenas de Sohee, sem formalidades. - Fez uma suave mesura.

Hayoung achou isso muito fofinho e, se já gostava de Sohee no clube de Literatura, podia dizer agora que estava ganhando uma nova ídola - além de Hyemin, é claro.

Ui Jin estava quieto, como sempre. Sua insegurança falava alto, mas a bancada dele estava pronta para os desafios. Muito embora ficasse se perguntando o que estava fazendo ali, ele sabia da verdade: era bom na cozinha! Tinha que romper a barreira do medo para fazer as coisas que realmente gostava. Ainda se lembrava da desastrosa apresentação no clube de informática e isso o envergonhava.

Porém, não envergonhava mais do que o sorriso de Hyemin.

Os óculos dele ficaram embaçados e ele precisou abaixar a cabeça para ajeitar a peça. Não foi o suficiente e ele retirou os óculos, limpando no paninho. Caso Hyemin ainda estivesse olhando, veria que ele também deu um sorrisinho. Não chegou a mostrar os dentes, mas era, definitivamente, um tímido sorriso.

Estava assim quando Chaeyoung chegou. Quando reconheceu Joonie e Ji Rin, principalmente, a garota se sentiu um pouco insegura de falar. Verdade que as outras pessoas não tinham nada a ver com isso, mas ela pretendia reverter essa falta de educação - só queria chegar!


E quando encontrou um rosto conhecido, as coisas ficaram mais fáceis. Ficou no fogão do meio da bancada e ia falar com as pessoas quando foi interrompida com a chegada de Joonie.

- Eotteoke? - Murmurou para si mesma e respondeu de um jeito educado aos abusos dela.

Geralmente tratava assim as pessoas. Só chegou às vias de fato, mordendo a doida porque ela tentou agredi-la. Enquanto fazia perguntas retóricas, ela abria o lenço. Amarrou o cabelo num coque e colocou o lenço como um turbante. Ela fazia isso com bastante facilidade, sem deixar nenhum fio para fora - ao mesmo tempo que havia certa maestria, ela também parecia bem perfeccionista quanto ao gesto.

Suspirou com os modos de Joonie, fazendo uma expressão um pouco triste. Era um pouco incômodo, mas precisava responder. Chegou a abrir a boca, mas a fechou no mesmo instante quando viu a cara de Joonie ficando pálida.

Chaeyoung também olhou na mesma direção que ela e arregalou os olhos ao ver Hyun Hee.

Sério?


Culinária?? O que estava fazendo ali?

Não pôde dizer que ficou feliz por vê-lo. Aquilo seria tão...Abaixou a cabeça, sentindo-se mal pelo climão.

Eun Joo ia repetir a mesma pergunta que fizera para Chaeyoung, mas acabou mudando o tom.


- O que...significa isso? Por que você se inscreveu nesse clube? Você sabia que eu faço parte daqui, por que teve que se inscrever?? Wae?!?!


- Joonie… - Yu Ha segurou o braço dela. - Recomponha-se, por favor.

- Você sabia não sabia? Você sabia que esses dois estariam aqui!!


- Eu sabia e tinha te falado o nome do Hyun, não imaginava que…

- Eu também não sabia. - Chaeyoung falou enquanto amarrava o avental. Olhou para Hyun quando ele se aproximou. - Anyeoun, está tudo bem… - Mas se ele insistisse, ela não teria como pará-lo mesmo.

- Você vai deixar que isso aconteça, Yu Ha?

- O que?

- Vai deixar esses dois aqui??

- Joonie...Vem, por favor...Já está ficando feio. - Puxou pelo braço.

- Você é minha amiga!

- Por isso eu estou te tirando daqui. Para com isso, mas que coisa! O clube não é lugar disso!

Hayoung continuou ao lado de Hyemin e fez uma cara “nossa, que climão”. Ui Jin tinha torcido por um lugar calmo, mas agora via que não havia escapatória. Joonie olhou por um instante para Yu Ha e virou a cara. Ao invés de ir para seu lugar, ela saiu da sala, para ir até o banheiro. No caminho, encontrou com a professora que ficou um pouco preocupada com a aluna.

Ji Rin olhou com desprezo para aquele casalzinho, mas revirou os olhos e foi cuidar de suas próprias coisas. Sohee não tinha que achar nada e permaneceu em silêncio.

- Ahm...boa tarde. - A professora entrou na sala. - Está tudo bem por aqui?

- Ne, sonsengnim.

- Certo...De novo. Boa tarde, turma! Como se sentem hoje? Inspirados para cozinhar? - Comentou enquanto caminhava até seu lugar, à frente dos outros. - Seo Hyemin, minha entrada de ouro! Como foram as férias? Treinou bastante? Aprendeu algo novo?


Falava antes que a aula começasse oficialmente. A professora de culinária era muito esbelta e elegante. Seu rosto era conhecido porque tinha um programa de receitas num canal de culinária. Quanto Hyemin participou do masterchef, teve uma competição onde ela foi a jurada convidada, por isso já se conheciam e havia apreço entre elas.

Olhou para a turma, esperando que se acomodassem e, principalmente, se acalmassem. Apesar de Yu Ha ter dito que estava tudo bem, sentia um clima tenso.




> Não especifiquei os horários, apenas coloquei o tempo que o clube tem.
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Convidado em Dom Mar 25, 2018 12:50 pm

MiSoo piscou algumas vezes quando JaeKi falou que achava que ela o odiasse. Lembrava que há poucos minutos atrás ela quem estava achando que todo mundo alimentava esse sentimento por ela, então era meio surpreendente ouvir a dúvida direcionada para ela mesma.

Odiava ele?

Nem a própria irmã ela conseguia odiar constantemente. O sentimento aparecia apenas quando MinJi era muito maldosa com MiSoo, mas o sentimento se abrandava depois de um tempo. Então MiSoo não achava que conseguia alimentar o ódio eterno. Não gostava muito do garoto pelo modo com que tratou EunBi no primeiro dia e depois como lhe chamou de rato e discutiu com ela mesma, mas não significava que o odiava…

- Aniyo. - cruzou os braços e fez um bico - Mas vou odiar se magoar a minha amiga. - disse de modo direto, o fitando com bastante seriedade e determinação.

Preferiu não falar a parte sobre odiá-lo também se ele tentasse tomar EunBi completamente de MiSoo. Depois disse a determinação morreu um pouco e MiSoo se escondeu parcialmente atrás da melhor amiga.

EunBi se metia na conversa, tentando apagar o incêndio que se formava aos poucos com a conversa desajeitada. Pelo jeito com que a amiga falou, MiSoo percebeu que ela estava se segurando para não gritar e reclamar com a dupla. MiSoo apertou os olhos e se encolheu um pouco, sentindo-se como uma criança cheia de culpa.

- Ara, ara… - resmungou sem jeito.

Bom. Ainda tinha uma vontadezinha de jogar algo em JaeKi sim, mas iria se segurar por EunBi. Decidiu que daria uma chance de conhecer melhor o garoto para agradar a amiga, então era isso mesmo que faria. A comida era mesmo a única ideia que MiSoo teve e que achou que poderia funcionar no caso. Normalmente as pessoas gostavam de ganhar algo para comer.

MiSo deu um pulinho assustado quando EunBi bateu palmas ao lado dela enquanto disfarçava extrema concentração na escolha. Depois fez sua escolha um pouco mais rápido, esperou a escolha de garoto com um disfarçado sorriso vitorioso no lábios e, por fim, pagou tudo o que tinham pego.

O trio sentou-se na mesa e MiSoo desembalou o sanduíche, observando-o por algum tempo, meio nervosa de ingerí-lo, com um pouco de medo e angústia. Os sentimentos foram meio que cortados com o comentário de JaeKi e com EunBi deitando no ombro da garota.

- Aish! Já faz tanto tempo assim? - arregalou os olhos, mas depois acabou sorrindo, fazendo um cafuné na amiga, mas tomando cuidado para não despentea-la - Seu amigo mais antigo vc conhece a só três anos? - surpreendeu-se - Aish. Eu não saberia o que fazer sem as minhas amigas… - e sentiu um aperto no peito com o próprio comentário e a expressão se escureceu um pouco, parando o carinho na amiga - Ahn… A EunBi é como minha irmã. É muito importante para mim. - botou certo peso nas últimas palavras como se para fazê-lo entender o perigo de fazer algum mal à ela - Ohh… Vocês são amigos, não é? - se referia à Kang e WonBin - Eles parecem ser garotos legais. - esboçou um sorrisinho.

MiSoo tinha facilidade de conversar com as pessoas quando se esquecia das desavenças do passado. Começado a conversa ajudou a esquecer um pouquinho.

MiSoo arregalou de novo os olhos, com a boca entreaberta, ao ver o modo como JaeKi estava comendo o Choco Heim. Parecia um hamster!!


Quem era o rato mesmo?

Aliás, mais um garoto que parecia um bichinho!!

MiSoo cobriu os lábios com a mão e inflou as bochechas, segurando ao máximo a risada. Não era educado rir da cara de alguém assim, mas a garota tinha achado muito engraçado/estranho! Acabou jogando a cabeça para trás em meio ao risinho. Olhou para EunBi e ela estava daquele jeito, como quando suspirou ao falar do garoto. Como ela podia fazer essa cara diante de algo tão engraçado?


Mas pelo menos ele se preocupada com o estado do pé dela. Sim. EunBi não deveria forçar mais do que já tinha, pois a culpada de todos os problemas desse dia tinha pisado nele!

MiSoo não chegou a terminar o sanduíche. Na verdade deixou a metade de lado, assim como o iogurte. Não conseguia mais comer, então embalou de volta o sanduíche e o guardou na mochila para convencer a amiga de que comeria mais tarde. Se pudesse ficar com a amiga enquanto cumpriam o trabalho na cozinha ficaria tudo bem. MiSoo não conseguiria pensar muito em vomitar.

A tenista fez biquinho, mas aceitou deixar sua mochila com JaeKi também. Não estava preocupada se ele mexeria, era mais sobre parecer estar dando muito confiança à ele o deixando cuidar de suas coisas.

A dupla se dirigiu a cozinha depois de serem chamadas e se depararam com a pestinha sem a peruca, que as receberam com a mesma cara de nojo de sempre.

YeWon mandava rasparem os pratos como se ela pudesse decidir algo e EunBi rebate.

- Considerando o que você causou, raspar prato deve ser pouco ainda. - fechou totalmente a cara pra ela, inflando as bochechas e cruzando os braços.


Estava tão indignada quando EunBi com o papo da garota.

Sra. Ki se meteu e só fez o bico contrariado de MiSoo aumentar. Parecia que queriam que ela se sentisse culpada por tudo, mas não iria se sentir! YeWon era a verdadeira encrenqueira. Se ela não viesse para cima das duas se achando no direito de mandar nas pessoas, nenhuma delas estaria ali. Pelo jeito a escola preferia que os alunos aceitassem todas as formas de bullying quietos e deixassem que os agressores falassem o que quisessem, afinal a escola só tinha câmeras. Câmeras não mostrariam o que elas tiveram que ouvir da garota.

MiSoo ia ter que ficar separada de EunBi. Seu humor decaiu um pouquinho e ela voltou a sentir um leve enjoo. Tinha ficado ansiosa, com medo de que precisasse vomitar. Na escola não! Tinha vergonha, muita vergonha.

- De… - aceitou a ordem da Sra. Ki de ombros caídos.
MiSoo acenou meio tristinha para a amiga antes de ir até o refeitório começar sua parte do trabalho.

JaeKi estava lá, estudando. Ele deveria mesmo gostar de estudar, já que tinha entrado na WangJo. MiSoo imaginava que deveria ser algo difícil, conseguir uma vaga em cinco. Pelo menos isso o delinquente tinha como ponto positivo. Ainda lembrava que ele resolveu todas aquelas contas complicadas no quadro logo depois de acordar. Era bem habilidoso nos estudos, não?

Enquanto empilhava várias bandejas em uma só mesa para carregá-las até a cozinha, MiSoo percebeu BoMi passando meio longe, ocupada com o celular, Não prestou atenção na postura dela, pois quando a viu sentiu uma pontinha de tristeza apertar de novo seu coração e a tenista virou-se de costas imediatamente, pois não estava pronta para ver aquela pessoa ainda. No movimento, MiSoo acabou esbarrando em todas as bandejas empilhadas, as jogando no chão e fazendo barulho no refeitório silencioso.

- Aigo! - pousou as mãos sobre a cabeça, se sentindo uma idiota por ter derrubado sem querer.

Só faltava alguém aumentar o castigo porque deixou as bandejas caírem!!

Rapidamente e abaixou para juntá-las, sentindo-se um pouquinho tonta no gesto brusco e se apoiando um pouco no banco para se recuperar do sintoma incômodo.
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Seo Hyemin em Dom Mar 25, 2018 12:56 pm

Hyemin piscou, surpresa com a bondade de sua unnie e logo abriu um sorriso em resposta.

- Eu vou tentar, un… SoHee-shi, mas quando você fala isso eu só começo a te respeitar mais!   - deu uma risadinha e virou o corpo para frente, colocando a palma na frente da boca, toda envergonhada, tendo um minisurto para si mesma. -Aiii ela me chamou de sunbaaaae~~  Meudeus eu sou sunbae de alguém, que legal ~~~Hahahhaa




Em seguida teve a reação de Uijin, que a deixou alegre também, pois gostava de atenção. Definitivamente estava feliz com aquele clube e as pessoas a tratando bem. Era o único lugar no colégio que ainda se parecia com o reinado do fundamental! Será que poderia ser dispensada das aulas e fazer só o Clube de Culinária?

A confusão entre as unnies continuou e Hyemin fez um biquinho constrangido, olhando de uma para outra, até que ficou muito surpresa ao ver Park Hyun Hee ali dentro. Aishhhh será que não dava para ter um pouquinho de paz? Por que ele estava afrontando Moon Eunjoo? Abaixou o rosto quando Eunjoo começou com seus chiliques em voz alta. Era um problema do qual não fazia parte, mas entendia os sentimentos da menina. Correspondeu a expressão de Hayoung, assentindo com um bico na cara. É… Um baita climão!

- Coitadinha… - comentou baixo, mas a expressão se transformou assim que a professora chegou. Os olhos da menina brilharam e fez uma reverência.

- Sonsaengnim! - abriu um lindo sorriso orgulho e mimado, pelos elogios que faziam maravilhas para seu ego. - Sim~  Eu tentei mexer com isomalte, mas é complicado. Espero melhorar ainda neste ano. Tenho praticado nossas receitas e estou pronta para aprendermos ainda mais para o evento deste ano.




Ela parecia quase uma menina responsável, meiga e adulta falando com a professora. Era a única matéria na escola na qual se sobressaía e podia-se dizer que conseguia passar uma postura de liderança, quase outra pessoa.
avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Dom Mar 25, 2018 1:29 pm

Hyun Hee não estava no perfeito juízo quando escolheu seus clubes. No último momento trocou aquele Hipismo sem sentido por Atletismo, mas hoje já se questionava se Mecânica e Culinária eram uma boa ideia. Sua opinião realmente mudava de forma drástica de uma semana para outra, de modo que ele não conseguia lembrar do motivo que o tinha feito partir por aquele caminho. Era muito incômodo pois sentia como se duas mentes habitassem o mesmo corpo com considerações distintas sobre suas decisões de vida.

No momento, lamentava o clube. Porém, não pensava em largá-lo porque tinha tirado a sorte grande em ter Chaeyoung ali. Agora o cérebro processava a linda imagem da menina em seu clube. Sua escolha parecia mais do que justificada, ainda que não soubesse que ela fazia parte daquele grupo. Seu olhar mudava ao observá-la. Era muito mais apaixonante do que o tédio e irritação ao ver Eunjoo.

Hyun Hee aproximou-se para amarrar o avental, mesmo assim, mas a voz de Eunjoo o obrigou a fazer aquela troca de expressões e ele revirou os olhos, suspirando alto. A voz dela invadia seu cérebro e o chacoalhava. Respirou fundo, fazendo um gesto com a mão para que ela abaixasse o tom de voz.

- AAAAish…  Como você fala. Deixa eu te contar uma coisa que eu devia ter falado há muito mais tempo, garota. Só porque suas amigas patricinhas te chamam de “Rainha” não quer dizer que você tenha algum poder aqui dentro.  É só sentido metafórico, entendeu? Você não manda aqui, nem em lugar nenhum, talvez na sua casa e no seu grupo de amizades. Ah, sim, spoiler: nem todas você controla tão bem assim. Sabia? - piscou, cretino e deixou que as meninas fossem embora com aquela informação. - Acorda!

Sentia os olhares das patricinhas ali da frente sobre ele e pessoas que fingiam que não acontecia nada, como a menina Seo. Que preguiça daquelas pessoas...

Virou o rosto para Chaeyoung e sentiu um pouco de responsabilidade por ter criado aquela situação que quase lhe dava vontade de pedir desculpas - quase!

-  Você veio para a Culinária porque queria fazer dosirak para mim? - piscou, divertido. -  Respeito a sua dedicação. - aproximou o rosto do ouvido dela e sussurrou um segredo com uma voz arrastada, fazendo uma pausa dramática proposital: -  Eu gosto...... De tteokbokki

Sorriu e fez um aegyo de pirraça, fazendo manha para que ela não batesse nele pelo atrevimento.


Com a entrada da professora, ele ajeitou avental e lenço. Eunjoo bem que poderia não voltar, não é? Cumprimentou a professora com respeito e seguiria a aula normalmente.
avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Kim Sun-Hee em Dom Mar 25, 2018 4:32 pm

Está perdoada... tsc.

Como se, para princípio de conversa, Sunny tivesse que se desculpar por alguma coisa. O professor nem estava na sala ainda! Entretanto, chega de confusão por um dia. Não apenas a mente começava a falhar, como o corpo também. Não aguentaria uma nova discussão e, bem ou mal, aquela garota era mais velha e devia o mínimo de respeito pela posição que a Capitã ocupava ali. Por isso, ignorou os bicos de Ji-Rin e o seu tom emburrado. Sentou-se entre Stella e Hye-Won e enquanto analisava a lista, aproveitou para apontar os títulos que já conhecia e outros que despertaram seu interesse noutras ocasiões.

Sunny percebeu a frustração de Stella e compartilhava do mesmo sentimento, mas limitou-se em afagar a cabeça dela, tentando lhe passar um pouco de conforto.

Então, um silêncio tomou a sala no momento que o professor Lee Chang Wook entrou. Todos os olhares das meninas o elevaram ao foco das atenções e era quase possível escutar uma sinfonia de suspiros. Assim como a ala feminina inteira da WangJo, Sunny também não estava imune ao Sr. Lee... Ele era absurdamente bonito e sempre mantinha a aparência alinhada. A primeira vez que o viu foi, por ironia, no Café Literário e na concepção da bolsista, que na época não enxergava ninguém além de Jung-Mi, o professor sofreu uma parcela de “apagão”. Porque, para ela – apesar de tudo -, o Park continuava sendo a criatura mais linda que Sun-Hee colocou os olhos.

Isso não mudou.

Disfarçadamente abaixou a cabeça enquanto dava leves tapinhas na testa para afastar aqueles pensamentos perigosos. Como as garotas, respondeu ao “boa tarde”, mas a voz não soou mais alta do que um sussurro.  

O Sr. Lee iniciava as explicações e a Capitã mostrava-se tãããããão simpática, que nem parecia a coisa nojenta de minutos atrás. Sunny revirou os olhos diante do “Sempre, professor, mimimimi”. Puxa-saco detectada. Humpf. Mas enfim, ignorava-a para prestar atenção na continuação do homem, absorvendo o que ele dizia. Vez ou outra, ela olhava para Stella e Hye-Won e as duas tinham a mesma carinha abobada. Sunny sorriu, achando graça das amigas.

Conforme explicava as formas que as alunas poderiam ter na hora das leituras dos exemplares, Ji-Rin soltou um comentário que gerou uma resposta meio cortante do professor.

Toma distraídaaaaaaaaaaaa! ²

Para não ficar escancarado, Sun-Hee começou a mordiscar as unhas, e por trás do gesto, controlava a vontade de rir e nem ousou encarar as amigas, imaginando que elas experimentavam de uma reação semelhante, principalmente Stella.

Porém, por dentro...


Nesse ponto, até concordava com a Capitã. Não que tivesse a intenção de enfeitar as estantes, mas entre ler pdfs, Sunny preferia o contato direto, folhear as páginas e sentir o cheirinho típico dos livros, tantos dos novos quanto dos velhos. Sempre levava um na mochila para qualquer emergência.

Logo, diante da pergunta do Sr. Lee, Sunny automaticamente balançou a cabeça embora tenha sido uma questão para todas.



avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Dom Mar 25, 2018 4:33 pm

Quando MiSoo o respondeu dizendo que só o odiaria se magoasse sua amiga, Jae-ki também a encarou com um olhar sério e respondeu sem demora:


- Não vou fazer mal a ela.

Se dependesse mesmo só de Jae-ki, ele não pretendia magoá-la nunca. Pelo menos no resto da interação não ocorreu nenhuma briga, apesar das tensões. Eun-bi sabia como convencê-los, talvez porque os dois queriam ficar perto dela, nisso tinham um ponto em comum, talvez o único. Quando sentaram juntos, Jae percebeu também o quanto elas duas eram grudadas, Eun-bi apoiava a cabeça no ombro da amiga mostrando o quanto se gostavam. Jae-ki dava muito valor as amizades verdadeiras e por isso podia entender as duas, embora não fosse muito com a cara de MiSoo, não tinha o desejo de acabar com a amizade delas. Ele acreditava na lealdade entre amigos. Ouviu o comentário da MiSoo enquanto rasgava a embalagem do Cho Heim, balançou a cabeça positivamente quando ouviu ela falar de Won e Kang.

- O hyung também é como um irmão para mim - Explicou - Mesmo não sendo tanto tempo quanto vocês, passamos por coisas juntos que valem por muitos anos. E com o Won e Kang tá sendo tipo isso também.

E então encheu a boca de biscoito, comendo igual coelho por preguiça de segurar o biscoito com a mão. Era um costume, já que costumava fazer duas coisas ao mesmo tempo, ás vezes comer enquanto lavava louça, coisas do tipo. A conversa sobre o tempo de amizade delas, fez Jae-ki relembrar de algumas coisas do passado, não gostava disso. Não contou as garotas, mas o motivo de não ter uma amizade de infância foi porque se mudou de bairro quando era criança. Enquanto mastigava e encarava Eun-bi, notou o rosto dela ficando corado, isso foi o bastante para afastá-lo das memórias do passado. Eun-bi era tão linda, gostava tanto dessa garota, queria tanto poder dar várias coisas para ela, sentia-se capaz de fazer qualquer esforço só para vê-la sorrir. Estava tão hipnotizado que nem notou MiSoo tapando a boca para não rir do seu jeito de comer.

Uma pena que esse tempo durou pouco, logo as duas saíram para cumprir a punição e Jae-ki ficou sozinho estudando. Infelizmente Eun-bi não ficou limpando a parte de fora, mas também era um alívio, porque sabia que não era bom que a bailarina andasse por muito tempo por causa do pé. Só que depois de um tempo estudando, notou algo estranho, Bo-mi passava pela porta e estava tão pálida que chamou a atenção de Jae-ki. Será que ela estava passando mal? Será que deveria ir até Bo-mi ver o que estava acontecendo? Parecia que algo grave havia acontecido.

De repente quase no mesmo momento ouviu o barulho de algo caindo, se virou na direção que vinha o som e viu que MiSoo tinha derrubado as bandejas. Suspirou e fechando o caderno se levantou e foi até a garota. Talvez fosse o primeiro castigo dela." Essas garotas riquinhas não devem tá acostumadas a pegar no pesado". Jae-ki se abaixou, pegou as bandejas que caíram e foi as empilhando de volta. Porém quando passou os olhos em MiSoo achou que ela parecia cansada ao vê-la se apoiando no banco. Se abaixou para pegar mais bandejas, e olhando para cima perguntou para ela:


- Ya, você tá bem? É seu primeiro castigo? - Continuou empilhando as bandejas nos braços enquanto falava - Precisa levar as bandejas? Deixa que eu levo.

Depois se levantou para empilhar as bandejas que havia pegado. Ao mesmo tempo que falava isso, estava preocupado com Bo-Mi, achava que deveria avisar Won sobre isso, mesmo que não tivesse certeza que o amigo gostava dela. Mandaria uma mensagem para ele depois, já que não se veriam por conta dos clubes. Quando viu Kai entrando, Jae-ki acenou com um movimento da cabeça. Não iria ignorar o garoto, até porque não esquecia que eram aliados apesar de tudo.

- A Bo-mi passou pela porta - Comentou com MinSoo, já que eram amigas, achou que ela deveria saber - Ela devia tá preocupada com alguma coisa, tava tão branca.
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Convidado em Dom Mar 25, 2018 7:47 pm

JaeKi confirmava que não faria mal à EunBi e era bom mesmo que cumprisse com o que dizia, senão nenhum castigo no mundo seguraria a ira de MiSoo. Mochilas seriam a menor das preocupações dele.

Quando se sentaram e começaram a comer -pelo menos os outros dois - JaeKi começava a falar sobre amizade e MiSoo dava seu parecer sobre como ela via a amizade com EunBi, que ela acreditava ser a amizade mais forte do mundo!

A garota ouvia com atenção o que ele dizia sobre seu amigos e concordava com a cabeça. Sabia o que era passar por momentos muito importantes ao lado dos amigos, mas não podia negar que morria de medo de sobrecarregá-los com seus problemas. Entretanto, sempre que precisassem MiSoo estaria ali disposta à ajudar, pois sabia que, pelo menos para ela, não era incômodo ajudá-los quando precisavam. Por isso talvez pudesse entender bem JaeKi quando ele falava sobre as situações que passavam que que fazia parecer que a amizade existia há muito mais tempo do que aqueles três anos que o garoto mencionou.

Só que a conversa mais normal logo se dissipou e as impressões para com o garoto voltaram ao normal quando o viu comer o doce.

MiSoo revirou os olhos ao ver os dois se encarando daquele jeito após JaeKi dar uma de hamster. Era meio incômodo e a fazia se arrepender de ter oferecido a comida à ele.

Depois do pequenino lanche era hora da punição aka prisão. E enquanto MiSoo tentava fazer a sua parte da detenção longe da amiga, BoMi tinha que passar por perto! De todas as pessoas!!

A tenista virou-se de costas bruscamente, derrubou todas as bandejas no chão, uma leve pressão se instaurou em seu peito e para melhorar sentiu aquela tontura ao se abaixar. Dava para ser pior?

Dava.

JaeKi resolveu se aproximar para ajudar com as bandejas. MiSoo realmente não queria ser ajudada em seu próprio castigo.

- Hajima. Eu estou bem. - segurou o outro lado da bandeja que estava nas mãos dele, levantando-se do chão vagarosamente - Eu posso fazer isso, não é meu primeiro castigo. - dificilmente seria quando se era uma pessoa que às vezes falava demais no meio da aula, mesmo assim esse era o primeiro tão complicado, o que realmente não vinha ao caso - Eu só bati na pilha sem querer. Eu posso carregar elas sem problemas. - inflou as bochechas.

JaeKi falava sobre BoMi e em resposta MiSoo apertava os lábios com força, inflando as bochechas ainda mais.


- Deixa ela… - levantou o queixo e cruzou os braços - soltando a  bandeja que estava com JaeKi - em uma expressão de desdém que se desfez quando JaeKi mencionou dela estar branca - Branca? Ela já é branca, mas… - mordeu os lábios e coçou a cabeça, sentindo a pressão sobre o peito outra vez.


Não podia fazer nada. Não quando nem conseguia olhar para ela. Mesmo assim não podia negar que havia uma pequena sementinha de preocupação que queria muito brotar ali e que MiSoo tentava impedir.

O que poderia deixar a garota branca à essa hora?

Não tinha a mínima ideia. YeWon estava na cozinha. Não podia ter feito mal à ninguém dali. A outra garota não tinha nem aparecido na escola. Realmente não sabia e começava a sentir ansiosa e triste outra vez de ter que arranhar um pouco mais os pensamentos sobre BoMi. Mas talvez houvesse um jeito. Talvez conseguisse acalmar o próprio coração se pudesse fazer algo, o mínimo que fosse e o mais indireto possível.

Olhou para JaeKi e em um movimento impulsivo o segurou pela gola do blazer.

- Você…! - respirou fundo e o encarou com muita seriedade, ignorando totalmente a presença do outro garoto ao qual JaeKi tinha acenado com a cabeça - Ahn… Eu não… - apontou com a mão livre para uma das câmeras próximas ao teto - Não posso sair daqui por causa das câmeras… Do castigo… - e porque não queria ver BoMi, mas se fosse ao contrário também não poderia deixar o refeitório antes de terminar de arrumá-lo, então não fazia muita diferença - Mas você pode ir! Pode ir ver o que aconteceu! - falava de modo firme, quase como se estivesse passando uma missão à ele - Se ela precisa de algo! Ou se tem alguém a incomodando. E se for rápido talvez alcance ela! - apontou na direção da porta, sem dar a mínima importância ao pequeno detalhe de que os dois não se davam muito para a garota começasse a fazer pedidos desse jeito - Eu cuido do seu material. Juseyo… - dessa vez fez uma expressão de cãozinho pidão de modo bem involuntário.

Soltou rapidamente a gola de JaeKi, um pouco envergonhada com a atitude que tinha tomado e já se arrependendo de fazer tal pedido a ESSA pessoa. Nem ao menos deveria se preocupar com algo que não fazia ideia se tinha mesmo acontecido e que vinha da pessoa que tinha lhe feito se sentir tão mal pouco tempo atrás.
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Dom Mar 25, 2018 10:26 pm

Jae-ki fez um bico invocado quando MiSoo recusou sua ajuda. " Aishh, essas garotas são orgulhosas." Balançou os ombros para mostrar que não se importava, mas na verdade estava irritado porque ele estava se esforçando para se dar bem com ela, tinha ajudado de boa vontade e agora ela rejeitava ajuda. Ainda achava que MiSoo podia tá planejando algo contra ele.

- Tá, já entendi, você não quer minha ajuda, então não ajudo mais- Comentou fazendo um bico, costumava levar coisas assim para o lado pessoal.

Mas decidiu contar sobre Bo-mi, pois eram amigas e achou no momento que deveria dizer, embora não tivesse pensado muito nisso antes de decidir. Já estava se virando para voltar para o seu lugar quando MiSoo o agarrou no blazer, Jae arregalou os olhos:

- Ya! Michyeoseo?

Deu logo uns passos para trás na defensiva, se esquivando dela. O que essa garota tinha na cabeça? Parou ao ver ela apontando para o teto, suas sobrancelhas estavam franzidas e o rosto confuso.  Ouviu o que MiSoo tinha a dizer com uma expressão desconfiada. Lançou um olhar ao próprio material quando ela disse que tomaria conta. Não confiava em MiSoo e não gostava de se envolver em coisas que não eram da sua conta. Além disso, MiSoo tinha rejeitado sua ajuda minutos atrás, não aceitaria ordens dela! Agora ele servia para algo não é? Porém havia algo maior envolvido nisso, Bo-mi era amiga de Eun-bi, e provavelmente a bailarina ia ficar preocupada se visse a amiga branca daquele jeito. Além disso, Bo-mi tinha sido bem legal com ele desde o começo. Não achava que alguém tinha mexido com Bo-mi, mas não seria mal ver se ela precisava de algo. Won não tava lá para fazer a parte dele de garoto bonzinho, então só restava ele mesmo para ajudar. Não faria isso por MiSoo, mas por causa de Eun-bi e do jeito amigável de Bo-mi. E a forma como MiSoo falava fazia o ficar mais preocupado com a garota.

Jae-ki respirou fundo e olhou para MiSoo mais uma vez, seu semblante estava de mau humor quando falou rápido, e seu olhar estava ameaçador:


- Não deixa ninguém mexer nas minhas coisas!  

Em seguida saiu correndo para a porta, deslizou um pouco no piso ao chegar na entrada e vai seguir pelo corredor, se ver Bo-mi ao longe vai gritar o nome dela bem alto. Se não, vai continuar mais um pedaço correndo mesmo. Esperava que MiSoo cumprisse com o acordo que cuidasse mesmo das suas coisas, tinha uma caricatura do professor naquele caderno e outros desenhos menos importantes, também não tinha nada de grande valor material, mas precisava dessas coisas.
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Won-Bin em Dom Mar 25, 2018 11:43 pm

Ainda um pouco entorpecido pelo último acontecimento e pelo último sorriso de Bo-Mi, Won agora encarava o novo desafio. Pensaria sobre aquele mistério e se ela ia ou não ao café depois.

Won teria respondido Kim mas Ye-Ji tinha o abordado e a conversa ia para outro rumo. Notou que Kim desviava o olhar, como se estivesse nervoso ou...incomodado? Isso era estranho, o que será que ele tinha contra ela?

Ye-Ji tinha uma expressão própria...algo que fazia Won se recordar das mocinhas indefesas e puras de filmes de artes marciais mais antigos. Talvez fosse o jogo de luz ou o fato de que Won sabia que ela não estava protegida diante do bullying de Wangjo.


- Muitas coisas acontecem em uma semana, não é mesmo? - Foi meneando a cabeça, na pergunta retórica. - Você me deixou curiosa desde o primeiro dia quando ajudou a MiSoo. Foi tão seguro que não parecia um novato. São poucos que agem assim, por isso esses poucos se destacam.

Won ri um pouco nervoso, coçando a cabeça.

-Aish, isso do primeiro dia faz tanto tempo que nem parece que foi só a uma semana. Aquilo foi um mal entendido que já foi resolvido, ainda bem - se pelo menos pudesse diminuir um pouco as famas de delinquentes, ia ser bom.

"Se destacar é? Eu achei que já tinham esquecido desse dia..."

- Quem me dera tivesse tido a mesma sorte de MiSoo naquele dia.

Kim engoliu em seco porque sabia do que ela estava falando. Virou a cabeça na direção dela e falou.

- Ya. Você estava naquele dia, não é? - Joo Hyuk voltou a fazer parte da conversa. - Wae? Por que você foi chamada, se não era uma bolsista também?

Won ficou sério. Não precisava pensar muito pra entender que se referiam ao episódio dos ovos.

-Eu fiquei sabendo do que aconteceu, vi o vídeo aliás - graças a Bo-Mi ele tinha as informações do que aconteceu e talvez até de como agir de agora em diante...

Seja heroi ou não, Won começava os primeiros passos de um plano.


- Também queria saber.

-Bolsista ou não, eu não pretendo deixar esse tipo de coisa acontecer novamente... - disse, um tanto misterioso no final. Não sabia como ou se realmente poderia impedir episódios assim.
Mas Won é teimoso demais pra não tentar. A expressão de tristeza de Ye-Ji era de cortar o coração, somente reforçando a vontade de Won de mudar as coisas ali.

Um desafio de cada vez. Won sentia o nervosismo crescer e o frio na barriga tinha se espalhado pelo corpo todo.
A professora tinha chegado, levemente atrasada.

"Uou, uma atriz de verdade! Será que ela conhece algum ator artista marcial? Será que ela conhece o Donnie Yen!? Não, calma Won, foco. Você não vai comentar dessas coisas com ela!"

Por um instante o Won empolgado com filmes de luta aparecia na sua mente, mas ele queria pelo menos parecer normal agora.

- Quero ajudá-los a se soltarem, a lerem as expressões do outro.

"Ponto pra mim, até que eu não escolhi mal esse clube" saber ler os outros e a si mesmo era algo que ele precisava tanto pro seu sonho como para o que queria fazer na Wangjo.
Como não sabia como funcionavam as apresentações da escola nem ficou surpreso diante das notícias, mas já se deu conta que ia ter de se esforçar...ocupar a mente com mais coisas, isso era bem vindo.

Sentiu a gota de suor descendo pelas costas quando ela falou dos dois calouros.

"Shenlong me ajude"

- Nomes, turmas, o que querem fazer no futuro, tem alguma experiência com teatro? Enfim, falem um pouco sobre vocês.

Kim devia estar tão nervoso quanto ele, afinal esperava que ele tomasse a atitude ou dissesse pra ir primeiro.
Bom, era hora de tentar começar já com alguma atitude. Foi primeiro.

-Hwang Won-Bin. 1º Ano. E...eu não tenho nenhuma experiência com teatro, só vejo muito cinema - ia coçar a cabeça como sempre fazia quando estava nervoso, mas se segurou. Tentava ser mais cordial -Eu pretendo investir numa carreira esportiva no futuro. Acredito que o que eu irei aprender no clube vai me ajudar a alcançar esse sonho

Foi vago para não falar que lutava mas esperava que fosse o suficiente para uma resposta satisfatória.
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Ter Mar 27, 2018 1:56 am

[LITERATURA]
1:30 -  3:00 P.M


Não foram apenas Sunny e Stella que precisaram conter as expressões diante da resposta que o professor deu para a capitã. A garota afetada tinha descido um pouco do salto alto, mas o professor agia como se nada tivesse acontecido, como se tivesse sido uma resposta normal. Não tinha faltado com o respeito ou educação, afinal.

Depois de perguntar para as meninas se tinham entendido e receber aqueles acenos positivos, ele decidiu prosseguir com a disposição de sua aula.

- Certo, continuando, então. - Ele se apoiou na mesa, ponderando. - Nós temos três eventos importantes para participar. Dois deles são apenas nossos e o outro uma colaboração. Vocês já devem estar cientes disso…

Mais uma vez, elas menearam positivamente.

- Mas para quem é novo ou não sabe, nós temos uma exposição durante a semana de artes. Nós vamos correr atrás de autores que estejam dispostos a difundir sua ideia para o colégio e debater sobre seus textos. É uma forma de aproximar os alunos da real profissão de um escritor. Muitos tem a vontade de seguir por essa carreira, mas pouco contato com alguém do ramo. Esse é o nosso primeiro ponto.

Ergueu o dedo indicador, mas logo mostrou o médio, unindo ao indicador.

- Nosso segundo evento é uma noite de autógrafos que ocorre no fim do ano letivo. Os três níveis de clube de literatura juntam os melhores textos criados por seus alunos e formam um livro. Haverá espaço para poesias, crônicas e afins. Os melhores de cada um serão escolhidos. E, bom, essa é a segunda tarefa semanal de vocês. Às vezes darei um tema específico, às vezes darei um tema livre.

Quando as pessoas tinham dito que os clubes puxavam bastante, elas não estavam de brincadeira. Por mais que fosse do gosto do aluno pertencer a um lugar deles, todos eram muito exigentes - ainda que cada qual à sua maneira. Ler um ou dois livros por semana e ainda criar textos, fora a montanha de dever de casa que passavam quase que diariamente. Como um ser humano podia dar conta de tudo isso?

Era faculdade ou colégio?

Mas a verdade é que o colégio não se importava se os alunos tinham trabalho depois da aula - pelo menos até então não se importavam, visto que os herdeiros não trabalhavam! Porém, mesmo eles tinham atividades fora do colégio e ainda assim tinham que lidar com aquela quantidade imensa de exercícios e cobranças.

Depois de explicar como funcionaria a aula, o professor comentou sobre a lista de livros que a turma possuía. Os comentários foram breves, com uma sinopse bem curta para não dar spoiler e ele ainda fazia de um jeito que instigava a curiosidade dos outros. Para o primeiro dia, não houve nenhuma atividade em aula, porque era uma forma de se conhecerem e deixarem as coisas bem claras.

Ele não falava o tempo todo, também pedindo a participação dos alunos. Aqueles que já tinham lido os livros que eram citados, podiam dar breves impressões. Mas ele recomendava a releitura, pois dependendo da fase em que se lê determinado livro, a interpretação é bem diferente.

Até mesmo a menina mais tímida, Da Nayeon teve que falar um pouco - sua voz era baixinha e bem doce. Era a menina que tinha ficado um pouco constrangida em dizer quem tinha derrubado as coisas de Sunny no banheiro. Era tão discreta que, quase sempre, passava de modo imperceptível...Quase como se fosse invisível. Mas ali, ela foi vista e se fez escutar, ainda que por pouco tempo.

O medo inicial sobre a quantidade de coisas que teriam que ler, logo foi deixado de lado. A aula valia a pena. O tempo fluía muito bem, ainda melhor do que o tempo que eles levavam na sala de aula. Parecia mais intimista, mais próximo e não precisavam lidar com pessoas que não se importavam com a literatura.

Faltando cerca de quinze minutos, o professor deu a primeira tarefa.

- O primeiro livro que leremos será Sukiyaki de domingo de Bae Su Ah. É algo para vocês refletirem, eu não vou cobrar na próxima reunião e sim para segunda que vem. Na próxima reunião, eu quero que vocês escrevam sobre frustrações.

As meninas fizeram uma carinha de dúvida, chegando a se encolher e se encarem.

- É. É um tema um pouco incômodo, mas darei total liberdade para que escrevam. Pode ser o estilo que se sentirem mais confortável, pode ser uma experiência pessoal, fictício ou técnico. O que seria a frustração? Quando por algum motivo externo, seja pessoa ou obra da natureza te impede de alcançar alguma satisfação pessoal. Pode ser atrelada à decepção, mas também à expectativas alimentadas apenas por uma das partes. Vocês entenderão o porquê desse pedido, na segunda que vem.

Quando terminou de falar, o sinal bateu e as alunas estavam dispensadas. O professor deu um suave sorriso, tirando um pouco aquela postura séria de antes. Deu a volta na mesa para arrumar a pasta.

As meninas que tivessem dúvidas, podiam ficar e falar com ele, mas de modo geral, elas apenas passavam, agradecendo pela aula. Stella estava um pouco pensativa, arrumando suas coisas - ela escreveu bastante, fazendo as anotações que achou mais importantes. Olhou para Sunny e esboçou um pequeno sorriso.

- O que achou? - Perguntou de modo gentil enquanto caminhavam.

Chang Wook ergueu o olhar por um instante, mas não encarou por muito tempo, continuando a arrumar a bolsa.

[TEATRO]
1:30 - 3:00 P.M


Won não tinha ideia do peso de suas palavras naquele momento. Os comentários dele sobre terem esquecido o primeiro dia, foram respondidos com um menear de cabeça. Para algumas pessoas, pode ter sido apenas mais um dia normal no WangJo, mas para outras, como Ye Ji, tinha sido diferente. Infelizmente - ou não - ela se lembrava de cada detalhe e Won fazia parte de muitos dele.

Tanto que ela o acompanhou nos dias que se seguiram, ainda que não tivesse tido coragem de falar com ele. Pelo menos até aquele momento.

A expressão dela se tornou um pouco mais infeliz quando ouviu a respeito do vídeo. Pior do que ter passado pela situação, era saber que foi motivo de riso e replays infinitos. Engoliu em seco, abraçando o próprio braço, num visível desconforto.

Kim não comentava nada, preferindo deixar suas tímidas orelhas trabalhando. Tinha prometido a Dong que se esforçaria para o projeto também. Talvez fosse bom ouvir o que essa menina tinha a dizer, apesar dela não ser lá muito confiável.

Mas foram as palavras de Won que atingiram os dois, de modo distintos. Ye Ji abriu os lábios, ficando um pouco chocada - e por que não dizer mexida? - com o comentário dele. Fechou os lábios e então forçou um sorriso.

- Verdade? - Acabou fazendo uma carinha mais gentil, quase indefesa. - Você é mesmo diferente, Hwang Won Bin-shi. - Ainda o chamava formalmente porque não tinham intimidade, apesar de terem a mesma idade e pertencerem à mesma turma.

Já Kim, gostou do que ouvir porque Won se tornava um potencial nome para o projeto. Eles não estavam sozinhos, afinal! Ainda tinha gente querendo fazer a diferença!

A conversa não durou muito mais porque a professora logo se fez presente. Ela era o tipo de mulher que dominava o ambiente e sabia se fazer notada, presente. Não era à toa, diante da formação que ela tinha. A verdade era que a postura era tudo. E uma vez que ela agia de modo confiante, as pessoas compravam essa ideia.

Depois de expor suas informações, ela apontou para os únicos novatos que tinham ali - Kim e ele. Won pôde ir primeiro porque Kim ainda estava trabalhando a audição. A professora olhou para Won Bin, analisando cada movimento - ou a falta deles - dele.

- É um início. - comentou sobre cinema e deu um sorriso. - Qual esporte? - Esperaria ele responder e, caso ele dissesse, ela diria “daebak...quer ser um orgulho da nação”. - Com certeza vai ajudá-lo nisso. Quem sabe revelar outros talentos também?

Mexeu as sobrancelhas e apontou para Kim.

- Sua vez.

Kim ajeitou a postura.

- Kim Joo Hyuk, aluno novo do 1º ano. - Iniciou. Não disse ranking, nem a colocação dele na prova de bolsistas porque não foi assim que entrou no colégio. - Eu fazia teatro no meu colégio anterior, fiz por dois anos, mas sem grandes expectativas. Eu tinha vergonha de falar em público e dificuldade para fazer amizades. O teatro realmente me ajudou a abandonar a timidez.

- Ótimo...É ótimo ouvir isso. E você pretende seguir qual carreira?

- Ainda estou em dúvida, muitas opções abertas.

- Espero que encontre logo a resposta. O seu amigo parece muito confiante e certo do que quer, por exemplo.

- É verdade. - Kim olhou para Won, sorrindo sem mostrar os dentes, mas de modo parceiro.

- Ótimo. Então, apresentações feitas...Vamos começar a aula. Jogos Teatrais...vocês sabem o que são, né? - Olhou para Won. - Vou propor uma série de jogos e você vão interpretando. Vamos começar com um simples: Deslocamentos no espaço. Vão para aquela extremidade e prestem atenção ao meu comando. Fiquem deitados, de olhos fechados.

Os alunos obedeceram ao comando. Eles conseguiam fazer uma linha certinha e viam o outro lado da sala com os materiais. A professora colocava uma música instrumental animadinha, conhecida por todos: Knock Knock, mas na versão sem nenhuma letra. Era só a vibração.


- O despertador tocou, abram os olhos. É um dia linda lá fora, se espreguicem como se fossem crianças de novo. Aquele modo leve, relaxado.

Ela mesma se espreguiçava, fazendo um aegyo.

- De pé. O piso de madeira, na verdade, é um campo de trigo. Sintam o trigo enquanto passavam e venham...caminhando...pulinhos...Eu quero leveza e alegria nessa caminhada. Se esforcem para se soltarem...Olha o trigo, pega o trigo...Mexam os braços com o trigo. Iisso….Como está o céu?

- Azul! - alguém gritou.

- Mas com nuvens!

- Brancas e com formatos diferentes.


Os alunos mais avançados entravam mesmo na cena. A professora também olhava para o teto.

- Não acham que vai chover?

E era nessa abstração que ela ficava trabalhando o imaginário deles. Como estavam na forma de crianças, ela também apontava que deviam pensar de modo simples como uma, até mesmo no vocabulário. Uma vez que a música tivesse chegado ao fim.

Ela mudaria bruscamente de cena.


A música seguinte era mais densa….sofrida. Ela os chamava de sobrevivente do fronte. E eles tinham que lidar com a imagem de uma batalha vencida às custas de vidas inocentes. Dizia que eles pertenciam à Joseon e, como tal, eram guerreiros à serviço do imperador e falavam de modo mais formal. Mandava que se erguessem, que se apoiassem em suas espadas - que eram alguns bastões que ela tinha colocado no chão enquanto a cena mudava.

O jogo do deslocamento no espaço era a primeira abstração que eles faziam. Depois seguiriam para outros jogos. Won era iniciante e, às vezes, era difícil de acompanhar o ritmo e a evolução deles. Mas a primeira coisa que ele poderia perceber era que...ninguém se importava com as hesitações. Cada um se preocupava com o próprio papel - porque por enquanto, estava cada um por si. Esses jogos serviam para romper a barreira da imaginação e usá-la para libertar o corpo.

Era difícil, à princípio, mas depois não ficava tão ruim assim. Era só improvisar e pensar em motivos para isso.

A aula rendeu bastante e os alunos estavam cansados depois de tanto esforço. Não parecia, mas eles tinham se movimentado bastante. O último exercício consistia nas palmas e foi meio assim que a aula acabou. A professora agradeceu e parabenizou os presentes antes de dispensá-los.

Won finalmente estava livre para voltar ao seu celular e à realidade. Kim se jogou no chão por um instante. Não tinha um bom condicionamento físico e, mesmo que estivesse acostumado ao teatro, estava exausto.

- Graças aos céus, um intervalo...Posso ir embora. - Os olhos dele brilharam.

Ye Ji se aproximou e sorriu para Won.

- Você ainda vai ficar pelo colégio ou já está indo embora?

Independente da resposta dele, os dois seguiriam pelo mesmo caminho, até certo momento. E Ye Ji optou por ir com ele. Ou eles, visto que Kim também saiu com Won.

[MISOO E JAEKI]
1:30 - 3:00 P.M


Aquela castigo não deixava ninguém satisfeito mesmo. Entre ficar dentro da cozinha e do lado de fora, EunBi preferia mil vezes ficar do lado de fora - seria um motivo a mais para ver JaeKi. Sim, era um dos únicos motivos que fazia aquela droga de castigo valer a pena! Mas para piorar, ela nem pôde ficar com MiSoo dentro da cozinha. Ainda teria que aguentar aquela imbecil da Yewon!

Queria tacar uma das panelas na cabeça dela. E acabou criando mil cenários onde o único objetivo era acertar utensílios nela. Isso a acalmou de modo considerável e ela até sorria enquanto raspava a panela.

A Sra. Ki olhou de modo desconfiado e Yewon aumentou o bico que já chegava a dois palmos.

Já do lado de fora, pela primeira vez, MiSoo e JaeKi pareciam ter uma conversa normal que fosse. Tudo bem que os dois ainda tinham reações irritadas entre si - ela agarrava o blazer dele de modo ameaçador, ele fazia cara de aborrecido. Mas pelo menos ninguém estava se matando! Ainda…

Depois que Bomi passou pela porta - sem olhar para o interior do salão por estar um tanto quanto...ausente, Jaeki e MiSoo começaram a conversar sobre ela. Kai entrou no refeitório depois que os dois pegaram as bandejas. Como sempre, carregava aquela expressão meio mal humorada e indiferente. Parecia penoso caminhar, como se estivesse arrastando o mundo nas costas. Olhou para Jaeki e franziu as sobrancelhas antes de fazer uma espécie de “Ya” silencioso, movendo a cabeça.

Continuou sua caminhada sem maiores prejuízos e sentou-se nas últimas mesas. Estava cheio de coisa para fazer, mas também não queria fazer nada. Estava aproveitando a desculpa do colégio para se manter afastado de problemas e compromissos que...gerariam problemas.

Mas cedo ou tarde, teria que ir embora. Nem clube ele tinha! Eles abriram a possibilidade dele se inscrever, mas Kai conhecia suas próprias limitações.

Não incomodaria, por hora, a conversa de Jaeki e MiSoo. Até porque, logo Jaeki saiu de cena e foi correndo sabe-se lá para onde. Quando Kai se viu sozinha com a menina que estava limpando, ele a encarou.

- De boa eu ficar aqui ou incomodo? - Perguntou sem querer ser um problema. Não gostava de afastar as meninas, afinal. Se ela dissesse que era incômodo, ele realmente liberaria o lugar e procuraria um lugar para comer a manga em cubos e dormir em seguida. Mas caso ela deixasse, ele simplesmente ficaria ali mesmo.

Até porque, talvez MiSoo nem tivesse mutio tempo para pensar. Enquanto Bomi passou pela porta da frente, outro fantasma entrava pela porta dos fundos. Gyu Sik estava com a mochila pendurada no ombro e mexendo no celular enquanto caminhava até a máquina. Não fazia ideia de que MiSoo estaria ali limpando - se soubesse, talvez não estivesse ali.

O celular o distraía o suficiente para que não olhasse para o ponto em que ela estava. Ele virou-se de frente para as máquinas e pegou uma latinha de café gelado.

- Eoh. Pode ser. - Falava baixo, como sempre, mas naquele ambiente, a voz dele se propagava. Apoiou o celular entre a orelha e o ombro, depois de pegar a latinha para poder abrir.

Foi nesse instante que ele olhou para o vidro da máquina e viu um reflexo que não estava muito longe dele. Houve nitidamente um momento que a postura dele ficou um pouco mais tensa, mas ele não se virou pra MiSoo, preferindo dar um longo gole em seu café.

[...]

Jaeki não encontraria Bomi no corredor, ela já tinha chegado ao lado de fora, mas também não estava muito longe. Tinha sentado num dos bancos e mexia numa rede social quando viu JaeKi passando feito um foguete.

Talvez ele precisasse voltar um pouco porque com aquela velocidade, era bem capaz de passar direto por ela. A menina estava com a cabeça meio abaixada, passando o dedo rapidamente pela tela do celular, como se estivesse procurando por alguma coisa no feed de notícias de alguém.

Estava mesmo mais pálida e com a respiração um pouco ofegante. Ela tinha passado por um tensão ainda há pouco que poderia comprometer o que ela tinha explicado para Jaeki mais cedo. Porém, seu lado curioso não resistia e ela ia buscar alguma pista, qualquer coisa, com os próprios olhos.

Caso Jaeki fale com ela - por mais baixo que seja - Bomi tomará um susto, pulando no mesmo lugar e precisando mexer as mãos no ar para não deixar o celular cair.

[CULINÁRIA]
3:20 - 5:00 P.M


Chaeyoung crispou os lábios quando Hyun Hee se aproximou dela mesmo depois dela ter dito que não precisava da ajuda dele. Os ombros dela caíram um pouco, bem como o olhar, mas ergueu o mesmo ao ouvir a voz de EunJoo de novo. Foi franzindo as sobrancelhas com aquela postura dela, mas não imaginava que Hyun pudesse piorar ainda mais a situação.

Mentira, ela imaginava sim. Ele era do tipo que fazia isso mesmo.

Eun Joo ficou petrificada ao ouvir aquelas palavras sendo proferidas por ele. Logo por ele que sempre a tratou como uma princesa, que alimentava aquela história de rainha! Agora esse maldito queria tirar sua coroa?!?! Que tipo de lavagem cerebral ele tinha recebido??? E por que esse demônio ainda tinha a capacidade de feri-la, mesmo depois de tudo o que tinha feito??

Yu Ha ficou sem palavras e com os lábios bem abertos. Ji Rin levou a mão até os lábios, mas estava visivelmente menos afetada - era quase como se achasse divertido. Hyun tinha dado o motivo final para que EunJoo quisesse sair dali. Não choraria na frente dele de novo! Não mesmo!!

Mas também não suportava ficar no mesmo ambiente que aqueles dois. Pelo menos não por enquanto. Porém, ela tinha registrado tudo o que ele disse e fez. Tudo teria volta, em seu tempo certo. Era bom que Hyun compreendesse isso…

Chaeyoung tombou a cabeça para o lado após a saída dela e não encarou Hyun Hee à princípio. Cerrou os olhos ao ouvir aquela gracinha e, realmente, o agrediu. Pegou um pano de prato e bateu nele.

- Isso.era.mesmo.necessario!? - Cada palavra foi uma batida. - Vai esperar seu tteokbokki sentado! Você não merece não.

Virou a cara, fazendo um bico e um “aishh”, batendo os pés no mesmo lugar.

A professora entrou logo em seguida, acalmando os ânimos. Seu foco inicial foi em Hyemin e Yu Ha porque eram suas meninas de ouro mesmo - uma por ser um prodígio desde pequena e a outra por ser sua capitã. Sorriu satisfeita com o comentário de Hyemin.

- Estou ansiosa pelo evento desse ano também. Vocês são responsáveis pelo prato principal e, à julgar pela equipe que temos...Só pode ser um sucesso.

Sorriu e olhou para Hyun Hee e Chaeyoung.

- Vocês são os novatos da turma, não?

- Ne.

- Certo, eu sou Ryu Ji-Hyo, chef de cozinha e dona de um restaurante com estrelas Michelin. Minha especialidade é a culinária chinesa, pois morei em Hong Kong por muitos anos e me apaixonei pela comida. - Explicou. - Dou aula aqui há cerca de quatro anos já e não houve uma turma que tivesse me dado problemas. Eu espero que vocês também sejam muito dedicados e que aprendam a cozinhar aqui. Não precisa ser expert, só precisa se esforço e treino. Com o tempo, a cozinha começa a ser um momento de meditação. Quais são seus nomes?

Chaeyoung olhou de banda para Hyun Hee e começou.

- Park Chaeyoung, sou do 2º ano e é um prazer e uma honra conhecê-la pessoalmente. Sou fã do seu restaurante e dos seus livros. - Reverenciou. - Eu gosto de cozinhar para minha família, mas gostaria de aprender muito mais. Faço o básico, apenas. Por favor, me ensine.

Reverenciou uma última vez e foi a vez de Hyun falar.

Apresentações feitas, ela pediu para que os alunos se aproximassem da bancada dela - com os caderninhos de receita, se quisessem - porque ela começaria a aula. Foi até a geladeira e retirou os ingredientes que usaria para aquela primeira aula. Eram legumes, simples, mas ela gostaria de mostrar os cortes que eles aprenderiam e aprimorariam. O primeiro ela fez super rapido, mas depois começou a agir de modo mais lento, mostrando a posição da faca, onde deveriam segurar. Explicou que a perfeição vinha com o tempo, que parecia fácil porque ela estava fazendo e não era uma vergonha errar logo no inicio. Vergonha era persistir no erro.

Deu uma cesta de legumes para eles e pediu para que começassem a aplicar o que ela tinha ensinado. Os legumes seriam usados para o almoço do dia seguinte, estavam adiantando.

Como ela tinha dito, era mais dificil do que parecia. O certo era que todos ficassem do mesmo tamanho, com o mesmo volumes, mas a natureza é irregular...Não dava para ser perfeito logo de cara. Eles podiam ser ótimos cozinheiros, mas agora ela queria treinar técnica, mesmo que fosse no mise en place. Fora isso,ainda tinha todo o cuidado para que ninguém se machucasse com o facão.

Pelo menos Eun Joo não tinha retornado. Seria um perigo se ela estivesse proxima de um facão naquele dia.
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Dong Hee Kyung em Ter Mar 27, 2018 3:10 am


- Estou bem valeu! -
Kyung abriu um meio sorriso tentando ser simpático com o menino ali, ele se mostrava meio sozinho e distraído e Dong testar suas qualidades sociais, ultimamente elas estavam dando muito certo ao conhecer pessoas. Não estava 100% ok graças a sua perna mas isso são apenas detalhes. Quando aquela pequena conversa acabou o herdeiro escuta com surpresa as palavras sobre a prima. Soltou um suspiro raso.. olhou ligeiramente para baixo e uma das mão inevitavelmente vieram na altura da têmpora, onde coçou devagarinho. - Eu acho que as coisas não foram bem como está pensando,  HaN...

E não foram mesmo! Usualmente Dong soltaria um 'aishhh' ou esbravaria, mas ao se lembrar da conversa, não conseguia ficar exatamente tranquilo e descontraido. Era verdade que tinha alguns contatinhos femininos, mas estava começando a sair dos limites com aquelas apostas. Imagine se alguma delas acaba sabendo disso, o problemão que iriam arrumar para Kyung?! Esses meninos não tinham juizo.

Ate por que, para si mesmo não se tratava de um jogo... não era tão facil quanto um, pelo menos.


Após a apresentação, era a vez de Min-Ho citar seu rank, Dong já havia sentado e estava observando a fala quase robótica do amigo ao citar aquelas palavras. Hyo-Shin era Rank 8, tal objetivo de criar jogos muito interessou Kyung, mas que tipo de jogos seria? Moba? FPS? RPG?

- Tenho que conversar com esse ai... - Murmurou baixo enquanto a professora finalmente chamou Ui-Jin e os amigos já esperavam por aquele momento: a professora era super linda e maravilhoser, e agora o gordinho teria que encara-la. Caso Jin olhasse Dong veria ele fechando o punho de leve como se estivesse simulando um "fighting!" Logo quando o tom de voz saiu todos poderiam ver que Ui-Jin poderia criar a forma da comunicação envolvente, mas sem Batmans para atrapalhar. Sua dicção era boa mas a gagueira atrapalhou. Kang se mostra bem mais solto para falar e sendo um bolsista, tinha uma certa confiança em sua atitude como se não deixasse se intimidar pelos outros presentes, até nas palavras ele ressalta um detalhe como num orgulho.

E ele ainda queria montar um pc para o irmão, Kyung levou a mão até o queixo olhando como se refletisse sobre o que foi dito...

Depois Nam falava a impressionante colocação, no geral todos tinham alguns objetivos bem parecidos com relação a informática. A professora explica o que todos fariam e Dong não escodeu o olhar para seus amigos quando escutou sobre a criação daquele mecanismo, saber que eles já estavam procurando algo funcional para a escola parecia ser a chance que o garoto buscava para mostrar seu projeto, que urgentemente precisava de um nome melhor.

- Ótimo, 15 dias... precisamos organizar isso logo. - Falou para HaN logo ali perto com certa confiança pois se trabalhassem naquela ideia de antes, eles já estariam na frente quanto a elaboração de algo. Em seguida... se direcionou a Kang. - Ya, Kang... que tipo de computador você esta tentando montar?

Os amigos veriam que ele estava tentando iniciar uma conversa, outra vez, tentando ser mais comunicativo do que os outros geralmente seriam no grupo.
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
112

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum