Fóruns Gráficos
3
Créditos
» Skin obtida de The Captain Knows Best criado por Neeve, códigos acrescentados por Weird e baseado no tema The Walking Dead Theme criado por Hardrock. Graças aos suportes e tutoriais de Hardrock, Glintz e Asistencia Foractivo.
» Versão Elysium adaptada por Hurricane, Rossin e Persephone.
Narradores
3
Personagens Ativos
34 Personagens Ativos
Últimos assuntos
» Capítulo 8
Ontem à(s) 7:01 pm por Won-Bin

» Chat pra chatear
Ontem à(s) 4:55 pm por Luxi

» Seven Wonders
Sab Out 13, 2018 11:27 pm por Starry Night

» [DADOS] Onde estrelas nascem ou morrem
Sab Out 13, 2018 10:16 pm por Starry Night

» I.M MUSIC
Sab Out 13, 2018 9:08 pm por Starry Night

» STARFISH MEDIA
Sab Out 13, 2018 9:02 pm por Starry Night

» KT ENTERTAINMENT
Sab Out 13, 2018 8:55 pm por Starry Night

» [FICHA] Cherry do White Pearls
Sab Out 13, 2018 2:48 am por Starry Night

» [FICHA] Gyuri do Oh My Venus
Sab Out 13, 2018 2:40 am por Starry Night


Capítulo 4

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Ter Abr 03, 2018 9:52 pm

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE THE CROWN


Após um fim de semana cheio de encontros, desencontros, planos, alegrias, revelações e decepções, a segunda-feira trouxe novos desafios aos alunos da WangJo Daehag.

Com um primeiro tempo esquentado, envolvendo a aula de educação física e pequenas guerras declaradas, o dia começou com boladas, tombos e provocações. O fim da aula também não trouxe sossego e o banheiro feminino foi palco de mais um round envolvendo Seo Hye Min e Kim Sun Hee. A briga terminou com a maquiagem estragada na pia, roupas íntimas no vaso sanitário e todo um frasco de shampoo na cabeça da bolsista. Ninguém sabe ao certo quem começou ou quem levou a pior, mas de modo tácito, elas “concordam” que o que acontece no banheiro, fica no banheiro.

Pelo menos quando os dois lados estão errados. Só não lembraram de combinar com outras meninas, porque a fofoca, pouco a pouco se espalha.

Um decreto da rainha também foi pronunciado: “Segunda é dia de sujar a Sun Hee e suas amigas”.

Do lado de fora, Yeun MiSoo também teve sua quota de participação em brigas. Ao se reunir com o trio composto por Gyu Sik, Jung Mi e Ryu-Ji, ela nãos e deu conta que chamar Park Hyun Hee para perto, podia ser uma ideia muito ruim.

Os irmãos Park não tinham conversado até o presente momento e a Srta. Yeun apenas trouxe à tona o que aconteceria cedo ou tarde. Os irmãos pediram para ficar sozinhos e o que era apenas uma suposição, foi confirmado: eles estavam em guerra porque as mágoas eram profundas demais para serem perdoadas em tão pouco tempo. Jung Mi era incapaz de entender Hyun Hee, muito menos aceitá-lo.

Por muito pouco, Hyun Hee não entrou em colapso depois dessa conversa. Contudo, ao olhar para Chaeyoung, ele encontrou sua paz e, para o espanto de todos, a abraçou. Obvio que fotos e vídeos foram feitos e as imagens circulam pelo colégio com a história de que uma Rainha foi destronada, trocada por uma novata. Os dois não tem nenhum tipo de relacionamento amoroso, mas também não se importam em preocupam o que estão dizendo.

O que também andavam dizendo era que a menina misteriosa de Jung Mi era Yeun MiSoo. Pelo menos era nisso que Hyemin depositava sua certeza. Desde a conversa com o amigo, ela começou a procurar por pistas e passou a ser óbvio que o nome certo era o de MiSoo. Ao contar para Yewon após ser muito pressionada, ela viu um novo episódio de escândalo no intervalo. Yewon não conseguiu conter seus impulsos e agrediu MiSoo, bem como suas amigas - principalmente Eun Bi que se meteu para defender a amiga.

Para encerrar aquela confusão, Jung Mi tomou uma decisão extrema e disse para quem quisesse ouvir que era verdade. Eles estavam namorando sim.

O problema era que MiSoo sabia dessa mentira. Só não imaginava quais eram os reais motivos para essa postura do garoto. Uma vez confrontado, Jung Mi insistiu na mentira e revelou seus sentimentos para MiSoo, a deixando ainda mais confusa com tudo aquilo. Isso porque tanto Bomi quanto Gyu Sik tinham fechado a cara para ela diante daquela história que parecia muito verdadeira, considerando a recente aproximação dos dois.

Mas a verdade era que Jung Mi fez isso para proteger o nome correto: Kim Sun Hee. Não dá para saber ao certo o que ele está planejando, até onde ele levará essa mentira, mas o que ele fez foi o suficiente para demolir as estruturas de Sunny, à ponto dela fazer algo que detestava: chorar em público.

No caso, na frente de Kim Joo Hyuk. O amigo que já estava ciente e preocupado com a fofoca do banheiro, ficou muito abalado com a reação da amiga e jurou sempre estar ao lado dela. Duas pessoas acabaram testemunhando esse momento - Hyun Hee e Chaeyoung - mas mantiveram a discrição e a menina simplesmente acompanhou Sunny até o banheiro para ajudá-la.

Contudo, não foi apenas de brigas, mentiras, escândalos e choros que esse dia foi feito.

Apesar de muito receoso com o modo que seria tratado por Eun Bi naquele dia, Jae Ki experimentou algo próximo à felicidade quando a bailarina o tratou do mesmo modo que haviam interagido no sábado. Trocaram as fotos, risadas e passaram um tempo juntos. Ela quis presenteá-lo com novos objetos - casaco e gorro - para substituir os que ela não pretendia devolver. Porém, o orgulho dele falou mais alto e ele negou o presente. Eun Bi desistiu da ideia e prometeu devolver no dia seguinte os pertences. A única coisa que eles acordaram foi de manter o presente de Soo Ji.

Mesmo assim, eles tinham um inédito dia tranquilo no colégio - no que tange os dois, visto que nos dias anteriores, eles só brigaram.

Outra pessoa que tinha seus motivos para temer um pouco o reencontro de segunda-feira foi Won Bin. Depois do encontro no café, a briga com o pai e a conversa pelo celular com Bomi, ele não sabia como ela reagiria. Por conta das confusões iniciais, ela reagiu de modo distante por não terem espaço para conversarem. Mas isso mudou no horário do almoço.

Bomi estava muito chateada com Misoo e, ao perceber que ela não estava bem, Won tomou a iniciativa de chamá-la para almoçar - de um jeito confuso, mas compreentido por ela. Depois de dar um perdido nos amigos, Won se encontrou com a menina e eles tiveram um incrível momento de trégua, onde puderam conversar apenas sobre eles e não sobre como apagar incêndios de amigos ou a investigação de WangJo. Bomi não sabe dizer com precisão o que sentiu, mas...Certamente nunca sentiu isso antes e gostaria de almoçar com Won mais vezes - só falta combinar.

O almoço também trouxe uma nova perspectiva para Dong. O menino tinha se prejudicado durante a aula de educação física e se aborrecido com Stella e o inseparável celular, também passou por uma provação durante o almoço. Sua prima Hayoung pediu para almoçar com ele e os amigos, mas a refeição foi servida com um ar de climão. Depois que ela se ausentou, o primo decidiu ir atrás dela e tiveram uma conversa franca e surpreendente. As opiniões deles não poderiam ser mais divergentes e eles sentiram que estavam se distanciando.

Certas coisas não podiam ser aceitas, ainda mais quando eram opiniões e atitudes opostas sobre pessoas em comum.

E sobre divergências Hyemin entendia bem. Ela não sabia o que esperar do encontro que Kim Joo Hyuk combinou por mensagem, mas sua curiosidade e nostalgia falavam mais alto. Uma vez diante dele, Hyemin não aceitou o modo como ele defendia Sunny e disse coisas que magoaram o menino - mesmo que ela não soubesse. Como resposta, Kim foi tão duro e cruel quanto ela - talvez até mais. Suas palavras quebraram lembranças em mil pedaços, ainda que certas coisas ditas tenham sido interpretadas do pior modo, justamente por ter dupla interpretação.

Exausta, Hyemin só precisava do colo de Yerin enquanto Kim precisou ser forte para seu clube.

O almoço de Hyun Hee ganhou uma vertente enigmática. Se o intervalo tinha sido bom e leve, o almoço era denso e sempre em alerta. Aparentemente, alguma coisa tinha acontecido no fim de semana, envolvendo Go Eun Na. Mas não dava para saber ao certo o que.

Fato era que a rainha de gelo estava furiosa. E isso foi comprovado depois que Jong In e Yerin se encontraram. O menino nem conseguiu completar o cumprimento e foi recebido com um belo de um tapa na cara, com direito a marca e testemunhas - Lee Hi, Wang Hye Won, Chaeyoung e, o menino novo.

A coisa era mais grave do que parecia.

Grave também era a crise existencial de MiSoo. Nem a presença de sua melhor amiga foi o bastante para conter aquela onda auto-depreciativa. Eun Bi não sabia mais o que fazer, mas as duas precisavam mesmo cumprir um certo castigo. Depois que cumpriram a atividade, MiSoo resolveu pedir dispensa para ir para a casa de sua avó e com isso faltaria ao clube de dança.

Os clubes foram o ponto alto do dia para muitas pessoas.

Era diferente estar num lugar com pessoas semelhantes, com o mesmo propósito e vontades que você. Além do assunto ser mais interessante, é claro - afinal, os clubes são opcionais, mas as aulas não.

Apesar de amizades e amores serem rompidos, novas alianças foram criadas. Dong tentava ser uma pessoa mais sociável e encontrou em Kang, uma pessoa legal para conversar. Won descobriu que era mais popular do que imaginava e finalmente conversou com a menina que vinha o observando: Lim Ye Ji. Sunny teve que aturar uma capitã bem chata, mas teve uma aula aprazível e uma conversa quase informal com seu professor - que também frequentava o café onde ela trabalhava. O clube de culinária também foi o paraíso para Hyemin, mas um breve caos para Hyun Hee.

Outra amizade alimentada foi a de Jaeki e Bomi. A menina não viu problemas em contar certas coisas durante um conselho que deu a Jaeki e isso foi de grande valor para ele.

O colégio também recebeu um novo e polêmico aluno que chamou atenção por conta de seu comportamento e o cabelo azul.

E tudo isso aconteceu durante o dia que ainda não acabou.

Pelo menos para alguns…

(C) Ross


JAE KI - 3:30 P.M. CLUBE DE DANÇA
A conversa com Won Bin não tinha sido tão positiva quanto ele tinha imaginado à princípio. Won não tinha reagido muito bem à forma como Jaeki agia - de modo possessivo com os amigos - e, por ser mais tímido e discreto, não quis contar tudo o que sentia ou tinha vivido nos últimos dias.

Mesmo que Jaeki não gostasse dessa atitude, ele tinha em mente que devia muito à Won e, por ele, fez um esforço para não se irritar. Apesar de frustrado, o melhor que ele fez foi seguir adiante e focar no que tinha que ser feito. Logo que ele chegasse no banheiro, ele já veria uma figura inusitada ali.

Um dos novos chingus de Kang, um hyung do 2º ano, estava diante do espelho, mexendo a cabeça de modo curioso. Ele balançava suas madeixas que tinham sido lavadas no dia anterior e apontava para o espelho, como se fizesse um “baang”, dando uma piscadinha. O mais estranho nisso tudo nem era a conversa profunda que ele tinha com ele mesmo, mas sim..suas roupas.

Dava para perceber que ele faria uma aula física, pois suas roupas eram para esse tipo de atividade. Uma camisa branca, larga, com o rosto do homem aranha estilizado - até aí, tudo bem - porém, ele usava uma calça de moletom também do homem aranha! E nem era discreta, era azul e vermelha, ainda dando a impressão da bota vermelha - ele usava um tênis vermelho.

- Pega eles, tigrão. - Disse para si mesmo, mas num tom feminino, imitando a icônica frase de MJ no filme 2.

Kang demorou alguns segundos para alcançar JaeKi, mas realmente o seguiu. Estava fazendo certo barulho até que chegou ao banheiro e.

- Yaa, Ja…- A frase terminou no meio do caminho e ele olhou para Ha Neul. - Hyung…? - Engoliu em seco e a risada.

- Ya! Vocês tem clube agora também?

- Aham...Dança.

- Eu também!! - Disse animado. - Comprei essa roupa especialmente para esse momento.

- Ela é bem…- Tossiu discretamente. - Legal. É, eu vou, eu vou primeiro.

Empurrou Jaeki e se enfiou no primeiro vestiário que encontrou. Os outros nem estavam ocupados, mas Kang queria se esconder para rir sem som, sem ser julgado. Dava para sentir que seria uma aula daquelas!!

O clube de danças era um dos mais cheios. Muitos alunos gostavam dele para colocar para fora toda a tensão que sentiam, além dos alunos adorarem K-Pop - acabava que se convertia mais nisso, até pelo interesse dos próprios alunos.

Quando Jaeki chegasse lá, ele veria mais pessoas das outras turmas, pelo menos por enquanto. Contudo, não demorou para que algumas figuras conhecidas dele entrassem ali - Beom Su, Ryu Ji, MiRan…

Todos usavam roupas mais largas, no estilo street dance. As meninas é que deixavam uma barriguinha aparecer aqui e ali, com uma calça mais colada, mas nada espalhafatoso. Eles conversavam em mini grupos até que duas figuras femininas chamariam a atenção de Jaeki. Bomi chegou - usava um short preto e uma camisa branca de manga curta - com Eun Bi - usava uma calça saruel preta e um top sem decote, cobrindo até boa parte do pescoço. A roupa dela exibia um pedaço da barriga, acima do umbigo.

As duas conversavam com uma cara meio séria, mas pelo menos se falavam. Quando Eun Bi viu JaeKi, o queixo dela caiu um pouco e ela engoliu em seco.

Não muito tempo depois delas, Taemin também chegou - daquele jeito desleixado dele, passando a mão pelo cabelo molhado enquanto via as pessoas. Ao encarar Jaeki, achou certa graça, mas não disse exatamente do que.
(C) Ross


Informações do clube:




Professor Responsável: Lee Jung-Eun



Representantes: Kim Min-Ah


Membros: MiSoo, Jae-Ki, Beom-Su, Bo-Mi, Eun-Bi, Eun-Na, Kang, MiRan, Ryu-Ji, Taemin, Ha-Neul, Jimin, Lee-Hi, Min-Lim, Minhyun, Ro Young, Seok-Min, Ah Ye-Eun, Jun-Woo, Miyung-Eun.





HEE KYUNG - 3:50 P.M. LOJA DE CONVENIENCIA
Dong se encontrava numa situação de tensão. O lugar era apertado e com uma iluminação precária. O cheiro de limpeza era forte, mas o produto não era lá dos melhores, dava para perceber por conta das manchas que tomavam conta dos azulejos, isso sem falar do espelho embaçado - também estava torto!

A pessoa fazia um trabalho bem mediano, para péssimo.

Mesmo que fosse um banheiro “público”, as pessoas deveriam ter um pouco mais de cuidado, não? Como é que podia haver tanto desleixo? - essa era a visão de alguém perfeccionista, cheios de tocs. Mas como ele havia parado ali?

Bom…

Meia hora atrás, ainda no refeitório do colégio, Stella achou certa graça do modo como ele pediu a carona. Depois da conversa que tiveram, marcando uma nova rodada de jogos e choros por derrotas, Min Ho se despediu dele daquele modo mal humorado de sempre. E Stella concordou em levá-lo. Porém, havia uma condição.

- Sr. Bing, pare naquela loja ali na frente, por favor.

Stella disse, de repente, indicando uma loja de conveniências. O motorista não negou ao comando e logo parou.

- O Sr. pode procurar uma vaga, acho que vou demorar um pouco. Gostaria de alguma coisa da loja?

- Não, Srta Jun. Eu estou bem.

- Tudo bem. Dong, pegue seu short da educação física, preciso que você troque - Disse de modo autoritário, sem nem ao menos perguntar.

Pelo menos ela abriu a porta para que ele saísse do carro. Até ajudaria a andar, caso achasse que a situação estava muito ruim - ela levava à sério as dores musculares, não achava que fosse charme ou coisa do tipo. Por isso mantinha uma postura neutra e paciente enquanto o acompanhava.

A loja vendia de tudo, mas Stella perguntou ao caixa onde ficavam os emplastros medicinais e se o amigo podia ir ao banheiro enquanto ela comprava. Deixou que Dong fosse sozinho e ia até a área indicava para pegar o que precisava.

E foi assim que Dong parou dentro daquele banheiro cheio de defeito, aos seus olhos. Mas Stella estaria do lado de fora, esperando tranquilamente depois de ter feito umas comprinhas farmacêuticas - além de café gelado.
(C) Ross


MISOO - 4 P.M. RESIDENCIA KWON

Eun Bi fez uma carinha de filhote abandonado quando a amiga se retirou daquele modo, mas compreendia o lado dela. No fim, ela só tinha dado a ideia de sair porque queria animá-la, mas na verdade, Eun Bi tinha aula de dança à noite também.

Quando olhasse para o celular, veria Bomi finalmente tinha lido sua mensagem, mas não respondido, mas também tinha uma sequência de mensagens de Mia. A unnie só não falou antes por falta de tempo, mas não parecia chateada com MiSoo.

Mia

Mia
Fique tranquila, você não precisa ficar tão nervosa por isso. Na verdade, acharia o máximo se você fosse uma “Sra. Park” XD. Está tudo bem.
Mia
Eu que preciso me desculpar porque andei um pouco ausente. As coisas estão complicadas, mas vão melhorar =] ainda somos amigas, sempre seremos


Pelo menos uma mensagem para acalmar o espírito.

Na enfermaria, o pedido dela foi atendido e a Srta. No Eul entrou em contato com a responsável da menina.

Assim que a avó de MiSoo recebeu a ligação do colégio, ela imediatamente autorizou e pediu para que o motorista fosse buscar a neta. Queria ganhar tempo porque enquanto o motorista ia buscar a menina, a avó desmarcava os compromissos - geralmente fazia isso pessoalmente, sem precisar de secretárias. Achava que dava maior credibilidade ao montar sua agenda pessoalmente. - além de arrumar o quarto para receber MiSoo.

O motorista de sua avó era um homem gentil e preocupado. Depois de se certificar de que ela não precisava de nada imediato e que estava bem, dirigiu com segurança e numa velocidade razoável até a residência de sua patroa.

Tão logo a garagem começou a se abrir, Yoo Ri deu alguns passos à frente - usava uma calça de linho branco, uma blusa azul, num tom pastel e um cardigan comprido num tom de gelo/acinzentado. A matriarca da família trazia uma expressão angustiada e preocupada. Aproximou-se do carro e ela mesma abriu a porta, esperando que a neta saísse.

- MiSoo, o que aconteceu?! Está passando mal? Você está tão pálida!! - Segurou o rosto dela com as duas mãos. - Que arranhão é esse? Você brigou? Meu Deus, MiSoo, estou me tremendo toda!

E realmente estava tremendo de preocupação. Abraçou a neta e começou a guiá-la para o interior da residência, esperando que a neta colocasse tudo para fora.
(C) Ross


WON BIN - 4 P.M. CAFÉ BEAUTIFUL

Aquela era uma das poucas vezes que Won tinha a sensação de que o dia no colégio tinha terminado com um saldo positivo - não médio ou mais ou menos, positivo! Tanta coisa legal tinha acontecido ali que nem dava para contabilizar.

Por conta do clube de Dança, o qual Kang fazia parte, Won precisou ir sozinho. Verdade que aquela conversa com Jae Ki o tirou um pouco do sério, mas nada que uma boa música não o ajudasse.

Após um caminho tranquilo, um novo dia de expediente começava - e ele teria que ficar até às 10 P.M.

O movimento era razoável, para o horário. Hyesang trocou um breve olhar com o Won quando ouviu a campainha tocando com a porta se abrindo - e olhou o relógio. Fez um bico e mexeu a sobrancelha, indicando que ele fosse logo se trocar. Reparou que ele tinha trocado o gesso por talas nos dedos.

Ji Hyun também chegava mais ou menos nesse horário e já estava na área dos empregados. Quando Won entrou, ela saiu e acabou esbarrando nele. A menina carregava um olhar aéreo e se assustou depois do choque nele. Encarou Won e o reverenciou, murmurando.

- Mianhaeyo - Fungou em seguida. O nariz dela estava um pouco vermelho e os olhos ligeiramente inchados.

Era uma soma simples e dava para perceber que ela tinha chorado. Não parecia nos melhores dias, mas mesmo assim, bateu nas bochechinhas dela e ajeitou o rabo de cavalo para sair e atender aos clientes do café. Ajeitou o avental enquanto caminhava.
(C) Ross


SUN HEE - 5 P.M CAFÉ LITERÁRIO
Longe daquela atmosfera do colégio e próxima dos livros, Sunny podia experimentar uma sensação diferente. Tudo o que ela estava segurando nas últimas horas, podia ser exposto agora - pelo menos durante o caminho ao trabalho e o tempo em que passou entre as fileiras.

Segunda era dia de clube para Lee Hi, de modo que ela chegaria ainda mais tarde - e seria obrigada a compensar noutro dia. A ausência dela, naquele dia, fazia bem para Sunny. Afinal, seria uma pessoa a menos para lembrá-la sobre o que tinha acontecido naquela manhã.

Como se ela precisasse de alguém para lembrar, não é?

Se Sunny fosse franca consigo mesma, aquele lugar inteiro lembrava aquele maldito. Era quase difícil demais se concentrar. Pelo menos poucas pessoas estavam indo até a parte da biblioteca e ela podia se misturar entre as prateleiras. Tinha alguns livros para arrumar e também podia aproveitar para ver a lista do clube de literatura - o único alento daquele dia.

Enquanto estivesse em meio às prateleiras, ela sentiria um perfume que faria tanto sua mente quanto o peito doer.

Como era possível? Será que o perfume dele tinha impregnado aquela parte da biblioteca ou sua mente que começou a agir de modo masoquista?

O perfume não ia embora e fazia com que aquela sensação fosse cada vez mais sufocante. Até que ela ouviu a sineta vindo de seu balcão. O coração dela pararia por alguns segundos enquanto um frio percorria por sua coluna. Eram coincidências demais…

Real demais.

E, pouco a pouco, ela veria que não era nenhuma mentira. Ali, diante de seu balcão, estava parado Jung Mi. Usava blusa preta de manga comprida e calça jeans escuras, junto de um tênis da adidas. O cabelo estava para baixo, sob um boné. Os olhos dele estavam voltado para baixo e ele carregava algo na mão direita: um papel pardo com um volume considerável.

Já a mão esquerda, continuava dentro do bolso enquanto ele mantinha o olhar para baixo, quase como se não conseguisse olhar para a frente.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 2:30 pm, editado 2 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Won-Bin em Qua Abr 04, 2018 12:51 am

Won não queria outra conversa tensa com o Jae-ki. Parecia como daquela outra vez em que brigaram.

- Pô cara, eu só queria ajudar. Você está sendo injusto comigo, olha, eu não fico online de noite porque eu não tenho como pagar internet em casa. Se eu apareci alguma vez é porque um amigo roteou. Do jeito que você fala parece que eu nunca me importo com vocês. Como eu vou saber o que tá acontecendo com você e com o Kang se não me falam? Eu pergunto todo dia como vocês estão, para você ver, hoje perguntei isso duas vezes para você. Cara, eu não leio mentes... Eu tô agora tentando saber o que houve, então como não presto atenção em vocês? Tudo bem, fala que não contou porque não queria falar dentro na escola, ou qualquer outra coisa, mas não isso cara...

-E eu não tô te culpando por não poder falar com a gente. Eu sei que você anda ocupado e não tem internet sempre, não é isso... - suspirou, Jae-ki ainda levava pro lado errado.

- Won Bin, não tenta me poupar, eu não sou criança. Eu sei que a gente não se conhece muito bem, então vou te contar, eu aguento me preocupar, não precisa me poupar, é para isso que serve os dragões. E não acho nada complicado elas serem amigas, por mim se for mesmo isso, você tem o meu apoio, ela é uma garota legal. Se não for isso, tá de boas também ué... Eu também sei ajudar meus amigos, só que vocês tem que deixar.

-Eu também me preocupo Jae-ki, por isso eu as vezes guardo as coisas até a hora certa de compartilhar


- Olha tá bom, vai ser difícil falar fora da escola com nossos clubes e o trabalho, mas tá, eu vou esperar, escolhe um dia. Aí eu te falo nesse dia também o que Bo-Mi me contou hoje. Ela me falou tanta coisa, até coisas sobre ela mesma, ela confiou em mim, é uma garota bem legal. Mas você deve saber também um pouco sobre a família dela, já que almoçaram juntos. E depois rolou uma coisa com ela no intervalo, eu fiquei preocupado fui checar e até pensei, pô vou contar para o Won depois. Então algum dia a gente combina, sem pressa. Agora eu tenho que ir por causa do clube, ainda preciso trocar de roupa, não quero me atrasar. Vamos Kang! Vou chegar primeiro hein!

Essa fala irritou Won. Mais do que Won queria admitir.

"Agora quer ficar me chantageando com a Bo-Mi!?" um pouco de ciúme misturado ao fato de que esse tinha sido um argumento bem...irritante por si só. Won não sorriu.

-Amanhã, na hora do almoço - disse determinado enquanto Jae-ki saia para seu clube. Deu uma última encarada, sério, para Kang.

"Eu tenho a impressão que ele deve saber mais do que eu e o Kang poderíamos pesquisando na internet...mas por que eu tenho esse sentimento no estômago que contar tudo ao Jae não é uma boa ideia?"

Relaxou os ombros e forçou um sorriso para os dois.

-Bom clube pra vocês dois. Vejo vocês depois - fez um aceno com as mãos e se despediu.




Apesar da conversa que não tinha sido agradável, Won não conseguia deixar de sorrir quando se lembrava do almoço e dos momentos no clube de teatro.

Ao som de mais uma banda alternativa, ele estava tendo um bom caminho para o trabalho.


Fez uma mesura formal para a chefe quando entrou e prontamente foi se trocar. Estava empolgado por poder trabalhar sem o gesso, ia poder ser mais eficiente.

Sem querer esbarrou em Ji Hyun e ela parecia tão...triste.

"Algo aconteceu com ela?" pensou ao notar seu nariz vermelho e olhos inchados. Won tinha um fraco por ver uma garota triste, era inevitável não se importar.

Com delicadeza tocou seu braço para que ela esperasse antes de sair apressada para o trabalho. Ela não estava bem.

-Ji-Hyun, está tudo bem? - disse de forma solicita, não julgava ela estar chorando mas queria mostrar que poderia falar com ele se quisesse.

Tinha uma expressão genuína de preocupação.
Café Beautiful

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
195

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Dong Hee Kyung em Qua Abr 04, 2018 1:06 am

- Isso deve ser um pesadelo.. - Murmurou tecendo um comentário exigente ao ver o lugar em que se meteu, não que fosse ruim demais... mas a iluminação precária para quem era míope, não era uma boa ideia. E aquele cheiro de desinfetante barato que rasgava as narinas de quem poderia ser alérgico a fores odores? Alguém limpou de qualquer jeito, haviam manchas pelos azulejos que também por sinal pareciam não respeitar qualquer ordem geométrica.

Dong se aproximou do espelho e deu uma baforada de leve, passando a manga da sua roupa logo em seguida para ver se conseguia enxergar seu reflexo ao menos e foi nesse momento que percebera o espelho torto para um dos lados. - Certooo... - Então começou a se arrumar mas... ele parava toda hora para olhar o espelho, estava torto.


Era como se o espelho estivesse fazendo alguma coisa com a cabeça do jovem de cabelos castanhos, seus ombros remexem de forma estranha quase involuntária...ao observar o formato do espelho errado.
Imitando movimentos da perícia forense, ergueu as mãos até o vidro tocando em suas bordas com a ponta dos dedos, dali começou a mexer meticulosamente, afim de alinhar o aparato. Mexeu para a esquerda.. parecia bem grudado.. Kyung fez um pouco mais de força no pulso...e o espelho descola da parede, para sua surpresa.

Ficou nas mãos dele, segurou firme, mas com medo que quebrasse, os olhos asiáticos arregalaram parecendo europeus.


Com o tranco que deu para puxar para trás ele acabou enfiando um dos pés dentro da lixeirinha do banheiro, o pé ruim, e com isso soltou um "Aishha"

Dong começa a perder seu equilíbrio e parece que ia cair, quase em câmera lenta....


Momentos antes disso ocorrer, ele e Stella acertaram as novas jogatinas, sim, jogar com a menina seria maravilhoso, mesmo que Min-Ho ficasse pistolado e assfaceado.
Ele estranho um pouco a condição, não esperava que a Jun teria ideias mirabolantes em meio ao trajeto.

O herdeiro não reclamaria, apenas ajeita seus óculos de volta para frente dos olhos.


- Tro-trocar? - Gaguejou de leve ao questionar, sentindo o tom autoritário. Ela ainda abriu o carro mostrando que era muito bondosa e também a alpha do carro, Kyung não negava ajuda, ele sai do carro e agradece ao Sr.Bing, mesmo que fosse voltar logo depois. Levou a mochila que continha suas coisas. Seguiu ao banheiro para se trocar enquanto Stella comprava suas coisas...

Até chegar ao momento atual que o rapaz estava, lá dentro, segurando o espelho nas mãos, com o pé dentro da lixeira. Por pouco ele não tombou, Kyung conseguiu ajeitar o espelho, o fixando na frente, deixando devidamente alinhado, e colocou a lixeira mais ao fundo onde, uma pessoa não pudesse acabar esbarrando nisso com o pé. Stella escutaria os barulhos caso ficasse perto da porta, e se perguntaria por que ele estava demorando tanto, será que precisava de ajuda?

Dong se sentou na privada, fechada, e trocou de roupa como ela havia dito, guardou a calça e vestiu seu short mais leve de educação física.


Ali, eu pode ver o estado do seu joelho, parecia bem vermelho e um pouco inchado, igualmente seu tornozelo, olhando assim, não parecia tão grave mas cada vez que ele relaxava, pior o músculo ficava. Apesar de fazer natação, e alguns exercícios, Dong era muito sedentário, ele só queria ficar em frente ao computador, e as vezes a falta de uma boa calistenia causava essas lesões, mesmo que rasas.

Abriu a porta e procurou por Stella, agora ela veria o estado dele, e se quisesse olhar para o banheiro, veria que o virgo deu uma arrumada nas coisas, não foi uma faxina, mas alguns itens separados e desordenados... pareciam em ordem.


- Perdão eu não consigo evitar. - Explicou antes dela dizer alguma coisa.

Horário trelele - Loja de Conveniência

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
104

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Qua Abr 04, 2018 2:13 am

HEE KYUNG - 3:50 P.M. LOJA DE CONVENIENCIA
Dong podia ser uma pessoa meticulosa, mas não era muito discreta. Os sons que ele fazia dentro do banheiro, derrubando as coisas, acabavam ecoando na loja de conveniências. Stella estava no caixa, terminando de passar as compras quando o vendedor olhou na direção do banheiro e a encarou. A garota engoliu em seco e deu um sorrisinho sem graça.


- Er...Ele é um pouco espaçoso.

O caixa, um rapaz que parecia ser um jovem adulto, fez uma careta. Na mente dele, parecia muito desagradável ter que lidar com um cliente daqueles. Por que logo em seu turno, as pessoas resolviam passar mal ou usar o vaso?! Ainda teria que voltar lá para limpar tudo. Enquanto pensava nisso, ele passava os produtos com mais forças e Dong fazia mais barulhos - dessa vez derrubando a lixeira.


Stella estava morrendo de vergonha, mas quicou quando ouviu o som, olhando na direção da porta.

- Deu 15.819, 26

- Aqui. Kamsahamnida - Pegou sua sacola e se afastou um pouco, esperando por Dong.

Quando o garoto saiu do banheiro, encontrou uma Stella um pouco angustiada, quase nervosa com o possível cheiro que sairia dali. Para sua surpresa, não havia nada demais, pelo contrário. Havia um novo brilho dentro do banheiro porque ele se esforçou em limpar.


- Mwo…? - Ela tombou a cabeça para o lado, olhando o interior, no mesmo instante em que ouviu a justificativa dele. Um biquinho se formou, mas ela logo sorriu. - Só você mesmo. Vamos, já comprei tudo, até seu café gelado.

Mais um? Sim, ela sabia como o garoto gostava dessas bebidas. Ele preferia quente, mas ali só tinha o gelado mesmo. A menina o guiou para fora da loja enquanto eles ainda foram julgados por um tempo. Aproveitou a frente bonitinha da loja e indicou um lugar para que ele se sentasse.

- Senta aí. Comprei um emplastro e uma bolsa térmica de gel pra você. coloque no freezer quando chegar em casa. - Disse sentando-se ao lado dele e começando a mexer na bolsa.

Retirou as duas latinhas: de chá verde e café; e foi ajeitando o que comprou para o machucado dele. Espirrou uma água termal na região, passando uma gaze depois para secar antes de abrir o emplastro. Perguntou a ele onde estava doendo mais e descolou o adesivo, colando na melhor posição possível. O cheiro de cânfora gerou uma careta no rosto dela, mas nada demais. Logo Dong começaria a sentir a região esquentando, com o efeito do produto.

- Agora só esperar um pouco. - Por isso comprou a bebida também.

Enquanto ele abrisse a latinha, ela também colocaria um emplastro bem menor na altura de sua asa - Stella já estava sem o blazer, então só precisou encaixar a mão na blusa do uniforme para colar.

Dava para ver que ela tinha mentido um pouquinho sobre a dor - caso contrário, por que ela estaria colocando isso também?

Ajeitou-se no banco ao lado dele e abriu sua latinha de chá verde, dando um gole.

- Então...Tirando o incidente da educação física, seu dia foi realmente bom?

(C) Ross


WON BIN - 4 P.M. CAFÉ BEAUTIFUL
Ji Hyun estava ajeitando o avental uma vez mais quando sentiu o toque em seu braço. Virou a cabeça no mesmo instante, se deparando com a expressão preocupada de seu colega de trabalho.

Aquelas três palavras que formaram a pergunta, a pegaram de surpresa e ela chegou a arregalar um pouco os olhos. Ele queria saber se estava tudo bem e realmente parecia interessado na resposta. Queria saber se...estava...tudo bem. O queixo dela começou a tremer, de repente - talvez para espanto e preocupação de Won. Ela trincou os dentes e escondeu os lábios com a mão livre para conter o choro.

Os olhinhos foram diminuindo e ela abaixou a cabeça, soluçando bem baixinho.

Para um menino que tinha fraco por meninas chorando, aquela cena certamente partiria o coração dele. O que impressionava era que Ji Hyun realmente estava se esforçando para não fazer barulho, quase como se fosse muito boa ou experiente nessa técnica de esconder o próprio choro.


Engoliu em seco várias vezes até que conseguiu erguer a cabeça para encará-lo.

- Só...Só está sendo um dia difícil. - Murmurou e soluçou um pouco. Pegou o avental e passou pelo rosto, secando as lágrimas. Tombou um pouco a cabeça para trás e balançou a mão na direção dos olhos. - Preciso respirar… - Puxou o ar. - Não posso perder o emprego, não agora.


Delicadamente afastou o braço da mão dele e secou as lágrimas.

- Ah, Won Bin- shi… - Suspirou. - Komawo. Não esperava que você fosse perceber ou perguntar se...está tudo bem. - Parecia um pouco incrédula ainda. - Eu ia dizer que estou com rinite ou gripada, mas você me pegou. Mas não se preocupe, eu ficarei bem.

Fechou os dois punhos, tentando se mostrar positiva, mas estava difícil para ela manter aquela aura gentil e bondosa. Aparentemente, o dia estava complicado pra ela mesmo.

- Eu devo estar horrível, vou lavar o rosto de novo. - Seu tom de voz se mantinha baixinho, meio rouco por conta do choro.

Ela pediria licença e logo se afastaria para ir até o banheiro feminino. Depois que Won se aprontasse e chegasse até o salão, encontraria Hyesang fechando a máquina de lavar louças e limpando o balcão. A chefe era durona mesmo - não estava ali apenas monitorando ou dando ordens, ela colocava a mão na massa. E pensar que ainda estava estudando para entrar na faculdade de medicina. Que horas será que ela dormia? Como se alimentava?

Era uma humana ou uma máquina?

- Ya, Hwang, venha aqui. - Chamou, de repente, estalando os dedos. - Vejo que você se livrou do gesso e agora pode usar melhor a mão. Bom, a notícia boa é que não vou te demitir. Na verdade, decidi isso desde o início porque quem te cobriu foi o Shin Hee e eu não iria contra ele.


Nesse momento, os chifrinho de Hyesang quase apareciam. Ela fez o menino sofrer e se martirizar pela semana toda, mesmo que já tivesse decidido que não o demitiria. Que mulher cruel…

- A parte ruim é que o seu trabalho vai aumentar um pouco. Agora que está com as mãos livres, você vai ter que aprender as receitas mais complexas do café. E eu recebi algumas reclamações - não falaria sobre os elogios - de que algumas medidas não pareciam certas. Dessa vez passa, porque sei que foi sua primeira semana e você estava em treinamento, mas agora quero foco, certo? Prometa que vai se esforçar e ficarei feliz. Mas não vou sorrir pra você.

Virou a cara fazendo um “hunf”. Ela era meio maluquinha, mas era uma boa pessoa...Na maior parte do tempo. Quando não mentia sobre demitir os pobres funcionários.
4 P.M. - Café Beautiful
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:28 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Jae-ki em Qua Abr 04, 2018 9:07 am


Jae-ki tentava realmente não se irritar com os amigos, era um pouco difícil, para ele as explicações de Won não estavam colando. Tinha acabado de dizer que não queria ser poupado de preocupações, mas Won não parecia respeitar sua vontade, porque só continuava falando que compartilhava as coisas na hora certa, ouvir isso fez seu sangue ferver. Era tão difícil para eles verem o que tava acontecendo? Pra ele não era a hora certa de contar, mas para Kang sim? Kang, o que deixou escapar seu segredo, mas ele, Jae-ki, não era a hora certa? " Aishh... Até parece que se ele me visse online ia me contar, se passou pela cabeça do Won me contar, ele teria me ligado... Não falado que eu não tava online..."

Mas até que o resultado saiu melhor do que o esperado, conseguiria fazer Won Bin sentir um pouco do que ele mesmo sentia, já que nenhum deles parecia arrependido, logo seus amigos descobririam o quanto ele era bom de guardar segredos. Quando Won falou que seria durante o almoço no dia seguinte, Jae não respondeu, já estava indo em direção ao banheiro. "Won não me conhece mesmo, eu almoço na escola... Ele pode não dar valor para comida daqui, mas eu dou. Ainda estava chateado, não só por terem escondido as coisas, mas principalmente pela forma como tinha ocorrido, agora sabia como os amigos o viam: alguém que não podiam contar as coisas. E o que o deixava mais triste, era que ele nunca tinha dado motivo pros amigos desconfiarem, quem tinha contado as coisas foi Kang e Won, indiretamente, coisas dele para a Eun-bi!

Quando chegou ao vestiário, Jae-ki arregalou os olhos ao ver Ha-Neul de frente para o espelho, o mais estranho ainda eram as roupas que ele estava vestindo. Ele se lembrava que foi um dos garotos que Kang o apresentou, isso não melhorou muito o seu humor. Pior foi ouvir o que ele disse para o espelho. "Mas o que?" Logo Kang chegou e foi cumprimentar o seu novo hyung. O amigo notaria que Jae-ki estava mais quieto que o normal, ele já abria a mochila para tentar achar as roupas do clube quando ouviu a conversa daqueles dois. Arregalou mais uma vez os olhos quando ouviu que o garoto doido ia fazer dança também. "Aigoo, só faltava essa... " Quando ele comentou sobre a roupa, Jae-ki o olhou de cima a baixo analisando a figura. Por sorte tinha perdido o humor, se não já estaria rindo. De repente Kang o empurrou da frente, entrando no primeiro vestiário.

- Ya!
- Exclamou Jae-ki, depois percebeu que tinha sido deixado sozinho com o garoto homem aranha.

Olhou mais uma vez para Ha-Neul e deixou escapar um comentário:

- Você parece os colegas da minha irmã, eles adoram o homem aranha.

Em seguida Jae-ki entrou em dos vestiários, era cada doido que aparecia. Mas não estava de tão bom humor para achar graça como Kang, ainda estava um pouco revoltado. Vestiu um moleton preto, que era bastante largo, ainda mais para o seu corpo magro, já era bastante usado, mas ainda inteiro. Por cima colocou uma camisa branca simples, também bastante larga para seu corpo. Acompanharia Kang até o local do clube, mas não falaria nada enquanto andavam, se manteria quieto, o que era bastante anormal para os seus padrões. Não estava dando gelo, só pensando em várias coisas e não adiantava falar essas coisas para Kang. Até porque Kang tinha mentido no almoço que Won não estava escondendo nada. Não esperava que um dia os amigos fossem fazer isso, gostava tanto deles, quando mentiu para sua gangue, pelo menos admitiu que tinha feito besteira e se sentiu muito mal por isso. Mas seus amigos não pareciam ter esse sentimento. Estava sendo inevitável impedir esses pensamentos de passarem na sua cabeça enquanto andavam, queria parar de pensar nisso, mas era difícil. Acreditava que já tinha dado seu recado aos amigos, então era só precisava aguardar. Se Kang ficasse conversando com Ha-Neul, não impediria.

Quando chegou na sala da aula de dança, percebeu que muita gente estava chegando. A verdade é que não sabia o que esperar desse clube. Viu alguns playboys e patricinhas da sua turma chegando também. A sala era bonita, por isso sacou o celular e tirou uma selca dele mesmo de frente para o espelho, pediria que Kang se afastasse para não aparecer na foto. Depois pretendia mostrar para Soo-ji, ela ia gostar de ver onde são dadas as aulas. Estava fazendo isso por ela no final das contas.

Selca:

*Sem touquinha



Guardou o celular e finalmente falou algo para Kang, o semblante estava neutro e a voz calma, só não parecia muito animado:

- Kang, não esquece de alongar para não ficar com dor de novo. Acho que eles devem alongar, mas se não alongarem, a gente faz junto.

Apesar de estar chateado, não queria que isso estragasse sua animação com o clube. Tinha gostado de saber que faria junto com o Kang e não queria estragar isso. Esperava que quando a aula começasse, se sentisse mais leve. Infelizmente cada vez tinha mais gente chegando, até que duas conhecidas chamaram sua atenção: Bo-mi e Eun-bi. Mas seus olhos pararam mesmo foi na segunda, ela estava tão linda. " Ela tá aqui? Óbvio que tá! Mas que roupa é essa? Aigoo... " Jae-ki não tinha pensando nisso antes, mas não era para ser tanta surpresa ela estar no clube, fazia todo sentido, só não tinha parado para pensar. Suspirou se sentindo estranhamente aliviado por vê-la ali, sempre era muito bom poder vê-la, agora o clube parecia muito interessante.


- Uwa, elas fazem esse clube! - Exclamou para Kang - Bora lá.

Jae-ki já ia andar na direção de Eun-bi quando viu Taemin chegando, esse tinha sempre um sorriso irritante no rosto! "Jiral! Ele tinha que tá aqui também? Nada é só bom..." Mas Jae-ki estava ali por causa da sua irmã, e por ela faria tudo, até se tivesse que passar um pouco de vergonha. Só que dessa vez não deixaria Taemin se sentir vitorioso, era pra sua irmã e por isso se sentia mais forte. Iria se esforçar para aprender os passos, para ensinar direito a Soo-ji, não deixaria nenhum isekya o desconcentrar.

Depois de ver o Taemin, andou mesmo assim até Eun-bi e Bo-mi, considerava que Kang o seguiria, já que o tinha chamado. Quando chegou perto das garotas, Jae-ki tinha um sorriso largo estampado no rosto. Antes de falar algo, Jae respirou fundo, ela era tudo que ele precisava para se sentir melhor.


- Unbi! Eu devia ter pensado que você ia tá aqui. E a Bo-mi também! Meu, que daora! Eu nunca fiz essa coisa de dança antes, mas a Soo-Ji gosta, então acabei aqui. Acho que o Kang também nunca fez antes....

Não sentia certeza sobre isso, porque agora os amigos resolveram esconder as coisas. Em seguida também perguntou a Eun-bi:

- Se eu não entender algo, posso te perguntar?  

Clube de Dança

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
231

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Kim Sun-Hee em Qua Abr 04, 2018 2:23 pm

Durante a ida até o ponto, Sunny preferiu manter o silêncio e, para sua sorte ou não, Kim não agiu de maneira diferente. Os dois ficaram estranhamente perdidos nas próprias reflexões... Talvez já cansados daquele dia infernal. Dia que ainda não estava tão próximo de terminar. Quando ficou sozinha, ela evitou qualquer pensamento, concentrando-se no fluxo de veículos, mas assim que entrou no ônibus e deixou o corpo literalmente tombar sobre o banco, as lembranças a atacaram com considerável dose de violência. E Sunny não teve forças para nada além de enterrar o rosto nas mãos e se tornar telespectadora daquilo que vivenciou horas atrás - incluindo o domingo ao lado de Jung-Mi. Tarde demais, quando percebeu, visualizava o momento que o viu passar pela porta do Café, elevando-a a um grau absurdo de fascínio e aquilo doeu. Porque, a partir daí, iniciaram-se as comparações e uma busca cruel do instante que tudo simplesmente desandou.

Por que não terminou naquela maldita despedida?

Sunny preferia a ideia de guardá-lo como uma bonita recordação, pois não sabia de qual forma iria suportar vê-lo dia após dia com outra pessoa. Era uma idiota. Jung-Mi tratava-se da pior espécie... Ele enganou, mentiu e fingiu sentir coisas que não existiam e não se importou em despertar o afeto dela, ciente de que poderia machucá-la.

As mãos começaram a tremer, forçando-a a enfiar as unhas no tecido grosso da mochila, mas quem queria enganar?

Precisava de paz. Precisava de alívio...

Precisava de algo para curar essa dor.


Apenas o som baixo do zíper foi suficiente em amansar as batidas cardíacas conforme as próximas ações a enfiavam num breve estado de torpor ao nível do gosto amargo desmanchar na língua com sabor de algodão-doce.

[...]

Quase não falou com os outros colegas. Não por falta de vontade, mas parecia alheia ao que acontecia no mundo exterior. Estava assustando-se diante das coisas mais estúpidas e a aparência apática não ajudava. Entretanto, Sunny tinha a desculpa perfeita para a situação: o colégio. Claro que ele a consumiria e, de certa forma, não era uma mentira. Até agradeceu a ausência de Lee-Hi... Amava a amiga, porém a conhecia muito bem. Cedo ou tarde, teriam que conversar... Mas não hoje, e nem agora.

Apesar do trabalho redobrado devido à falta de uma funcionária, o ritmo de clientes não estava frenético, pelo menos no balcão de livros. Depois de atualizar alguns cadastros, Sunny se "escondeu" no meio das prateleiras, organizando desnecessariamente exemplares já arrumados e fazia no modo automático, sem pensar direito nos movimentos. Na verdade, a mente encontrava-se vazia, independente do incômodo nas têmporas delicadas. Então, aproveitando o tempo vago, começou a procurar os livros da lista do clube e a atividade a distraiu... Foi tão divertido, não? E o professor era gentil e inteligente... Sunny suspirou enquanto guardava um clássico inglês na repartição correta. Os braços pareciam pesar mil quilos e não chegou a perceber no quanto seus gestos diminuíam de velocidade. Se mexia em câmera lenta antes de paralisar completamente quando aquele cheiro lhe agrediu o olfato.

Fechou os olhos ao senti-los arder.

Não era possível...

Não era possível que um ser humano pudesse carregar tamanha insensibilidade.

Ela decidiu ignorar, ou tentar.

Mas... no fundo, não passava de uma grande bobeira. Sunny seria capaz de ignorar um carro pronto para atropelá-la, porém não o cheiro do perfume clássico e marcante de Jung-Mi.

O barulhinho do sino a fez encolher os ombros, reação típica de alguém prestes a levar um tapa. Porém, essa foi a sensação. De um soco na altura do estômago e se ela tivesse comido alguma coisa, teria vomitado ali mesmo, no corredor.

Pela primeira vez...

Desejou que ele fosse embora.


Do Café. Da sua vida. E, principalmente, do coração.

Devagar, Sunny girou sobre os calcanhares e caminhou na direção do balcão, só que diferente do Park, mantinha a cabeça erguida. A imagem de Jung-Mi, sempre impecável, a abalou. E ela não entendia como tinha espaço dentro de si, sendo tão pequena, para gostar tanto dele e, ao mesmo tempo, abominá-lo. Os dedos dedilharam a superfície na busca de apoio, pois os joelhos não ofereciam um sustento seguro para o pouco equilíbrio. Estava utilizando as reservas físicas, já que as emocionais transbordaram junto das lágrimas.

- O que você quer, Jung-Mi? O que mais você pode querer aqui? - as palavras escapavam em sussurros frios... - Não foi o bastante?

Quando ele tivesse coragem de encará-la, seria inevitável não oscilar frente ao estado fragilizado de Sun-Hee. Mesmo baixinha e de estrutura franzida, havia força e determinação na criatura geniosa e doce, mas agora... Um sopro a derrubaria. O visual básico das vestes apenas reforçava a expressão apagada do costumeiro brilho solar. Usava jeans, uma camisa branca, casaco com estampa de bichinhos, tendo os últimos três botões fechados e, por cima da roupa, o avental do Café Literário. Ela não se preocupou muito na hora de prender o cabelo, fazendo um coque frouxo e dispensou o auxílio de maquiagem.

De repente, o olhar pairou no papel pardo...

E por lá permaneceu.

Aguardando...

Uma contínua espera.
5 P.M - CAFÉ LITERÁRIO

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
157

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Convidado em Qua Abr 04, 2018 10:07 pm

MiSoo não estava mais tão ruim assim agora que sabia que poderia sair dali.

Ao ver a mensagem de Mia, MiSoo sentiu-se um pouco mais aliviada. Era verdade que a amiga tinha sumido e era até um pouquinho estranho não tê-la por perto, mas felizmente estava tudo bem com ela e Mia não parecia incomodada com toda a história.

“Sra. Park”...

Falavam de namoro e Mia já se adiantava para casamento!

Essa conversa fazia MiSoo corar, mesmo que fosse por texto. Tinha quase esquecido que não que decidir sobre isso ainda. Como poderia ter quase esquecido? Provavelmente estivera agitada e nervosa demais durante a tarde para conseguir raciocinar algo… Principalmente algo tão importante assim!

Agora que se sentia mais calma, apesar de ainda muito desgastada e decepcionada, não estava mais tão irritada com o garoto Park. Mesmo assim não sabia ainda o que responder. Gostava dele, mas desse jeito? Como saber, se nunca tinha namorado antes?
Pelo menos MiSoo não se sentia do jeito que EunBi havia lhe descrito… Por isso não sabia! Mas por outro lado...

Era melhor pensar nisso quando estivesse na casa da halmoni. Agora, enquanto esperava pelo motorista para lhe buscar, responderia Mia.

MiA<3

MiSoo
Tudo bem! Não tem porque se desculpar.
MiSoo
Sra. Park. Aish! Nem me fale isso! Não vai acreditar que ele disse que gostava de mim no fim da aula e eu estava tão nervosa e irritada que ainda não disse nada! Aigoo! Bem que podia ter dito antes de inventar o namoro pra escola toda ouvir!


Não demorou muito para o motorista chegar. Sair da escola lhe deixava um pouco melhor. MiSoo agradeceu ao motorista e entrou no carro. O movimento do carro lhe fez pegar no sono e quando acordou já estavam na casa do tio e a avó vinha lhe receber com preocupação. MiSoo sorriu ainda meio sonolenta para a halmoni enquanto saia do carro com a mochila na mão e lhe deu um abraço apertado e a soltou para lhe responder.

- Por favor, não fique assim, halmoni. Está bem? Eu não sei o que deu em mim. Fiquei tão nervosa! - talvez fosse uma espécie de reflexo de toda a pressão que sua ommoni exerceu sobre MiSoo quanto a ópera e a caber naquele vestido.

Quando a garota achava que tinha se livrado disso, sua mãe aparecia para continuar a exercer a mesma pressão no domingo, mesmo que já estivesse tudo acabado. Não era a toa que precisou tanto ser amparada depois daquela situação. Era mesmo uma pressão sufocante.

- Eu estava me sentindo mal. Aconteceu muita coisa na escola… Na verdade desde ontem. Mas eu estou um pouco melhor agora, só meio triste. Tive problemas com meus amigos… Ahn… Estou mesmo pálida? - fazia sentido, já que se sentia um pouquinho fraca, pelo menos a vontade de vomitar tinha passado, finalmente - Mas eu vou ficar melhor…. - deu um sorriso fraco e pousou as mãos sobre as da avó que estavam em suas bochechas.

Yoo Ri notou o arranhão que MiSoo mal sentia arder agora e não precisou de tempo nenhum para perceber o que tinha o causado.

- Ah… Eu juro que não queria brigar, mas a garota veio para cima da gente, falou coisas horríveis para mim e para a EunBi… Eu a empurrei, mas não machuquei ela.


MiSoo correspondeu ao novo abraço com carinho, tentando mostrar para sua avó que já estava melhor e, em seguida a acompanhou para dentro da casa.

- Acho que preciso explicar um monte de coisas para que tudo o que aconteceu faça sentido… - resmungou um pouco constrangida, tirando a mochila das costas.

Quando chegassem para onde a halmoni as guiavam e se sentassem confortavelmente, MiSoo começaria a explicar tudo o que tinha acontecido na escola, tentando ser o mais sincera possível. Não tinha a intenção de esconder nada, pois sentia mesmo a necessidade de desabafar.

Contou sobre o problema que causou aos irmãos Park, a briga no refeitório e como ela terminou - inclusive sobre a punição e o papel que precisava ser assinado. Também explicou como BoMi não quis lhe ouvir e a tratou como se MiSoo tivesse feito algo de bem errado - e inclusive chegou a pensar, em algum momento, que BoMi estivesse gostando de Jung Mi e por isso todo esse tratamento esquisito, mas o pensamento acabou se perdendo depois que a tenista ficara tão nervosa e desconfiada. Não deixou de fora o que Jung Mi lhe dissera e como não conseguiu responder, pois sentia irritação para com ele na hora.

Tentou não contar sobre o garoto que EunBi estava gostando, não sabia se isso poderia trazer problemas para a bailarina e não fazia parte do problema. Por fim contou como Gyu Sik tinha sido tão frio e esquisito com ela e que no domingo tinha sido o total oposto. Que ele tinha lhe ajudado com a atitude agressiva da mãe e até lhe consolá-la.

- Eu estou bastante confusa com tudo isso, halmoni. - explicava entre um gole e outro de um copo de água, depois de falar um monte - Eu não sei mais o que fazer. Mas o jeito como os gêmeos e trataram me deixou bem triste. Me senti bem mal na hora e até com ódio, mas agora passou um pouco…  Também não sei o que dizer a Park Jung Mi… Eu acho que ainda preciso pensar sobre isso… - suspirou - Mas que dia complicadooooo….. Nem consegui ir ao clube de dança que queria tantoo…

— Ross
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Won-Bin em Qui Abr 05, 2018 12:36 am




Não queria assustar ela mas Won notou ela arregalou um pouco os olhos. Ele manteve um tom calmo e uma expressão compreensível.
Sentiu o coração se espremer e comprimir como numa caixa quando viu seu queixo tremer e o choro teimava em voltar.

"Aish, não era pra ela querer chorar mais ainda"

Esconder o choro é quase tão ruim quanto chorar por si. Ficou perto dela enquanto ela tentava se recompor para falar...se tivesse mais intimidade teria colocado a mão em seu ombro ou algo do tipo, mas Won não queria piorar a situação dela.

- Só...Só está sendo um dia difícil. - Murmurou e soluçou um pouco. Pegou o avental e passou pelo rosto, secando as lágrimas. Tombou um pouco a cabeça para trás e balançou a mão na direção dos olhos. - Preciso respirar… - Puxou o ar. - Não posso perder o emprego, não agora.

"Então eu não era o único com medo de perder esse emprego"

- Ah, Won Bin- shi… - Suspirou. - Komawo. Não esperava que você fosse perceber ou perguntar se...está tudo bem. - Parecia um pouco incrédula ainda. - Eu ia dizer que estou com rinite ou gripada, mas você me pegou. Mas não se preocupe, eu ficarei bem.

-Desculpa, eu sou meio intrometido - disse colocando a mão na nuca - Mas está tudo bem Ji-Hyun...vá lavar o rosto e respira um pouco. Deixa que eu atendo os clientes agora

Sorriu de forma sincera. Queria saber o motivo pela tristeza dela, talvez ajudar de alguma maneira, mas se ela não queria falar (pelo menos agora) não iria perguntar de novo.

-Ji-Hyun...vai dar tudo certo. Fighting - disse meio que imitando a própria fala dela no outro dia.

Uma vez pronto Won ia até a chefe.

"Você tem certeza que ela é humana, Bo-Mi?" pensou olhando como a chefe não parecia descansar um único minuto.

- Ya, Hwang, venha aqui. - Chamou, de repente, estalando os dedos. - Vejo que você se livrou do gesso e agora pode usar melhor a mão. Bom, a notícia boa é que não vou te demitir. Na verdade, decidi isso desde o início porque quem te cobriu foi o Shin Hee e eu não iria contra ele.

Respirou aliviado. Mas sua mente pegava a sacada em seguida.

"Ei! Você me fez sofrer aquilo tudo pra me dizer que não ia me demitir!?"

Won tinha uma veia saltada na testa nessa hora, mas se controlou e manteve o sorriso simpático.

-Obrigado chefe. Obrigado pela segunda chance - fez uma leve mesura.

- A parte ruim é que o seu trabalho vai aumentar um pouco. Agora que está com as mãos livres, você vai ter que aprender as receitas mais complexas do café. E eu recebi algumas reclamações - não falaria sobre os elogios - de que algumas medidas não pareciam certas. Dessa vez passa, porque sei que foi sua primeira semana e você estava em treinamento, mas agora quero foco, certo? Prometa que vai se esforçar e ficarei feliz. Mas não vou sorrir pra você.

Ouviu atentamente. Tinha mesmo que melhorar em algumas coisas, por exemplo o tal do macchiato...

"Será que ela vem hoje?" se distraiu por um instante mas voltou do mundo da lua rápido o suficiente para ouvir tudo que a chefe dizia.

-Sim chefe. Eu vou me esforçar! Agora vou trabalhar o dobro de antes! - tinha duas mãos agora afinal.

"Ok Won, foco. 200% agora!"

Arregaçou as mangas e começou. Ia tomar o tempo mais tranquilo para se aprimorar na parte das medidas que ela havia comentado e atenderia os clientes enquanto Ji-Hyun não voltava.

"O que será que aconteceu com ela? Será que a chefe gritou com ela? Aish..."

Café Beautiful

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
195

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Qui Abr 05, 2018 10:56 pm

JAE KI - 3:30 P.M. CLUBE DE DANÇA
Kang não alimentou mais aquela história entre Jaeki e Won Bin. Achava que já tinha sido bem claro nas coisas que dissera e agora era o momento deles se resolverem. O garoto gostava do trio, gostava de ver os Três Dragões funcionando. Apesar de ser uma pessoa sociável, ele sempre sofreu com ostracismo social por conta da história de sua família, mas isso nunca foi motivo para tirar seu otimismo e a fé nas pessoas.

Por isso, embora WangJo fosse um inferno às vezes, ele se sentia feliz pela primeira vez na vida. Porque tinha amigos - que achava que fossem verdadeiros - e agora aumentava sua rede de amizades com outros grupos.

Assim como Jae Ki, Kang também usava uma roupa básica: moletom cinza escuro, blusa vermelha larga e tênis. O cabelo estava um pouco bagunçado, mas era por conta das horas que já estava ali. A primeira coisa que ele ficou impressionado foi com o tamanho do lugar. Estava com um “uwaa” formado na boca quando ouviu o comentário do amigo.


- Mwo? Oh! Ne, pode deixar! Seria daora se você me ajudasse mesmo. - Comentou enquanto ainda olhava o lugar.

Algumas risadinhas começaram a ecoar pela sala quando Ha Neul chegou daquele modo. Uma das meninas do segundo ano - uma loira - nem disfarçava a cara do deboche enquanto dava cotoveladas num dos meninos do segundo ano também. A capitã olhou bem para Ha Neul e respirou fundo - não era como se fosse expulsá-lo, mas ela esperava que tivesse um ano tranquilo ali. De preferência com pessoas que soubessem o que estavam fazendo!

Para a surpresa de alguns, Ha Neul não se importou. Ele virou de frente para o espelho e continuou ajeitando sua roupa. Tinha uma auto estima e confiança elevadíssimas, de modo que não se importava com aquelas risadinhas debochadas. No fim do dia, ele ainda seria um top 10 chaebol e, provavelmente, um aspirante a Idol. O sorriso confiante dele desfez um pouco a cara de deboche da menina.

- Ya, Ha Neul-shi, eu não sabia que você dançava.

- Eu também não sabia que você fazia parte do clube, Jimin-shi.

- Como não sabia? Eu sempre danço no fim do ano! - Disse meio afrontada.


- É mesmo? Talvez porque eu não preste atenção em você. Min Ah-shi e Eun Bi-shi chamam mais atenção.

Min Ah, a capitã do clube, ficou surpresa com aquela declaração, mas Eun Bi não tinha escutado porque só chegou instantes depois com Bomi. Fato era que Jimin ficou bem aborrecida com aquilo e virou a cara, irritada.

- Como a sua opinião fosse importante. Olha como você tá vestido, garoto.


- Então por que está fazendo essa cara, hm?

- Ya! Chega! Eu não quero confusões no primeiro dia. - Min Ah intercedeu. - Se continuarem vou ter que relatar para a professora.


Eun Bi e Bomi chegaram até a sala - andavam lado a lado, mas traziam uma expressão mais séria, como se o assunto estivesse um tanto quanto denso. Kang olhou para elas quando Jaeki apontou e não soube se ficou feliz ou triste. Gostava delas, mas significava que a probabilidade de se meterem confusão tinha crescido de modo expressivo.

E quando Taemin chegou na sala, a probabilidade explodiu a calculadora. Kang acompanhou Jaeki até as meninas e sorriu para elas. EunBi olhava meio preocupada na direção de Taemin, mas logo aliviou a expressão ao encarar Jaeki.

- Eu também não imaginei que você fosse vir. Que bom que teremos um clube em comum, não é? - Sorriu de modo meigo.


- Ah, eu faço só por hobby, não sou tão boa assim.- Bomi foi humilde.

- Eu danço muito bem. -  Kang não foi nada humilde. - Posso te ensinar a se tornar um com o chão.


- Como é que é? - As duas perguntaram já rindo.

- Depois eu mostro. - Kang balançou o cabelo.

Bomi continuou dando uma risadinha e Eun Bi olhou para Jaeki.


- Ung, eu te ajudo sim. - Encarou por mais um tempo. - Ahm...Eu preciso te dizer uma coisa antes. - Entrelaçou as proprias mãos, estalando de levinho. - Preciso que você tenha um pouquinho de paciência porque…

- Boa tarde, turma! - Uma belissima mulher, alta, esguia e com collant e uma calça bailarina apareceu ali. - Como vão?


- Depois eu falo…

A professora chamava a atenção deles e olhando para a turma.

- Tem gente nova...Legal! - Disse animada. - Mas também tá faltando gente. Onde estão Yeun MiSoo e Go Eun Na?

- Ahm..A Eun Na-shi faltou hoje, professora. - MiRan falou.

- E a MiSoo-Yah passou mal e foi pra casa… - Eun Bi deu sua versão.

- Oh que pena...Vão perder o início da coreografia. Bom repassem para elas, depois, ok? - Falou com as meninas. - Bom, para quem não me conhece, muito prazer, eu sou a professora Lee Jung Eun, bailarina profissional e coreógrafa chefe da S.B Entertainment (Shine Bright). Leciono aqui há cinco anos e amo o que faço. Nossas aulas consistem em aprender e aprimorar coreografias e nosso repertório atual está na base do KPop, mas não significa que ficaremos até o fim do ano nisso. Podemos experimentar outros estilos, caso eu veja interesse e disposição da turma. Aprenderemos uma coreografia por semana, por três semanas. Na última aula do mês vocês se apresentam pra mim. Pode ser que eu peça em grupo de meninos ou só meninas, misto, solo..depende da música. Fato é que na última semana, vocês treinam e dividem o que vão fazer e na útlima aula apresentam 2 das 3 coreografias pra mim. Fácil, vai.

Sorriu. Não era fácil.

- Nas apresentações culturais, nós geralmente trabalhamos com mashups. O que é isso? Pegamos várias músicas e fazemos dez minutos de apresentação. É puxadíssimo, por isso nem todos os alunos participam dos dez minutos, apenas os melhores conseguem todo esse tempo. Isso não quer dizer que não vão participar, só que as participações se adequam ao físico, ritmo e técnica de cada um. Por exemplo, ano passado, nossa última música da bloco 1 foi com meu casal 10, Choi Eun Bi e Do Taemin, num cover de Now do Troublemaker.

Taemin sorriu orgulhoso e Eun Bi agradeceu.

- Foi memorável.

- Se quiser, podemos repetir, professora - Taemin sugeriu.

- Seria ótimo. Han Minhyun e Kim Min Ah também foram excelentes com Don’t Recall. Tá decidido, vocês quatro vão repetir a dança depois das apresentações. Mas quem quiser assistir está no youtube, no canal do colégio. - Avisou. - Booom, voltando! Além disso, nós também temos o projetão! - Riu do termo - Que é o musical que ajudamos o clube de teatro, música e tudo mais, numa super produção que vocês se superam todos os anos.

Prendeu o cabelo num coque e levou as mãos no quadril.

- Agora apresentações. Vocês quatro, novatos, podem começar. Nomes, turma, sabem dançar?

Os quatros e encaram e deixaram que Lee Hi se apresentasse primeiro. Ela pigarreou e começou.

- Ahm...Olá, eu me chamo Lee Ha Yi, sou uma bolsista do 2º ano que passou em 3º lugar. Eu já fiz aulas de kpop e street dance como atividades extra porque sempre gostei. Mas espero poder adquirir novas experiências aqui. Por favor, me ensine, professora. - Reverenciou.

- Fofinha...E o senhor, Spiderman?

Ha Neul deu um sorrisinho.

- Eu me chamo Baek Ha Neul, sou do 2º ano. Eu não tenho experiência com dança, mas gostaria de aprender. Sou sedentário e achei que esse clube fosse o melhor para mudar este paradigma de minha vida. Espero melhorar sob sua tutela, professora.

- Fighting! Vocês?

- Ah, eu sou Kang Woo Jin, sou do primeiro ano, bolsista, passei em 4º lugar. Ahm...Eu sou intuitivo, nunca tive aulas-aulas de dança, mas tenho uma boa memória e prometo me esforçar.

- Ótimo ouvir isso e você? - Olhou para Jae Ki.

À essa altura, Eun Bi já estava um pouco tensa e bicuda por conta do que deveriam fazer. Depois das apresentações, a professora mandaria que eles começassem um alongamento em forma de passos de dança com uma música sem letras.
(C) Ross


MISOO - 4:30 P.M. RESIDENCIA KWON
- Como não quer que eu fique assim? - A avó perguntou num tom bravinho, porém era por conta da preocupação e do amor que sentia pela neta. - Recebi uma ligação no meio da tarde do seu colégio! Claro que fico preocupada! Aigoo, pensei em tantas coisas…

Dizia bastante aflita enquanto continuava passando as mãos pelo rosto, pescoço e ombros, certificando-se de que sua querida estava bem. Ouviu as justificativas iniciais dela e parou por um instante, encarando.

- Está pálida. - Confirmou e apontou para o curativo que ela tinha no rosto. Era algo pequeno e discreto por conta do arranhão, mas aos olhos da avó parecia uma violência sem precedentes!

Arregalou os olhos e deixou a boca cair num “o”.

- Você brigou na escola?? - Quando estava prestes a surtar, recebeu o abraço e apertou a neta com forças. Estava bastante confusa com tudo isso.

Guiou a neta para o interior da casa e pediu para que a governanta trouxesse chás de camomila e erva cidreira, bem como biscoitinhos amanteigados. Enquanto o esperava pelo pedido, ela se mantinha próxima da neta, segurando sua mão com as duas mãos, afagando daquele modo tão carinhoso e maternal.

A sequência de acontecimentos narrados por MiSoo pareciam ter uma ligação estranha. A avó ficava em silêncio, apenas ouvindo tudo o que era dito. O chá e os biscoitos chegaram nesse meio tempo e ela serviu tanto a neta quanto a si mesma - estava ali ouvindo e não dando seu parecer. Daria o de camomila para a neta, adoçando e colocando leite - caso MiSoo gostasse - sempre no ponto e dose certos. Entregou e preparou o próprio. Sua avó gostava da moda inglesa, tanto que a louça seguia o padrão britânico - Mas ela também sabia ser tradicional.


- Tudo fica melhor depois de um gole de chá. - Declarou e fez a neta beber, depois da água. Estava achando Misoo pálida, precisava de um pouco de energia e, porque não dizer, carinho.

Suspirou finalmente e a encarou.

- Deve ter sido um dia bem confuso e exaustivo mesmo, minha querida. - Comentou. - Mas tenho fé de que tudo vai se resolver. O primeiro assunto envolvendo os irmãos Park não está em suas mãos. Ouvi dizer que o relacionamento deles ficou trincado depois da morte dos pais. E, bom, o mais novo mora na casa dos pais com o tio que tem a guarda. Já o mais velho, até onde sei, mora com o avô materno. - Explicou a situação e a encarou. - Não é algo que você tenha controle. Você também não tem culpa de não saber que eles ainda não se falavam, enfim, não sofra mais por isso.

Mexeu um pouquinho no chá, pensando no próximo tema.

- Quanto à resposta que dará para Park Jung Mi… - Ponderou. - Creio que estará intimamente ligada à sua relação com os gêmeos Yoon. Não ficaria surpresa se descobrisse que o Yoon Gyu Sik goste de você e se você optar por Park Jung Mi, creio que esteja colocando uma pedra nos sentimentos dele. Já sua amiga Bomi, bom, ela é sua amiga, mas também é irmã dele. Não sei como pensaria no lugar dela. Dependeria de muitas coisas.

Pareceu um pouco triste com isso.

- Mas a verdade é que, independente do que essas três pessoas achem, o importante é você decidir o que você acha e sente. Sei que é difícil, que você nunca pensou em romances assim, mas...Pense um pouco e reflita. O que você sente quando está na presença de Jung Mi? E de Gyu Sik? É o mesmo que sente com outros rapazes?
(C) Ross


SUN HEE - 5 P.M CAFÉ LITERÁRIO
Aquele dia não tinha sido difícil apenas para Sunny ou MiSoo. Apesar dele ser responsável por boa parte daquela confusão - e, porque não dizer, dos ferimentos daquele dia -, ele também estava, ao seu modo, sofrendo com tudo aquilo.

Por não ter clubes naquele dia, ele simplesmente seguiu para sua residência sem trocar palavras com seus amigos. Se é que ainda tinha amigos. O dia tinha começado torto com aquela aula de educação física que culminou com uma discussão pesada com seu irmão. Não tinha percebido, mas eram apenas indícios de que o que estava ruim, sempre podia piorar.

De todo modo, ele precisava se concentrar em suas próprias tarefas. Teria aula de administração naquela tarde, mas depois que o professor foi embora, ele percebeu que não havia absorvido completamente nada. Estava perdido demais nos próprios pensamentos para se concentrar no tópico daquela tarde. Sua mente divagava pela imagem de seu irmão, depois pulava para o intervalo e o que achou que tinha sido o melhor a ser feito no momento - admitir o namoro com MiSoo. Em seguida teve a expressão de Sunny que serviu como um golpe em seu peito. Sem saber de onde, ele tirou forças para manter a expressão inabalável e, mais do que isso, também conseguiu manter a máscara para se declarar para MiSoo.

Onde ele estava com a cabeça ao fazer isso?

Não tinha escrúpulos?

Não queria pisar nem brincar com os sentimentos de MiSoo. Boa parte do que ele tinha dito podia ser verdade, caso ele já não estivesse apaixonado por outra pessoa. E, por conta disso, ele não mediu esforços ou consequências para manter o nome dela intacto. Para isso, precisava que outro nome surgisse. O pior é que isso nem tinha sido ideia sua.

Por algum motivo, sua melhor amiga tinha concluído que ele gostava de MiSoo e, bom, o resto foi consequência.

Uma grande confusão que ele estava cada vez mais imerso e ele não sabia onde pararia.

Depois que sua aula terminou, ele mexeu na mochila e percebeu que estava carregando um peso a mais. As imagens da noite anterior ainda estavam vivas com o tempo que ele gastou melhorando o que já era perfeito e depois imprimindo as fotos, gastando as últimas folhas de papel fotográfico que achou. Quase não dormiu por conta do trabalho que teve e imaginou que pudesse entregar num contexto diferente. Aliás, em sua mente, aquele dia inteiro teria sido completamente diferente.

Mas até a declaração foi para a pessoa errada.

Jung Mi segurou aquele papel pardo com certa dificuldade. Estava pesando muito mais do que deveria e sentia que certas coisas não poderiam esperar. Precisava vê-la, apesar de tudo. Precisava encontrá-la, apesar de se achar um canalha.

Quem não acharia, não é mesmo?

Munido de coragem, ele se arrumou de modo bem largado e informal - o que não queria dizer que ficasse feio nele - e saiu da residência sem motorista. Nem mesmo a aula de violino seria barreira o suficiente para evitar aquela visita.

Quando o carro pedido o deixou em frente ao café, Jung Mi ficou uns bons três minutos parado diante da entrada. De onde estava, via o balcão de Sunny vazio, mas uma sombra passava entre as prateleiras, de vez em quando. Respirou fundo várias vezes até que levou a mão até a porta e ela se abriu sozinha.

Tomou um susto, mas era apenas um cliente se retirando do café. Aproveitou o momento e entrou, caminhando com passos calculados até o balcão. Engoliu em seco algumas vezes e o primeiro desafio foi tocar o sino, chamando pela balconista. Fechou os olhos enquanto aquele som estridente ecoou por seus ouvidos por alguns segundos. A cabeça estava meio abaixada e quando abriu os olhos, ele focou no chão, não na direção do balcão.

Pôde ouvir os passos vindo em câmera lenta. Um de cada vez, uma mistura de determinação e hesitação, os dois cadenciados em cada passo - porque assim como parecia quer ir, também não queria.

Sabia bem quem era a pessoa que estaria diante dele, mas não a encarou à principio. Até ouvir aquelas três perguntas.

“O que você quer, Jung Mi?”

“O que mais você pode querer aqui?”


Uma pausa.

“Não foi o bastante?”

Piscou lentamente e começou a erguer os olhos bem marcados - não eram arredondados como os de seu irmão, tendo muito mais traços angulosos e marcantes do que arredondados e harmônicos. A imagem de Sunny realmente o abalou - o segundo desafio daquele momento seria encará-la mesmo.

Doía demais…

Doía ver como cabia tanta tristeza e decepção num ser tão pequeno e frágil.

Mas Jung Mi não estava diferente dela. Apesar dele ter uma postura sempre muito séria, ele estava visivelmente abalado, quase triste - quiçá decepcionado. Levou a mão livre até os sinos da face - bem no ponto alto do nariz - massageando a região antes de respirar fundo e encará-la.


- O que eu quero? Esclarecer algumas coisas. - Disse numa voz firme. - O que mais eu posso querer aqui? Você já sabe a resposta, mas eu gostaria de entregar algo. - Olhou para a mão que segurava o papel pardo. - E não, não foi o bastante. Não foi nem perto do que eu gostaria que fosse o bastante.

Ajeitou a postura, continuando a encará-la.

- Você tem um momento para me ouvir ou não? Caso a resposta seja negativa, apenas fique com isso e encerramos por aqui. - Escorregou o papel pardo na direção dela. - Seria doloroso e constrangedor se eu ficasse.

(C) Ross


WON BIN - 8:30 P.M. CAFÉ BEAUTIFUL
Hyesang pareceu satisfeita com a resposta de Won Bin, por isso, logo em seguida, ela começou a treiná-lo com as novas receitas. Mostrava o passo a passo de bebidas um pouco mais complexas que demandavam desenhos ou algum enfeite no copo - como calda escorrendo por dentro do vidro, antes de botar a bebida. A chefinha disse que ficaria ajudando por uma semana, mas na segunda seguinte, queria que ele atendesse aos pedidos sozinho!

Disse que seria legal se ele pesquisasse algumas coisas na internet ou treinasse em casa - não iam ficar gastando ingredientes ali para tentativa e erro de Won. Não era uma escola de baristas ou workshop. Ele devia aprender na prática, mas tentando se aproximar sempre do certo.

Um pouco contraditório e complexo, mas bem, ele precisaria aprender em algum momento!

Nesse meio tempo, Ji Hyun retornou para o salão. Apenas de alguns inchaços aqui e ali, dava para perceber que ela tinha melhorado a carinha com maquiagem e que agora forçava um sorriso nos lábios. Hyesang trocou um olhar considerável com ela, mas não comentou nada à respeito. Só disse.

- Ji Hyun-shi, você vai atender as mesas hoje, tudo bem? Won ficará no balcão comigo, treinando.

- Certo. - Mexeu a cabeça na direção da chefe e tomou o bloquinho, caneta, bem como pegou um pano para si.

O dia foi bastante agitado. O fluxo ficou baixo até umas 6h, mas depois disso...O café não parava. Muitas mesas encheram e as pessoas não pediam só bebidas, também queria os lanches prontos dali. Felizmente, Won e Ji Hyun não eram os únicos dali - o Café também tinha mais seis funcionários que se revezavam na jornada de 8 horas. E ainda tinha mais um estudante na parte da manhã, para meio período.

Todos se esforçavam para fazer o melhor de seu serviço e isso era ótimo para Won porque podia se focar no que estava fazendo e não em outras teorias ou complicações. Verdade que sempre havia a possibilidade de Bomi entrar ali e ele não ter como falar com ela, mas ela também não apareceu no horário de pico. Nem a mãe dela - para alívio de Won.

Apenas por volta das 8:30h, as coisas passaram a ficar mais calmas. Os clientes estavam ficando um pouco mais escassos - apenas os viciados em café ou quem chegava do trabalho ou do colégio num horário mais puxado. Won teve um instante de paz e Ji Hyun se aproximou da lateral do balcão, respirando enquanto trocava de pano, pegando um limpo. Olhou para ele soltando um suspiro quando a porta do lugar abriu de novo.

A menina olhou na direção da porta e se endireitou, tomando uma postura mais formal. Hyesang ergueu o olhar do caixa para a porta e arqueou uma das sobrancelhas com a chegada da pessoa.

Bomi geralmente tinha um andar confiante e alegre, mas ficou um pouco tensa com as encaradas. Ela tentou forçar um sorriso simpático, mas como não estava muito certa deles, ela engoliu em seco e se aproximou do balcão. Estava usando roupas normal: um short jeans, uma blusa branca com uma palavra em inglês e uma camiseta de flanela com as mangas dobradas. Nos pés, umas sandálias brancas. O cabelo estava solto e ela não usava acessórios.


- Oi… - Disse meio sem jeito.

- Olá, Bomi, como vai?

- Vou bem, unnie e você? - Olhou para ela.

- Bem também. Vai querer um Smoothie de baunilha?

Hyesang atendia mesmo que isso fosse encargo de Won. Bomi continuou agindo de modo gentil e meneou positivamente.

- Uhum, isso mesmo.


- Não precisa pagar. Estou abatendo da quantia que sua mãe deixou ontem. - Disse um pouco mais séria. - Vai, Won, Smoothie de baunilha você já sabe fazer.

Mandava que ele ficasse de costas para a menina. Bomi piscou algumas vezes, mas só ajeitou o cabelo e ficou quietinha, esperando. Claro que ficou sentida com a fala cortante de Hyesang, mas o que podia fazer? Abaixou o olhar, mexendo no cardápio como se tivesse algum interesse, mas não tinha nenhum, de fato.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:36 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Convidado em Sex Abr 06, 2018 12:46 am


- Ah. Por favor, halmoni. Só quero que não fique nervosa ou decepcionada comigo. Desculpe por ter feito você se preocupar e também se teve que cancelar alguma coisa importante… - sabia que a avó também era uma pessoa ocupada e que corria o risco de ter lhe tirado de algo importante - No meu rosto foi apenas um arranhão. - disse antes de abraçá-la - Eu fiquei muito mais nervosa em achar que o aboji se irritaria que eu me meti em confusão na escola do que com o arranhão ou o castigo… - fez um beicinho triste - Ele não vai ficar contente…

Já sentadas em um lugar confortável e com um generoso copo de água em mãos, MiSoo começou seu relato enquanto a dupla esperava que a governanta trouxesse o chá. Estava mais contente com os afagos da avó. Podia-se dizer que MiSoo já se sentia em seu estado normal agora que se afastara da possibilidade de criar mais confusões por hoje e por estar recebendo o carinho de sua queria halmoni. O amor e a compreensão de Yoo Ri deixavam MiSoo mais a vontade de contar sua história, mesmo as partes que lhe deixavam com vergonha de mencionar.

Quando o chá com biscoitos foi servido, MiSoo parou um pouco a história para deixar que a avó lhe servisse e sorriu acenando positivamente com a cabeça ao comentário da mais velha acerca do chá. O chá melhoraria os ânimos de MiSoo, as a presença da avó era a maior diferença.

MiSoo costumava optar pelo chá sem leite, mas também gostava do modo inglês e preferia acompanhar a avó nos gostos dela.

Yoo Ri agia de uma forma tão calma e conseguia transmitir o sentimento a MiSoo. Os problemas agora pareciam bem menos complicados do que antes. A halmoni sabia mesmo como lidar com qualquer tipo de situação!

MiSoo deu um pequeno sorriso quando a avó comentava que as coisas se resolveriam. Era o que a tenista desejava também.

- De. Eu não sabia que estavam assim, brigados. Acho que Mia até tinha comentado algo, mas sinceramente não fiquei muito com isso na cabeça para me lembrar na hora. - deu um pequeno gole no chá - Eu fiquei nervosa na hora com minha própria falta de tato para e dar conta disso, mas depois eu entendi que a culpa não era minha… Afinal eu não chamei Park Hyun Hee para a conversa com a intenção de causar problemas… Nem lembrava que moravam separados, mas não se preocupe, pois não estou sofrendo por isso. - muito menos depois do showzinho do Park mais novo no refeitório.

Na verdade, tinha deixado totalmente de se preocupar com isso depois da cena toda e de ter pedido desculpas para ele sobre o que causou.

A avó tocou no assunto da resposta a Jung Mi e MiSoo se encolheu um pouco no sofá, segurando a xícara entre as duas mãos, mas acabou boquiaberta com o que sua halmoni dizia. Então EunBi não estava só tentando melhorar o humor de sua melhor amiga dando um ar diferente a toda a confusão que tinha se formado?


A situação era mais mirabolante do que poderia imaginar. Ainda estava descontente com os gêmeos, as as palavras de Yoo Ri tinham tocado sua neta.

MiSoo pousou a xícara meio desajeitadamente sobre o pires e levou as duas mãos sobre a cabeça. Como tinha saído da garota que nenhum rapaz nunca iria querer para uma situação dessas??

- Aigo! EunBi falou algo assim para mim, mas achei que era só ela romantizando tudo!  Quer dizer, por que…? - não continuou a frase, pois nem sabia direito como dizer isso.

MiSoo não era só a garota ex-gordinha da sala que sempre conseguia dar um jeito de se meter em confusão?

Por que, de repente…?

- Aish!! - agora, quando a garota resolveu pôr a cabeça para funcionar, domingo fazia todo o sentido - Aish! Como eu sou burra! - deu um tapinha na testa.

Tantos elogios…

Como os dois foram gostar dela?

Isso é até interessante.

Não! E péssimo!

Até onde MiSoo sabia os dois eram bons amigos. Isso parecia-se com algo que poderia causar problemas a amizades deles. Na verdade, provavelmente já tinha dado problema. Eles tinham trocado de lugar na segunda parte da aula. Bom, não tinha certeza se era bem isso ou se era com ela mesma o problema, mas, na mente de uma garota em que a amizade era algo muito importante, isso era péssimo.

- O que eu sinto… é que vou me sentir mal se eu for a causa de um abalo na amizade dos dois… Isso é algo bem difícil. Como poderia fazer uma escolha assim tendo consciência de que posso estragar a amizade de duas pessoas? Se ao menos não fossem amigos… - talvez assim seria mais simples  - é o que eu acho…

Mas se tivesse mesmo que escolher… Depois de ouvir os conselhos da halmoni, o que ela dizia que MiSoo deveria fazer, talvez a resposta fosse menos complicada do que parecia antes.

— Ross
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Sex Abr 06, 2018 1:18 am

MISOO - 4:30 P.M. RESIDENCIA KWON
Yoo Ri meneou positivamente quando a neta comentou que não sabia sobre a situação dos Park. MiSoo nunca foi do tipo de menina que se interessasse muito nas histórias que rondavam a alta sociedade - talvez devesse se importar mais? Talvez, mas ela estava na idade de se preocupar com o seu próprio mundo mesmo.

- O que me chamou a atenção foi o fato de Park Hyun Hee ter sido gentil. Ele costumava ser um menino muito bondoso e educado, um pequeno cavalheiro. Porém, desde que voltou do Ocidente, ouvi dizer que sua atitude mudou drasticamente. Fico satisfeita em saber que ele te tratou bem. Foi algo que aconteceu na Ópera?

Indagou, por pura curiosidade. Não era como se fosse um fator fundamental, apenas algo para pensar quando encontrasse de novo. Isso mudaria o modo que ela mesma agiria com ele.

Deu um gole em seu chá e partiu para o assunto seguinte. Ficou um pouco surpresa quando sua opinião bateu com a jovem Eun Bi. Existiam alguns motivos para uma menina como a bailarina pensar assim: ou era muito romântica - o que não parecia, conhecendo a figura - ou era muito atenta - também não era - ou estava apaixonada - será?. Yoo Ri apenas ficou quieta, ponderando.

- Não tenho a resposta para isso, algumas coisas simplesmente acontecem… - Suspirou quase nostálgica.

Colocou o pires e sua xícara de volta na mesinha de centro e virou-se para MiSoo um pouco mais atenta. Perguntou, com bastante sinceridade, o que a neta achava. Ao ouvir a resposta dela, deu um sorriso gentil. Voltou a segurar na mão dela, fazendo um carinho até o pulso.

- Você é tão jovem e inocente ainda… - Manteve o sorriso e a encarou. - Mas também se culpa por coisas que não são de sua responsabilidade. Vamos pensar sob uma perspectiva diferente?

Ajeitou-se e começou a montar o quadro.

- Você e Eun Bi gostam do mesmo garoto. Não sei dizer há quanto tempo vocês gostam dele, mas fato é que gostam. É um sentimento verdadeiro, intenso. Você sente que será feliz ao lado dele. Porém, tem sua amiga. Você escolheria o que? Eun Bi ou o menino?

Uma resposta bem fácil para os padrões de MiSoo. Então, a avó diz.

- E em que momento, essa escolha é culpa do menino? - Sorriu. - A amizade não é sua, é de Jung Mi e Gyu Sik, certo? Uma resposta sua não vai quebrar a amizade deles, mas sim o modo como eles mesmos tratam essa amizade. E, ao meu ver, talvez Jung Mi já tenha feito a escolha dele. Porque ele se declarou para você e não abriu mão pelo amigo. Entende? E isso não é culpa sua. Sua responsabilidade é consigo mesma, é traçar o que realmente sente, se é que sente alguma coisa por um deles dois.

Recuou um pouco, ponderando.

- Escolhas raramente são fáceis, MiSoo. Eu também tive minha quota de escolhas, sabe? E todas elas me trouxeram até este momento, onde estou dando esse conselho para minha amada neta. Se elas foram dolorosas? Sim, muitas foram, mas...Eu não mudaria nada, se eu soubesse que teria você aqui, agora.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:37 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Kim Sun-Hee em Sex Abr 06, 2018 1:46 pm

Aquela tratava-se de uma definição perfeita...

Ao mesmo tempo em que Sunny não desejava ir, temendo o que quer que Jung Mi tenha preparado para essa “conversa” surpresa, ela também desejava vê-lo... Uma vontade meio masoquista, mas não controlava os próprios sentimentos. E não mentiria para si mesma.

As perguntas escaparam de maneira automática e lenta, carregadas de uma frieza que não parecia pertencê-la. Sunny era dócil demais, bondosa demais – apesar do temperamento esquentadinho... Por conta disso, era estranho visualizá-la assim, mas existem determinados aspectos que nenhuma máscara consegue ocultar. Os olhos molhados entregavam a forma que o Park mexia com ela. Sentia-se irritada... Porém, essa angústia não se aproximava sequer do sofrimento que apertava o coração dela, quase fazendo-o explodir em novos fragmentos. Só que Sunny segurava-se desesperadamente, implorando para não desmoronar outra vez... Nesse momento, não era uma questão de preservar algum ente querido, e sim de manter o orgulho. Caso abaixasse a cabeça para ele agora, talvez não fosse capaz de erguê-la de novo. Então, não. Que Jung-Mi reconhecesse cada emoção exposta na face da bolsista... Porque ele seria obrigado a encará-la todos os dias.

Sunny não fraquejava diante de ninguém.

E com ele não seria diferente, embora o Park constituísse uma série de fraquezas nela.

Os olhos... O cheiro... O sorriso mínimo que afastava a seriedade de uma expressão precocemente madura...

Perdeu a conta dos instantes que ansiou acariciar cada linha tensa daquele rosto e lhe oferecer um pouco de alívio.

Em sua inocência, depois do festival, ela realmente pensou que... que seria essa pessoa para ele. Seu porto seguro, onde o mundo não poderia alcançá-los e nem feri-los.

Ela pensou, de verdade, que era especial para Jung-Mi.

Haviam detalhes, as famosas rachaduras, que ainda não entendiam um sobre o outro... Entretanto, e daí? Naquela redoma que ambos criaram, Sunny teve a sensação de ser inteira e perfeita, pois Jung-Mi era um sonho...

Que se partiu tão fácil quanto um espelho e sobrou para ela recolher os cacos.

E o pior - o pior de tudo - era que Sunny enxergava sua tristeza refletida na imagem dele.

Incontroláveis feitos espasmos musculares, os dedos apertaram a beirada do balcão quando Jung-Mi começou a falar, e a voz baixa e grave propagava-se nos ouvidos de Sun-Hee até alcançarem a cabeça. Agia como uma viciada prestes a perder a origem da dependência. Mas continuou a encará-lo, correspondendo a troca.


O timbre imposto a surpreendeu, pois servia de contorno para uma rispidez contida. A feição suave se contorceu de leve...

“Você já sabe a resposta...”

Sabia? Mesmo...?

O silêncio ficou entre os dois - como tantas coisas, aumentando a distância... - enquanto Sunny refletia sobre o que responder. O certo seria mandá-lo embora e deixá-la em paz. Mas se fizesse isso, não encerraria o ciclo, como o Park afirmou. E, bem ou mal, tudo se iniciou no Café...

Que encontrasse o desfecho no ponto de partida.

Delicadamente pegou o embrulho pardo, fitando-o por alguns segundos antes de guardá-lo próximo do computador. Não o abriria na cara de Jung-Mi. Nesse intervalo que virou de costas, ela fechou os olhos e respirou fundo, implorando novamente a si própria que aguentasse.

- Vem.

Ela não se incomodou em esperá-lo concordar ou não, até porque, não tinha espaço para ele refletir. A única opção era segui-la até as prateleiras que Sunny ocupou minutos atrás. Assim que girou, permanecendo frente a frente, a garota precisou inclinar o queixo para encará-lo...


De repente, Jung-Mi seria agredido com o indicador fino o pressionando na altura do peito conforme os traços de Sunny tornavam-se meio ariscos, independente da voz meiga assemelhar-se a sussurros.

- Quer esclarecer as coisas? Ótimo. Estou ouvindo, Park Jung-Mi. Mas não ouse falar comigo desse jeito... Não se atreva...


- Escute… Escute com muita atenção - o choro preso na garganta dificultava a passagem das palavras engasgadas, mas ela não se importava mais – Chega de mentiras... Ou de verdades cortadas pela metade. Caso não esteja disposto a isso, eu não vou pedir... Eu vou exigir que suma daqui.

O braço estendido caiu rente ao corpo e os únicos movimentos partiam do peito subindo e descendo graças à respiração intercalada.

- O que você quer?

Repetiu a pergunta de modo mais intenso e arrastado.
5 P.M - CAFÉ LITERÁRIO

— Ross


Última edição por Kim Sun-Hee em Seg Abr 09, 2018 1:20 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Seul

Data de nascimento :
20/04/2002

Mensagens :
157

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Jae-ki em Sex Abr 06, 2018 2:28 pm


Jae-ki achou que Eun-bi parecia um pouco preocupada, mas logo que viu o sorriso meigo dela, relaxou. Pensou que talvez ela estivesse assim por causa do Taemin, depois do que ele fez, Eun-bi deveria estar o odiando. Quando ela disse que era bom terem um clube em comum, Jae sorriu e acenou com a cabeça confirmando. Realmente seria ótimo poder ficar com ela mais tempo, ver Eun-bi não era demais. Ouviu Bo-mi dizer que estava por hobby ali. Mas o interessante foi ouvir Kang dizendo que dançava muito bem. Jae-ki franziu as sobrancelhas ao ouvir ele falar do chão.

- Mwo? Tornar como o chão?

Quando viu que nem as duas sabiam, Jae-ki entendeu que era mais uma das piadas do seu amigo. Seu sorriso nem saía do rosto só por estar perto de Eun-bi, ficou feliz por ela ter aceitado ajudá-lo. Só começou a estranhar quando ela disse que ele precisava de paciência, porém a professora os interrompeu.

Jae-ki tentou então prestar a atenção na aula, ficou surpreso ao ouvir que MiSoo fazia parte e que tinha passado mal. " Ela parecia mesmo cansada... Mas não quis minha ajuda..." Ele continuou ouvindo a professora, parecia muitas coreografias para tão pouco tempo. Jae-ki nunca tinha tentado algo assim, mas esperava que a professora fosse de fato boa o bastante para ensinar essas coisas. De repente seu coração deu baque quando ouviu ela falar do casal Eun-bi e Taemin. Começava a sentir uma tensão passar por seu corpo, não se lembrava como era a coreografia dessa música, porque geralmente só se interessava pelos seus gostos musicais. Mas imaginou que devia ser da época que Eun-bi e Taemin eram amigos, algo que parecia muito absurdo aos olhos de Jae.

Seus olhos arregalaram ao ouvir Taemin dizendo que podiam repetir, pior foi ver que a professora aceitou. Não podia ficar pior, sabia que isso era coisa do loiro cretino para se vingar, mas não ia deixar ele conseguir o tirar do sério dessa vez. Ao menos Jae-ki tentava se convencer disso. Conforme a professora finalizou as explicações, Jae-ki achou que havia muita frescura nessa aula, musicais? "Aigoo, musicais me dão sono..."

Logo começaram a se apresentar os novatos, Jae-ki suspirava de tédio ao ouvir Lee Ha Yi falando tão educadamente sobre o como era boa e educada. Em seguida foi a vez do homem-aranha, ele falava de um jeito diferente, meio intelectual, não era tão chato quanto a primeira, pelo menos tinha coragem, e isso poderia ser visto pelas roupas que usava. Em seguida foi a vez de Kang, o amigo respondeu de um jeito normal, isso era bom. Porém quando viu que olhavam para ele mesmo, Jae-ki notou que já tinha chegado na sua vez. O que deveria falar numa apresentação? Não importava, iria improvisar do seu jeito, mordeu o lábio inferior meio pensativo, em seguida um fez um sinal com a mão, como um cumprimento descolado, mordeu o lábio e falou seu nome:


- Song Jae-ki, é sou bolsista... Passei em 1° lugar com rendimento de 100%, deixa eu ver que mais... Sou do primeiro ano, nunca dancei, mas sei dar uns pulos legais.

Ia parar de falar, porém não conseguiu calar sua boca, precisava fazer alguma coisa a respeito de Taemin e Eun-bi, ao menos tentar salvar sua bailarina. Então logo imendou sua apresentação:

- Ahh eu estou doido para fazer essa aula, a gente não pode começar logo em vez de ficar parado assistindo quem já é bom? Dá pra ver que tem muita coisa pra fazer, então por que perder tempo?  

Clube de Dança

— Ross


avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
231

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Sex Abr 06, 2018 2:30 pm

SUN HEE - 5 P.M CAFÉ LITERÁRIO
Jung Mi permaneceu em silêncio depois que Sunny pegou o papel pardo de suas mãos. Tinha sido de modo delicado e, apesar de ter tido a oportunidade, ele não ousou tocá-la, apenas permitindo que ela puxasse o embrulho para si. Olhou para as costas dela, observando os movimentos enquanto ela guardava numa determinada gaveta. Apesar de muito pouco, quase nada, ser dito ali, a silenciosa conversa foi intensa.

E ambos estavam exaustos.

Era impossível não se sensibilizar com as expressões de Sunny. Jung Mi admitia para si mesmo que era responsável por toda aquela tristeza, mas ele ainda estava certo de que tinha feito o seu melhor! Parte de si garantia de que aquilo fora um “mal” necessário para protegê-la. Ou pelo menos era isso o que ele tentava afirmar para se sentir menos culpado.

Imaginando que a resposta de Sunny tivesse sido dada, ele apenas abaixou a cabeça e começou a virar o corpo para sair do café. Chegou a virar uns 45º quando ouviu aquela frase em tom imperativo.

“Vem.”

Quem é que tinha coragem de dizer algo assim para ele? Jung Mi não estava acostumado a receber ordens de terceiros - com exceção de seu tio e na época que ele ainda tinha uma família. Franziu um pouco o cenho, demonstrando não gostar daquele tom arrogante. O pior foi que ela nem se incomodou em esperá-lo, certa demais de que ele simplesmente iria atrás dela.

Se não sentisse aquela necessidade de se explicar, ele simplesmente teria ido embora. Mas, bem, ele devia pelo menos isso a ela. E a si mesmo.

Com passos firmes e as mãos nos bolsos, ele chegou até o corredor de prateleiras que tinha sido seu habitat durante as semanas de férias. Eram as prateleiras de arquitetura e livros de fotografia. Tinha quase certeza de que folheara a maioria daqueles livros e levado uma boa quantidade para sua casa, por alguns dias - nunca ficava uma semana, pois queria pegar o próximo. Eram boas memórias ao lado daqueles livros, mas agora eles testemunhariam uma conversa que seria, no mínimo, constrangedora.

Os olhos dele percorreram as estantes até que voltaram para o rosto de Sunny. Quando abriu os lábios, ele foi obrigado a fechá-lo e dar meio passo para trás. Aquele dedinho atrevido o pressionou na altura do peito e quase o desequilibrou. Ele retirou as mãos dos bolsos e quase como se ela soubesse o movimento seguinte, a própria Sunny recuou com o braço.

Melhor assim.

Jung Mi respirou fundo, passando as mãos pela blusa e se endireitando para encará-la. Podia ouvir a voz embargada dela, mas isso não o comovia o suficiente no momento. Já tinha sofrido agressões demais para um dia - tudo bem que ela estava irritada, mas não era a única incomodada ali. Tirou e colocou o boné de novo e a encarou.

- Eu quero te explicar o que aconteceu.

Deixou os braços caírem paralelamente ao corpo.

- Eu não menti para você ontem. Yeun Misoo não é minha namorada…- Fez uma pausa - Ainda. Na verdade, nem eu mesmo sei se ela será algum dia, disse que iria pensar.

Aquela conversa com Misoo também tinha irritado, mas foi por ter atingido o seu ego e ressuscitado o fantasma da rejeição.

- Mas para que entenda isso, preciso que você volte alguns dias comigo. - Depois de passar a mão pela nuca, ele a encarou. - Isso tudo começou depois de segunda-feira passada. Eu tive uma conversa com minha amiga de infância, uma pessoa que você conhece Seo Hyemin, mas para mim, tratava-se apenas de Minah.

Talvez fosse um choque para Sun-Hee ouvir isso. Ou nem tanto, visto que essa afirmação de Jung Mi confirmava o que Kim Joo Hyuk tinha dito no sábado. Só que era com uma vertente diferente - naquela ocasião, Kim achou que Jung Mi estivesse se aproveitando de Sunny e estava com Hyemin, mas agora ele explicava que eram amigos de infância.

Assim como Sunny e Kim - mas sem abraços.

- Eu disse a ela que não concordaria com essas agressões, que não ficaria parado ou seria omisso como fui nos últimos anos. E em dado momento, ela percebeu que eu estava diferente e eu disse que havia alguém que eu gostaria de proteger e que não diria o nome justamente por conta da louca da amiga dela, Yewon.

Suspirou no instante em que as coisas se confundiam.

- Não faço ideia como Hyemin concluiu que essa pessoa era Yeun MiSoo. Talvez porque eu a defendi naquele dia, na sala, mas não fiz por isso. Eu gosto dela, mas como minha amiga. Só que...ela concluiu assim e deve ter falado para as amigas.

Meneou negativamente. Realmente não entendia como tinham chegado até aí. O pior era que ele estava sendo completamente sincero agora.

- Eu sabia que Yewon reagiria mal, mas não imaginava que ela fosse chegar aquele ponto, de agredir uma pessoa no meio do refeitório, cheio de gente. E foi ali que decidi que…- Engoliu em seco e a encarou. - Eu não podia desmentir a história. Eu não podia dizer que não era MiSoo, porque isso levantaria novas questões e fatalmente chegariam em você. Precisei pará-la e colocar MiSoo sob minha proteção porque naquele momento foi o que pareceu mais coerente.

Fez sinal para que ela não o interrompesse.

- Não precisa dizer que você não precisa de proteção. Você precisa, você não faz ideia do que as pessoas desse colégio são capazes de você. Olhe o meu exemplo, eu acabei de manchar uma amizade de anos, declarando que gosto de uma menina quando, na verdade...Eu gosto é de você.

Parou de falar quando percebeu que tinha dito aquelas palavras finalmente. Queria tanto que fosse num contexto diferente, num momento mais feliz. Mas agora...Já tinha acontecido.

- E para não magoar uma pessoa ferida, eu menti. As coisas que eu queria ter dito para você, eu disse para outra pessoa que eu nem sei se vai aceitar ficar comigo por um tempo. Mas quando você começa a contar uma mentira, Kim Sun Hee, você não pode parar até que ela encerre o ciclo.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:38 pm, editado 2 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Sex Abr 06, 2018 3:26 pm

JAE KI - 3:30 P.M. CLUBE DE DANÇA
Quando foi a vez de Jaeki falar, ele recebeu as atenções dos presentes. Os gestos dele surpreenderam algumas pessoas do segundo ano - que começaram a cochichar, assim como tinham feito com as roupas de Ha Neul. Bomi, Eun Bi, Kang, Ha Neul e Lee Hi ouviram atentamente e chegaram a dar uns sorrisinhos aqui e ali. A professora ficou impressionada em saber que ele era o 1º lugar.

- Ouvi falar de você. - Comentou.

Não era nem por ele ser o primeiro colocado, mas sim por ter passado com 100%. Isso era um feito incrível para qualquer aluno. Tudo teria terminado bem aí, mas Jae Ki resolveu abrir a boca e falar aquilo. Bomi deixou o queixo cair, Eun Bi arregalou os olhos e os outros alunos continuaram com alguns sussurros.

“Nossa, que desrespeitoso”

“Ele não deve ter limites”

“Vamos ter que conviver com isso?


Não dava para identificar muito bem as vozes, mas pela cara de Taemin, dava para ver que Jaeki tinha perdido vários pontos em apenas uma sentença.

- Você acha que é uma perda de tempo, Song Jae Ki? - A professora perguntou com uma expressão neutra enquanto ia até o amplificador colocar a música para o alongamento. - É uma pena que a sua opinião não seja relevante aqui. Ainda mais para um calouro.

Eun Bi fechou os olhos, levando a mão até a cabeça.

Você acabou de dizer que só sabe uns pulos legais, pois eu quero que você assista e observe como eu quero que os movimentos passem a fluir em vocês. Treinar e repetir é de vital importância, mas observar quem é melhor também é uma forma de aprendizado. Taemin, Eun Bi, Minah, Jimin e Minhyun, venham para a primeira fileira. Os outros aos seus postos, novatos, aos fundos, olhem para o espelho.

Ha Neul, Kang e Lee Hi seguiram para os fundos com Jaeki. Kang olhou para Jaeki e nem conseguiu falar nada. Logo começaram a sessão de alongamentos com Black Dress do CLC como música para tal - não era a coreografia, só o alongamento mesmo. A professora ficou bem atenta ao pessoal do fundão pelo espelho, vendo se estavam acompanhando. Foi uma versão extendida da música, de modo que ficaram cerca de cinco minutos nessa.

Quando o aquecimento acabou, ela mandou que ficassem ao fundo e chamou por Do Jimin, Ro Young, Minhyuk e Minah para dançarem Don’t Recall. Os quatro eram muito bons, podiam muito bem fazer parte de uma escola de artes da vida, mas estavam ali apenas por atividade mesmo para aliviar a tensão. Jimin era sensual, mas Minah tinha mais técnica, graça e leveza. Minhyun era um menino tímido, mas sabia se expressar muito bem, ele mantinha uma cara super focada e o corpo dele fluía. Ro Young também tinha uma boa apresentação, mas era um estilo mais largado do que o do outro menino.


Mesmo que eles tenham se apresentado em Fevereiro, eles ainda sabiam muito bem toda a sequência de passos da música. A professora acompanhava com um olho neles e outro em Jaeki - mais uma que iria persegui-los. Fez um sinal de “tá prestando atenção?”. Kang segurou a própria risada, fazendo um beicinho pra se conter. Era incrível como Jaeki simplesmente conseguia chegar nesse ponto.

A música terminou e o quarteto foi muito aplaudido. A professora chamou, então, Eun Bi, Taemin, Bomi, Ryu Ji, MiRan e Beom Su. Eun Bi se levantou um pouco nervosa, mas respirou fundo e caminhou até a posição. Ela encarou Taemin que também estava com uma expressão profissional.


Assim que a música começou, os dois não pareciam se odiarem - e não seriam os únicos casais com sintonia, visto que Bomi e Ryu Ji, assim como Beom Su e MiRan pareciam se entender muito bem naqueles passos.

Jaeki nunca tinha dito uma oportunidade de ver Eun Bi dançando antes, mas agora teria a comprovação de que ela tinha nascido para aquilo. Ela sabia ser envolvente - até mesmo sensual - enquanto fazia os movimentos sinuosos da música. Apesar de Bomi e MiRan seriam lindas e dançarem bem, era a bailarina quem roubava a atenção mesmo. Para piorar, Taemin também tinha muito controle da música, das oscilações e encaradas.

Eles deveriam ter treinado muito tempo aquela música, passado muito tempo juntos. Kang já segurava o amigo para que ele não avançasse lá - e agradecia por Won não estar ali, porque podia jurar que Bomi e Ryu Ji também eram um casal. Foram quase 4 minutos de pura tortura - 4 minutos no inferno. E quando a música acabou, a turma estava chocada e animada, quase pedindo por mais.

Eun Bi respirava de forma ofegante, mas sorriu de modo timido para os aplausos. A professora só sabia aplaudir também.

- Maravilhosos. Song Jae Ki, você acompanhou com atenção? É bom que sim...Quero que aprenda as duas coreografias e me apresente sozinho na semana que vem. Se quiser tomar aula com Taemin ou Minhyun, creio que eles não vão se opor.

- Meu.Deus… - Kang sussurrou.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:40 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Jae-ki em Sex Abr 06, 2018 4:43 pm


Jae-ki engoliu a seco quando a professora o respondeu desse jeito, se fosse na escola antiga já estaria respondendo, mas aqui tinha que aguentar esses desaforos. Tudo bem, iria conseguir, tentava por na mente esse pensamento. Durante o alongamento, se esforçou para fazer o melhor, não era ruim como um sedentário, porque era acostumado a alongar antes de treinar hapikdo. Apesar de não ter a flexibilidade de um dançarino, não era completamente duro.  

Ele assistiu a primeira apresentação quieto, era até interessante, parecia mesmo legal dançar. Queria ensinar passos legais a sua irmã para ela ter algo legal para mostrar para as amigas, já que não tinha como se gabar com brinquedos e outras coisas. Faria Soo-ji se destacar de outra forma que não fosse pelo dinheiro. Só não curtiu as partes que os garotos ficavam muito próximos das garotas. Mal podia imaginar o que viria a seguir. Viu o olhar da professora, e Jae-ki forçou um sorriso e meneou positivamente para ela. Estava tentando dar o seu melhor para conviver ali. Até balançou a cabeça curtindo a música, se ela ia pegar no seu pé, então mostraria que aluno "bonzinho" ele era.

Quando foi a vez de Eun-bi dançar, respirou fundo, o rosto já começava a ficar vermelho de raiva. Foi só ver aqueles movimentos, como ela parecia tão sensual e perto de Taemin, não dava para dizer que tinham brigado antes vendo eles dançarem agora. Quando chegou na parte que Taemin tocava o corpo dela, queria se levantar para interromper essa pouca vergonha, mas Kang o segurou o lembrando de onde estava. Seu amigo ao segurá-lo poderia perceber que Jae-ki estava tremendo todo. Tinha raiva da professora que permitia uma coreografia dessas, odiava como Taemin ficou tão perto dela, como encostava nela... Mas por fim estava com raiva de Eun-bi por aceitar e permitir isso. Ela nem ao menos demonstrava que estava incomodada, isso deu um nó enorme na mente de Jae-ki. Era sim uma verdadeira tortura para ele. Mas não se levantou, lembrou de Soo-ji. Além disso, se nem a bailarina foi contra, de que adiantava ele tentar defender ela agora? Jae-ki não entendia, pelo menos não ainda, o sentido profissional disso. Para ele ou Eun-bi era muito burra para aceitar o que a professora pedia, ou realmente tinha gostado.  

Mas pior foi quando a professora dirigiu a palavra para ele. Seu semblante parecia estar pegando fogo, e o olhar assassino como se quisesse matar alguém. Depois que ela terminou, se levantou e olhou para aquelas alunos que estavam ali, não deixou de lançar um olhar para Eun-bi. Tinha muitas coisas que queria dizer a professora, e todas passavam por sua mente como um furacão. Kang ou quem tivesse perto poderia notar que as suas mãos ainda tremiam, não de nervoso, mas de raiva. Já ia abrir a boca para cuspir todo seu ódio, quando palavras de Sunny estalaram na sua mente, aquelas da mensagem. Jae-ki engoliu mais uma vez a seco sentindo a garganta apertar, como se tivesse colocando para dentro todas as verdades que gostaria de falar, até doeu.

Depois de fazer isso, forçou um sorriso olhando para professora, sentia seu sangue ferver e um calor como se tivesse compressando sua cabeça, mas manteve o sorriso e respondeu:


- Sim, eu prestei muita atenção. A senhora é mesmo uma ótima professora. Foi incrível - Disse essa última palavra com certo peso, sentiu a boca seca quando continuou - Só que como você disse, eu sou calouro, eu não sei nada de dança. Posso fazer uma pergunta?

Jae-ki umideceu os lábios para continuar:

- É que só para confirmar, não tem problema caso eu tenha que encostar a mão no corpo das garotas, igual fizeram agora, desde que seja da coreografia? Nenhum pai vai me fazer ser expulso da escola se eu dançar isso com uma garota? Sabe como é, eu sou bolsista, acho que nem todo mundo curte essa ideia, então... Não quero correr riscos... Ah e não preciso de ajuda, não quero incomodá-los, vou treinar sozinho.

Quem o conhecia, provavelmente notaria que tinha algo errado em seu sorriso aparentemente calmo, no seu olhar daria para os que o conheciam ver que uma bomba estava prestes a explodir ali dentro. Uma gota de suor escorria pela sua testa lentamente. Jae-ki faria tudo pela irmã, e se tivesse que ser humilhado para isso, faria. Já tinha errado muito no começo, mas agora precisava fingir que era um otário se isso significava que ela não iria ser pisada no futuro, aguentaria ser pisado então. Só que no momento esse não era seu único motivo para ser falso desse jeito, havia uma esperança lá no fundo do seu coração, a esperança de que a vingança seria muito doce se não fizesse como Taemin esperava, se conseguisse se tornar tão bom quanto eles e depois dar o troco. Jae-ki estava começando a conhecer um outro lado seu.
Clube de Dança

— Ross


avatar
Dorama
Localização :
Songpa- gu

Data de nascimento :
07/05/2004

Mensagens :
231

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Convidado em Sex Abr 06, 2018 5:25 pm


- Ah! Foi na ópera sim. Um mal entendido… - deu uma risadinha de culpa  - Fiz algo não muito gentil pra ele, que acho que a ommoni viu, por isso ela estava brava comigo… Mas Park Hyun Hee não me entregou e me elogiou no lugar. Também ouvi falar coisas ruins sobre ele na escola e até acreditei nelas, mas agora acho que estão errados… - ponderou um pouco sobre o assunto antes de continuar  - Ele não parece ser amigo de ninguém da nossa turma. Quando chamei ele para o grupo eu só estava querendo ajudar… - apesar das circunstâncias em que tinha o chamado, essa era mesmo a intenção de MiSoo  - Talvez eu deva mais desculpas para ele por ter o colocado de frente para o irmão…Pensando bem, parece que gostam de espalhar fofocas sobre ele. Hoje tinham espalhado uma foto dele abraçando uma garota… Acho que na escola. - estavam perto das armários pelo que se lembrava.

Respondeu a pergunta da avó e acabou falando bem mais sobre o assunto, um pouco carregada pela conversa. Enquanto a avó dava seu ponto de vista do que tinha acontecido com MiSoo, a garota continuava a beber o chá bem devagar, no automático, prestando bastante atenção em cada palavra da Sra. Kwon.

“Algumas coisas simplesmente acontecem”. Então era assim que deveria pensar nisso? Ninguém tinha controle desses sentimentos? Explicaria, em parte, porque EunBi tinha começado a gostar de um garoto que nem deveria conhecer direito.

MiSoo começava a achar que criaria um dano irreparável na amizade dos dois garotos se precisasse escolher um depois dos conselhos da avó, tinha esse problema de pensar em si depois dos outros em alguns casos.

A conversa a deixava agitada e ela já tinha terminado toda o chá de sua xícara sem se dar conta. Complicado eram os problemas de matemática do professor terrorista, difícil mesmo era ter que tomar esse tipo de decisão.

MiSoo fiz um biquinho contrariado ao ser chamada de inocente. Na verdade sabia que era mesmo e que tinha dificuldade com situações mais complexas, mesmo assim não podia deixar de fazer a careta ao ser lembrada disso. A careta se dissolveu para uma uma meio tristinha com a menção de que ela se culpava por coisa que não eram de sua responsabilidade.

Não eram mesmo?

MiSoo meneou a cabeça concordando com Yoo Ri sobre pensarem sob outra perspectiva.

Gostarem as duas do mesmo garoto???

MiSoo inflou as bochechas em uma expressão irritadinha, pois tinha pensado em JaeKi. E claro que isso nunca ia acontecer! Nunca iriam gostar do mesmo garoto!


Apesar disso tentava entender a avó, apesar de ser um pouquinho difícil para ela.

- Eu escolheria a EunBi, é claro! - parecia bem óbvio para ela, eram amigas desde sempre, por isso mesmo respondeu sem nem precisar pensar.

Coçou a cabeça, não escondendo a careta de confusão.

- Ah… ahn?... Depende..? Mas… Mesmo assim… Senão culpa, então… éééé… é uma situação ruim de qualquer forma. Como se todo mundo saísse perdendo no fim. - agora começava a sentir um pouco de dificuldade de expressar o que lhe vinha à mente, estava confusa  - Oh…. Acho que faz sentido. Eu não posso fazer nada pela amizade deles quando eles mesmo que criam esses problemas… Tem razão…

E… Jung Mi tinha feito a escolha dele? Isso não implicava que ele já sabia de tudo?? Quantas pessoas mais sabiam o que estava acontecendo antes de MiSoo? Essa ideia lhe deixava meio irritada.


- Está bem, halmoni… Vou tentar pensar sobre isso… - a resposta saiu meio desanimada, ainda não estava muito contente com nada daquilo.

Parecia haver muitos problemas no caminho antes de se decidir sobre a situação.

- Não são fáceis… Eu sei. - deu um sorriso complacente para a avó  - Eu imagino, halmoni. - mas as próximas palavras de Yoo Ri deixaram MiSoo um pouco emocionada, escolhas dolorosas, mas que tinham lhe levado até o momento em que estavam  - Aish, halmoniii! - alargou o sorriso  - Então estou feliz que tenha as feito. - deu um abraço bem caloroso na avó como se estivesse agradecendo por tudo o que ela fazia pela garota.

Era mesmo a melhor halmoni do mundo!

— Ross
Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Won-Bin em Sex Abr 06, 2018 7:28 pm



Won prestou muita atenção nas instruções de Hyesang no preparo dessas receitas e como executa-las. Movimentos muito precisos como desenhos no café ele só conseguiria com a mão direita, o que poderia tornar mais difícil, mas se esforçou para emular a chefe com o máximo de precisão possível.

”Um café é muito mais complexo do que imaginam. Olha só o que eu tenho que fazer com o café? Como raios você desenha num no café!?”

Won anotou as receitas e nomes das bebidas para pesquisar em casa depois: já tinha algo pra se distrair a noite além dos estudos.
Um novo desafio interessante e que empolgava Won um pouco.

Notou a chegada de Ji-Hyun, ainda um pouco abatida mas melhor, e a encarada da chefe.

”Ela definitivamente sabe de algo, ou pelo menos suspeita” concluiu. Apenas acenou com a cabeça levemente para Ji-Hyun e continuou o trabalho.

Os outros dias não foram atípicos, aquele café tinha muito movimento mesmo. Inundado por pedidos, novas formas de fazer o café e suas receitas e muito o que fazer o tempo acabou voando.

”Se ela não veio até agora não deve vir hoje...droga, será que eu fiz ela não querer vir aqui nunca mais? Aish eu tenho que me controlar” a distração mental vinha às vezes mas não podia focar nela, estava trabalhando bastante.

O dia se aproximava mais do fim, 08h30, até Ji-Hyun parecia meio cansada quando ficou ao lado.
”Mas ela parece um pouco melhor pelo menos. É bom poder se distrair um pouco nem que seja trabalhando duro”
Sorriu levemente quando ela olhou pra ele, tinham sobrevivido a maior parte do dia.

Poucas coisas faziam o tempo congelar para Won. Mas ultimamente a maior era ela: de repente nada mais chamava a atenção, apenas Bo-Mi passando pela porta e se aproximando.
E ela estava...tensa? O que tinha acontecido com a confiança de sempre?

”Será que ainda está assim por conta do que rolou mais cedo hoje ou...droga, deve ser por conta de ontem”

Ela não conseguiu sorrir, mas Won conseguia. Por dentro sentia nervosismo mas deu um sorriso simpático mas discreto ao mesmo tempo.

-Oi… - ia já perguntar do pedido dela, ia até arriscar falar que era o smoothie de baunilha, mas Hyesang foi mais rápida e com muita agilidade social fez o atendimento dela.

”Por que ela tá fazendo isso?” isso era confuso. Ela tá tentando evitar outro ocorrido que nem ontem?”

Assentiu com a cabeça, um tanto exasperado, quando a chefe o mandou fazer o smoothie.

Se virou, já sabendo o processo e a receita e começou a fazer. Com o olhar um tanto confuso agora que estava de costas para ela, Won não entendia bem o que estava acontecendo ali.

”Droga, se ela tá com algum problema eu queria ajudar...aish, tudo que eu posso fazer agora é o melhor smoothie de baunilha que eu já fiz na minha vida”

Colocou esmero naquela bebida, faria da melhor maneira possível.

”E eu já fiz três na minha vida toda que foram umas horas atrás”

Café Beautiful

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seoul

Mensagens :
195

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Dong Hee Kyung em Sab Abr 07, 2018 3:52 am


- Outro café? Está me deixando mau acostumado. - Ele gostava e muito, a garota sabia até a temperatura, segurando suas coisas acompanhou Stella para fora da loja, onde pode se sentar no local indicado por ela. - Sim senhora, Doutora Jun.

Nessa altura do campeonato Dong só menea o queixo positivamente fazendo o oculos de armação retangular descer pelo nariz. - Uhhh... - Fez um sonzinho engraçado como se estivesse doendo, isso que Jun parecia ter mãos de fada ao aplicar a limpeza com ága e agora a cobertura de gaze esterelizada, ele olhou por uns segundos... o adesivo estava bem colocado, mas a posição dele parecia um pouco errada...


Por educação Dong se segurou e não disse nada mas ela veria o olho direito dele tremendo de leve na palpebra, Kyung ficava assim por causa do toc que tinha com essas coisas. Rapidamente ele foi esquecendo isso ao sentir o alivio, graças ao produto... e a habilidade da menina. O clack da latinha abrindo ecoa de levinho, puxou a latinha para perto do nariz afim de sentir o cheirinho da bebida, então ele parou antes de beber... ficou olhando Stella estava colocando aquele emplastro na asa também.

Isso quer dizer que ela tinha uma dor semelhante, se não pior que a de Dong. Quando a menina abre o chá dela, veria ele aproximando a latinha de café do lado como se fosse para tocar de leve.


- Um brinde aos que se machucam.

Foi a unica coisa sutil que conseguiu pensar, antes de finalmente dar o primeiro gole. Quando o café desceu pela gargante ele olhou para frente visualizando a rua ali perto.


- Foi bom sim, o clube é otimo tem muita pessoas inteligentes eu me sinto como se e as peças se encaixassem, acho que essa é a melhor definição. Conheci algumas pessoas e revi outras... graças ao Kang, tem aquele Won-Bin do corredor, lembra? Parece um rapaz popular e centrado, o Kang que é bem humorado e determinado... sobra o tal do Jae-Ki, ele me soou meio ciumento com os amigos e possessivo... mas não conte isso a ele, acho que é do tipo brigão!

Deu uma risada de canto parecia estar brincando. - E o se dia como foi, tirando o... seu ombro ai. - Apontou de lado com o indicador ameaçando apertar na area, mas puxou a mão antes e voltou a beber. Stella percebe que ele não mencionou a prima...


O garoto a observava esperando sua reação, fintando um potencial bico surgir.

Horário trelele - Loja de Conveniência

— Ross
avatar
Dorama
Localização :
Seul, Coreia do Sul

Data de nascimento :
09/09/2003

Mensagens :
104

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por The Crown RPG em Dom Abr 08, 2018 11:13 pm

HEE KYUNG - 3:50 P.M. LOJA DE CONVENIENCIA
Stella deu uma breve encarada em Dong depois de colocar o adesivo. Viu que o olho dele estava tremendo por algum motivo e, então, ela olhou para o emplastro de novo, analisando de outro ângulo. Parecia certo, mas mesmo que estivesse torto, talvez fosse pior tirar agora - uma espécie de depilação antes da hora quando fosse puxá-lo. Era melhor deixar fazer efeito primeiro.

Fez um biquinho e sentou-se ao lado dele, abrindo outro pacote e colando em seu ombro dolorido. Quando achou que estava bem fixo, ela pegou sua latinha de chá verde e abriu quase que ao mesmo tempo de Dong - o clack ecoando em sintonia. Olhou para ele e sorriu com o brinde, erguendo um pouco a latinha.

- Um brinde à enfermaria. - Deu um longo gole antes de fazer a pergunta.

Sua expressão estava calma, sem bicos excessivos - ela era naturalmente bicuda. Ao ouvir sobre o clube, ela deu um sorrisinho com a explicação sobre o grupo. Conseguia compreender o que ele queria dizer. Meneou positivamente com o nome de Won Bin porque se lembrava sim, mas hesitou ao ouvir o nome de Jae Ki.

Era a segunda vez que ouvia alguém comentando sobre esse menino naquele dia. Fez uma carinha pensativa, mas riu do final. Percebeu que ele não tinha comentado sobre Hayoung e isso gerou uma suave encarada, mas que não levaria a provocar esse assunto. Preferia não falar dela, no fim das contas. E como ele preferiu omitir certas partes, ela também omitiria a relação de Sunny com Jae Ki - até porque, não era fofoqueira.

- Fico feliz que tenha feito novas amizades e gostado do clube. Só acho uma pena que a gente não tenha encontrado o clube, né?- Fez um beicinho, mas deu de ombros sem perceber.

O movimento involuntário gerou um “aish” dela e logo levou a mão até a região, passando por cima do emplastro.

- E meu dia...hm… - Ponderou. - Tirando a educação física que foi horrível, foi tranquilo. Depois do intervalo, né? O clube também é bem legal, tenho uma lista imensa de livros para ler, mas acho que vai ser divertido e conseguirei manter meu elo no lol - Jogou o cabelo, fazendo charme, mas riu por um instante. - Mas sem brincadeira, agora ficará bem puxado mesmo.

Suspirou, meio sem fôlego.

- Às 6h ainda tenho aula de piano. Comecei, né? Meu pai disse que já que eu não posso praticar exercícios físicos, apesar de fazer pilates… - Umedeceu os lábios - Eu devia me dedicar a alguma área extra. Daí dentre as opções, piano pareceu a mais tranquila, até porque já estou acostumada com teclas, né?

Fez uma caretinha enquanto mexia os dedos rapidamente.

- Mas acho que vou tiltar com tanta coisa...Piano, pilates, aula de reforço, aula de edição… - Foi revirando os olhos e tombando a cabeça para trás. - Será que vamos sobreviver, Hee Kyung-shi? Aliás!

Endireitou-se.

- Como está sua agenda? Você tá atrasado para alguma coisa?
(C) Ross


JAE KI - 5 P.M. CLUBE DE DANÇA
Troublemaker tinha a ousadia e a sensualidade como marcas registradas de suas composições. Não era um passo fácil de executar, mas tanto a dupla principal quanto as outras duas duplas cumpriam muito bem o papel. Diferente de Jae Ki, eles levavam aquilo com a mentalidade do que realmente era: cover de uma dança. E isso requisitava certa dose de interpretação e desprendimento.

Apesar de não falar mais com Taemin, Eun Bi sabia separar bem as coisas e encarava aquela dança como uma tarefa. Havia um nítido prazer por parte dela, mas era por um motivo bem simples: ela amava dançar. Independente do ritmo ou se tinha algum parceiro, era durante a música que ela se sentia realmente livre e podia agir sem amarras. Durante aquela apresentação ela nem se preocupou com a reação de Jae Ki porque mergulhou naquele momento.

Quando a música acabou, contudo…

Eun Bi estava animada e ofegante, dando um sorriso timido enquanto recebia os aplausos. Ao ouvir a pergunta da professora direcionada a Jae Ki, o sorriso dela vacilou e ela ficou um pouco mais séria. Engoliu em seco diante daquela expressão que ele carregava e passou a mão pela nuca. Bomi estava se abanando um pouco, mas trocou um breve olhar com a amiga, percebendo o mesmo que ela.

Taemin tinha aquela expressão cretina de sempre. Sabia separar os momentos, mas tinha convicção de que mesmo que fosse só uma dança, aquilo deixaria o garoto irritado.

Kang ficou segurando o amigo durante todo o tempo, mas quando as atenções voltaram para eles, deixou Jae ki livre. Uma gota de suor escorreu por sua têmpora quando ouviu aqueles questionamentos para a professora. A mulher manteve as mãos no quadril e deu um meio sorriso com aquilo.

- Apesar de nenhum dos alunos ter formação profissional, eu sempre faço com que meu grupo leve os treinos à sério. Os três casais têm química, mesmo que Beom Su seja par de Go Eun Na, vocês ficaram ótimos juntos. - Interrompeu o raciocinio para elogiar a dupla.

Beom Su, o menino que tinha trejeitos “esquisitos” tinha se revelado um par muito atraente para qualquer menina durante a coreografia. Ele sorriu e reverenciou num humilde agradecimento. A professora voltou a encarar Jae Ki.

- É uma dança e deve ser levada como tal, com profissionalismo e sabendo separar as coisas. Quando você estiver no palco se apresentando, não estará carregando o símbolo de bolsista ou não, será parte do grupo, dos meus dançarinos, representará a escola. Não tem que se preocupar com nada além da coreografia. Então, fique tranquilo.

A professora nem imaginava que aquelas perguntas foram uma indireta para Eun Bi. A menina já tinha abaixado o olhar.

- 7 dias para me apresentar as duas coreografias. Se não quer ajuda dos meninos, paciência. Aos seus lugares, vamos começar a treinar a primeira coreografia.

Deu as costas e foi para a frente, esperando que eles tomassem as mesmas posições do alongamento. A música, pelo menos, não seria ruim para Jae Ki, era iKon (Love Scenario). Os passos não eram complexos até porque ela tinha um ritmo lento/moderado. A professora fez a música inteira sozinha - com os alunos repetindo, mas com erros, de todo modo. Apenas os da primeira fileira faziam melhor. Depois que passou a coreografia, ela passou a dedicar mais atenção aos alunos, repetindo cada movimento quantas vezes fossem necessárias.

Enquanto a primeira fileira ficava sustentando os passos, ela circulava para ajustar as posturas. Óbvio que a fileira de Jae Ki foi a mais procurada porque ele, Ha Neul e Kang não tinham muita experiência.

Naquele momento ela se mostrou menos grossa, porém, sem perder a rigidez. Ela queria que levassem à sério, por isso tinha uma postura determinada e mandona. Consertou alguns passos de Kang, outros de Jaeki, mas quem sofreu mesmo foi Ha Neul porque ele não tinha nenhuma coordenação. Kang enrolava melhor do que Ha Neul. Mesmo assim, ela não desistiu do trio e se manteve firme.

Até o fim da aula, eles tinham meia música completa. Fez um alongamento para relaxarem e pediu para que treinassem a primeira parte porque na aula seguinte completariam e fariam tudo.

Eun Bi olhou para Jae Ki quando a aula acabou e estava prestes a seguir até ele - alguns alunos se apressavam em sair porque 5h P.M era um horário apertado e eles teriam outros compromissos também. Porém, a voz da professora foi ouvida.

- Ya, Choi Eun Bi, venha aqui, por favor.

A menina parou no meio do caminho e virou a cabeça para a professora. Concordou e retornou até ela. As duas ficaram conversando mais para o canto. Bomi se despediu dos meninos, mas estava com certa pressa também. Kang olhou para Jae Ki.

- Você está bem? Foi interessante, né? - Tentou puxar assunto.

Conforme a sala esvaziava, eles poderiam ouvir a conversa delas. Era algo envolvendo uma das Escolas de Artes mais famosa da Coreia do Sul. A professora parecia chateada por alguma coisa que ficou sabendo e Eun Bi não ficava muito atrás. Ela chegava a abraçar o próprio braço e olhar de modo desanimado para baixo.
(C) Ross


MISOO - 5 P.M. RESIDENCIA KWON
A conversa com a avó parece ter aplacado a tormenta que havia dominado a mente de MiSoo. Não demorou para que Yoo Ri a puxasse para um abraço e fizesse vários afagos em sua cabeça. As duas ficaram juntinhas por um tempo enquanto a mais velha ponderava sobre o que poderiam fazer.

- Vou ligar para sua mãe, avisando que dormirá aqui hoje. - Foi a primeira coisa que disse. - E me dê o que devo assinar antes que eu me esqueça.

Caso estivesse com a mochila ali, Misoo poderia entregar o papel para a avó assinar sem problemas. Yoo Ri fez uma careta para aquela advertência e devolveu para a neta guardar. Seria o segredo delas - o genro certamente ficaria aborrecido caso soubesse daquilo.

O problema ainda estava no que poderiam fazer. Tinha desmarcado seus compromissos para aquela tarde e agora sobrava o que fazer. O jardim também estava bem cuidado, de modo que não havia nada para fazer lá fora.

- Hm...O que acha de passearmos? Troque de roupa e vamos ao shopping, ir ao cinema...Comprinhas? - Sorriu. - Pareço muito consumista assim? Oras, preciso retocar meu estoque de maquiagem. Acha que é fácil chegar à minha idade com esse rostinho?

Passou a mão pelo próprio rosto e ajeitou o cabelo. Sorriu de novo e encarou a neta.

- Sim, quero sair! Vamos, se arrume. Inclusive, quem vai dirigir sou eu, sem motoristas!

Avós realmente existiam para estragar os netos. MiSoo estava cheia de dever de casa, mas a avó não parecia se importar com o colégio, por enquanto. Ainda a convidava para comprar produtos de beleza - ou o que mais ela quisesse. Isso se ela não preferisse ir ao cinema, daí poderiam deixar as compras para algum outro momento.

Uma coisa que Yoo Ri não aceitava era deixar a neta em casa ou trancada no quarto. Gostava de vê-la ativa e, na rua, ainda podia empurrar algumas coisas gostosas para comer. O passeio não faria bem apenas à menina, mas à própria avó também, porque ela se sentiria mais jovem assim. <
(C) Ross


WON BIN - 10:30 P.M. CAFÉ BEAUTIFUL
Bomi chegou a esboçar um pequeno sorriso para Won quando recebeu o cumprimento. Também deu um “oi” mais delicado e tímido, porém, a presença de Hyesang cortou um pouco a interação entre eles. A dona do café acabava puxando toda a atenção para si.

Ji Hyun olhava com atenção, achando muito bem feito que Hyesang colocasse um pouco de limites. Ainda lembrava que a menina nem fez nada enquanto a mãe dela ficou humilhando Won. Continuou segurando o paninho e fazendo uma cara quase atrevida, mas que foi ignorada ou pouco observada por Bomi.

No momento, a Srta. Yoon ficava olhando para as próprias mãos entrelaçadas sobre o balcão. Vez ou outra, ela olhava para as costas de Won, observando o movimento dos ombros dele enquanto esperava por seu smoothie - não ficava por muito tempo porque tinha medo que reparassem ou que suas bochechas a entregassem.

O nervosismo de Won talvez fosse o único empecilho de fazer um smoothie 100%. Mas Bomi gostaria de qualquer modo - apesar dele não saber disso. Quando ele entregasse a bebida, ela receberia com seu típico sorrisinho e pegaria com as duas mãos.

- Komawo… - Respondeu ainda o encarando e olhou para Hyesang. - Hyesang-shi...Eu não tenho nenhum crédito no café. Caso queira ficar abatendo alguma coisa, tire da conta de minha ommoni. Não gostaria de ficar me lembrando daquele episódio, a bebida nem cairia bem.

Retirou o cartão do bolso do short e direcionou para a caixa. Hyesang cerrou um pouco os olhos.

- Não quero causar confusões aqui. E já pedi desculpas para Won Bin-shi, mas não a você. Perdão pelo episódio de ontem.

- Você sabe que gosto de você e de seu irmão. São como o tio de vocês, mas entenda que eu não quero ver abusos com meus funcionários. Seria muito incômodo se sua mãe entrasse por aquela porta com você aqui e criasse outro problema.

- Eu sei, por isso eu vim sem que minha mãe soubesse. Ela não está em casa, portanto, não se preocupe. Como disse, não quero causar confusões a você, muito menos ao Won Bin-shi. Nós somos amigos.

Olhou na direção dele ao afirmar isso e deu um sorriso iluminado. Ji Hyun franziu um pouco as sobrancelhas enquanto Hyesang observou aquilo com certa desconfiança.

- Amigos...Sei. - Passou o cartão de Bomi e entregou a ela.

- Sim. Espero que agora tudo esteja resolvido. Obrigada. - Reverenciou a mais velha e lançou um último olhar na direção de Won.

Seria um pouco difícil dele compreender, mas ela tinha um sorrisinho mínimo e misterioso. Deu um gole no smoothie e fez uma cara de aprovação antes de sair do café. No fim, ela tinha cumprido sua promessa de ir até o trabalho dele, mas como o clima estava demasiadamente denso, ela preferiu não ficar.

O que não quer dizer que não esperaria por ele.

O expediente de Won seria até as 10:30 P.M - oficialmente acabava às 10h, mas ele tinha que arrumar a parte dele. O café fechava como um todo às 12 A.M, como boa parte dos negócios da Coréia. Quem ficava até esse horário mais avançado era Hyesang ou o noivo com mais um funcionário de plantão. Ji Hyun tinha saído uma hora antes de Won e nem chegou a explicar o que tinha acontecido com ela - talvez noutra oportunidade ela desabafasse com ele.

Apesar do dia ter sido positivo, Won podia começar a sentir a ausência do TKD. Nesse horário, era pra ele ter treino - quando treinava a semana inteira, pelo menos. Porém, lá estava ele saindo do trabalho depois de um dia exaustivo.

Quando achava que tudo tinha acabado, ele poderia ver uma pessoa sentada num banco próximo à praça. Bomi ainda usava as mesmas roupas de antes apesar do frio que começava a fazer à noite. Ela estava mexendo no celular, como geralmente fazia e não parecia muito atenta à movimentação. Encheu as bochechas de ar e relaxou no banco antes de erguer o olhar e ver Won.

A cara emburrada foi mudando pouco a pouco e ela começou a se levantar.
(C) Ross


Última edição por The Crown RPG em Sex Abr 20, 2018 7:43 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Dorama
Localização :
Coreia do Sul

Mensagens :
1215

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 4

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum