Fóruns Gráficos
3
Créditos
» Skin obtida de The Captain Knows Best criado por Neeve, códigos acrescentados por Weird e baseado no tema The Walking Dead Theme criado por Hardrock. Graças aos suportes e tutoriais de Hardrock, Glintz e Asistencia Foractivo.
» Versão Elysium adaptada por Hurricane, Rossin e Persephone.
Narradores
6
Personagens Ativos
40 Personagens Ativos
Últimos assuntos
» Capítulo 8
Ontem à(s) 11:17 pm por Kim Sun-Hee

» Episódio 1
Ontem à(s) 9:17 pm por Kasumi Sanada

» Sons of Neptune
Ontem à(s) 8:05 pm por Starry Night

» [DADOS] Onde estrelas nascem ou morrem
Ontem à(s) 6:12 pm por Starry Night

» Golden Boys
Ontem à(s) 1:47 pm por Starry Night

» @ohmygyuri
Ontem à(s) 10:54 am por Nam Gyuri

» @ommagyuri
Ontem à(s) 10:42 am por Nam Gyuri

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:52 am por Moon Jae-Eun

» @moonjaesun
Ontem à(s) 8:42 am por Moon Jae-Eun


Capítulo 3

Página 4 de 13 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Qua Fev 14, 2018 3:31 pm

Hyun fechou os olhos por alguns segundos, o suficiente para respirar fundo e o perfume dela servir como um floral calmante para seus pensamentos estranhos que simplesmente tinham ido embora.

Quando viu a movimentação dela, ele até cedeu um pouco, só um pouco, entendendo que estava sendo um pouco demais, mas ficou surpreso quando ela simplesmente correspondeu ao abraço daquela forma delicada. Mexeu o corpo de leve em reação de se afastar, o que poderia parecer receio de que ela tocasse nele, mas era só a costela incomodando - ou a desculpa que ele arrumou para a reação, mas uma vez que ela o tocou, manteve o abraço.

Era estranho, mas sentiu como se fosse mais novo. O sempre confiante e não-ligo-para-a-opinião-dos-outros Hyun Hee sentiu uma euforia diferente ao ouvir sua voz apaziguadora e sentir aqueles tapinhas nas costas.

Naquele momento ele percebeu que gostaria de tê-la sempre por perto e sentia como se tivesse demorado muito para dar aquele abraço nela, mesmo que, na verdade, estivesse sendo tão atrevido que aquelas malditas pessoas começaram a filmar.

Chaeyoung despertou a sensação de conforto e segurança que não tinha experimentado desde o acidente. Ele estava sempre erguendo muros e afastando os outros, mas agora era a primeira vez que sentia que alguém o acolhia.

O sentimento ainda era confundido com uma carência maternal do menino que não passou por um luto com apoio afetuoso. Chaeyoung repunha o carinho que ele tanto esperava naquele tempo, mas os fofoqueiros de plantão podiam chamar como quisessem. Só ele conhecia a si mesmo e as festas o bastante para saber que estava abrindo uma cortina mental nova, tendo acesso a um sentimento que ele nem sabia que podia ter.

Aquele momento só era atrapalhado por aquele bando de garotas-abutre que mandariam as notícias direto para os olhos de seu “melhor amigo”. Apertou os olhos e a ideia o fez encostar o rosto na cabeça dela, possessivo. COM O QUÊ? Até então ele não teve maldade no abraço, mas é. Jongin. Chaeyoung não é para você. Eu quero ela para mim. Você não vai encostar em um fio de cabelo dela. Então é bom que você saiba. A expressão infeliz virou mais carrancuda. Estava voltando ao normal.


Era confuso agora o que se passava dentro dele. Afastou-se então, segurando-a pelos ombros e a observou de forma séria, mas quilos de culpa mais leve. Existia um remédio tão bom assim? Joaninha. Ela era como um antídoto para sua mente. Ficou alguns segundos em silêncio. O que poderia dizer?Agora começava a voltar a ser racional. Ele a estava expondo a todos aqueles celulares e aquele maldito. Engoliu em seco. Agradecia com os olhos, não precisava verbalizar. Queria pedir desculpas e contar o que houve, mas tinha gente demais, e o assunto era complicado e embaraçoso demais. Nem acreditava no que tinha feito. Além do mais, agora começava a se dar conta dos danos que poderia ter feito à reputação da menina. Pensou em um rápido plano. Abriu a boca para sugerir que ela contasse aos outros que ele era louco mesmo e a agarrou à força ou algo do tipo, mas as atenções de todos se voltaram a outra pessoa. Hyun Hee fechou a cara, em instinto protetor e virou o rosto para entender quem era, soltando-a e colocando-se a sua frente.
avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Qui Fev 15, 2018 2:30 pm

[REFEITÓRIO  REAÇÕES]
(Hyemin, Jae-Ki, MiSoo, Won)

Jae-Ki e Eun-Bi chegaram a um “acordo” que nenhum dos dois lados gostou muito. O garoto sentiria que a bailarina estava um pouco diferente, provavelmente se sentindo constrangida por seu ato impensado. Felizmente, ele aceitou ficar com o bichinho de Soo-Ji, afinal, a irmãzinha não tinha nada a ver com aquilo. Mas a bailarina estava um pouco mais encolhida, com a mão na alça da mochila - que estava pendurada num ombro só.

A ideia de falar sobre comida amenizou um pouco o clima e, para a surpresa dele, Eun-Bi tinha um gosto bem simples para comida. Ela o encarou ao ouvir o tom de surpresa, mas logo arqueou uma das sobrancelhas e deu um sorriso.

- Sério?!

Nem imaginava que ele trabalhasse. Quer dizer, nas férias de verão, ela revezava seus ensaios do ballet com um trabalho de meio período com o pai - isso quando não viajavam. Mas não era como se fosse um trabalho-trabalho, né? Ela ajudava a organizar as coisas do pai e no último ano até que trabalhou numa loja física e não foi nada fácil! Era estranho ouvir uma pessoa de sua idade dizendo que trabalhava. Não era como se fosse indigno, só...Diferente da realidade dela.

- Então quer dizer que um dia, pode ser que você entregue o meu frango? - Ponderou sobre aquela possibilidade. - Hmm...Hweori Gamja também é bem bom.

Todo aquele assunto só aumentava a fome dela. Eun-Bi até chegou a levar as mãos na barriga enquanto caminhavam até o refeitório. Parou somente quando avistou Bo-Mi e MiSoo e as duas duplas se encararam.


[...]



Quando MiSoo se jogou no chão daquele jeito, Bo-Mi parou imediatamente sua caminhada e flexionou os joelhos para ficar da altura da amiga e encará-la. Fazia uma expressão preocupada e não sabia o que dizer, à princípio. Deu um suspiro e então ajeitou o cabelo dela.

- Não é assim...Você é uma pessoa maravilhosa, MiSoo-Yah. - Havia muita sinceridade nas palavras de Bo-Mi, não era apenas para elevar o moral da amiga. - Só que, às vezes, a gente faz mesmo coisas sem pensar. Foi chato? Foi, mas agora já passou, sabe?

Mordeu o lábio internamente.

- Se quiser, depois eu sondo o território para você ou tenta falar com o Jung-Mi-shi de novo… - Fez um beicinho um pouco nervoso.

Não gostava de ver suas amigas perdidas assim. Geralmente, Bomi tinha boas ideias ou palavras positivas que ajudavam a clarear a mente, enfim. Mas quando não conseguia aplacar as angústias das meninas, ela ficava bem triste e um pouco nervosa também. Levantou-se, oferecendo as mãos para que a tenista também o fizesse. Uma vez que estivessem de pé, abraçaria a amiga de modo carinhoso para que ela entendesse que não estava sozinha.

Se palavras não conseguiam alcançá-la, gestos talvez conseguissem.

De braços dados, as duas continuaram sua caminhada até o Prédio do Ensino Médio. Chegaram a trocar de bolsas ao passarem pelo vestiário - antes da brusca chegada de Hyun-Hee - mas como os armários não ficavam próximos aos de Eun-Bi, só foi diante do refeitório que encontraram a amiga. Acompanhada de Jae-Ki.


[...]


A surpresa foi evidente no rosto de Bo-Mi e o desgosto estava estampado na cara de MiSoo. A menina cumprimentou a dupla com um “oi” não muito animado e continuou de braços dados com a tenista. Eun-Bi perguntava se estava tudo bem, mas a cara de MiSoo já dizia tudo.

Antes que conseguissem se explicar, Gyu-Sik e Ryu-Ji passaram daquele jeito que chamou a atenção de Jae-Ki. O protetor garoto pareceu não gostar da encarada, mas ele não sabia o contexto, por isso Bo-Mi disse.

- Sim, é o meu irmão gêmeo, Gyu-Sik e nosso amigo Ryu-Ji. - Explicou com calma.

Eun-Bi chegou a abrir a boca para perguntar mais alguma coisa, mas MiSoo estava mesmo esquisita e dizia que tinha algo para resolver ali - aonde? EunBi se perguntou, mas só olhou a direção. A amiga saiu sem esperar por ninguém e tanto Bomi quanto a bailarina ficaram um tempo sem saber o que fazer e se encarando.

A voz de Yerin cortou os pensamentos delas e elas olharam aquela cena com certa surpresa e constrangimento. A menina que Yerin dispensava era Mi-Ran, uma das garotas que Eun-Bi jurava que merecia uma bolada, às vezes. Mas será que merecia passar por aquilo também?


[...]


Won-Bin e Kang acompanhavam as idas e vindas do refeitório. O assunto privado deles foi morrendo à medida que o lugar foi ficando cheio. Eles já tinham o que precisavam para se alimentar, por isso não saíam das cadeiras enquanto observavam as chegadas.

A lingua de Kang ficou bem contida daquela vez, mas ele também reparou em algumas coisas: como a expressão de agradecimento e admiração de Ui-Jin; a encarada que a menina de bochechas grandes lançou para Won - E por muito pouco, Kang não deu a piscadinha para o amigo - as meninas patricinhas que entraram...E Jae-Ki com Eun-Bi, MiSoo e Bo-Mi? E todos vivos e bem?

- Sério, algo de muito errado está acontecendo hoje. - Foi o comentário do menino.

Apesar dos quatro conversarem sem brigas, MiSoo estava visivelmente incomodada com algo, parecendo ainda mais infeliz depois da passagem da dupla. Kang franziu um pouco as sobrancelhas, mas assim que a tenista se afastou dos amigos, Yerin chamava a atenção daquele jeito. O garoto voltou a atenção para a Rainha do Gelo e ficou chocado com o poder daquela criatura. Ela nem precisou gritar para fazer a outra chorar - até ele teria chorado que nem criança, na verdade, mas enfim.

Olhou para Won-Bin um pouco nervoso e o celular vibrou com uma mensagem de Jae-Ki.

- Aaah, safado! Agora quer ajuda, né? Hunf...Pois vamos sim! - Levantou-se com Won.

Quando Jae-Ki mandou a mensagem, as duas amigas estavam distraídas vendo o mini-barraco ali. Agora elas voltavam a se encarar e Bo-Mi finalmente falava, chamando a atenção da bailarina.

- Ye…Eun-Bi-yah...MiSoo-yah não está muito bem...Va…? - O convite ficou pela metade com a chegada de Won.

Bo-Mi ficou os lábios entre abertos e o encarou um pouco envergonhada, sentindo as bochechas corarem um pouco. Eun-Bi o encarou também, sem perceber a reação da amiga, à princípio.

- Olá, Won-Bin-shi. - Eun-Bi falou. - Kang.

- Eun-Bi...Bo-Mi. - Kang olhou para Bomi dando um sorrisinho.

- Olá… - Ela acenou um pouco discretamente.

Won pedia, mentalmente, por assunto, mas a verdade é que as meninas já estavam de saída. Bo-Mi ficou sem graça de concluir o pensamento, mas Eun-Bi já tinha entendido tudo. A garota olhou para Jae-Ki e disse.

- Você não está atrapalhando, mas nós vamos atrás da MiSoo. Não fique chateado, tá?

Kang olhou para Won, meio que apontando “que isso?!”

- Quem sabe não conseguimos resgatá-la, não é Bo-Mi?

- Sim… - Disse mais contida e olhou para Won por um instante. - Ou nos falamos depois, na sala…

- Isso. Vamos, então. Tchau, meninos… - Pegou Bo-Mi pela mão e logo sairiam pelo mesmo caminho que MiSoo tinha tomado.

Kang enfiou as mãos nos bolsos, mexendo o corpo para frente e para trás, mas sem soltar os pés do chão.

- Então...Bora sentar antes que peguem nosso lugar? O sinal bateu… - Convidou os amigos e os empurrou de volta para o fundão.


[...]


Naquele meio tempo, Jung-Mi também entrou no refeitório com a expressão de pouquissimos amigos. Seguia até uma das máquinas para pegar algo para beber e depois procuraria por uma mesa onde pudesse ficar sozinho - pelo tempo que isso fosse possível - e colocar a cabeça no lugar. Fechou os olhos, respirando fundo algumas vezes e pressionou sua latinha.

Yerin sentia-se muito bem, como se não tivesse feito nada demais. A Rainha achava que tinha sido pouco - deveria ter empurrado da escada, açoitado ou criado uma humilhação para os pais dela. Na cabeça dela era simples: Mi-Ran deixou uma amiga, na verdade, a única que a defendia naquele grupo, sozinha numa festa. Não houve nenhum tipo de empatia dela para com Eun-Na, porque ela era uma egoísta! Talvez não tivesse mudado o resultado final, mas que estivesse lá por Eun-Na!

Não aceitava esse tipo de traição. Por isso queria ter feito muito mais na cara daquela garota, mas por enquanto, aquilo bastaria.

Enquanto colocava o pensamento em ordem, viu como Jung-Mi parecia alterado e isso, de alguma forma, a fazia pensar no outro Park. Seria uma coincidência os dois irmãos estarem tão irritados? Os pensamentos divagavam e ela não prestou atenção na mesa.

Hayoung mal estava respirando e nem fez nenhum tipo de negativa quando Hyemin pegou sua bebida. Acordou quando ouviu o comentário da menina e a encarou.

- Aah, sério? - Fez uma carinha infeliz. - Eu posso fazer outro para você, Min… - Sorriu de modo carinhoso.

Yewon não tinha entendido muito bem o porquê de Yerin expulsar Mi-Ran daquele modo, mas uma coisa estava em sua cabeça. Principalmente depois que viu seu amado principe entrando daquele jeito. Tocou no topo do celular de Hyemin, abaixando o aparelho para que a menina a encarasse.

- Falando em traidores… - Começou de modo bem sério.

Yerin ainda se fazia de ausente, mas olhou de banda para o movimentou de Yewon - estava sentada ao lado de Yewon, de frente para Hayoung e Hyemin ao lado dela.

- Quando é que você vai começar a me explicar essa história do Jung-Mi com a MiSoo, hein, Hyemin? - Cruzou os braços. - Você me ignorou o fim de semana inteiro! Que tipo de amiga faz isso, hein? Você está omitindo coisas de mim, também! Anda, conta logo!

Praticamente exigia!

Os alunos do segundo ano começavam a entrar na sala e Yerin não pôde intervir no modo que Yewon falava porque os olhos dela logo captaram Jong-In. Precisava fazer um esforço sobre-humano para não varejar a mesa naquele garoto. A expressão dela ficou ainda mais fechada e ela pensava nas mil torturas que aplicava antes de tirar a vida daquele verme.


[...]


Do lado de fora do refeitório, MiSoo sentia o tempo passar de um jeito estranho - parecia voar, mas na verdade, era muito lento. Sua mente a enchia de culpa e vergonha pelas confusões que tinha provocado, ainda que sem querer! Só queria ser uma menina normal e enquanto sofria calada, ela não percebia o celular vibrando com uma mensagem de Mia, para o grupo.


“Meninas, onde vocês estão? Minha aula acabou agora e aconteceu algo muito doido O.o
Tem um aluno novo O_O’’’ Sinistro…>< Dá medo
Começo a ter medo dos critérios desse colégio…”



Porém, foi o toque em seu ombro que a acordaria em definitivo. Eun-Bi e Bo-Mi estavam lado a lado enquanto a bailarina tocava no ombro dela de modo delicado e trazia uma expressão serena no rosto.

- Será que podemos fazer algo importante com você também? - Perguntou com um sorrisinho no canto dos lábios.

- Ah, não sei, Eun-Bi-Yah…. - Bomi comentou, fazendo um biquinho. - Talvez ela precise de um incentivo…

- Hmmm… - Eun-Bi levou a mão até o queixo. - Pensei que ela lembrasse que eu ia dar algo fofo para ela hoje. Que pena. - Fez um beicinho de criança.

- É, parece que ela esqueceu…

- Então vou dar só pra você, Bomi-yah...Prefere prata, dourado, rosé ou bronze?

Bomi fez um drama, ponderando sobre as escolhas, mas ambas espiavam MiSoo de banda, porque durante o caminho, tinham combinado que quem escolheria primeiro seria a tenista mesmo. Só queriam provocar um pouco a curiosidade dela.

[BIBLIOTECA]
(Sunny)

- Verdade, Sunny-ya! Mas a primeira semana foi muito corrida mesmo. Eu também não conheço essa biblioteca, só a do outro prédio…

Aquele colégio não tinha uma, mas sim três bibliotecas, cada uma focada num tipo de literatura, ainda que alguns exemplares se repetissem por serem de transição. E todas unidades eram muito equipadas e um verdadeiro sonho para os amantes de livro. A área das mesas tinha o número exato de alunos - 80 carteiras distribuídas em 6 mesas longas e espaçosas para 10 lugares, onde os alunos, provavelmente, ficavam em grupo; e 20 mesas individuais, ao redor. Também era nessa área que ficava a mesa da bibliotecária, mas ela não estava na posto.

Logo Sunny e Stella veriam o porquê.

Uma mulher na faixa dos 30 anos e com uma postura bem desajeitada, carregava uma caixa pesada com livros. Eram volumes novos de livros de ciências - sempre muito grossos - e que ela estava organizando. Usava um vestido longo marrom com uma camisa de manga curta por baixo. O vestido não era nem um pouco atraente, mas ela não parecia fazer o tipo de pessoa que queria chamar atenção.

Assim como pessoas que buscam refúgio nos livros, ela parecia querer passar como invisível. O cabelo castanho estava preso num trança longa e ela tinha uma franja reta. Os óculos de grau eram redondos e grandes, cobrindo metade do rosto dela. Mas olhando uma segunda vez, dava para reconhecer traços muito belos - e escondidos!

Sunny e a amiga ouviriam um barulho alto e oco de algo caindo no chão antes de um.

- Aissi!!

A pesada caixa escapou da mão dela e foi direto no pobre pé escondido pelo longo vestido. Como não tinha reparado que tinha gente ali, ela simplesmente se largou e ficou resmungando enquanto esfregava o pé escondido pelo sapato - nem queria imaginar o estrago que tinha ocorrido ali.

- Aigooo...Que belo dia pra só ter essa droga de vestido no armário!. Quantas vezes mais vou tropeçar? Que droga! -  Choramingava como uma gatinha e já se colocava de joelhos para se levantar.

- Er...Você quer ajuda?

- !!!!!!! - A moça levou um susto com a presença das meninas e tropeçou na caixa de novo. Os óculos dela estavam meio tortos. - A-a-ani! Está tudo bem!

- Mian hamnida, não queríamos assustá-la. - Stella mordeu o lábio internamente e via se Sunny tomaria a iniciativa.

- Não assustaram, eu só estava distraída mesmo! Vocês querem alguma coisa? - Batia na roupa enquanto se levantava. - Querem pegar algum livro?

Ela não tinha uma placa com o nome de identificação, mas na mesa dela - que as meninas não chegaram a prestar atenção - estava escrito Shin Ji-Hyun.




O 4º vestido(só que marrom), com a blusa do 3º.

[HYUN-HEE]

Chaeyoung também não tinha sido racional quando simplesmente aceitou aquele abraço. Muito menos quando correspondeu. Naquele instante, ela tinha se esquecido completamente que estudavam numa Escola onde as fofocas voavam e, bom, não fazia ideia que tinha uma plateia bem atrás de si.

Hyun-Hee sentiria aquela angustia sozinho, primeiro. Porque ele via de frente todos aqueles rostos - mais de quinze - que olhavam com bastante curiosidade ou surpresa aquele abraço deles. Não era comum verem abraços nem entre namorados, quem dirá entre dois desconhecidos. Tudo bem que os dois eram estranhos e tinham muita influência do ocidente, mas era chocante.

O registro estava feito - em vídeo e fotos, dando para ver que Hyun não abraçou sozinho, porque ela não tentou afastá-lo.

A garota ainda não tinha se dado conta dessas costas, mas assim que ele se afastou, ela começou a compreender. As bochechas foram tomadas pelo rubor do sangue que circulava de modo acelerado graças ao coração que disparava. Respirou, deixando os ombros caírem e subiu o olhar para encará-lo. Encarou de modo igualmente sério, mas também um pouco assustado e cheio de dúvidas.

O que tinha acontecido, afinal?!

Por que ele a abraçara assim?

O que isso mudava?

Mudava mesmo?

Começou a achar que estivesse infartando e levou a mão até o peito, puxando o ar de novo. Não o culpava pelo que tinha acontecido, mas não era mentira dizer que ele a deixava muito confusa. Era difícil acompanhar e ela simplesmente não conseguia evitar segui-lo sem pensar nas consequências.

Piscou algumas vezes até que sentiu a plateia. As bochechas ficaram ainda mais coradas, mas quando olhou para trás, percebeu que as pessoas não olhavam na direção deles - com sorte nem tinham visto!, ela pensou de modo ingênuo. Mesmo assim, ela continuou virando e aceitou ficar atrás de Hyun. Só chegou um pouco para o lado para ver o que estava acontecendo.

Aqueles herdeiros conseguiam ser muito ridículos quando queriam. O choque cultural estava sendo muito grande e eles não conseguiam nem disfarçar. Os degraus faziam barulho enquanto o coturno preto do garoto pisava fundo ali. Não estava de uniformes, mas também parecia o tipo de pessoa que gostava de causar. Mesmo que ele não tivesse como comprar o uniforme ainda, ele também não parecia vestido para uma aula - talvez para uma guerra, o que acabava se provando verdade naquele meio.

A calça jeans escura estava bem surrada e rasgada no joelho, um sinto bem maltrapilho estava com a lingueta pendurada. Por cima, um casaco de camuflagem e um símbolo de ARMY nas costas, dava para ver que usava uma camiseta bem comprida e preta por baixo - não dava para ver a estampa, mas podiam imaginar. Ele era alto, como a maioria dos garotos, mas andava sem postura e de um jeito que misturava petulância com preguiça.

O rosto era bem branquinho e os olhos castanho-avermelhados, bem desenhados. Poderia ser considerado bonito, se não tivesse feito questão de estragar o cabelo - algum dia aquilo tinha sido azul, mas agora estava mais para um verde desbotado. O cabelo estava sem corte e ele também tinha uma faixa vermelha na cabeça.

O que ele estava achando para andar assim?

Talvez fosse mais fácil perguntar se ele SE importava.

ué:


Porque pela expressão dele, estava evidente que não estava nem aí. Coçou a cabeça de um jeito suspeito e fingiu tirar algo dali, petelecando na direção de algumas meninas que se encolheram sem nem saber o que era.

Ele deu um meio sorriso bem cretino e olhou na direção do corredor onde Hyun e Chae estavam. Chae o encarou bem e ele deu uma piscadinha para ela, recebendo uma quase risada divertida seguida de um balançar de cabeça. O garoto olhou para os outros à sua frente, encarando.

- Relaxem, uma hora vocês acostumam. Esses olhares não cansarão minha beleza. - Disse bem debochado. - Posso passar ou…vão fazer gracinha?

=):
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Dong Hee Kyung em Qui Fev 15, 2018 2:39 pm

"Uwaa você esta bem mesmo? Não quer ajuda? Se precisar de algo estarei no refeitório. Tarde demais, já estou preocupado mas ainda tenho Kim para perguntar sobre informações de vocês. =P"

Kyung resolve fazer o oposto, ao invés de tranquilizar o amigo de Sunny, ele iria é questiona-lo mais e ver o que o garoto conseguia descobrir.
Dong ergueu a mão na altura do peito, semelhante a como Ha Neul costuma fazer, mostrando que sua presença era lembrada até quando não estava por perto. Ele fez esse gesto depois que Ui-Jin consertou ainda mais aquela gafe, como se estivessem falando de um time de moba. Foi um alivio para aquele estranho momento.

- ADC sem dar rage não é adc, imagine um mid que não briga com o jungle, é impossível. - Retrucou ao perceber uma ligeira feição ofendida vinda de Kim, mas parece que não adiantava eles maquiarem a conversa por que Min-Ho continuaria a mencionar plano em alto e bom som... - Aigo. Esse negocio de discrição não vai dar certo. Precisamos criar códigos para falar algumas coisas, se quisermos nos manter discretos. Meneou o rosto quase que junto de Ui-Jin e graças a Deus, finalmente chegavam até o refeitório. - Vou até as maquinas pegar algo para beber, caso queiram algum drink a hora é agora, Cavalheiros.

Dong já havia guardado o celular após ter se trocado anteriormente, o refeitório parecia encher rápido... Eis que uma cena em particular chamou a atenção dele, um "SAI" que apesar de não soar como um berro, foi bem marcante, provocando até mesmo um possível silencioso constrangedor no recinto. Era Yerin outra vez, era uma cena e tanto, a majestade pomposa agindo daquela maneira. Mi-Ran parecia estar sendo envolvida por uma poderosa pressão social e acabou se retirando do lugar. Deu pena dela... isso por acaso, seria bullying?

Ele ficou imaginando o que será que aconteceu ali.. Por que Mi-Ran saiu daquele jeito? Brigas internas? - Hummm...~

Coçou o próprio queixo com os dedos, como alguém que tem barba longa o faria, parecendo matutar alguma coisa. Seria uma informação útil vindo direto até seus braços gratuitamente? Caso o grupo estivesse atento, iriam relembrar o que discutiram tempo atrás, era exatamente desse tipo de situação que estavam falando para observarem. Jung-Mi também apareceu por ali, parecendo estar meio bagunçado, mas que dia estava sendo hoje, todos muito agitados. Rapidamente percebeu que Hayoung estava próxima a situação, e se a prima tivesse o minimo de interesse, perceberia que Dong a encarou.

Mas dessa vez, ele não acenaria ou faria algum gesto fofinho.

Kyung, apenas a observava. Depois virou a face, pensando sobre o que tinha notado.

"Que aura.. É como se ela fosse uma daquelas vilãs de história. Juro que vi raios purpuras saindo por volta dos olhos dela. E olhos penetrantes, será que eu conseguiria dizer alguma coisa, sendo encarado por eles?"

Dong ajeitou seus óculos, dando uma olhada de relance para Won-Bin também; ele parecia bem acompanhado.
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
112

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Qui Fev 15, 2018 4:34 pm

Hyun quis pedir desculpas ao notá-la tão sem graça, mas não estava nem um pouco arrependido. Não só porque ela tinha lhe dado o conforto que precisava para calar a mente, mas porque era linda sim. Ele se sentia atraído de olhar para ela e não era de hoje que ele a considerava “uma” mulher bonita. Depois daquele abraço, algum detalhe estava errado na frase, mas ele não seria de ponderar sobre isso, não agora.

Abafando o sentimentalismo, Hyun meteu as mãos nos bolsos, esperando que alguém importante fosse descer das escadas, mas era só um menino bem esquisito com ares de rebelde e completamente fora do padrão. Bem, até que era engraçado. Podia assistir às reações e não ter nada a ver com elas. Ele sabia o que era chegar na escola de cabelo pintado. Ainda assim ainda era mais forte nele o momento que acabara de ter, só ficava um pouco incomodado que o abraço tivesse sido interrompido por causa de algo assim.

Deu de ombros, pelo menos as pessoas tinham um novo palhaço para apontar. Eis que ele notou que ele olhava para Chaeyoung. No mesmo momento olhou para trás, para verificar a reação dela. A menina estava toda alegrinha, o que o fez erguer uma sobrancelha, incomodado, e ele logo disparou, fechando a cara:

- Conhece?

avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Seo Hyemin em Qui Fev 15, 2018 5:26 pm

- Hm, pode ser. Posso te ensinar a fazer ponto invisível na próxima aula - comentou um pouco alheia para Hayoung. Não é com se realmente quisesse um novo lenço, porque estava mesmo horroroso, mas tinha um pouco de gratidão pela circunstância na qual o lencinho tinha sido dado. Então achava que poderia ser uma boa amiga e ensinar sua pet a costurar direito. Não era uma técnica extraordinária, mas pra menina poderia ser.

O coração da menina gelou quando viu as unhas perfeitas de Yewon cobrindo e abaixando seu celular e chamando-a daquele jeito. A menina fez um beicinho chateado. Não era uma traidora!!! Ficou com vergonha de ser chamada assim no mesmo nível que MiRan por causa daquilo. Apagou a tela do celular, deixando o aparelho na mesa.

Abriu a boca para falar, mas não podia se defender muito. Tinha mesmo fugido dela durante a ópera e depois disso teve coisas importantes para resolver. Ficava sentida de ser uma amiga tão ruim. A verdade é que queria sempre manter o grupo feliz.

- Mianhae, YeWon-ah~   - ela se encolheu de leve, sentindo-se pressionada pela amiga insistente e abaixou o olhar, não querendo encará-la. - Não foi de propósito…

Fez charminho, chateada. Tinha sido mesmo uma amiga bem ruim para ela, mas era tão complicado! Porque queria ser uma boa para Jung Mi também…

- Bem, eu… - espiou na direção do amigo, um pouco constrangida. Estava em uma sinuca complicada. - É que eu não posso falar sobre isso... - começou, nervosamente e enchendo de ar na altura do queixo, imitando um sapinho, tentando engolir aqueles segredos. Fez um bico e olhou o amigo de novo. Suspirou. Tinha prometido, né? Além do mais, não estava mais com raiva de Misoo, que inclusive tinha defendido ela na quadra. Mesmo assim, a amiga tinha razão de chamá-la de traidora.

“Ahhhh ottoke????”

Respirou fundo. Talvez ela devesse saber a verdade. Ok. A verdade, Hyemin. Onde foi que essa história começou? Ah, sim, quando o amigo a chamou para mandar um recado para Yerin, dizendo que era melhor não mexer com os outros, especialmente uma pessoa em especial. Ela não tinha passado o recado inteiro, mas sabia que Yerin tinha entendido só pelo fato de ela dizer que o amigo estava “chateado” com aquelas situações da escola. Jung Mi não podia ser ingênuo de acreditar que os outros não saberiam! Tecnicamente, ele mesmo não tinha contado nada para ela, né, mas era tão óbvio! Então, não faria mal nenhum se ela dissesse o que sabia. Porque, teoricamente, ela não sabia nome nenhum, não é? Ok. Vamos lá. Inclinou o corpo para frente, falando os segredos só para a mesa e fez um mistério antes de disparar:

- Jung Mi está gostando de alguém. É. Eu sei. É chocante. Ele fez todo um discurso, mas eu sei que ele veio falar comigo por causa dessa menina. Ele tentou disfarçar, porque sabia que eu ia acabar contando pra vocês, mas  eu fui muito esperta e captei os sinais!   - fez um gesto com o indicador próximo à cabeça, indicando como ela muito esperta. - Essa garota é a Yeun Misoo. Eu tive a certeza no mesmo dia, porque eles chegaram juntos na sala. Por favor, né, meninos e meninas não ficam andando juntos por aí escondidos assim. Dois: ela deu um presente para ele. E foi uma planta. Quem dá plantas para um amigo? Quer dizer, você não pode jogar a planta fora, tem que cuidar, como um relacionamento! Vocês lembram daquele dorama que o rei ganhava uma para aprender sobre isso? Ele ficava olhando a planta e pensando nela! Mais uma coisa: vocês viram como ela emagreceu? Uma garota que não ligava pra aparência que nem ela não faria isso do nada sem uma motivação bem específica. Ela com certeza fez isso para atrair a atenção dele! É muito clássico mudar a aparência, é a primeira coisa que acontece nos dramas!! Por último: Jung Mi mudou totalmente. Ele era tão calado e triste por causa do que aconteceu, e de repente ele me chamou pra pedir pela segurança de seu amor! Ahhh, foi tão romântico!  




- QUERO DIZER. - esticou as mãos querendo segurar as de Yewon. - Por favor, por favor, por favor, não faça nada com ela. Eu prometi que ia tentar protegê-la. Eu nunca o vi assim depois do que aconteceu e… - fez um biquinho ao espiá-lo de novo. - Tá, ele tá meio bravo agora…. - olhou em volta. -  E a Misoo não está aqui também. AIMEUDEUSSSSS eu acho que causei uma briga de casal. Será que ele ficou muito bravo com o link que eu mandei com as fotos dela? Ottoke… agora que eu e ela estávamos nos dando bem... - mordeu o lábio. - De qualquer forma, por favor, YeWon-ah, eu tento arrumar um namorado novo e legal pra você. Jung Mi merece ser feliz. Tadinho. Eu sei o quanto você gosta dele, mas, hmmm…  De repente meu noivo tem algum amigo e aí a gente pode sair juntas, que tal?? Oppas são muito mais legais do que garotos bobos da nossa idade! Hm... a não ser que eles tenham brigado. Mas Jung Mi vai ficar muito bravo comigo se souber que eu contei pra vocês...
avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Qui Fev 15, 2018 7:52 pm

Jae-ki acenou a cabeça para confirmar o questionamento de Eun-bi sobre ele trabalhar com frango frito, e quando ela questionou que poderia ser ele a entregar um dia o frango dela, ele riu meio sem jeito porque não acreditava que isso seria possível e porque lembrou que nem sabia onde ela morava, já que tinha sido uma mentira na época. Além disso, nunca tinha acontecido antes, provavelmente ela deveria morar bem longe da loja em que ele trabalhava, deduziu isso pelo metrô que ela tinha pegado no sábado. Mas como seria se acontecesse?

- É pode ser, ia ser bem louco... Mas você deve morar muito longe da loja. Ia acabar chegando frio.

Apesar de tudo, tinha gostado de saber que o gosto dela era bem simples, era algo que não esperava vindo de uma riquinha mimada. Será que ela comia com a mão mesmo? Se preguntava Jae-ki curioso. Não deu para conversar muito sobre esse assunto, porque logo se encontraram com as amigas da bailarina. Jae percebeu que Misoo não estava muito satisfeita de vê-lo, mas isso não era muita surpresa. Tinha quase certeza que MiSoo estava assim por causa dele. Acreditava que as amigas de Eun-bi não gostavam dele, mas isso não o intimidaria. Enquanto Eun-bi o tratasse bem, não se afastaria. Bo-mi pelo menos o respondeu, explicando sobre aqueles dois garotos que passaram de forma meio estranha. Jae balançou a cabeça para mostrar que tinha entendido:

- Araso.

Em seguida MiSoo ficou mais estranha porque decidiu ir embora. "Aigoo... Ela saiu só porque me viu... Ela me odeia tanto assim?"- Se perguntou Jae-ki. Podia até imaginar os motivos que levavam a amiga de Eun-bi a odiá-lo, ele devia ser só um bolsista para elas. Jae-ki mandou logo uma mensagem de socorro aos amigos, os três dragões deviam ajudar um ao outro! Enquanto isso, ocorria um desentendimento com as patricinhas, mas Jae se preocupava com outra coisa agora.

Bo-mi foi a primeira a comentar da saída de Misoo, Jae as encarava observando o que aconteceria ali. Estava curioso para saber como a bailarina e suas amigas iam reagir a ele, pelo menos uma já tinha ido embora e mostrado claramente que estava insatisfeita. Eun-bi com certeza era uma exceção no meio dessas riquinhas de Wangjo. Ela não parecia se importar com sua classe social, pelo menos não por enquanto. Won e Kang logo chegaram e isso fez Bo-mi não completar a frase. Foi estranho porque havia algo diferente ali, Bo-mi parecia corar com a chegada dos seus amigos. Jae-ki pegou a maçã do amigo e agradeceu de um jeito bem informal:

- Uwa, você é o melhor cara. Kamsa!

Ele só não entendia o que houve, deu logo uma mordida na maçã enquanto os outros se cumprimentavam, e nisso começou a se lembrar que apesar deles serem bolsistas, as amigas de Eun-bi demonstravam tratar bem Won e Kang, ao menos superficialmente, não era como se fossem mesmo amigos, certo? Duvidava que confiariam neles seus segredos. Talvez elas tinham notado que ele era bem mais pobre que os amigos, já sabia que ricos tinham um olhar praticamente clínico para definir esse tipo de coisa. Jae-ki mastigava sua maçã quando a bailarina respondeu sua pergunta sobre estar atrapalhando. O garoto engoliu o pedaço de maçã que tinha na boca, acenou com a cabeça e respondeu bem de boas:

- Kure. Eu entendo, ela é sua amiga. Vai lá.

Não tinha motivos para ficar chateado com isso, não era como se Eun-bi o expulsasse. Mas acreditava que MiSoo não tinha gostado nada de vê-lo com Eun-bi. Provavelmente falaria muitas coisas ruins sobre ele para a bailarina. Jae-ki deu tchau para elas e agora ficou só na companhia dos dragões. Kang logo deu ideia para eles se sentarem, Jae concordou e caminharia com eles até o lugar.


- Tem que ser perto das máquinas - Comentou - Essa maçã não vai acabar com minha fome.

Enquanto mastigava o resto da fruta, Jae-ki pensava no que tinha acabado de passar com a bailarina, foi desconfortável e estranho, sentiu que ela ficou diferente. Será que ela se afastaria conforme fosse vendo o quanto eram diferentes? Nem as amigas dela pareciam gostar dele. Era visível no seu rosto que não estava de bom humor, o sorriso que tinha dado para elas antes de saírem, agora tinha sido desfeito. Porém também não estava irritado, o que era um milagre. Porque de qualquer forma, dessa vez nada tinha sido culpa de Eun-bi. Será que deveria ter aceitado os presentes? Não, não... Podia até aceitar caridade dos amigos, vizinhos, mas dela não. Tinha seu orgulho, e embora não fosse intenção dela ser caridade, no fundo seria quase a mesma coisa, porque nunca poderia retribuí-la. Ele sempre seria o cara que só que recebia, como já era assim com os amigos. Odiava ser pobre, agora mais ainda. Tinha crescido vendo o pai não dar conta dar própria família, vivendo de favores dos outros, e isso também o afetava de alguma forma. Então queria fazer diferente, queria ser o cara provedor, não o cara que vivia dependente do dinheiro da garota que gostava. Por isso odiava ser pobre, tinha que pisar no orgulho algumas vezes, mas não deixaria que se torna-se um coitadinho perto de Eun-bi.

Jae-ki colocou o braço ao redor do ombro de Won, apoiando no amigo e fazendo uma expressão de cansado. Não era mais o amigo irritado do vestiário.

- Aishhh... Eu falei, elas me odeiam. Vocês viram como a MiSoo saiu. Eu sei que foi por minha causa.

Sorriu para Won-bin ao ver que o braço dele parecia melhor:

- Aí cara! Já tá melhor! Já tô te vendo conseguindo bater com esse braço de novo. Eu sei que as coisas estão confusas, eu vou explicar para vocês. Mas não acharam estranho como a Bo-mi ficou quando vocês chegaram?

No caminho Jae-ki pegaria água e mais frutas, inclusive melancia, pegou um pedaço bem grande e sentou com os amigos, havia muita coisa para falar. Era bom estar com eles, estava até com saudade, mas não admitira tão claramente. Gostava de como Won e Kang eram diferentes dos amigos de gangue, embora isso tivesse suas desvantagens também. Enquanto mastigava, também falava, mas não com voz alta, não queria que outras pessoas ouvissem:


- Então, eu vi Eun-bi no sábado. Ela tava precisando de ajuda, eu não ia largar ela sozinha. Não posso contar o que houve direito, porque é segredo dela e não meu. Mas eu vi que ela parece ser uma garota legal. Ainda não sei porque ela mentiu naquele dia da enfermaria, mas tô tentando confiar nela... Ah e foi tipo uma noite bem legal, mas calma! - Olhou para Kang principalmente - Antes que comece a imaginar coisas, não aconteceu nada do que você tá pensando que aconteceu Kang! Mas... Ah caras, eu quero continuar falando com ela... Só que é estranho porque... Ah vocês sabem que eu não tenho dinheiro.  E aconteceu uma coisa meio estranha, ela vai querer fazer as coisas que faz com os amigos dela, sair pra lugares caros e eu não vou poder. E mesmo que ela pague, não quero ficar sendo sustentado, isso é humilhante...

Jae-ki preferiu não contar sobre o presente que Eun-bi deu, não queria falar sobre isso, mas tentou explicar como se sentia. Ele também sentia que deveria tentar se resolver com as amigas de Eun-bi e tentaria fazer isso mais tarde. Não que achasse que fossem ser amigos um dia, nem esperava por isso, mas queria deixar as coisas claras, ao menos para elas não ficarem fugindo e afastando Eun-bi dele.  Achava que MiSoo e ele tinham coisas pendentes para resolverem e faria isso do modo dele. Em seguida pegou a água e completou:

- Aishhh... Odeio não ter dinheiro... Mas não fiquem bolados, não vou deixar me humilharem por isso. Ah isso fica entre nós, é um segredo sério. Aigoo... Mas não vamos falar só de mim, como vocês tão? Tá tudo de boas? Ah, Won Bin vai entrar em outro Dojo? Você pode pagar com o salário do emprego! E Kang tá animado pro clube? Ainda bem que você vai, não tô mais muito certo desse clube... E se eles nos obrigarem a usar aquela roupa colada? Mas se for tipo hiphop vai ser maneiro.

avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Convidado em Qui Fev 15, 2018 11:19 pm

No chão, sentada sobre a própria bolsa, MiSoo se culpava do que achava ter causado. Um clima horrível e todos eles lhe odiando agora?? Será que lhe odiavam por trazer o colega mais velho para perto deles? Mas agora ele parecia tão inofensivo… Tinha acabado de ser uma pessoa legal também. Então porque todo mundo fazia aquela expressão de quem queria Park Hyun Hee bem distante dali? Até BoMi agiu estranho. Ele era tão ruim assim?

Por um lado tinha mesmo sido bem efetiva a desviar o assunto, mas… Era para tanto? A conversa nem era tão ruim assim. Só tinha ficado um pouco ansiosa com todos os olhares sobre ela, como se estivessem vendo através do que ela não tinha dito. Lendo sua mente! E nem ela sabia o que tinha dentro da própria cabecinha àquela altura.

MiSoo viu as pernas da amigas flexionarem à sua frente e ergueu a cabeça dos joelhos para fitá-la com um rostinho nada bom.

- É a terceira vez que causo problemas para ele. Quantas vezes mais vou acabar estragando tudo até que eles me odeiem para sempre? - murmurava em tom lastimoso, usando a palavra no plural sem perceber.

A tenista observou o rosto de BoMi, que falava sobre sondar Jung Mi ou MiSoo falar com ele depois. A garota concordou com a cabeça e fungou, embora não emitisse nenhuma lágrima.

- Ara… - respondeu do mesmo jeito de antes e encheu os pulmões de ar, na tentativa de afastar um pouco a onda de depressão que lhe acertou ao entender os novos problemas que causou.

MiSoo aceitou a ajuda para se levantar ao segurar a mão de BoMi, mas não deixou que ela fizesse muita força, pois logo se colocou de pé, já puxando a bolsa de volta ao ombro enquanto saia do chão. Quando já estava ereta, BoMi lhe deu um abraço carinhoso, que arrancou um mini sorrisinho da tenista e a fez corresponder com vontade. Um abraço sempre lhe fazia sentir um pouco melhor, adorava abraçar suas amigas. Era um verdadeiro remédio sentir-se amada e protegida nos braços das pessoas em quem mais confiava e… Já estava lembrando do abraço que deu em outro Yoon... Ela não conseguia evitar. Era ainda uma memória muito fresca em sua cabeça. Tinha sido algo muito incomum, do tipo que se demorava um pouco à se acostumar. Ou pelo menos era a interpretação de MiSoo.

O lado bom era saber que havia algumas pessoas com quem podia contar quanto se sentia mal.

Depois do abraço, um pouco mais revitalizada, a dupla saiu em direção aos armários onde trocaram as bolsas de esportes pela mochila escolar, só que MiSoo ainda estava meio amuada, quieta e cabisbaixa.

A sensação que tinha sido parcialmente neutralizada pelos esforços de BoMi começou a retornar à tenista ao ver sua melhor amiga conversando normalmente com aquele garoto que adorava gritar, ser mal educado e implicar com o penteado de MiSoo. Precisava das amigas para se sentir melhor. Não da presença dele. E aliás, o que estava fazendo conversando com EunBi mesmo? EunBi estava esperando ele começar a ser grosso, como da última vez? Realmente não entendia a amiga nesse sentido e, sinceramente, não tinha ânimo nem para tentar. MiSoo precisava de um pouco de ar da rua, principalmente depois que a dupla de garotos passou pelo quarteto. Já estavam começando a lhe odiar? Se era assim, não queria nem olhar para o rosto de Jung Mi.

MiSoo começou a se sentir um pouco enjoada. Tinha q sair do meio das pessoas. Da algazarra e das confusões do refeitório. Ela deu uma desculpa qualquer - nem sabia direito o que estava dizendo - e pediu licença para se retirar, indo na direção do exterior da escola. Qualquer coisinha negativa que podia acontecer no refeitório parecia ser novo combustível para lhe fazer se sentir ainda pior, não importava que não tivesse nada a ver com ela. Foi assim com Yerin expulsando a “amiga” em alto e bom som. Não queria saber disso. Só apressou o passou, saiu do prédio e tirou a mochila das costas para se apoiar na parede, respirando bem fundo para encher os pulmões de ar.


Sua cabeça dava duzentas mil voltas por segundo, indo e vindo de pensamento em pensamento. Se martirizando pela estupidez que era capaz de gerar sem nem ao menos querer.

”Garota estúpida!”

”Você não merece amigos se sua presença serve apenas para tornar a vida deles pior!”

”Agora estão todos assim por sua culpa!”

”VOCÊ estragou o intervalo deles!”

”Você sempre faz isso…”

“Nem para se controlar com a comida você consegue fechar essa boca nociva.”

Sua mente tratava de lhe sabotar das piores formas e os pensamentos pareciam até soar no tom de voz de sua mãe. Era doloroso ouví-los. Era doloroso ter de ouvir aquela voz que sempre lhe repreendia de novo e de novo… Como se jamais fosse acabar. Como BoMi poderia lhe chamar de “uma pessoa maravilhosa”? Como os garotos estavam lhe elogiando agora?

E ainda escolhia ativamente estragar o fim de semana de Gyu Sik…

Não merecia os elogios dele.

Tinha esquecido de tirar o celular da mochila. Nem tinha como percebê-lo.

Só voltou a si, acordando da enxurrada de pensamentos, quando sentiu o toque de EunBi em seu ombro e a olhou surpresa, como se acordasse de um pesadelo.


- Algo importante…? - repetiu atordoada, sem entender a conversa, observando as expressões das amigas, enquanto a sua era de total desânimo.

Quando ouviu EunBi falar que ia lhe dar “algo fofo”, MiSoo arregalou os olhos e os ombros que estavam bem caídos retomaram uma posição um pouco mais ereta.


- Meu presente!? - era a palavra mágica para mudar totalmente o humor de MiSoo - Aishh!! Aniiii!!! Eu quero o meu presenteee! - com certeza a presença de suas amigas era capaz de enterrar todos os pensamentos negativos em um canto bem obscuro da sua mente, ainda mais quando tinha presente no meio - Não vai dar só para a BoMi-yah… - fez um beicinho infantil, imitando o de EunBi.

Mas antes de continuar, após EunBi dizer para BoMi escolher o presente, MiSoo observou as duas por alguns instantes e sentiu os olhos umedeceram. De repente, MiSoo soltou a mochila no chão e praticamente se jogou sobre as duas, as agarrando cada uma com um braço, formando um abraço coletivo enquanto algumas poucas lágrimas lhe corriam pelo rosto.

- Vocês são as melhores pessoas do mundo. As melhores amigas!! - admitiu de um modo meio alto, mas choroso - Eu amo vocês! Estão sempre comigo mesmo eu só fazendo besteira... Miane se eu estrago o intervalo de todo mundo!! Eu quero meu presente!!! - apertou elas como pôde no abraço duplo - Aishhhh… Espero que eles não me odeiem muito…

Quando soltou as amigas e enxugou as lágrimas com as mangas do casaco, MiSoo questionou EunBi, ainda em um tom de quem não tinha parado totalmente de chorar.

- Ya… Por que aquele garoto que sempre grita e não sabe ser educado estava com você de novo? - apontou com uma mão na direção do refeitório, enquanto terminava de secar o rosto com a outra.
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Won-Bin em Sex Fev 16, 2018 12:23 am

O assunto foi mudando conforme chegavam mais pessoas. Won podia não notar mas Kang era bem atento também às pessoas ao redor.

Kang escreveu:- Sério, algo de muito errado está acontecendo hoje

-Pois é, parece a calmaria antes da tempestade... - talvez o papo de fim de mundo fizesse algum sentido.

Entre as distrações e uma Rainha de Gelo reforçando sua fama, Won notou que Misoo estava incomodada.

"Será que aconteceu algo? Aish, tomara que não" pelo visto ninguém naquela escola tinha um descanso.

Kang escreveu:- Aaah, safado! Agora quer ajuda, né? Hunf...Pois vamos sim!

-Vamos salvar o donzelo

Quando se aproximaram das meninas aquilo foi...estranho. Nem deu muita atenção ao agradecimento de Jae-ki pela maçã.

"Ela tá diferente. Por que ela tá...séria?" talvez fosse o problema de Misoo ou outra coisa. "Aish, é por conta de ontem?"

Bo-Mi escreveu:- Olá…

Assentiu com a cabeça de forma educada. Achava tão estranho aquele distanciamento repentino. Não parecia a Bo-Mi social que tinha conhecido ou conversado.
Será que algo tinha mudado? Ou pior...

"Será que eu to incomodando?"

-Aconteceu alguma coisa? - se referia a Misoo ter saído daquele jeito.

As meninas logo tinham de sair, não dando chance de confirmar ou refutar aquela percepção de Won, deixando um quê de estranheza no ar e um Won meio confuso.
Estava distraído demais pra sequer perceber o olhar de Kang que procurava entender o que acontecia ali também.

Bo-Mi escreveu:- Sim… - Disse mais contida e olhou para Won por um instante. - Ou nos falamos depois, na sala…

Won sorriu em resposta e assentiu com a cabeça.

-Tchau meninas

Won sentia a cabeça em outro lugar, sua mente fugindo para os momentos tensos no café e nas expressões tristes de Bo-Mi. Não eram as mesmas de agora mas sentia Bo-Mi mais parecida com aquele momento do que com a garota confiante que havia se...


-Vamos. J-Dragon aqui tem uma longa história pra contar pra a gente - disse distraindo a si mesmo.

"Mas é claro, Jae-ki vai assaltar as máquinas dali ainda" pensou sobre a fome insaciável do amigo.

Jae-ki mantinha suas flutuações de humor. Se Won estivesse em melhor estado talvez pudesse brincar também com o amigo, apenas sorriu quando ele colocou o braço sobre o ombro. Se esforçou para não parecer sério demais.

@Jae-Ki escreveu:Aishhh... Eu falei, elas me odeiam. Vocês viram como a MiSoo saiu. Eu sei que foi por minha causa.

-Sério? Você falou algo pra ela? - não falava com julgamento -Bom, não jogaram nada em você, está evoluindo J-Dragon. Logo elas vão gostar do namorado da amiga - complementou brincando, saindo do braço de Jae para escapar de alguma represália pelo comentário.

@Jae-ki escreveu:- Aí cara! Já tá melhor! Já tô te vendo conseguindo bater com esse braço de novo. Eu sei que as coisas estão confusas, eu vou explicar para vocês. Mas não acharam estranho como a Bo-mi ficou quando vocês chegaram?

-Mais uns meses e eu to novinho em folha - respondeu sobre o braço mas logo ficou mais sério com o comentário sobre Bo-Mi.
-É, estranho... - ficou sem jeito. Não entendia bem o motivo daquilo e sentia alguma culpa. Kang podia entender, mas será que Jae iria?

Won cruzou os braços e ouviu com atenção a história de Jae-ki. Entendia a preocupação de não ter tanto dinheiro quanto a garota que você gosta. De repente sabia o que era encarar essa diferença.

-Hmmm...Que bom Jae, vocês conseguiram parar de brigar e até estão querendo conversar mais um com o outro. Mas Jae-ki... - respirou fundo, sabia que o amigo ia protestar com o que falaria agora - A Eun-Bi não é burra. Ela sabe que a gente não tem grana como eles, sabe que a gente não pode ficar gastando com besteiras como eles. Ela não vai ficar te pressionando pra ir em lugares caros. Além disso...se ela gosta de você, ela vai deixar esse lance de grana pra lá

Cruzou os braços. Jae-ki com certeza era mais pobre que Won, mas se sentia mais perto dele que dos ricaços da Wangjo. Seus conselhos meio que serviam para si mesmo.

-Um dia esse lance de grana não vai importar pra a gente. Ou pelo menos vai importar menos. A gente vai olhar pra esses problemas e dar risada porque as coisas eram tão mais fáceis...eu espero que você consiga Jae-ki, sendo ela a sua namorada ou não haha - terminou um pouco menos sério. Se o seu problema com Bo-Mi fosse só a grana... -Pode deixar, eu e Kang vamos manter segredo

Encarou Kang. Era ele quem devia manter a boca duplamente fechada.

-Aish, o Dojo? Não...eu não vou mudar de dojo. O mestre Baek é praticamente da minha família, eu não vou abandonar ele ou tudo que ele me ensinou. Vou dar um jeito nisso, pode deixar - olhou rapidamente para Kang. Num breve momento fez uma decisão importante.
Decidira não contar a Jae-ki sobre tudo de ontem. Não porque não confiasse no amigo mas...sentia que talvez Jae não pudesse ajudar naquilo e sabia que o amigo carregava seus próprios problemas complicados.

Mais um problema na conta de um amigo que já se sentia culpado pelo evento do braço e que já queria compensa-lo por conta daquilo seria demais. Jae provavelmente faria algo imprudente tentando compensar aquele dia.

"E complicar mais a vida do meu amigo é a última coisa que eu quero"

-Eu nem sei o que esperar desses clubes. Me disseram que não são brincadeira, são coisa séria. Mas vou tentar aproveitar da melhor maneira, não tem como eles me jogarem no chão e me moerem com um rolo compressor se eu errar uma fala no teatro...

-Tem?
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Kim Sun-Hee em Sex Fev 16, 2018 10:36 am

Sunny balançou a cabeça, concordando com a amiga.

- Sim, e essa semana vai ser ainda mais graças aos clubes. Precisaremos de tempo até nos acostumarmos com a nova rotina.

Ela e Stella começaram a observar as prateleiras mais próximas e embora não conhecesse o lugar em si, havia certa familiaridade para Sun-Hee. Afinal, tratava-se de uma espécie de habitat natural, certo? Aos poucos, a situação envolvendo Hyemin e Yerin foi ficando momentaneamente para trás. Aquele colégio era impressionante em tantos sentidos... Olha essa biblioteca! Tão perfeitamente equipada e cheia de livros... Sunny se sentia novamente animada com a perspectiva de desvendar exemplar por exemplar. Era uma leitora assídua, porém imaginava que ali existiam raridades que fugiram dos seus olhos detalhistas. Arranjar brechas seria algo bastante complicado, mas nada que Sunny não pudesse dar um jeitinho.

Ainda estavam na área onde a bibliotecária ficava, apesar do lugar vago frente a mesa.

E não demorou para que as meninas entendessem a razão.

Mais adiante, as duas puderam ver uma mulher de trajes, no mínimo, antiquados carregando uma caixa que aparentava pesar o mesmo que ela.

De cara, não passava de uma moça comum. No entanto, quando se encara mais aprofundadamente as nuances do rosto, percebe-se o quanto ela era bonita, com traços delicados como porcelana – Olá... – Sunny falou, mas certamente a bibliotecária não ouviu, pois no instante seguinte tropeçava nas barras compridas do vestido sem graça, soltando a caixa... que seguia direto ao alvo imediato: o pé dela. Mesmo visualizando a cena, o coração reagiu ao alto barulho, indo de zero a mil em menos de segundos. Mas logo se compadeceu da situação da moça, encarando Eun enquanto a amiga oferecia ajuda. Isso assustou Ji-Hyun porque estava tão alheia na quietude que não percebeu as súbitas presenças. Havia algo de charmoso na sua falta de jeito e, claro, um tremendo perigo também. Na segunda tropeçada, a bolsista avançou alguns passos até parar perto e sorriu de maneira simpática.

- Hoje estamos apenas aproveitando o intervalo para conhecer o lugar. Eu sou nova no colégio e a Stella nunca veio aqui antes.

Uniu as mãos diante do corpo e se curvou de modo respeitoso, e só então, depois do rápido cumprimento, apontou a caixa.

- Tem certeza que não quer ajuda? Nós não ficaremos incomodadas – mostrou outro sorriso – Sei que é uma tarefa difícil a de lidar com tantos livros, mesmo que seja igualmente divertida! – disso Sun-Hee podia falar com bastante propriedade, já que realmente possuía considerável experiência no ramo... Trabalhar no Café era um sonho, mas tinha suas complicações como qualquer coisa na vida – Ahhh, eu sou a Sun-Hee e ela é a Eun-Seok. É um prazer conhecê-la, senhorita.


avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Dom Fev 18, 2018 7:46 pm

[REFEITÓRIO - PARTE 1]
(Dong, Hyemin, Jae-Ki  Won)

[DONG]


“Hahaha...Já disse que estou bem! Não, não quero ajuda. Nada de mal vai acontecer na biblioteca =]
Não ouse aborrecer o Kim u.u’ Mas tem algo que você poderia fazer….Se não for muito incômodo, pode levar um chá gelado pra mim? =x Eu pago lá na sala i.i”


Foi a resposta que Stella enviou tão logo leu a mensagem dele. Depois disso, contudo, ela não apareceu mais online, porque estava dando atenção para Sunny. Enquanto isso, Dong tinha que lidar com a falta de discrição de Min-Ho. O garoto realmente não tinha muito trato com isso e acabava falando alto sobre coisas sérias.

Pelo menos, não tinha nenhuma ameaça por perto e eles chegaram sãos e salvos até o refeitório. Foram um dos primeiros grupos a chegar - além deles, já havia Won-Bin e Kang, além de outros espalhados aqui e ali, tais como Beom-Su, Hyo-Shin e a dupla Ye-Ji e Ye-Sol. Dong, inclusive, encontraria as duas nas máquinas.

Os meninos fizeram seus pedidos, mas Kim acompanhou o herdeiro. De certo modo, era uma forma de ter certeza de que o novo amigo conseguiria chegar bem até as máquinas, visto que a perna dele parecia ter sofrido um pouco com as quedas. Não chegaram a comentar nada no caminho, mas logo ouviram…alguma coisa.

Ye-Ji continuava falando.

- Não é a primeira vez que ela reage. - Comentava com a amiga mais tímida. - Lembra da ovada? Ela também rebateu. Acho que é ousada, mas muito maluca.




- Eu a acho corajosa… - Ye-Sol murmurou, bem mais contida. - Admiro por isso.




- Até o dia que a Rainha cumprir as ameaças. Será que Segunda-Feira realmente vai virar o dia dela sofrer? Bom, pelo menos fico livre.




- Ye-Ji-Yah…

- O que? Ela sabe se defender! Ela revidou a Hyemin. Depois que viu as coisas dela no vaso, ela revidou e destruiu a maquiagem caríssima dela.

- Isso é verdade…

As duas comentavam meio baixo e de costas para os dois enquanto escolhiam alguns doces. Não havia nenhuma intimidade entre Kim e elas e Dong também não era muito de falar. Ye-Ji...Era uma menina curiosa e um pouco estranha, às vezes. Tinha uma cara inocente, também sofria bullying, mas era omissa na maior parte do tempo porque era egoísta - ou sobrevivente, dependendo do ponto de vista - e pensava nela.

Kim ficou com a mão parada numa das máquinas enquanto absorvia aquela história. Não foi atrás daquelas duas quando elas se afastaram, mas pensava se tinha entendido bem o que aconteceu ali. Olhou para Dong, olhou para as meninas.

- Eu entendi bem…?




Esperaria o amigo dar um parecer também antes de tomar qualquer atitude. Nesse meio tempo, o refeitório começava a encher. As primeiras meninas do grupo de Yerine  Hyemin a entrar, foram Mi-Ran, Yewon e Hayoung. A prima não chegou a reparar nele, sentando-se de qualquer jeito porque estava um tanto quando exausta e abaixou a cabeça sobre a superfície.

Dong e Kim voltariam para a mesa deles, mas não demoraria para que o lugar enchesse de alunos do 1º ano e uma nova cena acontecesse ali. Desde que Hyemin entrou no refeitório, Kim não desgrudava os olhos dela. Estava querendo saber o que diabos tinha acontecido no banheiro e mil perguntas se formavam na mente do garoto. Prestou bastante atenção no que aconteceu ali e comia seu lanche sem nem sentir o gosto direito.

Ninguém comentou sobre a cena, mas a presença de Yerin era deveras impactante, de fato. Ela nem parecia incomodada com nada, apenas mantendo aquela postura de sempre. Hayoung não olhou para o primo porque, assim como a maioria das pessoas, não estava entendendo nada.

O silêncio na mesa era quase palpável, mas logo os outros alunos começaram a entrar porque o sinal tocou.

Uma mão tocaria no ombro de Dong.

- Bom dia, Senhores! - Ha-Neul dizia do seu jeito animado de sempre. - Dêem bom dia para a noona de vocês!




- Qu…? - Ui-Jin travou assim que Han So-Na parou ao lado de Ha-Neul com aquele olhar.




Ela era, de muitas formas, uma diva dos nerds, geeks e perfeccionistas. O uniforme dela era alinhado, sem nenhum amassado, completamente simétrico. As referências Geek estavam no detalhe porque ela usava um discreto colar de prata com um pingente do BB8 de Star Wars - motivo pelo qual Min-Ho revirou os olhos, porque odiou a nova trilogia e já pensava “poser maldita”. Os óculos tinham uma armação retrô, arredondada, mas que ornava com o rostinho bonito que ela tinha - pele bem cuidada, sem espinhas ou muito bem maquiada com uma base. O cabelo estava preso em duas tranças que começavam com uma raiz na cabeça e terminavam na metade do ombro, fora a franjinha rala cobrindo a testa.




O corpo não dava para tirar medidas porque, diferente de muitas meninas do 2º ano, ela não tentou encurtar ou apertar nada. Nas mãos, ela carregava um mangá de FMA, história que ela estava relendo.

- Bom dia. - Disse com firmeza e olhou para todos os garotinhos presentes, até se firmar em Dong.

- Consegui convencê-la a dar uma chance para nossa mesa e lanchar conosco.




- Perdi uma aposta com Ha-Neul-shi e estou cumprindo minha promessa.

- So-Na-yah! Por que você pisa nos meus sentimentos?




- Dizer a verdade não é pisar nos sentimentos. - Cruzou os braços.

- Aish, mulher fria. - Resmungou e olhou para os meninos. - Então! Como foi o dia de vocês? Nossa turma teve uma novidade...Entrou um menino novo porque uma das bolsistas desistiu depois da semana passada.

Ha-Neul fazia gesto para que “chegassem para lá” e sentou-se. So-Na sentou-se também e não parecia muito interessada naquela fofoca.

- Mas e aí? Qual foi a boa?

- Dong caiu cinco vezes no circuito e o Ui-Jin fez um dos piores tempos da Educação Física. Nada de novo. - Min-Ho comentou daquele jeito apático dele e olhou  para Kim. - E ele ficou preso na rede, parecia um mosquito preso na teia de aranha.




Um movimento involuntário se fez nos lábios de Ha-Neul por conta do MODO que Min-Ho falava. Mas ele logo escondeu a boca para dentro e fechou os olhos, meneando negativamente.

- Você está rindo dos seus amigos, Ha-Neul. Você é péssimo.

- Eu não to...eu não tô rindo, gente…



[HYEMIN]


A mesa de Yerin voltou a uma certa calmaria, depois da expulsão de MiRan. Verdade que as meninas ainda não entendiam o que tinha acontecido, mas bastou Hyemin mudar o foco da conversa para que todas parassem de pensar nisso - afinal, MiRan não era a mais querida do grupo.

Hayoung mal pôde conter sua felicidade quando ouviu de Hyemin que ela estava se disponibilizando a ensinar algo. Era tão emocionante!! A jovem senhorita Dong levou as mãos até as bochechas, sorrindo feito boba e agradecendo mil vezes. Até mesmo Yerin olhou para ela por um instante e aliviou minimamente a expressão, esboçando um discreto sorriso no canto dos lábios.

Provavelmente Hyemin já tinha esquecido do pedido de Yerin - alimentar a pet para que conseguissem informações - mas, ela fazia mesmo sem perceber e era isso que fazia da herdeira Seo uma pessoa especial.

Yerin suspirou, voltando o olhar para a frente, mas não por muito tempo. A atitude de Yewon chamou a atenção de todas e as explicações de Hyemin eram aguardadas.

- Não pode? - Yewon retrucou de modo mais incisivo. - É a minha vida em jogo também, Yerin! Pensei que você fosse minha amiga!

Dava para perceber que aquele assunto mexia muito com a garota. Não era segredo que Yewon era uma pessoa maldosa e agressiva, apesar do rostinho de boneca que ela tinha. O ponto fraco dela sempre foi Jung-Mi, por quem era apaixonada desde o primeiro dia que se viram. Esse amor doentio que apenas ela alimentava parecia piorar, principalmente agora que ela ouvia sobre uma possível namorada.

Hyemin finalmente dizia a “verdade” e Yewon se calava. A expressão irritada deu lugar à tristeza, conforme os olhos foram marejando e as bochechas corando.

Era...Humilhante.

O pior era que quando Hyemin engatou em sua narrativa, ela não filtrou as melhores palavras. Ouvir que o menino pedia por alguém, que parecia melhor por conta de alguém, vinha com a força de um soco na boca do estômago de Yewon. Ela, inclusive, levou a mão até a barriga enquanto as lágrimas se acumulavam, deixando os olhos dela maiores.




Hayoung levou a mão até a boca e tentou cutucar Hyemin, para que ela parasse. Não acreditava que estava vendo uma das criaturas mais cruéis daquele colégio fraquejando daquele modo. Aquele dia não estava normal mesmo!

Yerin deu um suspiro leve e olhou bem aquele sofrimento de Yewon.

Por algum motivo, ela gostava do que via. Odiava gente que chorava à toa, mas havia tanto tempo que Yewon a aborrecia com o comportamento, principalmente no modo com que tratava Hyemin, que Yerin contemplava aquele momento. Pigarreou e pegou o guardanapo da mesa, entregando para ela.

- Não chore, querida...Sabe como odeio choro.

Yewon arrancou as folhas de modo irritado das mãos de Yerin.

- Quem está chorando aqui? - Perguntou entre os dentes, olhando com ira para Yerin.

Yerin não deixou por menos e retribuiu o olhar.

- Ótimo, engula, então.




E Yewon realmente engoliu uma...duas...três vezes enquanto respirava pela boca. Fungou, passando o papel por baixo dos olhos, apenas para se assegurar de que nada aconteceria. Olhou para Hyemin e franziu as sobrancelhas.

- Você ao menos está se escutando? - Cuspiu as palavras. - Se fosse você no meu lugar, iria gostar de ouvir “Oh, Hyemin-ah! Eu vou falar com o meu oppa para achar um oppa para você”?? Eu não preciso da sua misericórdia, Hyemin...E também não me importo se o Jung-Mi vai ficar irritado, porque quem está irritada sou eu! Ele e essa obesinha vão me pagar pelo que estão fazendo. Minha tolerância acabou!! Talvez eu precise lembrar uma coisa ou duas sobre hierarquia para esses dois.

- É bom saber que você tem um plano para alcançar seus objetivos, mas…. - Yerin umedeceu os lábios lentamente e tocou na mão dela, apertando com força. - Lembre-se que nós somos suas amigas e se você me tirar do sério, o seu futuro será pior do que você está planejando para a Yeun MiSoo.

Yewon encarou a líder e respirou fundo. Tirou a mão por debaixo da mãe de Yerin.

- Você é muito extrema, Yerin-Ah. Um dia, toda essa força vai se voltar contra você, sabia?




- É uma ameaça?




- Não, é uma constatação.

- Oh. Então me diga algo que eu não saiba, Yewon. Diferente de você, eu tenho um cérebro ativo para coisas mais importantes. Acha que eu não sei? É por isso...que eu prefiro ser temida. Vocês acham que já viram tudo? - O sorriso dela deu medo. - Vocês não viram nada.

Levantou-se, ajeitando a saia e foi até as máquinas.

- Vou pegar minha bebida… - Informou mesmo que não precisasse e deu as costas quando as pessoas do 2º ano começaram a entrar no recinto. Precisava se concentrar em alguma coisa que não fosse seu ódio.




Ou a vontade de esganar Jong-In. Sabia que aquela cobra precisava ser atacada no momento certo, mas a verdade é que ela não tinha exata noção de sua reação quando batesse de frente com ela. Os passos dela a levaram até as máquinas, onde Won e Jae-Ki estavam próximos.

Geralmente, ela não olharia para ninguém, mas se lembrava daqueles três rostos. Eram os meninos que a tinham ajudado.




Encarou os três por um instante, reparando no que comiam e como agiam juntos, mas lentamente piscou e olhou para a frente de novo.



[WON-BIN E JAE-KI]


O trio seguiu até a última mesa do refeitório, bem perto do paredão das máquinas - no caso, perto da de frutas que eram as de graça. Como já tinha ouvido as novidades de Won, Kang prestou atenção nas histórias de Jae-Ki. Ao ouvir sobre o sábado dele, o queixo do amigo caiu e olhou para Won - não sabia da decisão do amigo.

- Aigoo, mas esse fim de semana de vocês foi cheio de encontros, hein?!

Não foi por mal! E, em defesa de Kang, Won nem tinha pedido nada. Bom, sua frase também não foi nada específica, até porque Jae-Ki nem sabia da história de Bo-Mi direito. Podia ser qualquer pessoa, não é?

O garoto nem teve tempo de fazer piadas e Jae já falava que não tinha acontecido nada demais. Kang só deu uma risadas e meneou negativamente. Apoiou os cotovelos na mesa e passou a mão pela nuca, avaliando a situação.

- Olha, mesmo antes, quando vocês estavam se odiando, dava para perceber que se curtiam, sabe? Eu acho que ela gosta de você independente do dinheiro, de verdade. Também não entendo porque ela mentiu na enfermaria, mas se você quer dar uma chance para ela, estamos contigo. Na real, a Eun-Bi é a menina que menos falamos, não é Won? - Olhou para o amigo.  -Sempre que falamos com MiSoo ou Bomi, a Eun-Bi tá ausente justamente porque tá contigo. Que irônico, né?

Deu uma risadinha.

- De todo modo, eu acho que ela parece uma garota legal. Por que você não deixa rolar? Tipo...às vezes é você quem se limita colocando essa barreira do “sou pobre”. Ter noção dos seus limites financeiros, é bom, mas não precisa ficar falando disso o tempo todo. Acaba que você que dá mais moral pra isso.




Apesar de não parecer, Kang era um cara observador e inteligente. Era mongol? Sim, bastante, mas em sua mongolice, havia sabedoria.

- Segue o fluxo. É o mesmo que eu digo pro Won.

Mas por que?

Cruzou os braços ouvindo agora a parte dele. Prometeu que guardaria segredo também, mas logo percebeu que estava faltando alguns elementos importantes sobre  o domingo de Won. Ele não ia contar?? A confusão ficou estampada na cara de Kang, do tipo “por que você não tá contando? Você quer me ferrar?! Aishh!!”. Os garotos só parariam com aquilo com a aproximação de Yerin.




Não era como se ela tivesse ido até lá para falar com eles, mas ela os encarou por um instante. Kang ficou mudo e chocado.

Quando ela se afastou um pouco, mudando de máquina, Kang respirou fundo.

- O que essa menina tem? -  Falou baixinho. - Ela é tão linda, mas você olha pra ela e...e...vocês sentiram? Nem sei explicar, ela é muito séria.

Cochichava.

- Enfim, eu também tô animado com os clubes. Não sei se vou dar conta, mas vambora, né? Eu peguei teatro também...Teatro, informática e dança. Quero nem ver a vergonha que vai ser. - Riu de si mesmo.




Nesse meio tempo, o refeitório ia enchendo mais. Os primeiros alunos do 2º e 3º ano entravam, mas nem todos estavam ali ainda. Havia uma certa aglomeração se formando do lado de fora.

Kang logo tratou de esticar o pescoço para ver. Yerin recolheu sua bebida e olhou para trás, por cima do ombro.

[MISOO]

- Ah, eu vou sim! Você não tá dando atenção pra gente! - Eun-Bi respondeu de modo malvadinho, mas era só charme. - Então, Bomi-yah, amor da minha vida, qual que você vai querer?

Bomi chegou a abrir a boca para responder, mas logo elas foram caladas com a mochila da amiga sendo largada no chão e a tenista se jogando para cima delas. As duas deram um gritinho de susto, mas logo sorriram de volta para ela. O abraço em trio funcionou muito bem - até porque elas tinham mais ou menos a mesma altura, sendo Bo-Mi 5 cm mais baixinha que Eun-Bi, apenas. MiSoo recebeu um beijo na testa de Eun-Bi e um abraço mais fofinho de Bomi.

- Awn….O QUE? Interesseira! - Eun-Bi estava começando a achar fofo o comentário de MiSoo até que ouviu a parte do presente.

- Amiga, não fica se martirizando por essas coisas. - Bomi tentou ajudar. - Aconteceu, já passou, sabe? Eu não acho que o meu oppa estava irritado com você, mas sim com a situação. Não fica assim, hm? Depois a gente conversa e tenta se entender.

- É, eu nem sei o que aconteceu, mas não é novidade que a gente dá umas mancadas às vezes. A gente só se mete em confusão. - A bailarina suspirou, tirando a mochila das costas para pegar os presentes.

Bomi ajudava a limpar as lágrimas da outra, mas então parou quando ouviu a pergunta. Eun-Bi foi pega de surpresa com aquela pergunta e ela parou por um instante, sentindo as bochechas corarem um pouco.

- Hm...O Jae-Ki. - Meio que corrigiu o modo que a amiga chamou o menino. - Ahm...Lembra a mensagem que te mandei? Bom, você achou que eu tivesse encontrado o Jungkook no shopping e isso realmente teria sido um sonho, mas não, não foi isso. - Mordeu o lábio internamente. - Quem me ajudou a voltar para casa no sábado foi o Jae-Ki.




- Mwo?!?! Como assim??

- É...Quando eu fui embora do Teatro, eu parei numa loja de conveniências para tentar carregar meu celular e pedir um carro, mas...o cara foi um idiota comigo. Daí, de repente, ele estava lá… - Enquanto falava, Eun-Bi apoiava a mochila nos pés e parecia viajar um pouco. - E...Foi como se voltássemos nas férias quando nos falávamos normalmente e ele não sabia quem eu era. - Deu um sorrisinho. - Eu podia ter voltado rápido para casa, mas eu não quis porque…

Hesitou por um instante porque não sabia como expressar aquilo. Bomi ainda estava acompanhando aquilo, mas estava nítido que a amiga estava apaixonada. Ou algo muito próximo disso!

- Porque eu não queria que a noite acabasse. Num dos momentos mais tensos que já passei, onde eu realmente estava cogitando ir pra casa à pé, ele apareceu e...mudou minha noite. Foi tão bom… - Levou as duas mãos até o rosto e a mochila caiu. - Ai, minha mochila! - Curvou-se e pegou de volta. - Não aconteceu nada, mas só de segurar a mão dele e sair correndo pra pegar o metrô, cair da escada…




- HAAHHA...Esse é o seu conceito de romantismo? Sair correndo feito uma doida pra não perder o metrô e cair de escada??




- Yeeee - Disse toda boba, fechando os olhos e balançando o corpo de um lado para o outro. Bomi não aguentou e riu ainda mais. - Ah, foi legal, poxa! - Encheu as bochechas e cruzou os braços. - Ele é legal...Quando não está brigando. Foi bom...Foi...diferente. Nós até tiramos uma foto…




- Sério? Não tô acreditando!

- Uhum… - Eun-Bi pegou o celular e mostrou a foto que mais tinha gostado. Bomi pegou o celular para ver de perto e ficou com uma carinha chocada. - Enfim! Já que vocês não decidem, eu decidirei por vocês! Bomi dourado, MiSoo rosé, Mia bronze e eu prata!

Foto:


Determinou e pegou quatro bolsinhas da Pandora. Cada um tinha uma caixinha para pulseiras e dentro elas encontrariam uma pulseira da cor que Eun-Bi determinou e 4 pingentes. Todos eram corações.

- Pensei da gente trocar...Assim… - Pegou o próprio e deu um pingente de coração prateado para MiSoo e outro pra Bomi. - E esse é da Mia. Daí vocês me dão um de cada também e, no fim das contas, teremos um pedacinho de cada coração pra sempre com a gente. Foi algo fofo que pensei para a gente carregar porque a gente não tem pulseirinha da amizade. Daí eu vi esse e me apaixonei.



[HYUN-HEE]

Chaeyoung via certa graça no modo como o garoto novo se portava. Apesar dele não parecer se importar com o que achavam dele, ele dava material para que as pessoas se estressassem ou ofendessem - e continuava sem se importar com isso. Quando ele olhou na direção dela, ela sorriu de volta e meneou negativamente. Pelo menos parecia tudo bem até encontrar aquele olhar sério de Hyun.

Arregalou um pouco os olhos e corrigiu a postura, levando as duas mãos para trás e mudando a expressão. Arqueou uma das sobrancelhas, olhando ao redor, disfarçando até encará-lo de novo.




- É o aluno novo. - Respondeu e soltou os braços, suspirando. - Jun Sung-shi. Ele chegou hoje porque uma das meninas desistiu depois da última semana. Parece que ele era o 6º lugar.

Pelo menos foi isso o que a Srta. Yang explicou quando o levou até a turma.

- Como o uniforme é caro, ele ainda não conseguiu comprar, mas...certeza que ele também quis causar. Como você. - Indicou o próprio Hyun. - Mas ele não tem o seu nome, então, as pessoas estão tratando como se ele fosse um alienígena ou coisa assim.

Escondeu os lábios.

- Acho que fui a única a falar com ele. - Ajeitou o cabelo. - Porque eu perguntei se ele queria as matérias da semana passada. Mas foi só isso…

Hyun até podia pensar que Chaeyoung era alguém estranho que gostava dos excluídos. Talvez por isso tenha ido falar com ele sempre. Agora ele tinha um concorrente ou o que? Por que ela tinha que ser tão idiota e falar com todo mundo?

A garota piscou de novo e deu um passo à frente.

- Você quer conversar, Hyun-Hee-shi? - Perguntou com cautela.

Logo ali, o tal do Jun-Sung tinha que lidar com os curiosos que ainda o encaravam. Deram espaço para que ele passasse, mas não tardou para que um dos garotos do 3º ano colocasse um pezinho na frente e o cara tropeçasse.Jun deu um pulinho para a frente e olhou para trás, passando a lingua pelos lábios.

- Esqueceu o pé, hyung? - Olhou para o garoto.

- Não, mas é bom para que você fique ligado. Tá achando que tá aonde? Você não manda por aqui, moleque.

- Hm… - Passou o dedo pelo próprio queixo. - Veremos.

Sorriu bem debochado e deu as costas, encarando o refeitório logo à frente e deixando aquele povo para trás.

[REFEITÓRIO - PARTE 2]
(Dong, Hyemin, Jae-Ki  Won)

Alguns grupos já estavam sabendo da novidade sobre o novo aluno, mas agora todos poderiam testemunhar com os próprios olhos. Depois de tropeçar  - sem cair - ele se recompôs e enfiou as mãos nos bolsos do grande casaco. Caminhava de modo despreocupado até as máquinas.

Os olhares que recebia começariam a incomodar em algum momento - aqueles nojentinhos se sentiam tão superiores. Será que continuariam se sentindo assim depois que ele socasse a cara deles no chão?

De vez em quando lançou um olhares de banda para os outros, mas era o fundão que o atraía: queria comer!

Porém, logo ficou atraído por algo além da comida. Dentre todas as pessoas intragáveis, duas imagens se destacaram: primeiro, a menina que virou a cabeça de modo quase que sincronizado com sua entrada. Tinha cabelos negros, lisos e uma postura difícil de dizer. Quando ela o encarou, ele achou que tivesse entrado num buraco negro ou algo próximo disso. Nunca antes tinha visto olhos tão escuros e intensos como aqueles.




Jun chegou a tombar a cabeça para o lado - um tique nervoso dele, mas que nesse momento, foi impulso mesmo.

A garota o olhou da cabeça aos pés, dos pés à cabeça e fixou os olhos aborrecidos nele. Diferente dos outros, não parecia ter medo ou repulsa. Mas havia a maldita superioridade ali. Teve vontade de rir, mas logo olhou para o lado e…

- ?

Quando percebeu, estava próximo o suficiente da mesa de Jae-Ki, Won-Bin e Kang. Parou ali mesmo, encarando Jae-Ki com uma carinha de confusão, mas pouco a pouco o sorriso debochado surgiu em seus lábios. Deveria usar o seu trunfo agora? Ou depois? Tsc...Para que depois?

- Você…?




Pronto! Tudo o que Won, Kang e Jae-Ki precisavam era de mais visibilidade! Logo quando tudo parecia normal…

- Sabia que tinha algo de estranho em você no sábado.

Kang já estava com os olhos do tamanho da cara. Yerin não estava longe e também prestou atenção. As outras mesas também ficaram travadas. Ha-Neul mostrou para Dong quem era o figura novo - e já esperava os comentários do amigo acerca da aparência dele e como o colégio permitia essas coisas! Já Hayoung e Yewon, tinham parado também e ficavam com uma cara de choque.

Aonde iam parar?!

Alguns celulares também apitavam com uma nova fofoca. Pelo menos os celulares das pessoas com mais contatos e fofocas - curiosamente,  os celulares de So-Na e Stella estavam na lista . Além dela: Hyemin, Yewon, Bomi, Eun-Bi, MiSoo e, obviamente, a realeza do 2º ano.

Quando abrissem, veriam o perfil neutro do colégio, com três fotos e o vídeo de Hyun-Hee com Chaeyoung. Tinha acabado de acontecer, mas ali todos eram bem rápidos quando viam uma fofoca!


“Novo casal WangJo?
Uma rainha foi destronada =p”

[BIBLIOTECA]
(Sunny)

A bibliotecária se surpreendia com o modo que as duas meninas agiam e falavam. Apesar de estar vazia no momento, o lugar já tinha recebido um número considerável de alunos. Ainda que nem todos os alunos fossem leitores assíduos, a parcela que frequentou ali foi bem interessante, demonstrando que existiam jovens inteligentes ali.

Não podia dizer, contudo, que tenham sido sociáveis. A grande maioria nem olhou na cara dela, só entregaram a carteirinha e foram embora com o livro ou pediram mesa. Era como se ela fosse uma das máquinas do refeitório - foi bem desconfortável.

Por isso que ela ficou bastante chocada com essas duas.

Logo entendeu o porquê. Ela forçou um sorriso um pouco mais simpático e contido enquanto ajeitava o óculos.

- Araso...Vocês são do 1º ano, imagino. - Comentou. - Oh, não precisa se incomodar. Eu só...Tive o infortúnio de vir com uma roupa que atrapalhou essa entrega aqui. hahaha...azar, fazer o que? - Brincou e cruzou os braços. - Ah! Muito prazer, senhoritas. Eu sou Shin Go-Eun* - Cumprimentou as duas. - Podem me procurar sempre que quiserem ou precisarem, viu?

Não esqueceria daqueles dois rostinhos.

- Tenho certeza que de nos veremos algumas vezes. A biblioteca sempre é mais interessante do que o refeitório. Bom, pelo menos eu achava no outro prédio.

- E espero que também goste daqui! Eu também sou nova, quer dizer...Mais ou menos. - Ponderou. - Tem menos de seis meses, então…- Deu de ombros. - Mas eu gosto daqui, apesar de tudo. Vocês estão gostando da escola?

- A escola é excelente. Já as pessoas...nem tanto.

Go-Eun levou a mão até os lábios para rir daquele comentário tão sincero. Os ombros dela tremeram um pouco e ela nem teve como discordar. Enquanto elas ficavam ali, a porta se abriu de novo e passos foram ouvidos. Dessa vez, a bibliotecária estava mais atenta e pedia licença e ia ver quem era.

As duas perceberiam que a mulher ficou tensa quando se deparou com aquela pessoa, mas logo pigarreou e caminhou até sua mesinha.

- Bom dia, Sang-Kang-Shi. Chang-Wook-shi. - Disse sem olhar para nenhum dos dois, mantendo o olhar baixo.

- Bom dia, Go-Eun-shi. - Chang-Wook, o professor de Literatura e coreano, parecia mais à vontade para conversar com ela.




- Oi. - Sang Kang, o professor de geografia era um pouco mais sério e fechado, ou seja, tímido. Ele colocou o livro na mesa e empurrou de leve na direção dela.




Chang-Wook acompanhou aquilo com vontade de rir, mas nada disse. Go-Eun ergueu o olhar, fazendo um bico ligeiramente infeliz pela covardia de Sang-Kang. Nem para encará-la, maldito! Mas tudo bem, estava feia mesmo! O professor de literatura pigarreou.

- Então. Aqui está a lista dos livros para o clube de literatura, Go-Eun-shi. Tem como verificar no sistema se temos todos eles? E quantos temos? Pelo que vi, tem cerca de dez alunos no clube.

- Claro, Professor Lee. Posso fazer sim. Já decidiram a sala também?

- Sim, eu acho que vamos ficar com uma sala do 3º andar mesmo. Acho que ficaria um pouco incômodo criar um espaço aqui na biblioteca, apesar de ser interessante. Mas vamos ver como vai ser.

- Certo. Já aviso que não seria nenhum incômodo, caso precise falar com o diretor, eu posso enviar meu parecer também, mas, enfim...fica a seu critério.

- Agradeço pelo interesse.

Enquanto os dois pareciam conversar bem, o professor de história continuava meio bicudo, olhando para outro lado. Stella achou aquela conversa interessante, mas logo o celular dela e de Sunny vibrariam - Stella estava com o dela no bolso. No celular, leria as mensagens de Lee-Hi.


“Oi, meninas! Onde vocês estão? Estamos aqui no refeitório!”


Mas ela também receberia, por meio de terceiros, a fofoca sobre Chaeyoung. Stella segurou o braço de Sunny, mostrando a foto de Chae com Hyun-Hee. Porém, longe de estar feliz, Stella estava preocupada com conta da maldosa legenda.


Fotos:




avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Seo Hyemin em Dom Fev 18, 2018 9:27 pm

Hyemin nem percebeu que estava sendo maldosa com Yewon. Isso porque ela não dava muito crédito ao amor dela por Jung Mi. O amigo nem parecia gostar dela direito. Não fazia ideia da profundidade do sentimento da amiga por ele. Quer dizer, era meio que uma brincadeira de admiração, não era? Quando ela e Yerin começaram a trocar algumas farpas foi que a herdeira percebeu que havia algo de errado. Então Yewon começou a disparar seu discurso contra ela.

- Mian… Yewon-Ah…   - fez um biquinho e abaixou a cabeça, falando bem desanimada, mas sincera.

Parando para pensar, as amigas mesmo não davam crédito para ela e seu noivado. Então seria muito chato se elas fizessem isso com ela. Já pensou? Se quisessem empurrá-la para alguém que não fosse Miwoo-oppa  ou dissessem que ele estava apaixonado pela prima da Misoo?  Sua expressão ficou um pouco triste. Tinha sido bem insensível mesmo, mas não foi por mal. Jung Mi era um amigo antigo muito querido e vê-lo melhor acalmava um pouco.

Agora estava sentindo-se mal, porque Yewon provavelmente faria algo bem malvado para Misoo, e Jung Mi ficaria bravo com ela. Ah, como era difícil ter amigos nos “dois mundos”. Não era mais problema dela. Misoo uma hora ou outra enfrentaria isso. O casal devia saber. De certa forma, ela fez a parte dela, avisando o desejo do rapaz para que não mexessem com a namorada. Olhou Jung Mi e soltou um suspiro. Estava arrependida e sentia que tinha falado besteira.

Não sabia como reparar suas palavras para a amiga. Seria bom se ela tivesse tentado juntar os dois, mas agora já era tarde. Ou não! Quem sabe Jung Mi e Misoo estavam brigados?

Nesse meio tempo, o mal estar na mesa aumentava com a conversa entre Yerin e Yewon. Hyemin só olhou de canto, sentindo-se responsável por isso também. Olhou a amiga levantando e se afastando. Droga! Yerin tinha um problema de verdade para resolver e ela ficava trazendo essas coisinhas…

Bebeu o restante do leite, constrangida demais para olhar Yewon e pensativa sobre toda aquela situação.  Não queria que ninguém ficasse brigando! Primeiro a MiRan, agora a Yewon… era muito chato. Rin estava com os nervos aflorados naquele dia, com razão. Se ao menos as pessoas soubessem os motivos…

De qualquer forma, agora não tinha muito o que fazer. Não era tão íntima de Yewon para tentar impedi-la de fazer algo com Misoo, nem amiga de Misoo o bastante para avisá-la sobre isso. Já sobre Jung Mi… ela nem se atreveria a contar pra ele, a menos que achasse que Misoo estivesse em perigo, então de repente podia deixar vazar uma informação para que ele a salvasse ou algo do tipo. Ah, que complicado!!!!!

Hyemin observava a melhor amiga de longe, cuidando das microexpressões dela, para que aquela gangue não resolvesse se meter com ela. Tinha vivido uma experiência com eles que era o suficiente para não correr atrás da amiga para protegê-la, mas ainda assim queria ficar de olho.

Foi então que apareceu um novo maluco no pedaço.  A menina reparou pelas expressões das amigas e seu queixo quase caiu. O que era aquilo lá? Ela o mediu dos pés à cabeça. O diretor estava louco?????  Por acaso queria transformar a escola no BTS no início de carreira, com aquele estilo extravagante de marginais?

Segurou o celular nervosamente, mas não tinha para quem mandar a mensagem. Ela e a sogra deviam ser amigas o quanto antes porque uma informação dessas não podia ficar presa na escola!! Mesmo assim, fez questão de tirar uma foto do marginal 2.

Assim que terminou, viu que o grupo das fofocas trouxe fotos novas. A menina cobriu a boca.

-  AIGO!

Era o oppa e uma namorada? TADIIIIIIIIIIINHA DA EUNJOOOOO.

Franziu as sobrancelhas. Coitadinha! Deveria estar sofrendo tanto! Isso não era justo. Era o ano oficial dos corações partidos? Nossa, ela com certeza precisaria de um abraço. Torceu muito para que as amigas dela agissem rápido e a impedissem de ver a foto, mas não era exatamente o que aconteceria.

- A família Park é tão complicada… - murmurou e observou Yewon, cautelosamente. A menina podia estar com mais essa fofoca, por envolver outro Park? Achou melhor já comentar. - Ahn… Yewon-ah... Me desculpa falar daquele jeito. Eu vou te apoiar nas suas escolhas. É isso que uma amiga faz, não é? Então… eu espero de verdade que Jung-Mi note você… Eu acho que eles não devem estar tão bem assim já que ele nem foi na ópera… Então… Parece que você ainda tem chances, não se preocupe. Fighting!!!  - fechou o punho, fazendo o gesto para ela.

Em seguida, tratou de espiar se Rin estava bem, com aquele esquisitão por perto. A escola estava virando uma ONG?

avatar
Dorama
Localização :
Terra do Marshmallow

Data de nascimento :
17/03/2002

Mensagens :
196

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Dom Fev 18, 2018 9:56 pm

Hyun Hee poderia muito bem deixar a existência do aluno novo em branco, levando as explicações com pouco interesse até que a menina falou as palavras mágicas “como você”.

A expressão tornou a fechar. Em quê ele era parecido com aquele cara todo espalhafatoso, hm? Aliás, foi por isso que ela foi conversar com ele? Porque era um tipo de atração bizarra interessante para uma menina que estudou a vida inteira em casa?

Sua resposta veio com um mexer de lábios e revirar dos olhos. Suspirou em irritação. Tanto faz se ela tinha compartilhado as matérias, mas aquele jeito tonto dela e todo boazinha… Estava com pena daquele cara ali? Estava com pena dele?

A pergunta dela se ele gostaria de conversar saiu alguns minutos atrasado. Ele estalou a língua. Há poucos momentos ele estava feliz em abraçá-la e ainda sentia o perfume dela, mas agora…

Ela fazia isso porque o via com pena? Porque tinha lido seu diário vergonhoso? Porque alguém lhe contou sobre seu passado?

Não precisava da pena dela.

Mordeu o canto do lábio.

- Não, deixa quieto. - deu de ombros e virou o corpo. A verdade é que ela já tinha feito demais. Poderia ser por pena se ela quisesse chamar assim, mas tinha sido tão bom.

A pior parte era que ele reconhecia que aquele pouquinho tinha sido muito bom. Mas agora precisava encarar a realidade. Tinha causado grandes danos à imagem daquela menina. Deu dois passos para frente, mas já começava a sentir a falta dela. Estalou a língua de novo e parou, olhando de canto.

- Tome cuidado com o que vai fazer agora. A escola inteira deve estar falando de você.

Era um aviso válido.

Ele teve vontade de ficar e cuidar de seus passos, mas não estava com a menor paciência de seguir o rumo do moleque para o refeitório, muito menos rever o irmão, ou botar os olhos em JongIn ou Eunjoo.

- Eu estou no terraço.

Por quê? Por que tinha simplesmente anunciado isso a ela? Achava que ela correria para ele? Por acaso achava que ela se esconderia ali com ele caso notasse os olhares sobre ela? Ou buscaria sua ajuda se fosse atacada por Eunjoo ou algo assim? A verdade é que sair andando assim deixava nela uma escolha mais justa. Ela poderia ir com ele, se quisesse, mas poderia voltar ao refeitório ou procurar suas amigas, sem que houvesse um clima esquisito por causa do abraço. A maldição, no entanto, é que ele sentia que queria continuar a conversar com ela. Só não a forçaria a fazer isso, não depois de tê-la agarrado em público e sabendo das consequências que teriam ao sumirem juntos. Era conflituoso e ao mesmo tempo uma desculpa que ele tinha para tentar afastá-la, com receio que, perto, ela descobrisse ainda mais sobre ele e ele quisesse algo além da pena dela.

avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Convidado em Dom Fev 18, 2018 10:33 pm

A resposta de EunBi gerava um bico enorme em MiSoo.

- Aish! - cruzou os braços e virou o rosto, erguendo o queixo em uma demonstração de desdém, quem tinha abandonado as amigas era EunBi e para ser encontrada ao lado do delinquente!

Por um instante, as palavras de EunBi tinham realmente lhe incomodado. Ser ou não uma brincadeira não importava… Mas… EunBi estava à sua frente agora, por isso acabou relevando essa sensação. O importante era que estavam juntas de novo.

Que sempre podia contar com elas. Pelo menos até onde conseguia revelar para as duas. O resto era… Doloroso demais. Já bastava ela se preocupar com isso. Não queria suas amigas nosso também.

Elas estavam ali agora e podiam ajudar a tenista quando ela fazia besteiras e se arrependia e isso a deixava muito emocionada. Sem pensar duas vezes, MiSoo largou a mochila no chão e pulou para abraçar as duas de modo muito carinhoso e até um pouquinho bruto. MiSoo começou a sorrir com o beijinho na testa de EunBi e o abraço de BoMi. Como era bom receber todo esse carinho… Como era bom vê-las felizes…

Depois de apertar as amigas e dizer o quanto gostava delas e apreciava suas companhias do modo choroso e infantil que MiSoo assumia em várias ocasiões, a garota as soltou, respirou fundo para diminuir um pouco a emoção e começou a enxugar as lágrimas, enquanto ouvia EunBi falar.

- Aish! Não sou interesseira! Okay. Só um pouquinho, mas você nos abandonou no vestiário especialmente pra pegar os presentes, então quero o meu pra compensar! - parou de enxugar o rosto para  inflar bastante as bochechas quase como um sapo e estreitar os olhos.

Voltou o olhar meio marejado para BoMi, enquanto a amiga tentava lhe consolar. A tenista concordou com a cabeça, levando o olhar ao chão. MiSoo já estivesse meio acostumada a ser acusada dos mais diversos tipos de situações, primeiro por MinJi e agora por sua mãe, que quando criava uma situação muito ruim acabava por carregar uma culpa talvez muito maior do que devesse.

- Acha mesmo? - resmungou acerca do oppa de BoMi, erguendo o olhar brevemente, mas o baixando em seguida.

Preferia que nenhum deles ficasse irritado com o que MiSoo tinha causado…

- Araso… Depois. - completou, assim que BoMi terminou de falar.

Agora era a vez de EunBi dar seu parecer. Ela não estava ciente do que tinha acontecido, mesmo assim sua opinião contava muito para a tenista.

- É verdade… - esboçou um sorrisinho, enxugando o rosto mais uma vez e se abaixando para recuperar a mochila que tinha jogado no chão - Somos meio perigosas. - comentou, aumentando um pouco o sorriso, que se desfez ao relembrar que tinha encontrado a amiga com o delinquente agora à pouco e pareciam conversar muito normalmente.

O presente podia esperar um pouco, a pergunta não. MiSoo fez a pergunta sobre JaeKi enquanto BoMi levava as mãos ao rosto dela para ajudar com as lágrimas que recém tinham rolado no rosto da garota.

- Ung (sim). Esse. - respondeu resoluta, cravando um olhar muito sério no rosto de EunBi.


A rispidez de seu olhar começou a se desfazer pouco à pouco enquanto ouvia o relato da melhor amiga. MiSoo deu um suspiro um tanto descontente ao ouvir que o delinquente era quem ela tinha encontrado no metrô… Podia ser qualquer outra pessoa… Era parecia tão feliz na mensagem… TÃO FELIZ!

MiSoo não chegou a dizer nada à princípio. BoMi já se adiantava e questionava o que era dito.

Continuou ouvindo EunBi, mas sua expressão não era boa. Não conseguia disfarçar. Estava um pouco decepcionada. Tinha defendido EunBi no começo das aulas dessa mesma criatura!! Completamente mal educado! Totalmente diferente dos outros dois que andavam com ele. Ainda lembrava que ele tinha ajudado a amiga quando ela caiu do lago, mas não estava só tentando aparecer para a escola, para abafar a humilhação que Taemin tinha lhe feito passar? Como poderia saber? Toda vez que via o garoto ele estava causando algum problema! Tinha lhe comparado à um rato! Foi um rato, não? E, afinal, o que ele estava fazendo não muito longe da ópera? Será que era um stalker?? Por que esse delinquente tinha que vir e tentar roubar a EunBi dela? Por que a EunBi tinha que estar feliz?

MiSoo apertava os lábios com força e sentia o enjoo atacar mais uma vez. Também sentia o peito apertar. Precisava comer. Queria muito se encher de comida, mas… Tinha vergonha de fazer isso com toda essa platéia do refeitório, principalmente as amigas.

Continuou a ouvir as duas amigas conversando entusiasmadas sobre o assunto. Não tinha ânimo para dizer nada sobre. “Romantismo”, BoMi dizia… Era isso? Era mesmo isso? O olhar de MiSoo estava distante. A mente se encarcerava nos próprios pensamentos e ela nem ouvia sobre a foto.Tampouco erguia os olhos para vê-la. Piscou e voltou para a realidade quando a amiga lhe entregou a bolsinha da Pandora. Era o presente, mas MiSoo já tinha perdido totalmente o interesse nele, nem sabia o que EunBi tinha dito sobre o que estava dentro da bolsinha.


Desse vez ouviu o que ela falava sobre trocarem os caraçõezinhos, mas sua expressão desanimada não saia de seu rosto. Foi só quando EunBi terminou de falar sobre o presente, que MiSoo bufou ruidosamente, jogando a franja para cima e deixando os ombros caírem dramaticamente.

- Você vai nos abandonar pelo stalker delinquente… - resmungou, baixando a cabeça e segurando a pulseira com firmeza entre os dedos - É como as pessoas ficam, quando estão apaixonadas… Esquecem do resto do mundo… - era o que boa parte dos filmes e doramas mostravam, os amigos costumavam perder completamente a importância.

Era muito injusto perder a amiga e justamente para aquele elemento.

- E logo esse garoto… Tão mal educado…
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Jae-ki em Seg Fev 19, 2018 12:15 am

Quando Jae-ki andava com o braço ao redor do ombro de Won-Bin e o escutou perguntando se ele tinha dito algo a Misoo, prontamente negou:

- Ani!!! Eu não disse nada!
 - Mas então Won mencionou a palavra namorado e isso tirou Jae do sério - Mwo?! Ya!! Não brinca com essas coisas... Em voz alta...

Won foi esperto em se desvencilhar do seu braço, mas Jae-ki não machucaria alguém ferido e nem um amigo. Só que era um pouco estranho como todos que eram do seu convívio tinham tocado nesse assunto ultimamente. Tava tão na cara o que ele queria? Seu coração batia mais rápido até com essa simples palavra, namorado. Podia mesmo sonhar tão alto assim? Os três dragões foram para as mesas e Jae-ki não conseguiu entender muito da reação de Bo-Mi, já que nem Won nem Kang pareciam não ter entendido também, não insistiu.

Jae-ki aproveitava bastante comendo as frutas gratuitas, quanto mais enchesse o estômago, mais economizaria em casa. Ao mesmo tempo explicou os acontecimentos de sábado aos amigos e acabou compartilhando um pouco de suas preocupações. Enquanto ouvia os amigos, Jae não perdia tempo com a comida. Era até bom que se alimentasse direito, teria um dia cheio, precisava ficar forte e cuidar da saúde. Ficar doente nem pensar.


As repostas de Won chamaram a atenção de Jae-ki, era diferente das últimas opiniões que tinham escutado, o modo como ele falava parecia tornar as coisas mais simples. Era verdade que Eun-Bi não era burra para não notar sua condição financeira, mas a expressão que ela tinha feito quando ele recusou o presente ainda estava forte na sua cabeça. Além disso já tinha passado por muita coisa para saber que nada era simples assim. Entretanto se sentia grato pelo apoio de Won, era bom escutar palavras de esperança quando o resto parecia contra. Mas a preocupação era justamente se Eun-bi gostava dele a ponto de não se importar com o lance de grana. Antes não era uma coisa que ficava pensando, não era muito apegado as garotas que conheceu, mas com a bailarina era diferente, dessa vez ansiava ser realmente correspondido.

- Valeu Won, eu sei que ela não é burra... Mas sei lá cara, saber é uma coisa, entender é outra... E já parece que ninguém me entende, quanto mais uma patricinha mimada...

Quando falou essa última expressão Jae-ki se lembrou de Eun-bi mostrando como era forte com seu "muque" magrinho. Acabou deixando escapar um sorriso involuntário nos lábios quando lembrou. "Uma patricinha briguenta..." Em seguida foi a vez de Kang responder, Jae-ki franziu as sobrancelhas quando o amigo falou sobre Won e ele terem tido encontros, logo imaginou que fosse com a tal garota da loja de Won. Mas se distraiu com as próprias preocupações, entretanto os conselhos de Kang também chamaram sua atenção. Realmente tinha feito bons amigos em Wangjo, porque os dois tentavam o apoiar de alguma forma, nem o zoavam ou coisa do tipo.

Apesar de Kang parecer um magrelo doido, ele ás vezes realmente tinha palavras inspiradoras. Jae-ki o ouviu com um olhar esperançoso, principalmente quando Kang disse que achava que Eun-bi gostava dele. Será que o amigo estava certo? Era a resposta menos indecisa que tinha recebido até agora.


- Chonmal? *(sério)

Acabou sorrindo com o raciocínio de Kang sobre quase não falarem com bailarina porque ela estava ocupada com ele, era como poder voltar a sonhar. Mas a últimas palavras de Kang fizeram ele fazer um bico invocado, não achava que era ele que colocava os limites. Não era ele que lembrava que era pobre, mas os outros o faziam lembrar. Suspirou e rebateu o amigo:

- É difícil não lembrar dessa barreira quando jogam isso na minha cara o tempo todo! Entende Kang? Quando eu consigo não pensar nisso, não demora para vir alguém ou aparecer algo para me lembrar. Não sou eu que coloco a barreira Kang, vocês falam como se fosse fácil... E também tudo nesse colégio me faz lembrar disso, talvez deve ser por isso que é mais fácil fora daqui...

Apesar de rebater o amigo, Jae-ki comeu mais qualquer outra fruta lá e ficou mesmo pensativo com as palavras de Kang enquanto mastigava. Deveria deixar rolar? Deveria seguir o fluxo? Eun-bi gostava dele a ponto de não se importar com suas diferenças? Apesar de Won e Kang fazerem as coisas parecem mais fáceis, Jae tinha muitas cicatrizes para lhe lembrar que não era bem assim, nada era fácil. Porém as palavras dos dragões mudaram algumas coisas na sua mente, o apoio deles o fez decidir sobre algo muito importante para ele, não se acovardaria com Eun-bi. Se tinha uma chance de poder ficar mais perto dela, deveria tentar. Nada era fácil mesmo, então seria melhor encarar como das outras vezes, uma dificuldade a mais ou outra, não o faria recuar. Pelo menos seria uma dificuldade por algo que estimava muito.


Sabia o quanto sentia por ela, o quanto ela era importante para ele, percebia o quanto ficava vulnerável perto dela, o quanto poderia se machucar, o quanto isso o poderia deixar louco. Jae odiava perder o controle das coisas, porém sabia que era tarde demais, já estava totalmente na dela, sorria só de ver ela, tava na cara que queria ficar com ela! E além disso, odiava ainda mais a ideia de perdê-la e de ficar longe dela, do que de acabar sendo humilhado. Não sabia onde isso iria dar, mas precisava descobrir, mesmo que no fim seus sonhos fossem quebrados. Se antes não tinha certeza, agora já havia se decidido. Havia tentado esquecê-la e falhou completamente, então dessa vez faria diferente, estava disposto a se jogar. Era assim quando brigava na rua, não pensava nos ferimentos. De qualquer forma se o derrubassem, Jae-ki sabia que levantaria da queda, ao menos acreditava que sim, já era forte.   

Ele também era teimoso, quando colocava uma coisa na cabeça não desistia tão facilmente. E tinha sido Won e Kang que o fizeram ficar determinado, desvendaria ao menos os misterios sobre ela.As palavras de sua irmã, ainda que simples, também contribuíam para sua força de vontade. Jae-ki virou para os amigos depois de um tempo quieto mastigando e respondeu com um olhar determinado:

-  Quer saber? Vocês tão certos! Eu já tô ferrado mesmo, eu quero ver onde vou chegar. Não sou um covarde. E você tem razão também Won, um dia eu vou ter grana, nós três vamos. Ninguém vai nos expulsar daqui e não vamos ter medo deles.

Depois de falar Jae-ki sentiu o olhar de Yerin sobre eles, a garota realmente tinha algo estranho, só não sabia o que era. Kang até comentou sobre ela, Jae franziu as sobrancelhas e respondeu meio desinteressado:

- É só mais uma patricinha esnobe...

Eles então falaram sobre outras coisas, como dojo de Won e sobre os clubes. Jae-ki riu do comentário de Won sobre o rolo compressor e também ouviu os receios de Kang.

- Te entendo Won, se gosta do Dojo, sei que vai achar uma forma de desenrolar essa parada.  Mas pode contar comigo, eu te ajudo no que eu puder! E não acho que não tem como eles passarem o rolo compressor em você... Mas caras somos os três dragões e não somos mais retardados, fechou? E quer saber, se eles rirem da gente, eu vou... Tá eu queria bater neles, mas já que não pode, eu vou imaginar que tô batendo neles, só espero que dê certo... Eu vi que tenho tempo vago antes do clube da dança, vou aproveitar para estudar ou fazer deveres. Se algum de vocês tiverem livres também, a gente pode estudar junto.  

Jae-ki não estava muito certo da sua nova estratégia, mas pensaria nisso melhor depois. Estava animado e se sentia pronto para lutar com esse apoio dos amigos, só não imaginava o que viria a seguir. Assim que viu o rosto de Kai quase se entalou com a fruta que tava comendo. Chegou a dar umas tossidas. Sentiu um frio na espinha e não conseguia entender o que esse cara fazia ali!

O susto não era porque tinha medo de Kai, mas sim por ver alguém da gangue ali! Sabia quantas complicações poderiam surgir se alguém descobrisse, poderia perder até sua bolsa! Não era possível que ele estivesse logo em Wangjo, logo o saekki da outra gangue. Jae-ki se levantou atônito e o encarou confuso, percebeu que Kai nem usava uniforme. Será que tinham armado pra ele? Será que era coisa do JiHoo para se vingar? " Ani, calma, não fica louco... É só uma merda de coincidência, só pode ser um aluno... E ele não quer ser expulso também.. Eu espero que não..." Jae-ki torcia para que tivesse um pouco de juízo na cabeça desse cara.

- Mwo?.. Ya, estranho? Eu sou bolsista... - Disse como se tivesse se defendendo, era estranho como não queria parecer fazer parte do grupo de alunos ricos de Wangjo, um tipo de orgulho de não ser mauricinho - E você, o que tá fazendo aqui? É aluno?

Em seguida Jae-ki o encarou sério e preocupado, tentava analisar o que estava acontecendo.


avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
253

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Kim Sun-Hee em Seg Fev 19, 2018 12:20 pm

Confirmou a informação com um rápido aceno da cabeça e ainda sustentava o sorriso. Como ela voltou a repetir que não precisava de ajuda, decidiu que era melhor não insistir mais ou acabaria se passando por chata. Enfim – Obrigada, Srta. Shin! Com certeza iremos procurá-la! Até porque, conhecer cada detalhe dessa biblioteca enorme vai demorar muito! – olhou ao redor, cheia de uma sincera e tocante animação diante do lugar imenso. Juntou as mãos frente ao corpo e a expressão boba mantinha-se firme na carinha fofa de Sunny. Logo, Stella dava seu parecer e Sun-Hee precisou concordar com a amiga por meio de acenos.

Principalmente em relação às pessoas.

- Bem... Tenho a mesma opinião – disse depois que Go-Eun parou de rir tão espontânea por causa do comentário verdadeiro de Stella – A maioria dos alunos daqui são um tanto que... – parecia refletir, pensando numa definição mais adequada e menos agressiva, como acontecia com frequência – Territorialistas.

Para não falar outra coisa...

Elas continuaram conversando por um tempinho até que foram interrompidas. Quando a Srta. Shin pediu licença para atender os recém-chegados, Sunny moveu o queixo de modo positivo e se colocou ao lado de Stella, tendo uma visão mais abrangente dos visitantes e surpreendeu-se ao notar que reconhecia um dos jovens homens. Quer dizer... Stella também, provavelmente, mas o motivo da bolsista era outro. Aquele era o oppa que estava com Jung-Mi lá no seu serviço. Na ocasião, ela prestou atenção na conversa deles e pescou algumas frases soltas e fortes.

Por estar olhando na direção do trio, percebeu a maneira que a bibliotecária ficou com a chegada dos dois e imaginou que tivesse acontecido algo antes para aquele tipo de reação, embora a mulher tenha se esforçado para disfarçar a própria tensão. Era curioso... e Sunny, junto de Stella, bisbilhotou só um pouquinho. Então, eles começaram a falar sobre o Clube de Literatura e, automaticamente, Sunny cutucou a amiga. Dez alunos? Legal! Não era um grupo gigantesco, o que, de certo, faria o tempo render mais, né? Queria dar uma olhadinha muito pequena na lista que o professor Lee passou, mas seria uma vantagem desleal com outros membros. Sunny suspirou e o olhar recaiu no bico proeminente do professor de História. Ele parecia zangado, mas não tinha como afirmar nada, pois ele carregava essa aparência mais retraída, até na hora das aulas.

Tirando-as dali, os celulares das meninas vibraram no mesmo momento. Até pensou na possibilidade de ser uma resposta malcriada de Kim, mas era o grupo delas. Quando Sunny ia citar a mensagem de Lee-Hi, Stella segurou seu braço de um jeito preocupado.

- O que houve, Stella? Está tudo... – dizia antes de olhar a foto. Ela arregalou os olhos enquanto pegava o aparelho de Eun – É... É a Chae! E o irmão do Jung-Mi! – constatava o óbvio – Eun! Quem te mandou isso?

O coração se apertou ao ler a legenda.

Uma Rainha destronada...

A garota doida que atacou Chae!

Espera...

Sunny precisou de um momento para encaixar tudo.

Chae gostava do Hyun?

Ahá!!!

Toda aquela implicância e marra... GOSTAVA SIM! CLARO QUE GOSTAVA!

Afinal, por qual outro motivo ela abraçou o Hyun no meio de todo o colégio? Eles assumiram?!?!?! POXA!

- Caramba! Meu Deus!!!

Mas preferiu não concluir nada precipitadamente. Ouviria a versão de Chaeyoung.

Encarou Stella, ponderando... – Se chegou para você, imagino que a escola inteira já deve saber também. Acho melhor procurarmos as meninas... Deixa eu mandar uma mensagem para Lee Hi e perguntar se a Chae está no refeitório...

“Oiiiii! Eu e a Stella tivemos que dar um pulinho na biblioteca.
Você, a Chae e Hye-Won estão no refeitório?”

Continuou digitando.

“Stella recebeu uma foto da Chae abraçada ao Hyun e a legenda é bastante tendenciosa.”

- Pronto. Vamos?

Aproveitaria para se despedir da Srta. Shin, além de afirmar que retornariam em breve.


avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
175

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Seg Fev 19, 2018 8:02 pm

[HYUN-HEE]

A pergunta pode ter chegado alguns minutos atrasados, mas nem por isso deixava de ser sincera. Chaeyoung o acompanhava com o olhar, percebendo que havia uma certa mudança no comportamento dele. Dessa vez, ela percebeu o instante exato em que ele tinha mudado: foi a chegada de Jun-Sung e a reação dela, por ter simpatizado com o marginalizado bolsista.

Contudo, ela não tinha levado com malícia o seu comportamento. Até porque não esperava uma reação daquelas de Hyun. Mesmo assim, ela tentava manter a calma e ser compreensiva - sem saber exatamente com o que.

- Não? - Sorveu o lábio internamente, formando um biquinho e levando as mãos para trás, entrelaçando os dedos.

Ficou olhando para as costas dele e a postura que ele apresentava para andar. Naquele momento, ela não pensava mais nas consequências do abraço - na verdade, só se preocupou depois da euforia inicial, mas o pensamento nublado já tinha partido. - Ela só observava como ele estava pronto para ir embora e como aquilo pesava.

Não queria que ele fosse. Pelo menos, não sozinho.

Hyun-Hee parecia visivelmente melhor, mas mesmo assim...Conhecendo a peça, sabia que era uma questão de instantes até que ficasse mal de novo.


Quando ele olhou para trás, veria que Chaeyoung continuava parada, mas com os braços na frente, fazendo um biquinho, mas com o olhar distante, meio que voltado para o chão após observar as costas dele. Precisou piscar uma vez antes de subir o olhar novamente. Franziu as sobrancelhas diante do aviso e olhou para trás, por impulso.

Ainda havia algumas pessoas por ali, principalmente as meninas do 2º ano, que cochichavam e riam depois que a foto viralizou. Sentia que não tinha porque temer essa gente, ainda que não gostasse de deixar sua vida pública.

- Ne… - Murmurou antes de voltar a encará-lo.

Dessa vez, trouxe os braços para a frente e segurou o cotovelo esquerdo com a mão direita. Hyun dizia para onde iria, mesmo que não tivesse convidado para que ela fosse junto. Ficou parada vendo que ele estava cada vez mais distante, mas também entrou num conflito interno.

Veja bem, ela não tinha medo daquelas pessoas - ela era capaz de morder, se fosse necessário. Mas também não queria voltar para lá agora! Por que? Porque preferia ficar com ele - e nesse instante levou as mãos até as bochechas, sentindo uma quentura na região.


Sério, Chaeyoung? Você prefere ficar com ele?


É, é sério.


Mas ele não tinha convidado para ir junto! Mas disse para onde iria! Mas não disse que era pra ela ir! Mas também não disse que não.

Bateu os pés no mesmo lugar, dando um mini chilique enquanto a cabeça continuava com aquelas teorias loucas. Ao abrir os olhos de novo, viu que ele já tinha sumido do corredor e, bom, atrás de si não tinha nada de interessante também.

O que ela tinha prometido a si mesma? Ah é, que sempre faria o que os instintos mandassem.

[...]

Não era a primeira vez que Hyun parava no terraço do colégio, mas ele conhecia a vista do outro prédio. A desse era algo novo, mais bonito, até. O terraço era espaçoso, numa das torres do “castelinho” que o colégio lembrava. O dia estava agradável e dali ele podia ter uma visão completa dos mini-complexos daquela quadra, além de vislumbres dos outros prédios.

Sua paz não durou muito tempo, nem deu tempo de pensar muito porque as portas se abriram uma segunda vez.

Chaeyoung chegou ali um pouco afrontada porque tinha corrido um pouco depois de perdê-lo de visto. Ao invés de encará-lo e dizer algo bonito, ela se apoiou na porta, levando a mão até o peito antes de curvar o corpo para a frente e levar as mãos até os joelhos. Aparentemente, não tinha o melhor físico de todos e correu um pouco.

Apontou na direção dele, de modo inquisidor, mas logo fez um “espere” com a mão antes de apontar de novo.

- Deveria….- Respirou fundo. - Deveria ser um crime existir um coreano tão alto e com pernas tão longas. - Apontou as pernas dele e ergueu o corpo, respirando fundo algumas vezes. - Como é que pode? Eu fechei os olhos por 5 segundos e...Você é muito rápido.


[MISOO]

Aparentemente, Eun-Bi estava sem sorte com presentes naquele dia. Logo quando achava que as amigas, principalmente MiSoo, iam gostar da pulseira, a bailarina tomou o segundo golpe no dia. Pelo menos Bomi parecia feliz com o dela.

Na verdade, as duas se empolgaram tanto com a história - uma contando e a outra ouvindo - que nem repararam na expressão emburrada de MiSoo. Não era bem um segredo que a tenista não ia com a cara de Jae-Ki, mas por um instante, Eun-Bi pensou que ela fosse gostar de ouvir que as coisas estavam resolvidas. Seria menos uma pessoa para brigarem e, quem sabe, serem amigas.

Porém, lá estava MiSoo fazendo aqueles comentários que soaram como maldosos para Eun-Bi.


- Ele não é um stalker nem delinquente…Wae geurae? (por que está agindo assim?)- Respondeu no automático, fazendo um bico e franzindo as sobrancelhas. - Quer dizer, ele arranja confusão sim, mas até aí...a gente também arranja muita confusão. Somos delinquentes por isso?


Cruzou os braços, apoiando o corpo numa das pernas.

- E a gente se encontrou sem querer. A gente não esperava mesmo… - Manteve o biquinho. - Por que você está falando assim, MiSoo-yah? Eu nunca vou esquecer de vocês, poxa…

Olhou para Bomi e para a melhor amiga com uma carinha de choro.

- Nossa amizade é mais forte, é para sempre. Mas...não é mentira que eu gosto dele. Eu gosto dele desde as férias…-Murmurou a última parte, abaixando a cabeça, voltando o olhar para a pulseirinha prateada dela, mexendo nos pingentes. - Também fiquei muito irritada com a briga que tivemos, principalmente porque eu demorei a responder. Eu estava chocada demais, mas...Agora que tudo parece bem, eu queria...eu queria tentar manter assim.

Aumentou o beicinho dela.

- Ele não é mal educado.

- Eun-Bi….

- Tá, um pouquinho…Mas...A gente não manda nessas coisas. - Suspirou, deixando os ombros caírem um pouco. - Um dia vocês vão entender isso. Quando gostar de alguém e ficar sem jeito de falar com a pessoa. As pernas não obedecem, o ar falta, você sente uma euforia e um desespero doido...Mas daí...de repente...Tudo parece certo, sabe? E as horas voam e você fica triste porque acabou. E depois fica pensando quando vai ver essa pessoa de novo…


Bomi fazia uma carinha pensativa enquanto ouvia os sintomas que Eun-Bi descrevia. Estava se sentindo meio assim, ansiosa e nervosa demais para quando visse Won-Bin de novo. Porém, infelizmente, não o encontrou num bom momento. Queria ter ficado mais para conversar com ele ou simplesmente passarem o intervalo juntos, em silêncio, tanto faz. Mas, assim como Eun-Bi, também colocava as amizades na frente dessas coisas estranhas que andavam sentindo.


E preferiu ir atrás de MiSoo e ver como ela estava do que ficar por lá. Agora não sabia se ele tinha interpretado bem o que aconteceu ou como puxaria assunto de novo. Tombou a cabeça para o lado e pegou o celular no bolso.


Enquanto isso, Eun-Bi apoiava as mãos nos ombros de MiSoo.

- Soosoo-yah, você é uma das pessoas mais importantes da minha vida. Eu não vou te abandonar ou te esquecer, mas...Eu acho mesmo que estou gostando dele. - Abaixou a cabeça, como se pedisse desculpas. - Por favor, eu fico...1 semana, não, 1 mês...3 meses!! Sem te pedir nada, nem cola na prova! - Deu uma risada nervosa. - Mas por favor, tenta falar com ele e tirar essa impressão ruim. Ele é legal…Por favor, por favor…

A bailarina foi dando uns pulinhos para a frente. Juntou as mãos, como se implorasse e fez um biquinho pidão.

- Ahssa!! - Bomi arregalou os olhos, vendo algo incrível no celular. - Olha aqui, olha aqui. - Mostrou o celular para as duas. - Vocês já receberam? Tá vendo por que você não tem que ficar aborrecida ou chateada? Park Hyun-Hee tem uma na-mo-ra-da! - Sacudiu o celular de um lado para o outro. - Mas quem é ela mesmo? De costas eu não reconheço…

- Deixa ver, deixa ver… - Eun-Bi quis ver.


- Olha o seu celular!! - Bomi tentou ficar olhando. - Quem é assim no 2º ou 3º ano? Hmmm...Não me é estranha…

Bomi começava a passar o anuário na mente, sem se dar conta que foi a menina que pediu desculpas ao seu irmão por conta do broche. Na foto em questão, Hyun aparece abraçando muito carinhosamente uma menina com um penteado um pouco infantil. A legenda também era um tanto quanto maldosa. Porque colocava Eun-Joo para baixo, como se ela só fosse considerada uma rainha porque, um dia, foi a namorada de Hyun.

[SUNNY]

A biblioteca tinha dado todo um ânimo diferente para Sunny. Quando chegou ali, ela parecia triste e insegura, mas bastou ficar um pouco naquele ambiente familiar para que a garota tivesse suas energias revitalizadas. Conhecer a Srta. Shin também pareceu algo bom, afinal, ela faria amizade com alguém que poderia ajudá-la a percorrer por aquele mundo de livros, cortando os caminhos certos.

Também chegou a testemunhar uma interação entre a mesma bibliotecária e dois professores bastante comentados. Não tinha uma aluna naquele colégio que não tivesse falava alguma coisa sobre o professor Lee - com exceção de Hyemin que encontrou críticas, as outras geralmente davam um suspiro. Até mesmo Yerin parece ter gostado dele.

Além de bonito, ele era competente!

Quanto ao professor de História, ele não era dos melhores, porém, estava longe de ser ruim. A questão é que professores como os de biologia, quimica, literatura e até mesmo o de matemática, conseguiam se destacar mais - fosse pelo método ou pelo temperamento difícil. Mas o professor de História também era legal, apesar de mais sério. Dava para perceber que ele e a Srta. Shin tinham uma certa rusga e que a ida do professor Lee foi mais para que uma zona neutra fosse criada.

Stella observou aquilo com certa curiosidade até que recebeu aquela mensagem. Longe de ficar super feliz, ela se preocupou com o que viu e mostrou para Sunny.

- É! É a unnie com o Park Hyun-Hee. - Comentou também arregalando um pouco os olhos. - Foi um perfil fake do colégio, ele pega nossos números e manda as fofocas. - Corou. - Não bloqueei porque as vezes sei qual caminho evitar, sabe? Mas admito que já estive aqui algumas vezes.


Suspirou, meio desanimada. Sunny logo concluiria que foi por aquele perfil que os vídeos se espalharam feito fogo num chão de palha.

- Eu achei a legenda bem maldosa também. A Chae vai virar um alvo da ex dele… - Comentou por alto. - Eu acho, né? Você lembra quando elas brigaram por conta de um broche? Eu acho que o ódio já começou ali, mas eu não sabia que ela realmente gostava do Hyun-Hee…


Fechou a tela.

- Mas pode ser só um abraço de amigos, né? Você e Kim já se abraçaram assim e...bom, são amigos, não?

Seria como tomar um susto e sentir o peito disparando. Imagina se alguém tivesse tirado uma foto do abraço entre ela e Kim e espalhado também. Por sorte, eles só foram notícias por conta das ovadas, não por serem influentes. Mas se rolasse uma foto deles dois pelo colégio, as fofocas não teriam fim. Dava para imaginar o que aconteceria com Chae agora.

- Vamos descer? - Stella perguntou um pouco surpresa. - Falei para o Dong-shi que íamos resolver uma questão de química, então, se aparecermos lá, vamos pensar numa desculpa melhor, hm?

Coçou a nuca, achando que sua história ganharia um furo. Mal sabiam que eles já tinham escutado, sem querer, a fofoca acerca do vestiário.

Lee-Hi logo respondeu.

“Só Hye-Won, eu e os meninos que estão numa mesa ali. A Chae...bom =x você já viu, né? D: Huhuhuh...Ela saiu com o Hyun-Hee, eu não a vi mais i.i’’ Isso vai dar um bafão, miga....Vamos precisar contratar seguranças, o que acha?”

“Tendenciosa?? É porque você não viu pessoalmente O.o sim, Hye-Won e eu vimos pessoalmente. Miga, parecia uma cena de dorama! Foi...uma graça >3< Ele foi tão bonitinho e ela CORRESPONDEU!! Entendi nada, mas aprovei, são fofos juntos. Já imaginou se ele senta com a gente? D:”


Lee-Hi não estava se aguentando. Foram tantas “emoções” naqueles poucos minutos de intervalo que ela não estava sabendo lidar. Era uma animação doida de colegial! Stella logo topou em descer com Sunny e deixaria que ela pensasse na história que contaria para os meninos.





> Karol, se turnar, considera que parou um pouco antes do refeitório, ok? Quero um turno do Dong, antes.
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Seg Fev 19, 2018 10:04 pm

 

Hyun tinha uma das pernas dobradas e a outra esticada, sentado no chão de qualquer jeito. Quando a menina apareceu, ele olhou para o lado e um minúsculo sorriso confiante surgiu em seu rosto. Como um solitário não estava gostando de ficar sozinho?

Ele a analisou um pouco confuso. Tinha corrido até lá? Um lancezinho de escadas tinha feito isso com ela? Era mesmo muito mais necessitada de uma proteção do que podia imaginar. Riu abafado. Ela certamente não queria ser discreta correndo como uma desenfreada até o terraço.

Ergueu uma sobrancelha, olhando-a apontar daquele jeito afrontoso e desrespeitoso para ele. Hyun encostou a cabeça na parede e soltou uma gargalhada, sentindo-se “O” coreano super alto.


- Komayo (obrigado). Vejo que planejei bem minha troca de clube  - virou o rosto, com um sorriso satisfeito observando a paisagem e arrastou um pouco o corpo para o lado. -  Venha aqui. -  bateu a mão no chão, ao lado dele e esperou que se aproximasse.

- Parece que o processo de virar uma delinquente está quase completo, agora que escolheu vir ao telhado com Park Hyun Hee… - virou a cabeça para ela, encostando no braço apoiado no joelho. Pensou no aluno novo, mas por que provocá-la com o nome de outro cara? Não queria demonstrar assim que tinha ficado tão incomodado. Uma coisa era alguém importante e perigoso como JongIn, a outra era esse fulano. Ele se garantia.

Hyun Hee a observou um pouco, descaradamente. Porque ela teve a coragem de ir até ele, de saber que todos os olhares estavam sobre ela mesmo assim o seguiu. Isso o deixava feliz, com um sorriso tranquilo e um pouco orgulhoso. Talvez fosse um pouco desconcertante ser olhada daquela forma analítica, aprovada por algo misterioso. Estava satisfeito e orgulhoso por isso, feliz por alguém escolher ficar perto dele.  

- Por que você é assim?

Tão boba, tão encantadora, com um coração bom. A vida não a tinha estragado direito? O papai Park tinha feito um bom serviço em protegê-la dos males do mundo, mas sem que se tornasse uma fedelha deslumbrada. Deu um sorriso para a resposta silenciosa de sua mente e tornou a observar o terraço.

A linha de raciocínio que tinha começado antes de ela chegar continuava agora. Pensou que seria interessante dividir com ela. Talvez não entendesse nada, mas quis soltar o comentário, testando-a como uma companheira de terraço.

- Este lugar é o meu favorito da escola. Quer saber por quê? É um limiar de escolha. - colocou o dedo no chão e apontou para a beirada.

O que o impedia de simplesmente pular do terraço? A escolha de ficar do outro lado.
Fez uma pausa.
Hoje tinha escolhido ficar do lado seguro.

- Você poderia estar entre as garotas mais influentes do colégio e, no entanto, aceitou ajudar um psicopata de quem você leu uma ficha médica. O que é isso? Você quer ser médica e está treinando para a faculdade? Deixa eu te contar uma coisa… psiquiatras não são bonzinhos como você. - sorriu. - Ou será que você apenas acha que os doentes mentais têm um charme especial? - fez graça, botando as mãos nas bochechas, fazendo-se de enfermo. Ele não usou aquele termo por acaso. Era como estava se achando desde a conversa com seu psiquiatra.


- Isso faria de você muito estranha. E eu teria que repensar minha opinião a respeito de seu fetiche.

avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por The Crown RPG em Seg Fev 19, 2018 11:01 pm

[HYUN-HEE]

A risada dele fez com que ela acabasse dando uma meia risada também antes de se erguer de novo, recuperando o fôlego. Chaeyoung não tinha vergonha nenhuma de sair correndo por aí, até porque, bastava olhar para ela para perceber que não era uma pessoa muito discreta - ou que se preocupasse com isso.

Não entendeu o que ele quis dizer com o clube, porque nem sabia quais ele estava indo.

- Ah é? Qual você escolheu? - Perguntou só porque ele tocou nesse assunto. Olhou para o lugar indicado e começou a se aproximar.

Parou e logo dobrou as pernas, sentando-se meio que largando o corpo. A saia se espalhou, mas ela, assim como todas as meninas, usava um short por baixo. Ficou sentada sobre as próprias pernas e manteria a pose até que o coturno começasse a incomodar. Dava para perceber que ela estava mais à vontade do que na noite da Ópera. Ela sabia se portar como uma dama, mas parecia gostar mais de se soltar e se livrar daquelas amarras que a etiqueta social costumava impor.

- Você se acha um delinquente? - Olhou para ele por um instante. - Pois está um delinquente muito certinho, até pintou o cabelo num tom discreto de novo. - Deu um meio sorriso.




Como ela o estava encarando, ela não desviou o olhar. Não costumava ter vergonha de encarar as pessoas, por isso sustentou o olhar. O meio sorriso dela foi diminuindo, não por estar incomodada, mas porque queria entender o que se passava naquela cabeça tão confusa. Deixou os lábios em repouso, mas acabavam formando um biquinho analítico. Sentiu que o maxilar repuxou diante do sorriso tranquilo e orgulhoso que ele exibiu - mas conseguiu conter o próprio.

- Assim como?

Respondeu automaticamente com outra pergunta, mas deixaria para dizer algo mais elaborado depois. Foi ficando um pouco mais séria quando percebeu o teor do assunto. Olhou na direção que Hyun apontava e sentiu que fez o certo em segui-lo. Ele não parecia muito bem antes, ainda que tenha ficado com uma expressão melhor depois do tal abraço. Mesmo assim, esse terraço que representava o limite de escolhas podia ser um perigo para ele.




Puxou o ar com forças e ajeitou as costas, colando bem na parede e mantendo a cabeça erguida. Tombou um pouco a cabeça para o lado oposto do dele.

- É, eu podia ser tantas coisas, não é? Você também, até onde eu percebi, mas é assim mesmo...O que podemos ser e o que somos é definido pelas escolhas que fazemos ou as decisões que tomamos no impulso.

Ajeitou o anel em seu dedo.

- Eu acho fofo, até certo ponto, como acha que é o único doente aqui. - Olhou para ele. - Do modo como vejo, todas as pessoas desse colégio são doente, de um jeito ou de outro. Só que você está no time que deixa isso claro e se expõe aos julgamentos. Os outros se acovardam ou se envergonham…

Escondeu os lábios por um instante, ponderando.

- Eu não sei porque sou assim, Hyun-Hee. - Puxou as pernas para a frente, deixando bem esticadas e apoiou o pulso nas coxas. - Acho que...Foi o modo como nos conhecemos, naquele dia que trocamos a mala, sabe? Não pensei que fosse te ver de novo, mas bem, você cumpriu com sua palavra naquele dia e devolveu minha maquiagem e minhas perucas

Deu de ombros.

- E olha que você também gostava de mexer no cabelo! Então, achei honesto. - Deu uma risada boba, mas mexeu as mãos, para que ele esquecesse a bobeira que tinha dito. - Eu vejo você…




Recomeçou o discurso um pouco mais séria.

- E eu escuto...algo. Pode parecer estranho, mas é como se você...estivesse constantemente gritando por alguém e acha que ninguém escuta. Bom, alguém escuta, sabe? - Olhou para ele de novo. -  Eu sei que sou estranha, mas eu acho bom que você saiba que...seria uma grande perda para o mundo, se um dia você decidisse escolher o lado de lá do terraço.

Indicou.

- Eu sentiria sua falta. Falta das implicâncias, entende?




Última edição por The Crown RPG em Seg Fev 19, 2018 11:20 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1244

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Won-Bin em Seg Fev 19, 2018 11:07 pm

- Ani!!! Eu não disse nada!  - Mas então Won mencionou a palavra namorado e isso tirou Jae do sério - Mwo?! Ya!! Não brinca com essas coisas... Em voz alta...

Era uma reação um tanto engraçada, Won escapou a tempo de não levar uma resposta mais violenta do amigo.


- Valeu Won, eu sei que ela não é burra... Mas sei lá cara, saber é uma coisa, entender é outra... E já parece que ninguém me entende, quanto mais uma patricinha mimada...

-Aish, você subestima um pouco as pessoas. Mas eu acho que sim, ela entende - queria dizer que ele subestimava mais especificamente Kang e Won: os amigos podiam entender ele, mas Jae-ki ainda tinha uma mentalidade de “ele versus o mundo”.
Ia levar algum tempo pra que ele aceitasse seus sentimentos provavelmente.

Disfarçou quando Kang falou sobre encontros, dando uma tossida breve. Não queria falar sobre a Bo-Mi e toda aquela situação do domingo mas Kang quase deixava escapar.

Quando Kang disse que achava que ela gostava de Jae-ki, Won assentiu com a cabeça concordando.

-  Quer saber? Vocês tão certos! Eu já tô ferrado mesmo, eu quero ver onde vou chegar. Não sou um covarde. E você tem razão também Won, um dia eu vou ter grana, nós três vamos. Ninguém vai nos expulsar daqui e não vamos ter medo deles.

”Pera, ele concordou com a gente!?”


Aquilo era um tanto chocante, mas muito positivo. Won sorriu em apoio ao amigo.

-Falou tudo Jae-ki. Agora eu senti firmeza - comentou fechando o punho direito pra fazer um bro-fist. Era um tanto inspirador ver Jae-ki querendo encarar a situação de frente e era bom pensar positivo. Muito melhor quando o fazia em grupo.

-Isso, segue o fluxo. E o fluxo já está ficando melhor, não? - olhou para Kang que tinha notado sua decisão de não contar sobre o domingo. Depois tentaria explicar, mas agora apenas ia disfarçar.

Então aquela garota, a tal rainha do gelo, olhou para eles por alguns segundos.
Se fosse outra garota talvez não teria dado tanta atenção. Se fosse Bo-Mi o encarando provavelmente teria outro mini-infarto. Mas agora era um tanto diferente...sua curiosidade falava mais alto que o medo que podia sentir.

Pra falar a verdade não sentia medo de Yerin.

Antes que ela virasse o olhar deu um quase-sorriso, não como um desafio mas apenas como uma expressão simpática.  Logo ela estaria fora do campo de visão deles e Kang sussurraria seu medo.
Jae-ki já achava ela mais uma patricinha esnobe.

-Hmmm, será que ela tem um motivo pra ser séria? - sussurrou para Kang e Jae. Ainda achava a Rainha do Gelo, mesmo cruel no vídeo e séria diante da sala, um mistério. Se as pessoas não são preto e branco, ela está mais próxima do que? Não parecia alguém necessariamente malvada que tacava coisas em alunas indefesas e ameaçava como Taemin, mas definitivamente não era simpática ou boazinha como o grupo de Bo-Mi por exemplo. Deixou aquele mistério para pensar depois.

Achou divertido o comentário de Jae-ki sobre os clubes e não poder bater, apenas imaginar bater.

”Já é um começo”

-Pode deixar dragões, nada de sermos retardados. Dancem pra valer que eu vou tentar ser o melhor ator possível - sentia um ânimo a mais para os clubes. Era como uma nova aventura que encarava com os amigos, mesmo não estando necessariamente nos mesmos clubes. Se perdia um pouco imaginando como seria...

Nem notou o garoto que todo mundo olhava até o momento que ele se aproximou e falou com Jae-ki.

”Aish, ué, de repente tá todo mundo olhando pra cá”

E o cara parecia conhecido de Jae-ki e ter visto ele sábado. Achava curioso, ouviu com atenção.

- Mwo?.. Ya, estranho? Eu sou bolsista... - Disse como se tivesse se defendendo, era estranho como não queria parecer fazer parte do grupo de alunos ricos de Wangjo, um tipo de orgulho de não ser mauricinho - E você, o que tá fazendo aqui? É aluno?

Era um conhecido mas não era um amigo. Jae-ki ficou sério e a tensão no ar começava a se formar.

Um aluno sem uniforme, de aparência um tanto rebelde...sem querer os dragões só reforçavam a fama de delinquentes. Eram um imã.

-Yo, é amigo do Jae-ki? Que coincidencia - disse tentando parecer relaxado, mas estava um pouco tenso - Eu sou Won-Bin, como vai?

Se fossem ter um conflito ali que pelo menos soubessem os nomes um do outro.
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
206

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Park Hyun Hee em Seg Fev 19, 2018 11:52 pm

 

- Por que quer saber? Não pode mais mudar de clube para vir atrás de mim - piscou, atrevido como sempre.

Em seguida, deu um meio sorriso perigoso em resposta. Um delinquente “meio certinho”. Bem, isso foi porque um dia ele acordou achando aquela escolha de vida patética, assim como tinha achado a primeira vez que fez uma tatuagem. Seria complicado explicar para ela que ele tomava essas decisões tão antagônicas de um dia para o outro, mas ela entendia, de certa forma, quando falava sobre as escolhas das pessoas que formavam seu caráter.

Ele aproveitava a conversa mais internamente, absorvendo e trabalhando mentalmente as constatações da menina. Era verdade que naquele colégio as pessoas tinham suas dores e as escondiam. Ainda que achasse um tanto hipócrita aquelas vidas aparentemente perfeitas, ele gostaria de fazer mais disso, mas aquela personalidade era apenas algo que gritava nele. Não era capaz de fingir ser normal. Era tão ruim quanto isso. No entanto, ela chamava os outros de “covardes” por tabela. Isso significava que ela via algo de bom naquela loucura toda? Era mesmo uma garota interessante. Não parou para pensar muito sobre, porque ela continuava falando. Então riu de leve sobre a brincadeira do cabelo e forjou uma cara irritada.

- Aaaish - apertou os olhos, mas os lábios formavam um sorriso.  - Você está ficando mal acostumada… Foi culpa do cabelo?  

Deixou o assunto morrer, com o gesto dela pedindo para esquecer e então ela o pegou de surpresa. Primeiro, virou o rosto, um pouco constrangido de ser tão facilmente lido assim. Achou que ela jogaria aquela verdade do quanto ele era fraco esperando pela resposta de gente morta ou de uma criança que tinha crescido. Engoliu em seco e tinha parado de olhar para ela, quando ela soltou a próxima bomba.

Hyun Hee a olhou confuso. O que ela quis dizer com “alguém escuta”? Trocaram olhares naquele momento e ela pôde vê-lo mais vulnerável do que nunca. Foi muito rápido que seus olhos ficaram vermelhos e a visão turva por lágrimas que subiram de uma vez e, por um tique nervoso de lamber os lábios, pareciam cooperar para não cair.

Seria uma grande perda para o mundo, se um dia você decidisse escolher o lado de lá do terraço.


Ele soltou uma respiração forte, tentando puxar de volta aquela emoção repentina. Expirou, passou a mão no rosto de um jeito brusco, fingindo que era a droga de um cisco ou o ar do terraço.

Respirou fundo de novo e olhou de lado. A maldita continuava falando.

Cobriu a boca com as costas da mão.

Por quê?

A pergunta voltava, mas dessa vez não era do irmão para ele.

Por que ela dizia essas coisas?

Hyun congelou com o rosto virado, fazendo um grande esforço para ser uma estátua de olhos vermelhos que não chorava, mas cujo pulso trêmulo indicava que era humano. Quando achou que tinha conseguido controlar, ele tirou a mão da frente do rosto e tornou a olhá-la, respirando lentamente. Havia mais uma vez aquele brilho de gratidão estranho que veio do abraço e ele não sabia expressá-lo em palavras.

Como podia dizer algo a ela?

Agora ele tinha uma frase para se lembrar por cima da voz do irmão.

Ela nem fazia ideia de que era a primeira pessoa que falava isso desde o acidente.

Não sabia quantos remédios precisava tomar para ter o efeito daqueles minutinhos do tempo dela.

Queria prometer fazer algo em troca, mas parecia que não seria nunca capaz de pagar aquele gesto.

O rosto dela continuava daquele jeito, tão alheio ao que realmente tinha feito. Suspirou.

- Park Chaeyoun-Ah - levou a mão à cabeça dela e fez um cafuné de leve, descendo a mão pelo rosto dela. Pensava no que deveria dizer. Queria pedir para que ela não mudasse e continuasse a falar esse tipo de coisa a ele, mas soaria extremamente esquisito. Então percebeu que aquele gesto bastava.

Recolheu a mão e soltou um suspiro, olhando para o céu. Que bom que ela estava ali. Que bom que escolheram comprar malas pretas e viajar no mesmo dia.

- Eu… não me arrependo  - concluiu, com a voz arrastada, ainda fitando o céu.  


"Omma…
Aboji…
Jung Mi…

Mianhae

Eu sinto que não queria estar do outro lado agora. "


Estava bem por estar onde estava.

avatar
Dorama
Localização :
Queria estar nos EUA

Data de nascimento :
04/11/2002

Mensagens :
162

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 3

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 13 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum